PLACAR

Victória Barros planeja estreia profissional para 2024

por Mário Sérgio Cruz

O ano de 2023 foi marcado por experiências inéditas para Victória Barros, uma das principais promessas da nova geração do tênis brasileiro. A juvenil potiguar de apenas 13 anos se mudou para a França e passou a treinar na academia de Patrick Mouratoglou. E depois de bons resultados em torneios nos primeiros meses, contra jogadoras de sua idade, ela passou a competir contra meninas mais velhas, de até 18 anos. E apesar da maior experiência das adversárias, conquistou quatro títulos no circuito mundial juvenil da Federação Internacional (ITF). A temporada ainda não terminou para Victória, que se terá um período de treinos e torneios mais fortes nos Estados Unidos e já projeta as primeiras tentativas no tênis profissional para 2024.

“Foi um ano desafiador, mas ao mesmo tempo evolutivo e ainda não terminou. Vamos finalizar a temporada jogando os ITFs Eddie Herr e Orange Bowl e treinar um pouco nos Estados Unidos”, disse Victória Barros a TenisBrasil, a respeito de seus planos para o final da temporada. Ela ocupa atualmente o 246º lugar no ranking mundial de 18 anos. O tradicional torneio Eddie Herr começa na próxima segunda-feira, em Bradenton, na Flórida. Já o Orange Bowl tem início no dia 4 de dezembro, em Plantation.

Também no mês que vem, em 21 de dezembro, a tenista completará 14 anos, idade mínima para a disputa de competições profissionais e buscar os primeiros pontos na WTA. Pensando em 2024, a ideia é começar a temporada na América do Sul, tentando subir no ranking juvenil para buscar vaga em torneios do Grand Slam. Paralelamente, entrarão os primeiros eventos como profissional. “Vou me preparar para minha gira sul-americana e iremos focar em algumas metas no ranking e para começar a jogar os Grand Slam do juvenil. Também irei jogar os meus primeiros torneios profissionais com alguns W15”.

Trajetória no tênis e o desenvolvimento pessoal após um ano na França
Nascida em Natal, Victória teve seu primeiro contato com o esporte acompanhando a mãe, Maria Luiza, em competições de beach tennis e logo se familiarizou com as raquetes, tendo Serena Williams como principal espelho. “Meu primeiro esporte de raquete foi o beach tennis, iniciei aos seis anos de idade. Eu acompanhava a minha mãe em torneios nacionais e foi assim que o tênis chegou em minha vida. E a minha inspiração sempre foi e sempre será Serena Willians. Meu maior sonho é poder bater bola com ela”, declarou a TenisBrasil em 2022.

Depois de passar por projetos sociais e centros de treinamento de São Paulo e Curitiba, Victória começou a se destacar entre as meninas de sua idade, passando a defender o Brasil em competições de base. Logo vieram as primeiras conquistas internacionais. O título no ano passado do Open Stade Français, torneio de 14 anos jogado nas quadras de Roland Garros, a colocou de vez no radar de observadores internacionais. Patrick Mouratoglou, que foi técnico de Serena por mais de uma década, visitou duas vezes o Brasil para eventos e clínicas particulares e aproveitou a oportunidade para bater bola com a promissora tenista. “Foi uma experiência incrível estar ao lado de uma pessoa que só fala de tênis e que vive o tênis dentro e fora de quadra. Aproveitei ao máximo e escutei o que precisava melhorar”.

Agora como integrante fixa na equipe de Mouratoglou e com a experiência de conviver com tenistas profissionais de alto nível como Holger Rune e Stefanos Tsitsipas, Victória falou sobre a mudança para a Europa e do desenvolvimento pessoal ao longo do ano. “Como pessoa, posso dizer que não sou mais a mesma. Cheguei aqui falando nada de inglês, e hoje estou me comunicando bem. Já estou entendendo o francês, conhecendo outros idiomas, fazendo amizades e conhecendo famílias que vivem iguais a mim. Isso me faz entender que aqui somos todos iguais. Consegui entender como funciona o tênis, em termos técnicos e táticos. Estou crescendo a cada dia e acreditando que eu posso ir além”.

Novo técnico para a próxima temporada
Durante a primeira temporada na França, Victória viajou com o técnico Sliman Taghzouit e também teve a companhia da mãe nos torneios. Para os eventos na Flórida e também a temporada de 2024, a jogadora terá um novo técnico, o também francês Quentin Mege, que é radicado nos Estados Unidos como jogador e treinador e também faz parte do time de Mouratoglou.

Os números e conquistas de Victória Barros na temporada
Neste início de carreira pelo circuito da Federação Internacional, Victória Barros disputou oito torneios e 35 jogos. Ela venceu 31 partidas, conquistando quatro títulos, além de um vice-campeonato e duas semifinais. Os dois primeiros torneios foram no mês de maio, ambos ITF J30 em Limassol, no Chipre. No mesmo país, também ganhou um ITF J60 de Larnaca em junho.

A brasileira foi vice no ITF J100 Verbier, na Suíça, em julho. E após um período de férias no Brasil, chegou a mais duas semifinais em torneios deste nível, em El Prat na Espanha e em Maria Lanzendorf na Áustria. O maior título de sua carreira foi no J100 de Dubrovnik, na Croácia, em outubro. E seu torneio mais recente foi o J200 de Szekesfehervar, na Hungria, caindo na segunda rodada do quali.

No começo da temporada, também disputou alguns dos principais torneios da Europa na categoria 14 anos, inclusive o prestigiado Les Petits As, e conseguiu dois títulos de simples, incluindo o bicampeonato do Open Stade Français, acumulando 38 vitórias e 11 derrotas no circuito. Ela também ganhou quatro torneios nas duplas em eventos da categoria na Europa.

Conselhos de Bia nos bastidores e convivência Stefani
Quando ainda treinava no Brasil, Victória fez parte do time RTB em São Paulo e teve a oportunidade de treinar com duas das principais jogadoras do país na atualidade, Beatriz Haddad Maia e Luísa Stefani, que puderam falar um pouco sobre a convivência com a juvenil potiguar. Bia e Stefani falaram durante o confronto entre Brasil e Coreia do Sul pela Billie Jean King Cup, em Brasília, e a atual número 11 do mundo citou os conselhos para a jovem tenista nos bastidores.

“É uma jogadora muito talentosa e também muito precoce. A gente precisa cuidar muito dela, ainda mais com o mundo de hoje, com redes sociais e distrações. Tem que trabalhar bastante e ficar focadinha. Sei que ela já está conseguindo os resultados nos 18 anos e desejo tudo de bom. Ela tem o meu número e a gente sempre troca uma energia. Estou sempre na torcida. Tomara que seja mais uma brasileira para nos representar”, disse Bia Haddad Maia.

Já Luísa Stefani destacou a positividade e competitividade da potiguar. Medalhista olímpica em Tóquio, ela pôde trocar experiências com Victoria durante a recuperação da lesão no joelho no ano passado. “Victorinha é uma graça, uma menina alto astral e muito talentosa e competitiva. A gente escuta falarem muito dela, e por uma boa razão porque ela é realmente um talento incrível. Mas também é uma menina muito jovem e que tem bastante a crescer e aprender. Espero que ela esteja aproveitando bastante a França, estou vendo que ela teve ótimos resultados no juvenil, até em torneios de 18 anos, então estou sempre na torcida e espero que a gente se encontre mais vezes por aí”.

Capitã da equipe brasileira na Billie Jean King Cup e treinadora de referência nos processos de formação de atletas, Roberta Burzagli também acompanha o desenvolvimento de Victória Barros. Atualmente viajando com as juvenis da equipe da ITF, ela deverá observar a jogadora mais de perto nesta reta final de temporada. “Ela está jogando um tênis muito bom e é bastante talentosa. Temos mais contato por mensagens, mas acredito que esteja sendo treinada da maneira como jogam as europeias. Como a Bia falou, ainda é muito jovem e tem que passar por processos de amadurecimento. Mas pelo que vejo nos treinamentos que a equipe dela posta, acho que ela está em boas mãos e no caminho certo”.

Quem também elogiou bastante a jogadora é Ivan Ljubicic, ex-número 3 do mundo e que foi técnico de Roger Federer. Ele promoveu um torneio da categoria 14 anos em sua academia, na Croácia, no mês de abril e ficou encantado com a brasileira, campeã de simples e duplas na competição, especialmente por conta do repertório de golpes para sua idade.

“É uma atleta incrível fisicamente e pode fazer de tudo. Espero que não perca a criatividade e possa jogar esse tênis espetacular”, disse durante a cerimônia de premiação. “Vi alguns pontos hoje que eu nunca tinha visto em tenistas dessa idade. Você faz golpes por entre as pernas, dá drop-shots e vai para a rede… Coisas assim me fazem amar ainda mais esse esporte. Continue trabalhando duro e tenho certeza que você terá uma carreira fantástica”.

Maior reconhecimento e experiência de defender o Brasil
É inegável que a cada bom resultado que Victória tem conquistado, seu nome chama mais atenção do público do tênis e que o bom momento do tênis feminino no Brasil, liderado por nomes como Bia Haddad Maia, Luísa Stefani e Laura Pigossi também é uma fonte de motivação: “A rede social me deixa mais perto de todo mundo e agradeço a todos pelas mensagens e pela torcida. Espero que continuem, porque a estrada é longa cheia de desafios. E o time feminino é lindo, tem grandes seres humanos fazendo historia e representando o nosso país. Bia, Luísa, Laura, Ingrid [Martins] e Carol [Meligeni] são muito fofas e uma fonte de inspiração para todas nós”.

Relembrando o período em que treinou com Bia e Luísa, ela afirmou: “As meninas são ótimas. E além de tudo, companheiras dentro e fora de quadra. Eu consigo vivenciar vários momentos e fases com elas e procuro evoluir com situações novas dentro e fora de quadra. Gosto muito de observar e trazer sempre as experiências dos outros pra meu crescimento. Levo tudo isso pra minha caminhada”.

Falando em defender o Brasil, Victória fez parte da equipe que disputou o Sul-Americano e Mundial de 14 anos em 2022, junto com a gaúcha Pietra Rivoli e a paulista Letícia Marangoni, sob o comando do capitão Santos Dumont. E mesmo não estando com o time este ano, mantém o diálogo com a Confederação Brasileira, ficando à disposição para competições futuras. Isso foi confirmado por Rafael Westrupp, presidente da entidade: “Ela foi convocada, mas tinha compromissos no circuito de 18 anos. A equipe dela tem buscado um calendário mais individualizado e com torneios maiores, mas a gente a acompanha de forma próxima. Respeitamos essa opção agora de formulação do calendário e estruturação da carreira dela e de seu corpo técnico. É uma menina que gosta de competir pelo time e pelo país e sempre contaremos com ela”.

“Em 2022, fui a Prostejov e foi incrível estar com o [Santos] Dumont e toda a equipe”, disse a tenista. “Estamos sempre em contato com a CBT. Este ano, fui convocada para mundial de 14, mas infelizmente por alguns motivos burocráticos e não consegui estar com a equipe. Mas o trabalho continua, amo meu país e, onde eu estiver, estarei levantando a nossa bandeira. O foco por aqui é evoluir cada vez mais. Minha equipe cada vez está mais unida, trabalhando junto e crescendo junto”, complementou. “E que venha 2024, agradecendo a Deus e a todos que estão nos ajudando, seja com uma mensagem ou financeiramente ou até mesmo na escola. Poxa, eu posso dizer que eu tenho um time grande! E que eu posso gritar que eles me socorrem”.

Leia Mais

Momento do tênis feminino inspira jovens jogadoras

Carol e Stefani destacam visibilidade e renovação do tênis feminino

11 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Renan Biancardi
Renan Biancardi
3 meses atrás

Que menina incrivelmente talentosa e de cabeça muito boa. Espero, de coração, que consiga manter os pés no chão e a humildade que demonstra. Conseguindo, os resultados virão como consequência, porque talento sobra aí. Voa, Vic!!

Izaac
Izaac
3 meses atrás

Para mim! Victoria Barros e nossa maior promessa no tênis nacional!

Paulo A.
Paulo A.
3 meses atrás

Que maravilhosa notícia para começar o dia saber que a Victorinha já pensa em estrear entre as pros ano que vem. Talento não lhe falta para isso. Allez, Vic!

Porkuat
Porkuat
3 meses atrás

Futuro bastante promissor, mas é preciso ter os pés no chão pois é apenas uma criança, não precisa ficar se colocando pressão. Diria para curtir o momento, aproveitar a experiência e deixar as coisas acontecerem.

Ubiratan (Black)
3 meses atrás

Que maravilha! Que continue crescendo, bem treinada e acompanhada, aproveitando cada cada nova oportunidade, cada novo passo no seu tempo certo. Que venha o aprendizado e o crescimento com o estudo, o treinamento, as derrotas e muitas vitórias.

Guilherme ES Ribeiro
Guilherme ES Ribeiro
3 meses atrás

Carreira muito bem gerenciada até aqui. Gosto também do benefício como indíviduo, veja a evolução no Inglês e Francês. Mas precisamos ir com calma. Há muito chão pela frente. Mas as perspectivas são muito boas.

Helton
Helton
3 meses atrás

As respostas da menina já são de uma pessoa bem mais experiente. Orgulho nacional.

Juliano Fabrício
Juliano Fabrício
3 meses atrás

Matéria completa, Tenisbrasil está de parabéns, Victória será nossa Serena!!

Nilton
Nilton
3 meses atrás

Ótima matéria.
A menina é talento puro, diamante em estado bruto. Que seja bem lapidada!
Parece que está no caminho certo.

Última edição 3 meses atrás by Nilton
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
3 meses atrás

Bem prodígia a menina. Parece que ela nasceu em dezembro/2009, vai fazer 14 anos ainda agora em dezembro, e já está pensando em iniciar no circuito profissional. Uma ótima sorte pra ela.

Tender
2 meses atrás

Que notícia maravilhosa, é muito bom saber que essa juventude está conquistando seu espaço no tênis!

Jornalista de TenisBrasil e frequentador dee Challengers e Futures. Já trabalhou para CBT, Revista Tênis e redações do Terra Magazine e Gazeta Esportiva. Neste blog, fala sobre o circuito juvenil e promessas do tênis nacional e internacional.
Jornalista de TenisBrasil e frequentador dee Challengers e Futures. Já trabalhou para CBT, Revista Tênis e redações do Terra Magazine e Gazeta Esportiva. Neste blog, fala sobre o circuito juvenil e promessas do tênis nacional e internacional.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Quando os tenistas se machucam, mas ainda vencem

ATP seleciona as 10 melhores jogadas do ATP FInals