PLACAR

Cahill acredita que Murray ainda tem muito para mostrar

JB Autissier/Open Sud de France

Sydney (Austrália) – Técnico do italiano Jannik Sinner, o australiano Darren Cahill defendeu Andy Murray, apesar da fase ruim do britânico. Rebatendo sugestões de que Murray deveria se aposentar para não manchar o seu legado, ele defendeu que apenas o próprio ex-número 1 do mundo tem o direito de decidir quando vai parar

“Ninguém tem o direito de dizer a Andy Murray quando vai parar. Ele tem ainda muito sobrando no tanque”, afirmou o treinador no podcast Run Home With Andy & Gazey. Ele ficou impressionado com o que viu de Murray, em um treino contra Sinner antes de o italiano vencer o Australian Open.

“Ele treinou com Sinner cerca de uma semana antes do Aberto da Austrália, deveriam jogar três sets, Andy venceu os dois primeiros e acho que Jannik teve uma folga no terceiro. Ele estava fora de si, estava jogando tão bem, enquanto Jannik também estava jogando um bom tênis”, comentou o treinador do italiano.

Cahill elogiou o desempenho do britânico nas exibições antes do primeiro Grand Slam do ano e aposta que ele possa sair da má fase. “Andy é um dos maiores competidores que nosso esporte já viu, porque nada foi fácil para ele e ele teve que trabalhar muito por tudo o que conquistou no jogo. Ninguém tem o direito de dizer a ele quando parar”, comentou.

“Ele pode jogar o tempo que quiser, não há como prejudicar sua marca. Ele veio na era de (Roger) Federer, (Rafael) Nadal e (Novak) Djokovic. Ganhar Slam naquela época era muito difícil e Andy conseguiu isso três vezes”, acrescentou Cahill, que também treinou Lleyton Hewitt, Andre Agassi e Simona Halep.

2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Henrique Max
Henrique Max
18 dias atrás

Com certeza Murray pode continuar jogando, mas a fase infelizmente é muito ruim.
Acabou de perder novamente na primeira rodada, em Marselha, para Tomas Machac

Sociedade da Neve
Sociedade da Neve
18 dias atrás

Eu ainda acho q dá pra ele ganhar um ATP 250, mas tem q ser aqueles mais fracos, tipo os depois de Grand Slam, agora mais q isso não rola.
Decidiu praticamente encerrar a carreira pra se tornar n1, ao menos conseguiu

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE