PLACAR

Em busca do tetra, Iga enfrenta a ascendente Paolini neste sábado

Foto: Julien Crosnier/FFT

Paris (França) – Tricampeã de Roland Garros e líder do ranking mundial, Iga Swiatek disputará sua quarta final em cinco anos em Paris e vai em busca do quinto Grand Slam da carreira. A polonesa entra em quadra às 10h (de Brasília) deste sábado para enfrentar a italiana Jasmine Paolini, número 15 do mundo e que vive o melhor momento da carreira.

Swiatek venceu os dois jogos que fez contra Paolini no circuito. O primeiro foi ainda em 2018, no saibro de Praga, quando a polonesa tinha apenas 16 anos e fez 6/2 e 6/1. O segundo encontro entre elas foi na estreia do US Open de 2022, e a número 1 do mundo marcou as parciais de 6/3 e 6/0, abrindo o caminho para o título em Nova York.

A primeira conquista da polonesa em Paris foi em 2020, quando o torneio foi realizado em outubro por causa da pandemia. Na ocasião, ela tinha 19 anos e ocupava apenas o 54º lugar do ranking. Superada nas quartas no ano seguinte, Swiatek voltou a ser campeã de Roland Garros em 2022 e 2023, já como número 1 do mundo. E por isso, defende uma invencibilidade de 20 jogos no Grand Slam francês.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no WhatsApp

Na lista entre as maiores campeãs de Roland Garros na Era Aberta, Swiatek já aparece empatada com Serena Williams, Monica Seles, Arantxa Sanchez e Margaret Court (que tem ainda mais dois títulos na fase amadora do tênis). Ela pode igualar as quatro conquistas de Justine Henin e ficar atrás apenas de Chris Evert, com 7, e Steffi Graf, com 6.

Paolini estava fora do top 50 há um ano e será top 10 após Roland Garros

Já Paolini tenta coroar o momento de franca evolução que vive no circuito. Aos 28 anos, cinco a mais que a adversária deste sábado, a italiana disputará sua mais importante como profissional e entrará no top 10 a partir de segunda-feira. Provisoriamente está subindo para o sétimo lugar e pode chegar ao top 5 se for campeã.

Há exatamente um ano, durante edição passada de Roland Garros, ela ocupava apenas o 53º lugar do ranking e nunca havia superado a segunda rodada de um Slam. Isso já mudou em janeiro, com a chegada às oitavas na Austrália, e foi superado em Roland Garros. Nesse intervalo, ela também venceu seu primeiro WTA 1000 em Dubai e conquistou o título de duplas no saibro de Roma, ao lado da compatriota Sara Errani. As duas italianas também estão na final de duplas em Paris.

Na Era Aberta, apenas duas italianas foram campeãs de Grand Slam. Francesca Schiavone conquistou Roland Garros em 2010, além de ter sido vice no ano seguinte. Ainda em Paris, Sara Errani foi vice em 2012. Já Flavia Pennetta ganhou o US Open de 2015, numa final italiana com Roberta Vinci.

Origem polonesa de Paolini e idioma comum

Uma curiosidade entre as duas finalistas é o idioma comum. Elas trocaram palavras e cumprimentos em polonês no intervalo entre as duas semifinais da última quinta-feira, quando Swiatek derrotou Coco Gauff e Paolini passou pela russa Mirra Andreeva. A italiana é descendente de poloneses e ganeses por parte de mãe. E uma de suas avós vive em Lodz, na Polônia.

Campanhas, pontos no ranking e premiação 

Assim como aconteceu em seus dois últimos títulos em Roland Garros, Swiatek cedeu apenas um set no torneio. Mas desta vez, ela ficou muito perto da eliminação na segunda rodada, salvando um match-point contra a japonesa Naomi Osaka, no encontro da atual número 1 com uma ex-líder do ranking. A polonesa ainda venceu duas campeãs de Slam, Marketa Vondrousova nas quartas e Coco Gauff. Outro jogo marcante na campanha foi o duplo 6/0 contra a russa Anastasia Potapova, em apenas 40 minutos. Ela passou 8h50 em quadra ao longo do torneio.

Já Paolini foi ao último set em três jogos seguidos, contra a canadense Bianca Andreescu na terceira rodada, diante da russa Elina Avanesyan nas oitavas e contra Elena Rybakina nas quartas. Foram duas vitórias contra campeãs de Slam, Rybakina e Andreescu, e o triunfo sobre a cazaque foi o primeiro dela contra uma top 5. Ela tem 9h58 de tempo em quadra. O título de Roland Garros dá 2 mil pontos no ranking e um prêmio em dinheiro de 2,4 milhões de euros. A vice ganha 1.300 pontos e 1,2 milhão de euros.

Veja o histórico de duelos entre Swiatek e Paolini

2022 – US Open – sintético – primeira rodada – Iga Swiatek, 6/3 6/0
2018 – Praga – saibro – segunda roada – Iga Swiatek, 6/2 6/1

Leia mais: 

Iga: “Cresci muito depois do jogo com a Osaka”

Henin destaca o domínio de Swiatek no saibro: “Ela é muito forte.”

Finalista de Roland Garros, Paolini já ganhou um título no Brasil

Finalista, Paolini admite: “Nunca sonhei em vencer um Slam”

2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Marcelo Guerreiro
Marcelo Guerreiro
15 dias atrás

Iga Swiatek, 6/2 6/1

Viviane
Viviane
14 dias atrás
Responder para  Marcelo Guerreiro

Caramba! E não é que vc acertou?!

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Alcaraz e Murray: treino entre campeões em Queen's

Os melhores lances da campeã Boulter na grama de Nottingham

PUBLICIDADE