PLACAR

Iga: “Cresci muito depois do jogo com a Osaka”

Foto: Nicolas Gouhier/FFT

Paris (França) – Tricampeã de Roland Garros, Iga Swiatek está mais uma vez na final do Grand Slam francês e a uma vitória de um novo título em Paris. A polonesa cedeu apenas um set no torneio, como já havia acontecido nas duas últimas conquistas, mas este ano ficou ainda mais perto de uma eliminação, já que salvou um match-point na segunda rodada contra a japonesa Naomi Osaka. Desde então, a 1 do mundo passou a vencer seus jogos de forma bastante tranquila e destacou o ganho de confiança depois daquela partida com quase 3h de duração.

“Com certeza alguma coisa mudou. Eu diria que me adaptei melhor à quadra e ganhei confiança. Não é fácil jogar as primeiras partidas de um Grand Slam, porque a atmosfera é muito diferente de outros torneios. Até aquele jogo contra a Naomi, ainda não havia tido muito tempo para entrar nesse ambiente. Aquele foi um jogo intenso e ela me pressionou muito. Estou feliz por ter lidado bem com isso. E depois, o tempo mudou, parou de chover tanto e isso também ajudou no meu jogo”, avaliou Swiatek após a vitória por 6/2 e 6/4 sobre Coco Gauff na semifinal desta quinta-feira em Paris.

Invicta há 20 jogos nas últimas três edições de Roland Garros, a polonesa chegou a Paris muito motivada após os títulos dos WTA 1000 de Roma e Madri e já acumula 18 vitórias seguidas em quadras de saibro. “É uma superfície que melhora meu jogo. Minha empunhadura me permite jogar com mais spin. Posso jogar mais pontos de defesa, porque é um pouco mais lento, mas por outro lado, também tenho mais tempo para atacar. Então sinto que estou usando esses dois pontos muito bem”, explica a jogadora de 23 anos.

Domínio nos duelos contra Gauff 

A vitória contra Gauff, atual número 3 do mundo, foi a 11ª da polonesa em 12 jogos contra a rival. E o único jogo que ela perdeu durou 2h50 na semifinal de Cincinnati do ano passado. Nas demais partidas, Swiatek sequer cedeu um set à norte-americana. Ainda assim, ela fez questão de valorizar o bom momento da jovem adversária de 20 anos, atual campeã do US Open e que será a vice-líder do ranking após o torneio.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no WhatsApp

“Ela está progredindo muito. Vocês podem ver pelos resultados dela. O US Open do ano passado mostrou com certeza que ela é uma grande jogadora mesmo nessa idade. Então, é óbvio que ela ainda vai crescer. É ótimo vê-la lidando tão bem com tudo ao seu redor. Tenho certeza que teremos muitas partidas mais intensas no mais alto nível porque Coco é uma das jogadoras mais consistentes que existem”, avaliou a número 1 do mundo.

“Acho que a maioria das coisas no meu jogo funcionaram hoje, então estou orgulhosa de mim mesma. Mesmo depois de sofrer uma quebra no início do segundo set, eu sabia que poderia me recuperar rapidamente e aumentei um pouco meu nível de intensidade para fazer isso. Fico feliz por ter sido consistente com minhas táticas e apenas segui em frente no final”, complementou a vencedora de quatro títulos de Slam.

Final contra Paolini no sábado

A adversária de Swiatek na final de sábado será a italiana Jasmine Paolini, número 15 do mundo. A líder do ranking venceu os dois duelos anteriores em sets diretos, o primeiro ainda em 2018 em Praga e o último na campanha do título do US Open em 2022.

Ela se encontrou com Paolini no intervalo entre as duas semifinais desta quinta e desejou sorte à rival, que tem ascendência polonesa na família e fala um pouco do idioma, antes da partida em que italiana bateu a russa Mirra Andreeva por 6/3 e 6/1. “Jogamos há muito tempo. Então preciso me preparar taticamente, analisando o jogo dela de agora. Ela está em sua melhor temporada, então certamente mudou alguma coisa. Mas tenho que focar principalmente no meu próprio jogo”.

Subscribe
Notificar
guest
22 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Gisele Matias
Gisele Matias
6 dias atrás

Será que leva Wimbledon?

Fernando Venezian
Fernando Venezian
6 dias atrás
Responder para  Gisele Matias

Gisele, bem improvável! Ela é mais vulnerável nas quadras rápidas

Luis Ricardo
Luis Ricardo
6 dias atrás
Responder para  Fernando Venezian

tem um cara nefasto que opina aqui , que se acha o sabe tudo do tenis , e que diz “e repete “quero ver em Wimbledon “……”quero ver em Wimbledon ” como se não vencer em Londres fosse o único parámetro para definir quem é bom ou quem é ruim . Ela pode até perder lá, (na minha opinião NÃO É favorita ) mas isso em nada diminuira sua supremacia “atual” nem o fato de ser uma grande jogadora.
Não podemos esquecer que grandes nomes , mostruos mesmo nunca ganharam lá ,como Ivan Lend e o proprio Guga , e nem por isso deixaram de ser grandes jogadores na historia do tenis….

Flávio
Flávio
6 dias atrás
Responder para  Luis Ricardo

Ata já sei que esta se referindo a mim, então você se confunde a toa cara porque eu nunca disse aqui que não ganhar Wimbledon desqualifica um tenista vencedor, apenas disse que o jogo simples, limitado, sem variação, da polonesa é difícil vencer na grama sagrada só que você mistura as coisas que é surreal, ou não sabe interpretar ou não sabe mesmo ou tem má vontade de entender uma simples mensagem minha, aliás, veja o grande Guga, que é meu ídolo e espero que seja seu também, já disse que lamenta não ter ganho Wimbledon, grama sagrada, porque ele sabe da sua importância e não teve sorte de vencê-la infelizmente, pois vários tenistas mesmo vencedores querem ganhá-la porque sem ela é como se fosse um vazio na sua carreira, mas mesmo o grande Guga com sua ótima técnica não a vencendo jamais deixaria de valorizar o que ele fez pelo tênis e lembro naquela época quando era um garoto a emoção que ele trouxe e a partir dali familiares meus começaram a gostar de tênis, só que eu ainda não sabia porque era garoto e só vivia de animes e games, com o tempo eu entendi o que ele fez com toda sua garra e dificuldade ainda mais na época que era um esporte pouco valorizado no Brasil, por isso merece todo meu respeito e admiração, portanto pare de viajar e não confunda as coisas.

Samuel
Samuel
5 dias atrás
Responder para  Flávio

Sei não. Falar que Iga tem pouca variação no jogo ??? Acho que não estamos assistindo os mesmos jogos, ela voleia bem, faz smash quando precisa e tem melhorado seus saque. O segundo saque ainda tem o que progredir isso é fato. Além disso tem um mental incrível para alguém de 23 anos. E se não reparou aumentou a potência dos seus golpes. Sampras não conseguiu vender em RolangaRos e não perdeu prestígio por isso. Iga é mais vulnerável nas quadras mais rápidas. Mas o feito de ter acima de 11 mil pontos no feminino só foi conquistado pela Serena Willians. Ela está dominante na maior parte do circuito.

Flávio
Flávio
6 dias atrás
Responder para  Gisele Matias

Levar Wimbledom kkkkk, viaja não garota ali não é saibro não e ela sabe que a oportunidade de ganhar 1 slam este ano é sábado. Mas se ganhar na grama sagrada na sorte com seu tênis limitado aí o tênis feminino vai ficar cada vez mais defasado tecnicamente.

Fabio
Fabio
6 dias atrás
Responder para  Flávio

O que é tênis limitado? O saibro é o piso que mais exige dos tenistas, fisicamente e também em tática e estratégia. A grama é muito mais velocidade, quase saque e voleio, sem tantas trocas de bola. A Iga é uma baita jogadora e com certeza pode vencer lá. Sempre falam isso do Nadal, mas veja que se vc “tirar” os 14 Roland Garros dele, o que “sobra” é mais que a Imensaaaaaaa maioria dos outros tenistas, vai ter uns 5 ou 6 na história com mais Grand Slam. Então, típico comentário de quem não entende muito.

Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
6 dias atrás
Responder para  Fabio

A Iga Swiatek foi campeã juvenil de Wimbledon em 2018. Em 2023 caiu nas quartas de final para a Svitolina. Então, ela já sabe o caminho do título em Wimbledon. Eu aposto em um título da Iga em Wimbledon até ela complerar 25 anos que será em 2026.

Flávio
Flávio
6 dias atrás
Responder para  Fabio

Técnica a meu ver é um tênis com variação, ou você ainda não percebe isso? O saibro é isso aí que você disse mesmo, agora na grama é um somatório de variação que parcialmente você esta certo só que esqueceu de mencionar slices e curtas que a polonesa não sabe fazer,neste momento, agora você citou Nadal, filho ele ganhou 2 slam na grama ,incluindo uma sobre o Maestro, Federer, que é o maior vencedor lá tem que ser admirado e fora do saibro ele ganhou 8 slam que é muito e você vem mencionar que não é muito é piada né kkkk, mas tudo bem vou entender que você esqueceu disso viu. kkk

Samuel
Samuel
5 dias atrás
Responder para  Flávio

Se o tênis dela é limitado como é o tênis da Sabalenka e Coco Gouf que a Iga só tem espancado??

Fernando Venezian
Fernando Venezian
6 dias atrás

O que a Coco quis dizer com “Não temo a Swiatek! Não sou a Potapova e a Vondrousova”? Ela chamou as colegas de covardes? Que coisa desagradável!

Flávio
Flávio
6 dias atrás
Responder para  Fernando Venezian

Aí não sei ,né kkk mas pelo resultado que vi hoje, pois não vi o jogo, acho que ela não perdeu feio e sim quem deu vexame foi Potapova.

Flávio
Flávio
6 dias atrás

A polonesa deve vencer, mas deve agradecer muito a OSAKA que com sua pipocada a acordou, agora fisicamente no saibro ela é dominante isso tem que ser dito porque só perdeu para Ribakina este ano, é uma jogadora muito eficiente, mas tecnicamente a Iga é ruim demais meu Deus,que chegou à final pelos seus méritos.

Cristiana
Cristiana
6 dias atrás
Responder para  Flávio

Ruim demais? Aham…

Flávio
Flávio
6 dias atrás
Responder para  Cristiana

Tecnicamente eu acho sim Cristiana, mas fisicamente (principalmente no saibro) ela é acima mesmo e nisso eu não posso mentir.

Samuel
Samuel
5 dias atrás
Responder para  Cristiana

Cristiana esse Flávio não assiste o mesmo tenis que a maioria Iga tá ganhando a maioria da segunda e terceira do ranking e ele fala que Iga é ruim tecnicamente ? A 2 e a 3 são o que então ??

Paulo Justos
Paulo Justos
6 dias atrás
Responder para  Flávio

E ela venceu a Ribakina em quadra dura este ano. A final de Doha.

Seu amor pela polonesa esta começando a assustar!

Flávio
Flávio
6 dias atrás
Responder para  Paulo Justos

Não cara eu sou justo, tecnicamente ela é ruim porque não sabe variar o jogo, mas fisicamente ainda mais no saibro ela é acima mesmo porque no saibro para ser acima é preciso ter uma condição física exemplar e nisso ela tem e não posso mentir. Sim este ano venceu a Ribakina na quadra dura, assim como perdeu para Alexandrova que é normal ou você não acha?

Fabio
Fabio
6 dias atrás
Responder para  Flávio

A maioria aqui nunca reconhece o mérito da vencedora e sim falha na perdedora é sempre assim “só ganhou porque a outra… ou a outra pipocou por isso ganhou”.

Fabiano Morais
Fabiano Morais
6 dias atrás

O Jogo contra a Osaka foi um baita jogo, dos melhores recentemente no feminino. A final contra a Sabalenka em Madrid também foi um espetáculo!

Thiago
Thiago
5 dias atrás

Só ganhou da Osaka porque a japonesa passou a errar TUDO depois que abriu 5×2 no terceiro set.
Não foi a Iga que ganhou, foi a Osaka que perdeu.

Ramiro Cora
Ramiro Cora
5 dias atrás

pois é…. a MamãeOsaka voltando e aprendendo a jogar no saibro… “causou”!!!!

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Toda a comemoração de Alcaraz na conquista de Roland Garros

Jannik Sinner é o 29º homem a liderar o ranking profissional

PUBLICIDADE