PLACAR

Thiem cogita encerrar a carreira no torneio de Viena

Viena (Áustria) – Lutando contra o próprio corpo nos últimos três anos para reencontrar a melhor forma física e técnica, o austríaco Dominic Thiem parece cada vez mais perto do fim da carreira. Se, no fim de janeiro, ele já havia dito estar-se dando uma última chance de recuperação no circuito, desta vez o fim da carreira do ex-número 3 do mundo pode ter até data para acontecer.

Segundo o portal austríaco Salzburger Nachrichten, Thiem estaria se preparando para se aposentar após a disputa do ATP 500 de Viena, que acontece no fim de outubro em sua terra natal. A publicação afirma que o tenista já começou a comunicar seus parceiros e patrocinadores sobre o seu futuro.

Embora ainda não tenha confirmado oficialmente, o campeão do US Open em 2020 planeja fazer um calendário de despedida, visando disputar alguns torneios específicos, diz o site. Para isso, no entanto, ele deverá receber convites, já que seu ranking atual, o 117º lugar, não lhe permite entrar diretamente nos grandes eventos.

Últimos depoimentos públicos já indicavam decisão

Mesmo que não tenha sido confirmada até o momento, a notícia não é de fato uma surpresa para quem acompanha a carreira do austríaco de 30 anos. Desde o início de 2024 ele vinha dando alguns sinais de que poderia abandonar o circuito ainda nesta temporada. Após a eliminação na estreia do Australian Open, ele se separou do treinador Benjamin Ebrahimzadeh e deu declarações de que estaria fazendo os últimos esforços para reencontrar seus melhores dias.

“Vejo isso como minha última chance. Voltei às quadras há dois anos depois da lesão e terminei 2022 perto do top 100 e no ano passado em 98. Se eu terminar o ano novamente perto dos 100, terei que considerar se tudo ainda vale a pena”, disse o austríaco no fim de janeiro, visando pelo retomar um lugar no top 50 ainda em 2024.

Dois meses depois, Thiem revelou ter um novo problema no punho direito, o mesmo com o qual sofreu nos últimos anos devido a uma lesão. Com isso, ele perdeu mais tempo longe dos torneios e soma apenas 14 partidas disputadas em toda a temporada, considerando qualis, chaves principais e Copa Davis. Desse total, venceu somente seis jogos.

15 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Lion
Lion
22 dias atrás

Na verdade, ele vem lutando para jogar bem já há quase 4 anos, desde seu grande triunfo em setembro de 2020. É muito tempo. Uma hora a mente pede arrego.

Marcos Antonio Vargas Pereira
Marcos Antonio Vargas Pereira
22 dias atrás
Responder para  Lion

Neste caso o corpo

Paulo Mala
Paulo Mala
22 dias atrás
Responder para  Lion

Ele deve ter cansado mesmo. Mas não chega nem perto do patamar de antes… para um ex-jogador de elite, é muito doloroso ficar tão distante e apanhando de tenistas fracos em torneios pequenos
Se ao menos ele tivesse conseguido entrar num top50, dava pra levar de boa e ganhando bem

Helton
Helton
22 dias atrás
Responder para  Paulo Mala

Por isso que eu ficava impressionado com o Bellucci. O brasileiro disputou diversos Masters 1000 e nos últimos anos ficava insistindo em jogar torneios tão “pequenos” que nem boleirinho devia ter.

eduardo
eduardo
22 dias atrás

Uma pena, 30 anos apenas.

Helton
Helton
22 dias atrás
Responder para  eduardo

O esporte de alto rendimento não é saudável.

João Sawao ando
João Sawao ando
22 dias atrás

Realmente uma pena para o tênis.30 anos e muito novo.

Ricardo
Ricardo
22 dias atrás

No auge foi um jogador espetacular. No saibro derrotou Djokovic e fez frente ao Nadal em Rolanga. Mais um grande que está bem perto de aposentar as raquetes. Obrigado, Thiem.

Helton
Helton
22 dias atrás
Responder para  Ricardo

Acho que até poderia ter engrossado ainda mais na final de 2019, mas entrou em quadra muito desgastado por causa dos horários dos jogos da semifinal e final.

Fábio
Fábio
22 dias atrás

Uma pena. Grande atleta.

Alexandre Correa
Alexandre Correa
22 dias atrás

Lembra um pouco o fim lacônico de grandes jogadores, como Guga e Del Potro, dragados por cirurgias e problemas físicos crônicos, que de outro modo teriam tido uma carreira mais longa e ainda mais vitoriosa.

Alessandro Siqueira
Alessandro Siqueira
22 dias atrás

Não fosse a expulsão de Djokovic, dificilmente o austríaco teria um slam na conta. Claro que Thiem não tem nada com isso, mas, verdade seja dita, o título do USOPEN foi a pá de cal na carreira. De lá pra cá, nada digno de nota.

Fábio
Fábio
22 dias atrás

Infelizmente grandes atletas que não tem mais competitividade. Caras que batiam de frente com o Big 3. Thiem, Wawrinka , Murray…

Gusmão
Gusmão
22 dias atrás

Da para jogar até os 40 tranquilo.
E só ver Djokovik, Monfils, Wanwrinka, Nadal acima dos 35 disputando de igual contra os outros, e jogando os maiores torneios.
O problema é que a imprensa preciosa, e ele próprio cobra resultados imediatamente,

Tem que ser resistente em permanecer no circuito, como Mananino, Dimitrov.

James Garcia
James Garcia
22 dias atrás
Responder para  Gusmão

Não dá pra jogar de graça, tenis profissional custa caro não dá pra ele investir dinheiro em equipe técnica, viagens, pra ficar perdendo de adversários medíocres e sendo eliminado até em qualificatório que não deve nem bancar os custos

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Wild enfrenta inspirado Monfils e a torcida francesa em Paris

A homenagem de Roland Garros ao adeus de Alizé Cornet

PUBLICIDADE