PLACAR

Veja as principais trocas de técnico na ATP para 2024

Foto: Reprodução/Instagram

Dezembro é um raro mês de algum descanso e marca o início da pré-temporada para os principais jogadores do circuito. Mas, em muitos casos, é também um tempo para se fazer novos planejamentos e mudanças para o ano que virá. Nesse sentido, alguns nomes do tênis masculino aproveitaram o período para trocarem o comando de suas equipes técnicas.

No top 10, a principal novidade está por conta de Holger Rune, que começará 2024 com dois treinadores de peso em seu entorno. O número 8 do mundo estendeu o contrato com o alemão Boris Becker e de quebra acrescentou ao time o suíço Severin Luthi, que trabalhou com Roger Federer e foi o capitão da Suíça na conquista da Copa Davis em 2014.

Atual 16º do ranking, Frances Tiafoe surpreendeu ao anunciar a saída do sul-africano Wayne Ferreira, após três anos de parceria. Para o seu lugar, o norte-americano trouxe o prestigiado argentino Diego Moyano, que treinou nos últimos anos nomes de ponta como o sul-africano Kevin Anderson e a também estadunidense Coco Gauff.

Campeão do Rio Open em 2023, o britânico Cameron Norrie seguirá com o argentino Facundo Lugones, com quem trabalha em tempo integral desde 2017, mas anunciou o incremento de Stephen Huss no seu time para o próximo ano. O australiano de 47 anos chega para acompanhar o canhoto de 28 anos em apenas algumas semanas do calendário.

Além de Rune, Tiafoe e Norrie, o chileno Nicolas Jarry é mais um na faixa dos 20 melhores a trazer gente nova para a sua equipe. O 19º colocado trabalhará com o argentino Juan Ignacio Chela, ex-número 15 do mundo e que esteve por sete anos ao lado do compatriota Diego Schwartzman. Eles se separaram em setembro.

Outro argentino envolvido na dança das cadeiras é Franco Davin, que acompanhará Francisco Cerúndolo, 21º na da lista da ATP. Aos 53 anos, o profissional possui um extenso currículo, já tendo trabalhado com jogadores do gabarito de Guillermo Coria, Gastón Gaudio, Juan Martín del Potro, Fabio Fognini e Grigor Dimitrov.

Um pouco mais para baixo, mas ainda no top 100, o chileno Cristian Garín tentará voltar ao top 20 (atual 82º colocado, ele já foi 17º) com a ajuda de dois treinadores: o compatriota Paul Capdeville e o russo Mikhail Youzhny, que teve duas passagens pela equipe do canadense Denis Shapovalov.

Por fim, o ex-top 6 Matteo Berrettini terá como treinador o espanhol Francisco Roig, que acompanhou Rafael Nadal por 18 anos. Em 2023, o tenista italiano conviveu com muitas lesões e disputou apenas 23 partidas, caindo para o 92º lugar do ranking.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE