PLACAR

Prodígio desde a infância, Clervie Ngounoue é campeã juvenil em Wimbledon

Clervie Ngounoue ganhou seu primeiro Grand Slam em simples após dois títulos de duplas (Foto: AELTC)

Destaque em competições de base desde a infância, a norte-americana Clervie Ngounoue conquistou o título juvenil de Wimbledon neste domingo. Ela superou na final a tcheca Nikola Bartunkova por duplo 6/2 em 1h24 de partida. A jogadora de 16 anos não perdeu nenhum set durante os seis jogos que fez nesta semana.

Este é o primeiro Grand Slam em simples para Ngounoue e o terceiro no geral. Ela também havia sido campeã de duplas no Australian Open do ano passado, com a russa Diana Shnaider, e também em Roland Garros este ano, junto da também norte-americana Tyra Grant. A atual número 2 do ranking juvenil está atrás apenas da russa Alina Korneeva, campeã do Australian Open e de Roland Garros.

 

Ngounoue é filha de imigrantes camaroneses. A tenista nascida em 2006 passou por todos os processos de formação e teve grandes resultados. Ela começou a se destacar ainda em 2018, quando ganhou o Orange Bowl de 12 anos, e fez parte das equipes norte-americanas nos mundiais de 14 e 16 anos, com um vice e um título.

Seu primeiro título no circuito de 18 anos da ITF foi ainda com 13 anos recém-completados em 2019. No ano seguinte, jogou a final do tradicional torneio de 14 anos Les Petits as, na França. A tenista também já tem dois títulos de Slam nas duplas femininas, no Australian Open de 2022 e em Roland Garros neste ano, além de já ter disputado uma final como profissional em Austin. Ela já ocupa o 537º lugar no ranking de simples da WTA e a 326ª colocação nas duplas.

“É bom sentir que estou construindo minha carreira devagar, mas com segurança. Estou apenas tentando progredir como jogadora de tênis e esses torneios de prestígio são ótimas oportunidades para nós, juvenis, não apenas ganharmos reconhecimento, mas também evoluirmos em quadra”, disse Ngounoue após a partida.

“Este não é o fim da jornada de forma alguma, mas é um grande passo. Estou tão feliz que meu primeiro título de Grand Slam Júnior seja em Wimbledon. Espero poder voltar aqui no próximo ano como profissional. Por isso, vou tentar melhora meu ranking profissional o máximo que puder”.

Ngounoue treina atualmente em um centro de excelência da USTA na Flórida, com Jermaine Jenkins, que já trabalhou com Venus Williams, Naomi Osaka e Coco Gauff. Ela também já passou pela academia de Patrick Mouratoglou, ex-técnico de Serena Williams e onde está a brasileira de 13 anos Victoria Barros, que conquistou o bicampeonato do Open Stade Français neste domingo em Paris.

 

Dominante desde o início da partida deste domingo, Ngounoue criou dez break-points na partida e conseguiu sete quebras. Ela explorou bastante o segundo saque da tcheca para ser agressiva nas devoluções e assumir o controle dos pontos. A norte-americana liderou com folga a contagem de winners por 27 a 11 e cometeu 22 erros não-forçados, um a menos que a rival.

Depois de conseguir três quebras no primeiro set, Ngounoue passou por alguns altos e baixos no início da segunda parcial. Foram cinco quebras até o 3/2. Mas ela não permitiu à rival confirmar nenhum game de saque no set até o fim do jogo, definindo a partida com grande vantagem no placar.

Vice-campeã em Wimbledon, Bartunkova tem 17 anos e já está em fase final de transição. Ela chegou a ser número 8 do mundo como juvenil, mas focou nos torneios profissionais nesta temporada, conquistando seu primeiro título na Itália, em abril. Ela já ocupa o 348º lugar no ranking da WTA.

Tchecas campeãs de duplas, sérvia vence nos 14 anos
Pelo torneio de duplas, as tchecas Alena Kovackova e Laura Samsonova conquistaram o título vencendo as britânicas Hannah Klugman e Isabelle Lacy por 6/4 e 7/5. Já na final do torneio de 14 anos, a sérvia Luna Vujovic venceu a britânica Hollie Smart.

Jornalista de TenisBrasil e frequentador dee Challengers e Futures. Já trabalhou para CBT, Revista Tênis e redações do Terra Magazine e Gazeta Esportiva. Neste blog, fala sobre o circuito juvenil e promessas do tênis nacional e internacional.
Jornalista de TenisBrasil e frequentador dee Challengers e Futures. Já trabalhou para CBT, Revista Tênis e redações do Terra Magazine e Gazeta Esportiva. Neste blog, fala sobre o circuito juvenil e promessas do tênis nacional e internacional.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Quando os tenistas se machucam, mas ainda vencem

ATP seleciona as 10 melhores jogadas do ATP FInals