PLACAR

Semifinalista no AO, Yastremska conquistou seu 1º título no Brasil

Dayana Yastremska venceu a francesa Alizé Lim na final de Campinas em 2016 (Foto: Eric Visintainer)

Melbourne (Austrália) – Semifinalista do Australian Open, Dayana Yastremska disputará nesta quinta-feira o jogo mais importante de sua carreira profissional. A ucraniana de 23 anos e 93ª do ranking desafia a chinesa Qinwen Zheng, número 15 do mundo, por vaga na decisão em Melbourne, por volta de 7h (de Brasília).

No início de sua carreira profissional, Yastremska jogou alguns torneios no Brasil e conquistou seu primeiro título em um ITF de US$ 25 mil, realizado na cidade de Campinas em março de 2016. Na ocasião, a ucraniana veio do quali e precisou vencer oito jogos para chegar ao título.

Durante a fase classificatória, a ucraniana bateu Eduarda Ferreira, além da turca Melis Sezer e da italiana Bianca Turati. Na chave principal, passou pela húngara Naomi Totka, pelas suíças Jil Teichmann e Conny Perrin, além da argentina Catalina Pella na semifinal e a francesa Alizé Lim na decisão. O prêmio na época foi de 51 pontos na WTA e US$ 3.919.

Uma curiosidade é que naquele torneio, Yastremska passou mal depois da vitória na semi, mas retornou no dia seguinte para disputar a final: “Foi um jogo muito longo e estava muito quente, acho que senti demais por causa do sol”, disse a ucraniana na época. “Estava um pouco nervosa, porque era a semifinal. E depois da partida, senti muita dor no corpo, não conseguia respirar. Tive de ir para o hospital, fiz exames, mas depois me hidratei, relaxei e voltei ao hotel para me preparar para esta final. E agora estou aqui e venci”.

A chave do torneio em Campinas contou com outras jogadoras que futuramente se destacaram no circuito, casos da espanhola Paula Badosa (que chegou a ser número 2 do mundo), da norte-americana Jennifer Brady (finalista do Australian Open em 2021) e da eslovena Tamara Zidansek (semifinalista de Roland Garros em 2021).

Yastremska ainda disputaria mais dois eventos no Brasil naquele ano, um ITF profissional em Curitiba, no qual foi eliminada na estreia, e também o Campeonato Internacional Juvenil de Porto Alegre (antiga Copa Gerdau), onde foi semifinalista e eliminada pela norte-americana Amanda Anisimova.

A semifinal em Melbourne é o melhor resultado em Grand Slam na carreira da ucraniana, superando as oitavas de final de Wimbledon de 2019. Vencedora de três torneios da WTA, ela foi eleita a Novata do Ano em 2019 e chegou a ser número 21 do mundo em janeiro de 2020. Pela campanha na Austrália, ela já está voltando ao grupo das 30 melhores do mundo e pode igualar o melhor ranking da carreira se for finalista.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Reveja os melhores lances da final masculina de Wimbledon

Momento histórico: Hewett completa o Slam em Wimbledon

PUBLICIDADE