PLACAR

Sinner ocupa seu lugar

Demorou um pouco mais do que se esperava, mas enfim Jannik Sinner está no lugar onde deveria estar.

A conquista do ATP 500 de Pequim nesta quarta-feira tem um peso significativo, talvez tanto quanto seu inédito troféu no Masters de Toronto, em agosto. Porque isso exigiu outras vezes adaptações a seu estilo, uma dose extra de ousadia e, é claro, competência para executar os planos traçados.

Nas quartas de final contra Grigor Dimitrov, o italiano chegou a dar sinais de cansaço ou desconforto no começo do terceiro set, mas lutou contra suas próprias deficiências e vacilos, impedindo reação. Tal esforço dava uma ideia de que ele teria muita dificuldade contra Carlos Alcaraz e ele efetivamente esteve duas vezes atrás do placar no ainda na abertura da partida.

Mas Sinner aprendeu a ser agressivo e fez um tiebreak de alto nível, o que fez toda a diferença e abriu caminho para um domínio indiscutível no segundo set, onde novamente precisou muito da cabeça para aguentar games muito longos e pontos decisivos, fechando a porta quando o espanhol teve chances de se reerguer. Foi muito oportuno no uso das paralelas e se tornou assim o único até agora com quatro vitórias sobre Alcaraz.

Havia outra barreira enorme a ser vencida: o histórico negativo de seis derrotas para Daniil Medvedev. O russo realizou uma trajetória muito firme em Pequim, ainda que tenha perdido um set para Ugo Humbert nas quartas. Sacou muito e defendeu-se de forma eficiente diante de Tommy Paul, Alex de Minaur e Alexander Zverev. Chegou com natural favoritismo à decisão.

O italiano prometeu que iria inovar, e cumpriu à risca. Ao melhor estilo Djokovic, agregou saque-voleio para aproveitar o posicionamento recuado do russo e ganhou 19 das 29 tentativas junto à rede. Nenhum dos sacadores perdeu serviço na partida, ainda que Medvedev tenha tido de salvar cinco break-points e só tenha ameaçado uma única vez o italiano, ainda no quinto game. Aliás, esse pode ter sido um ponto crucial na vitória de Sinner porque o manteve positivo o tempo todo, a ponto de encerrar o jogo com 71% de sucesso com o segundo serviço.

Por fim, Sinner ergueu o nono título da carreira e o quarto da temporada com superioridade clara nos dois tiebreaks, onde todo mundo sabe que ser ofensivo é a regra principal. O italiano ficou tão leve que brincou à vontade na cerimônia de premiação. Agradeceu Medvedev por enfim tê-lo deixado ganhar e garantiu que as seis derrotas o fizeram um tenista melhor. “Tenho treinado muito para derrotar você”.

Aos 22 anos, ascende ao merecido quarto lugar do ranking – algo que apenas Adriano Panatta conseguiu entre os italianos, lá em 1976 – já que ninguém duvida que o italiano esteja jogando mais do que Andrey Rublev, Stefanos Tsitsipas, Holger Rune ou Zverev. De quebra vai disputar seu primeiro Finals, com apoio evidente da torcida de Turim. São grandes lucros.

E mais

  • Por enquanto, não dá para pensar em saltos maiores no ranking para Sinner. Ele permanece 2 mil pontos atrás de Medvedev e está a mais de 4 mil de Djokovic, isso já falando diretamente na classificação da temporada.
  • Sinner e Medvedev poderão se cruzar novamente na semi de Xangai. O italiano tende a cruzar com Zverev ou Ben Shelton nas quartas, enquanto o russo deve pegar Korda e depois Aliassime.
  • Ainda não se sabe o quanto a confiança de Alcaraz pode estar afetada, mas difícil imaginar que ele pare em Evans, Dimitrov ou Khachanov e portanto não faça quartas. Aí os candidatos seriam Taylor Fritz e Frances Tiafoe.
  • Apenas 500 pontos separam os atuais quinto a oitavo colocados na Corrida para Turim, ou seja, Rublev, Tsitsipas, Zverev e Rune. Mais abaixo, estão Frtiz e Ruud, mas De Minaur, Paul e Tiafoe ainda podem sonhar com vaga.
  • Pequim é o último 1000 da temporada feminina e portanto é essencial para quem quer tentar vaga no Finals de Cancún. Pegula garantiu o quinto lugar e se juntou a Sabalenka, Swiatek, Rybakina e Gauff.
  • Com as derrotas precoces de Vondrousova e Jabeur e a ausência de Muchova, três lutam para entrar entre as oito: Sakkari, Ostapenko e Kudermetova. Mas todas precisam no mínimo de ir à final.
  • Stefani e Ingrid estão nas quartas de Pequim depois de notável vitória em cima de Gauff/Pegula e Bia também avançou ao lado de Kudermetova. Se vencer mais um jogo, Ingrid tem tudo para entrar no top 50.
Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br
Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Quando os tenistas se machucam, mas ainda vencem

ATP seleciona as 10 melhores jogadas do ATP FInals