PLACAR

O ‘Goat’ maravilha. E preocupa.

Foto: Corinne Dubreuil/FFT

Por duas vezes, Novak Djokovic esteve com seu favoritismo seriamente ameaçado neste Roland Garros, em ambos os casos por tenistas com reconhecida preferência pelo saibro e com muitos anos de juventude à frente do veterano número 1 do mundo. Francisco Cerúndolo fez ainda mais do que Lorenzo Musetti, porque chegou a estar a dois games de serviço da inesperada vitória, diante de um adversário que aparentava estar avariado no joelho e sem a disposição física que sempre lhe foi peculiar.

Mas o argentino, que lutou bravamente e arrancou winners de todos os tipos, falhou nos momentos mais delicados. Pura questão emocional, e todos sabemos que isso sobra ao maior de todos. Quando agarrou a tábua de salvação, o sérvio se esqueceu da dor, de suas limitações e da maratona da madrugada ainda tão vívida. Voltou a mexer muito bem as pernas, acelerou os golpes e tentou cortar ao máximo o tempo do adversário. Poderia ainda ter simplificado a virada, não tivesse amolecido no terceiro game do quinto set, já com quebra à frente.

Djokovic fez um grande primeiro set, sem dar sinais do desgaste anterior, mas um desequilíbrio no começo do segundo set – a quadra se mostrava lisa demais – provocou algum desconforto no joelho, que persistiu pelos três sets seguintes, a ponto de vermos por diversas vezes a cena incomum de Nole desistir de ir na bola. Parecia abatido e irritado, porém jamais entregue. Fez opção corretíssima de ir muito à rede, maravilhando com voleios exigentes, porque felizmente a qualidade do primeiro saque se manteve alta o tempo todo. A rigor, foi o que o salvou durante os momentos em que Cerúndolo esbanjava confiança, porque apesar de tudo o sérvio evitou que o argentino disparasse ainda mais no placar.

Era como se esperasse uma chance derradeira, e ela veio quando o argentino não dominou os nervos, fez dupla falta e se mostrou precipitado ao sacar com 4/3 no quarto set. E por isso Djokovic mereceu demais a virada conquistada, ainda que tivesse de lutar por mais 10 games num quinto set apertado, em que a vantagem definitiva só veio a custa de grande esforço, aí muito mais por conta da evidente superioridade técnica e dos amplos recursos do número 1.

Assim, aos trancos e barrancos, com mais dois recordes espetaculares na coleção infindável, teremos a esperada reedição da final do ano passado contra Casper Ruud, outro saibrista de primeira linha. Mas será que teremos mesmo?

Em declaração muito preocupante, Djokovic afirmou na entrevista oficial que vinha sentindo um problema menor no joelho e que o escorregão sofrido pareceu maximizar o problema. Confessou ter tomado incontáveis analgésicos até enfim a dor desaparecer no quarto set, mas que não tem a menor ideia se conseguirá entrar novamente em quadra. Péssima notícia.

O norueguês perdeu os cinco primeiros duelos contra Djokovic sem jamais ter roubado um set, até que conseguiu a vitória de dois meses atrás na semifinal de Monte Carlo. Foi o melhor momento de Ruud no saibro até agora, com o vice em Mônaco e o título em Barcelona. Daí em diante, fracassou em Madri e Roma e precisou ir à Genebra para recuperar confiança.

Em Roland Garros, sofreu horrores diante de Alejandro Davidovich e viveu aperto de Tomas Etcheverry e agora de Taylor Fritz. O americano deixou escapar 5-1 no tiebreak inicial, levou o segundo set e abriu 2/1 e saque no terceiro. Por fim, se machucou e não foi competitivo no quarto set. De qualquer forma, é preciso enaltecer os elementos novos que Ruud tem colocado em seu tênis, como um saque bem mais afiado – fez 11 aces hoje – e subidas frequentes à rede (foi 21 vezes, mais do que o próprio Fritz).

A outra vaga na semifinal ficará entre Alexander Zverev e Alex de Minaur. O alemão superou mais um jogo em cinco sets, em que foi exigido o tempo todo por Holger Rune. Parece estar com a cabeça em ordem, apesar de tanta pressão dentro e fora das quadras, e tirou tudo que pôde do poderoso saque num jogo que, na verdade, poderia ter ido para qualquer lado. O dinamarquês fez um bom torneio, afinal das contas. O campeão de Roma entrará na quarta-feira com vantagem considerável de 7 a 2 no histórico diante de Alex de Minaur, que ficou tão feliz com a firme atuação em cima de Daniil Medvedev que até arriscou entrevista em francês. Uma coisa é certa: Sascha não vai ter ponto de graça.

E a lógica prossegue no feminino

Ao que tudo indica, e para deleite de quem aprecia um tênis de alto risco, Aryna Sabalenka e Elena Rybakina seguem rumo ao cruzamento na semifinal da parte inferior da chave. As duas voltaram a esbanjar força e precisão nesta segunda-feira, lembrando os bons tempos em que Serena Williams e Maria Sharapova mostraram que era possível ter sucesso no saibro à base da bola forçada e reta.

Sabalenka foi tal qual um rolo compressor para cima de Emma Navarro, que pouco conseguiu respirar no primeiro set. Desta vez, a campeã do Australian Open venceu 36 de seus 64 pontos na base dos winners, o que incluiu sete aces. E olha que o acerto do poderoso primeiro saque nem foi tão alto, com 60%. Seguiu para o vestiário sorrindo e cantando, sem defender um único break-point.

Rybakina teve um pouco mais de trabalho com Elina Svitolina, principalmente no começo da partida, em que trocaram quebras e boas jogadas. A ucraniana ainda teve uma chance de reagir no 5/3 e endureceu na hora de a cazaque fechar, mas foi só. Depois, a número 3 disparou com 4/1, dando pouco ritmo, mas vacilou e perdeu um serviço de zero. Houve tempo de sobra para recolocar a casa em ordem. Venceu notáveis 62% de pontos de devolução do segundo saque e 39% do primeiro, um padrão que coloca insegurança em qualquer adversária.

Na quarta-feira, Aryna tenta a quarta vitória sobre a jovem Mirra Andreeva, que foi superior no duelo russo sobre Varvara Gracheva para a tristeza da torcida francesa. Partida um tanto fraca no primeiro set, em que Gracheva chegou a liderar antes que a 38ª do ranking achasse seu melhor ritmo. A italiana Jasmine Paoline levou um susto diante de Elina Avanesyan e só então atropelou para atingir seu maior resultado em um Slam. Ela empata por 2-2 contra Rybakina, mas ironicamente perdeu as duas justamente no saibro.

159 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Gustavo
Gustavo
19 dias atrás

É claro que o tratamento especial que foi dado a Fedal durante tantos anos será agora dado a Sinner e Alcaraz. O estabeleshiment continuará a proteger os seus favoritos.

É o que torna as conquistas de Djokovic no tênis ainda mais impressionantes, sem ajuda.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
19 dias atrás
Responder para  Gustavo

Ajuda de que Gustavo ? . Se Carlos Alcaraz consegue aos 21 ( semana passada) possuir dois SLAM , ter atingido o TOPO já TRES vezes e vencer 6 MASTERS 1000 , e Djokovic somente conseguiu aos 24 anos , estas se referindo a qual Circuito? . Já vi que és bom de comentar bem as roupas dos Tenistas. A história do Esporte simplesmente não conheces … Rsrsrs, Abs!

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
19 dias atrás
Responder para  Gustavo

Correção: CINCO MASTERS 1000 em TODOS os Pisos . Sem falar na Grama Sagrada de WIMBLEDON. Abs!

José Afonso
José Afonso
19 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Sérgio Ribeiro, não seja bobo.

Alcaraz é jogador de extrema qualidade e competência, mas só chegou a número 1 e venceu aquele US Open de 2022 porque o maior de todos os tempos foi impedido de jogar por falta de vacina e Nadal e Zverev estavam mal fisicamente.

Isso é evidente. Tanto é que depois do retorno total do GOAT ao circuito, ele nunca mais recuperou o número 1 e ainda caiu para número 3.

Maurício Luís *
Maurício Luís *
18 dias atrás
Responder para  José Afonso

E que culpa tem o Alcaraz se o sérvio é teimoso? Toda escolha tem a sua consequência.

José Afonso
José Afonso
18 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Maurício Luis, culpa ele não tem, mas mérito também não (tem algum mérito, claro, mas não o suficiente para esses feitos).

E como eu disse, não foi apenas o sérvio, mas Nadal e Zverev também estavam mal fisicamente.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
18 dias atrás
Responder para  José Afonso

Quanta bobagem no mesmo comentário. Djokovic no auge perdeu 10 FINAIS de SLAM conseguindo a proeza de perder 3 pra STANIMAL. Porque não impediu Carlos Alcaraz em WIMBLEDON ? . Discutir o talento dos Jovens SINNER e Alcaraz e’ não conhecer o Esporte. O “ goat “ não conseguiu um Simples break contra JANNIK no AOPEN 2024 , ou seja , não impediu absolutamente nada . Nas Olimpíadas ( seu grande sonho ) , caiu para Zverev na última e DUAS vezes pra Del Potro rsrs. Abs!

Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
18 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

As conquistas que o Djokovic obteve na carreira são suficientes para colocá-lo como GOAT. Obviamente, teve vários feitos que ele não conseguiu, mas temos que reconhecer que ele concorreu com dois outros gênios do tênis, e também outros grandes jogadores como o Wawrinka e Murray e ainda que não dá pra bater todos os recordes. No AO 2024, o GOAT impediu que o Sinner ganhasse por 3 a 0, ganhar um set acho que é mais significativo do que não ter conseguido break point. A questão agora é qual o tamanho da diferença que o Djokovic vai abrir sobre o Federer e o Nadal nos títulos importantes. se ele vai parar nos números que já conseguiu ou se vai conquistar mais alguns feitos importantes. A questão de perder mais finais se resume ao fato de que só perde quem chega nelas. Acredito que é menos ruim perder nas finais do que perder antes de chegar nelas.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás

É isso meu caro.
Falar que fulano é o cara agora, em tenra idade é fácil, difícil mesmo é esse cara estar no futuro próximo, quebrando esses records que o sérvio construiu.
Certa vez vi um jovem sorrir de um idoso, quando o mesmo disse-lhe: eu já tenho essa idade, será que tu consegues chegar à mesma?

Luis Vanderley Santana
Luis Vanderley Santana
18 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Alcaraz termina 2024 como número 1

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
18 dias atrás
Responder para  Luis Vanderley Santana

LUIS VANDERLEY SANTANA, depois quero que leia minha mão…

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
18 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Perdeu 12 finais e ganhou 24.
Recordista de finais, títulos e vitórias em majors = Goat

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
18 dias atrás
Responder para  José Afonso

Correção: Duas pra STANIMAL. Alcaraz caiu momentaneamente para o TOP 3 pois se lesionou em não disputou Monte Carlo, Madri e Roma 2024 . Abs!

Rodrigo W
Rodrigo W
18 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Em RG 2015, só o prime Nadal vencia aquele Stan iluminado e confiante. No US Open 2016, Djokovic já apresentava os sinais da grave lesão no cotovelo que o afastou do circuito por vários meses. Aí foi presa relativamente fácil.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás
Responder para  Rodrigo W

Djokovic mostrou dedos dos pés sangrando naquele jogo.

Luis Vanderley Santana
Luis Vanderley Santana
18 dias atrás
Responder para  José Afonso

Alcaraz encerra 2024 como número 1,e djokovic não voltará mas ao número 1

Maurício Luís *
Maurício Luís *
18 dias atrás
Responder para  Luis Vanderley Santana

Puxa. Luis, não sabia que você era vidente. Daria pra nos passar os números da Mega Sena da semana que vem… se não lhe for muito TRABALHO?
Obrigado desde já!

Fabio
Fabio
16 dias atrás
Responder para  José Afonso

mas ganhou do Djokovic na final de Wimbledon e no piso preferido do Djokovic. Esses teus argumentos não tem fundamento

Sobrenatural de Almeida
Sobrenatural de Almeida
19 dias atrás

Caros colegas de blog, como têm passado?

Decidi que hoje assistiria à partida do sérvio velhinho, o n° 1. Joga bem, é verdade. Atropelava o argentino com tremenda facilidade. Porém, o imponderável mais uma vez ocorreu: contundiu o joelho.

A partir de então, caiu muito de rendimento. Estava praticamente de cadeira de rodas, mal corria. Não sei vocês, mas odeio quando um jogo é decidido por lesão de algum atleta. Jogo bom é jogo jogado. Decidi intervir. Sabem aquele remedinho que ele tomou? Era eu.

Não deu outra, mesmo “capenga”, o sérvio começou a acertar tudo. Mudava de direção com a facilidade habitual. E o melhor, passou a correr novamente. Como pode? O argentino, coitado, não compreendia como um jogador de muletas poderia ganhar dele. Acusou a pressão. Infalível. Obrigado? De nada.

Espero que o velhinho se recupere. Já o ajudei contra o italiano. A cota está acabando. Mas, se depender de mim, algum jogador “novo” levará o troféu. Não se chateiem. Espero estar presente nas próximas.

Abraços cordiais.

Sobrenatural de Almeida, amigo íntimo de Nelson Rodrigues e anti-Fluminense até o fim.

Fernando
Fernando
18 dias atrás
Responder para  Sobrenatural de Almeida

Nelson Rodrigues era tricolor.

Sobrenatural de Almeida
Sobrenatural de Almeida
18 dias atrás
Responder para  Fernando

Caro Fernando, peço-lhe: conte-me uma novidade rsrs!

O Nelson era Fluminense roxo e por isso criou dois personagens: a mim, que fui responsável por todas as mazelas sofridas pelo Flu, e o Gravatinha, responsável por proteger o tricolor. Daí, portanto, eu ser anti-Fluminense.

Passar bem.

Marcos Ribeiro
Marcos Ribeiro
18 dias atrás
Responder para  Sobrenatural de Almeida

rsss Boa, Sobrenatural! Eu também não gosto de vitória por contusão do adversário. Achei que você fez bem em intervir e fazer justiça ao velhinho. Espero que ele reconheça a sua ajuda e te retribua com mais do que um simples: Obrigado. Mas acho que isso vai ser difícil, as celebridades costumam ter um ego avantajado e nem perceber as ajudas que recebem. rsss

Paulo Almeida
Paulo Almeida
19 dias atrás

O voleio peixinho foi a jogada do torneio e a comemoração parecida com a da passada no Sinner em Wimby 2022. O torcedor com cabeça de bode/cabra também foi espetacular.

Quanto à lesão, só resta aguardar e torcer.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
19 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

As horas em quadra contra dois Tenistas medianos, somente o próprio é responsável. Não adianta choro . Zverev também fez duas partidas de 5 Sets na quadra escorregadia . Casper Ruud jogou menos por competência. Apenas lembrando que sem NENHUMA lesão, o Sérvio caiu cedo nos SEIS últimos Torneios disputados desde dezembro de 2023 …Abs!

José Afonso
José Afonso
18 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Semifinal é cedo? Kkkkkk

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
18 dias atrás
Responder para  José Afonso

No AOPEN não . Era amplo favorito em sua Casa. Caiu de forma vergonhosa . Abs!

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  José Afonso

Pra ele é, assim como é o único que fica romantizando a tragédia de Wimbledon 2019 para a torcida terceirete, rsrs.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Ele está sentindo um desconforto há algumas semanas e agora está de fato lesionado.

Semifinal não é precoce. Daqui a pouco vai falar que ser vice também é. Nunca aprende…

Abs!

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
18 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Precoce devido ao favoritismo absoluto. Em vez disto uma derrota vergonhosa antes da FINAL. Difícil entender não é mesmo??? . Abs !

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Caso perdido!

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Se Djokovic não ganhar mais nenhum torneio até sua aposentadoria ainda será o melhor/maior de todos, pois feitos JÁ CONQUISTADOS o colocam nesse status.
Se ainda lhe restar dúvidas, releia o texto do Dalcim, especialmente na linha onde está escrito MAIOR DE TODOS.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

PA, aquela cena do peixinho ontem, repetida tantas vezes, me fez pensar numa coisa: será que os juízes de linha, são tão treinados para olhar só a linha ao ponto de não demonstrar nenhuma reação extra, mesmo quando já não há bola em jogo?
Quando Djokovic abriu os braços no chão, o estádio todo em êxtase e o juizão que fica de olho na linha de saque parecia aqueles artistas de rua que se fingem de estátua, paralisado.
Vai ver é apenas mais um que não é fã do sérvio, nem do esporte.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Acho que são extremamente profissionais, LF. O próprio Cerúndolo deu risada.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
18 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

LUIZ FABRICIANO, não que eu morra de amores pelo nó cego e grande grande campeão Novak Djokovic, mas acaso o juiz da partida não fez um intensivão com o Raphael Claus, atual maior ladrão do futebol brasileiro e queridinho da Comissão de Arbitragem da CBF?

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

VALMIR, não conheço nem sei do fato envolvendo o citado Raphael Claus, por isso, não posso opinar.
Mas, voltando ao mega campeão Djokovic, nó cego por que?

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
18 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Porque não gosto dele nem de seu jogo, aliás, já o chamei assim diversas vezes nesta confraria…

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Sim, ou sei.
Respeito sua antipatia.
Valeu!

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
18 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

LUIZ FABRICIANO, só espero que você não tenha deixado de reparar que eu, ao mesmo tempo, me referi ao nó cego também como grande campeão, ou seja, não sou desses cuja aversão a determinado tenista lhes mói o cérebro e eles fingem que não veem quando o “inimigo” é provido de qualidade. De todo modo, agradeço pela compreensão à minha antipatia por você atribuída, até porque detesto ser simpático a todo instante, soa falso e eu não nasci pra ser hipócrita. Por outro lado, quando eu gosto, eu gosto mesmo, e faço questão de que minha espontaneidade se manifeste e demonstre. É isso, LUIZ. Um abraço…

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
17 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Reparei sim, aliás, me enche os olhos ler isso em diversas fontes.
Até sinto um certo brilho em você, quando o descreve como grande campeão, rsss.
Abraço.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
17 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

LUIZ FABRICIANO, grato pelo “brilho”…

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

O Terceirão jamais conseguiu fazer esse tipo de voleio ou aquele de saque e voleio magistral contra o Medvedev no terceiro set do USO, pois nunca teve elasticidade pra isso. Normalmente fazia só aqueles fáceis parado na rede em que só era preciso “cumprimentar” a bolinha.

Djoko é melhor voleador, pro desespero especialmente do Belarmino/Marquinhos/Vitor Hugo.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Está voleando uma barbaridade.
Qual jogador introduziu em seu “menu” saque-voleio (no saibro também) aos 37 de idade?
Ahh, mas ele é limitado!
Rs rs rs rs rs rs rs rs rs rs

José Yoh
José Yoh
18 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Fabriciano, o saque-voleio voltou como uma alternativa aos recebedores que ficam lá na placa de propaganda, pois dá tempo para isso e também pq o ângulo de uma passada diminui. É uma tendência atual, assim como a deixadinha.

Independente disso a qualidade do voleio do sérvio e a inclusão no menu é admirável na idade dele. Acho que a grande diferença dele para Federer / Nadal é a evolução constante.

Esse papo de “limitado” só pode ser brincadeira de torcida rival, já que é só ver qualquer jogo dele para perceber que é acima da média em qualquer fundamento.

Abs

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
17 dias atrás
Responder para  José Yoh

Exatamente isso Yoh!

José Yoh
José Yoh
18 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Veja o começo de carreira do Federer, cada voleio magistral. Sempre bem posicionado e muito elástico. Com o tempo, as lesões e a qualidade das passadas e lobs, isso foi cada vez menos utilizado.

Veja os dois jogando duplas e você percebe a diferença.

O suíço não dava peixinho porque um bom voleio não deve ser executado com peixinho. A chance de acertar é mínima e de machucar, grande – ainda mais no saibro.

Abs

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  José Yoh

Eu e Becker discordamos de você, Yoh. O voleio peixinho é um recurso e quem sabe executá-lo merece todos os aplausos.

Djoko teria tomado a passada se não tivesse pulado ontem, naquele contra o Medvedev e em um contra o Federer na final de WB 2019 pra salvar um 15-40 no quinto set. Há muitos outros, mas esses são os que me vêm à cabeça agora. Ele fez tudo isso depois de 30 anos e ontem com 37 e machucado!!! Logo, não posso aceitar desculpa de idade para a execução do golpe. Federer nunca teve a elasticidade do sérvio, mas eu vou verificar seus voleios quando era jovem a seu pedido.

Abs.

Rodrigo S. Cruz
Rodrigo S. Cruz
17 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

“Eu e Becker discordamos de você”. Mas essa é muito boa mesmo é claro que vc e o Becker tem a mesma autoridade de fala né? Paulinho Almeida Becker na área, “gentêemm”

Carlos Pereira
Carlos Pereira
19 dias atrás

Acho até que ND pode passar pelo Ruud, mas me surpreenderia demais se fosse mais adiante! Não assisti ao jogo hoje. Se fosse há pelo menos 5 anos, diria que esse esforço de dois jogos no quinto set seria um aquecimento pra uma grande final! De qualquer maneira, parabéns Djokovic! Os grandes atletas nunca se entregam!

Danilo BR
Danilo BR
19 dias atrás

Olá Mestre Dalcim!!! Impressionante a evolução do Fritz no saibro, hein! Qual o fundamento vc acha que ele aprimorou pra estar tão à vontade nessa superfície? Tenho achado interessante o rendimento dele nessa temporada

Sandra
Sandra
19 dias atrás

Dalcim, vc não acha que o Djokovic só vai entrar em quadra , so se ele achar que ele pode ganhar ?

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
18 dias atrás
Responder para  Sandra

SANDRA, você consegue lembrar de algum tenista que tenha entrado em quadra achando que ia perder?

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
18 dias atrás
Responder para  Sandra

SANDRA, o Francisco Cerúndolo perdeu para o Novak Djokovic por três sets a dois; pergunta: o dolo teve intenção de perder?

Cleo Lima
Cleo Lima
19 dias atrás

Dalcim, permita-me uma crítica ponderada. Ainda que Djokovic seja, de fato, o detentor de recordes espetaculares, seus textos do blog, de tempos recentes para cá, mais parecem releases enviados pela assessoria de comunicação do líder do ranking. É tanta adjetivação elogiosa, beirando o redundante, que, ao menos pra mim, o foco do texto – que, penso, deveria ser informação, ornada pelo seu sempre aguçado olhar de especialista – se perde.

Em tempo: é absolutamente natural que amantes do esporte tenham suas predileções, ainda mais quando se trata do homem que, mesmo dividindo a maior parte da carreira com Federer e Nadal, conseguiu ter números superiores. Um assombro.

Peço desculpas se pareço desaforado, criticando assim, mas já vinha sentindo esse incômodo há bastante tempo e o texto de hoje está especialmente mergulhado num júbilo que se derrama pelas linhas. Djokovic vem fazendo uma temporada a base de eventuais lampejos geniais – típicos da estirpe que reúne pouquíssimos no panteão das lendas do esporte – mas segue inspirando enorme fragilidade, vide as maratonas que precisou superar contra adversários que estão certamente dois escalões abaixo de seu nível.

Por muito menos, quando das referências a outros tenistas em situação semelhante, vemos um “fulano ainda não se encontrou no torneio, vem se arrastando” ou “a má fase de beltrano segue cristalina, parece ter perdido a intensidade”, em vez de “o gênio maravilhoso superou mais uma batalha épica, frente ao perigosíssimo ciclano. Fran Cerúndolo não tem nível para duelar com Djokovic, mas hoje só perdeu pelo mental frágil.

Enfim, espero que não leve a mal! Sou fã e leitor assíduo de Tenisbrasil há pelo menos 15 anos. Grande abraço.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás
Responder para  Cleo Lima

Talvez seja inédito, por isso o fato de vários elogios ao grande Novak Djokovic de dois posts para cá, por parte do redator – e eu também acho isso, mas gosto muito – o fato de um tenista da estirpe do sérvio, com todos os records do esporte, vir por uma temporada bem aquém do seu costume e potencial, fechar dois jogos seguidos da forma que fechou, contra adversários tecnicamente inferiores, é verdade, mas fisicamente vigorosos, sendo em média 13,5 anos mais jovens que o ator principal do post.

Rafael
Rafael
19 dias atrás

Tem que corrigir o o texto. O maior de todos eh o Federer.

Marcos
Marcos
18 dias atrás
Responder para  Rafael

Se for o maior de todos aposentado, com certeza sim.

Ronildo
Ronildo
18 dias atrás
Responder para  Rafael

Tem que seguir o espírito do texto Rafael. Dalcim não explica em que sentido Djokovic é o maior de todos. E de fato ele é em muitos números.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
18 dias atrás
Responder para  Ronildo

RONILDO, mais tarde publique aqui as estaturas de Federer, Djokovic e Nadal. De todo modo, já que você aludiu à variável sobre “maior”, minha opinião, salvo precariedade da pesquisa, é que o maior tenista de todos os tempos chama-se Ivo Karlovic, mais até que a santíssima trindade do tênis masculino. Já no feminino, a maior de todos os tempos não é Margareth Court, Steffi Graf ou Serena Williams, mas sim Lindsay Davenport. Tudo somado, RONILDO, penso que JOSÉ NILTON pode até ter se referido a quem mais maltratou a raquete na história do tênis. Este seria, portanto, o maior de todos os tempos, no quesito em questão. Mas enfim, aguardo o resultado de sua pesquisa sobre as estaturas do suíço, do sérvio e do Nadal…

Ronildo
Ronildo
18 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

É neste sentido mesmo Valmir. Há muitos “maior de todos”, em vários aspectos. Inclusive Karlovic é o maior de todos em números de aces também.

Roger
Roger
18 dias atrás
Responder para  Rafael

Com certeza. Federer é o goat do carisma, apenas monfils chega perto.

Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
18 dias atrás
Responder para  Rafael

Explica o porquê do maior de todos ser o Federer e quem sabe você consiga ser atendido.

Paulo F.
Paulo F.
18 dias atrás
Responder para  Rafael

Aquele que vivia apanhando do segundo maior de todos os tempos?
kkkkkkkkk

Ronildo
Ronildo
18 dias atrás
Responder para  Paulo F.

Apanhava no saibro

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Ronildo

No hard também até 2014. Ficou 9×6 no h2h.

Ricardo - DF
Ricardo - DF
18 dias atrás
Responder para  Rafael

Federer é o goat do talento. Djoko o maior vencedor, por enquanto. Uma máquina de rebater, quase invencível quando está 100%. Sinner é um Djoko mais jovem, com smash ainda pior que o sérvio… rsrs

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Ricardo - DF

Federer não é GOAT de nada. Não tem recordes relevantes e é freguês dos rivais.

Luiz Fernando
Luiz Fernando
18 dias atrás
Responder para  Rafael

O maior freguês dos companheiros de Big3, isso ninguém discute, estou de acordo kkk…

Ronildo
Ronildo
18 dias atrás

Resumo 1: Cerundolo venceria, só não venceu porque falhou.

Resumo 2: Nas quartas Djokovic vai enfrentar um tenista que quase foi fritado por Fritz no saibro, mas salvou-se da fritura no último segundo por uma espécie de raio cósmico invisível.

Gustavo
Gustavo
18 dias atrás

Djokovic e sua equipe têm uma decisão difícil pela frente, se fosse a final, jogaria com analgésicos, mas como está na fase de QF é um risco que ele possa piorar a lesão em potencialmente mais 3 partidas e então pode acabar faltando Wimbledon, Olimpíadas e US Open.

Rogerio Silva
Rogerio Silva
18 dias atrás
Responder para  Gustavo

Acho que isso vai pesar bastante na decisão dele.
Não acredito que ele queira colocar Olimpíadas em risco.

Maurício Luís *
Maurício Luís *
18 dias atrás

Por mais que um torneio seja importante, acho uma temeridade o atleta se entupir de analgésicos pra mascarar a dor e seguir adiante.
Agora é aguardar pra ver qual a consequência disto.
Mas Nole não é o único. Nadal também era mestre nisso.

Marcelo Costa
Marcelo Costa
18 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Eu pra jogar o torneio de equipes do clube tomei um monte de anti inflamatório, quem dirá um atleta profissional de altíssimo nível.

Rodrigo Lightman
Rodrigo Lightman
18 dias atrás

O maior de todos foi o Sampras que venceu sua última partida profissional numa final de Grand Slam, depois vem a turminha do big 3. O Djokovic ainda tem chance de ser o maior de todos. Veremos!

Denis
Denis
18 dias atrás

Boa noite Dalcim

Seria essa uma das piores participações brasileira em um grand slam? Todo mundo em simples, duplas e até no juvenil perdendo na primeira ou, no máximo, na segunda rodada. Ainda teve as desistências da Luísa e do Wild nas duplas. Terrível!

Abs

Paulo A.
Paulo A.
18 dias atrás
Responder para  Denis

E hoje a promessa Luiz Miguel saiu de bicicleta de seu jogo de 2a rodada. Que coisa!

Antônio Carlos
Antônio Carlos
18 dias atrás

Eu gostaria muito de conhecer o médico que tratou do Djokovic no intervalo entre os sets. Ou pelo menos, saber o nome do remédio que ele tomou. Porque operou um “milagre “. O cara machucou joelho. Se arrastou por praticamente dois sets. Nem corria atrás das bolas mais longas. De repente, do nada, toma um remedinho e começa a voar em quadra.
Ah, me ajuda aí…
Djoko é um monstro, não resta dúvida.
Mas esse teatro (que não é novidade) é ridículo.
O cara foi minando mentalmente o argentino, que passou a errar bolas fáceis.
E já deu uma declaração pra bagunçar a cabeça do Ruud.
Por números, Djokovic já o GOAT.
Mas como atleta, no conjunto da obra, está a anos luz de Federer e Nadal

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
18 dias atrás
Responder para  Antônio Carlos

ANTÔNIO CARLOS, e o curioso é que outro dia Djokovic fugiu do exame antidoping, inclusive Gabigol deve ter feito um intensivão com ele…

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Não VALMIR, ele não fugiu.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
18 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

LUIZ FABRICIANO, outra hora você me arranja outra nomenclatura…

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Pode ser agora.
Ele, DENTRO DA REGRA, submeteu-se ao exame depois do jogo.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás
Responder para  Antônio Carlos

O nome do remédio é: Supercampeaoniol !

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
18 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

É, PORQUE O IMUNIZANTE contra a covid que é bom, ele não tomou, inclusive até organizou o Adria Tour, de tão saudável que o mundo estava em meados de 2020, quando o nó cego organizou o infame torneio. Juntando os cacos farmacológicos do poderoso chefão da moribunda PTPA, eu diria que ele é o goat também em medicina, de tanto que manja do riscado. Como formador de opinião, considero sua vivência um grande desserviço…

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
17 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

VALMIR, o Adria Tour foi uma tentativa frustrada de trazer um pouco de vida à vida.
A Sérvia registrava pouco mais de 200 casos em todo o país. Um número irrisório.
O governo apoiou o evento, fato que nem ele ou nenhum outro ser de uma país faria sem essa autorização. Teve apoio de vários companheiros de trabalho, como Dimitrov, Thiem e mais.
Se não houvesse o caso durante o Adria, ninguém o condenaria;
Se não houvesse liberação do governo e a notícia saísse na mídia que houve uma tentativa de realização de um evento, mas foi barrada, aí sim que o massacrariam mesmo.
Eu, não teria essa coragem de fazer aquilo.
Saudações.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
17 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

LUIZ FABRICIANO, em se tratando da covid-19, “A Sérvia registrava pouco mais de 200 casos em todo o país” em meados de 2020, mas não era e nem é o centro do universo, ok? O nó cego do Djokovic nunca foi o paladino da justiça, como você quer fazer crer, e, portanto, ele não tinha nada de querer “trazer um pouco de vida à vida”, baseado nos dados por você citados, se é que ele se baseou em algum fator que não fosse ele mesmo, no que se refere ao infeliz Adria Tour, até porque, o corona-virus se espalhou pelo planeta a partir de um primeiro caso na China, segundo se noticiou ao final de 2019, ou seja, se de uma única fonte se sucedeu toda uma tragédia, imagina a partir de duzentas outras, não é mesmo? Juntando os cacos da tal odisseia sem cabimento, ao querer proporcionar “um pouco de vida à vida”, o reizinho dos balcãs assumiu, conscientemente, o risco de que pessoas adoecessem e, por conseguinte, viessem a óbito. Em outras palavras, ele proporcionou foi um pouco de vida à morte, isso sim. Já o que você nos traz com esse parecer sem pé nem cabeça, LUIZ, é só uma tentativa, mal sucedida, de defender o indefensável…

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
17 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Fechado!

Rodrigo Lightman
Rodrigo Lightman
18 dias atrás
Responder para  Antônio Carlos

Pois é, por isso Federer é considerado o melhor de todos depois do Sampras.

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
18 dias atrás
Responder para  Rodrigo Lightman

Considerado por quem? Pelos seus torcedores?

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Rodrigo Lightman

Cite algum nome importante do tênis ou analista sério que coloque Sampras, Federer ou Nadal acima de Djokovic. Leu o título da pasta?

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Antônio Carlos

Ele tomou quatro (isso mesmo), QUATRO analgésicos durante a partida. E não foi de repente: o remédio demora pelo menos meia hora pra fazer efeito. Está tudo bem explicadinho na página de notícias.

Ronalducho
Ronalducho
18 dias atrás

Mas o que está pegando aqui?!
Sem discussão, é Vovô Nole campeão. Ponto.
e chega de conversa!

Marcos
Marcos
18 dias atrás

Dalcim, apesar da derrota me animou o torneio do Rune dessa vez. Controlou muito os nervos e foi frio nos momentos de pressão, até mais que o alemão durante os 4 primeiros sets. Mas tive a impressão que novamente o físico é seu maior inimigo, chegou no quinto set exaurido tentando encurtar os pontos. O que você acha, seria o físico seu maior problema? também acha que ele parece ter maior dificuldade pra melhorar o físico que seus contemporâneos? Eu acompanho bastante ele nas redes sociais e ele parece ser bastante focado na evolução física, mas no caso dele ela parece vir bem mais lenta que no caso do Sinner, por exemplo.

Rodrigo S. Cruz
Rodrigo S. Cruz
18 dias atrás

Novak Fraudovic é o rei das contusões “mandrake”. Curioso é que em 110% desses episódios ele volta do atendimento médico voando e domina o adversário. Acredito mais em “Branca de Neve e os Sete Anões” do que nas lesões dele…

Joselito
Joselito
18 dias atrás
Responder para  Rodrigo S. Cruz

Se é do jeito que está falando, desta vez ele arriscou demais, né? 2 sets a 1, 4-2 contra no quarto.
Então ele pode ser considerado também o GOAT do entretenimento – Rocky Balboa do tênis.
Começa batendo, apanha e apanha e apanha mais, e, depois como um herói, renasce das cinzas e vira o jogo para o delírio dos seus fãs.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Rodrigo S. Cruz

O título desse post do Dalcim certamente fez você se morder de raiva, kkkkkkk. E já é o segundo assim.

GOAT, GOAT, GOAT. Fraude como maior de todos a gente sabe quem é.

Sim, ele voltou do atendimento médico muito pior, perdeu 2 sets e esteve por um triz no quarto. Nem viu o jogo e quer falar do que não sabe.

24 >>>>> 20
428 >>>>>> 310

Maurício Luís *
Maurício Luís *
18 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

O sérvio tem recursos + que suficientes no jogo dele – plano A, B, C…Z – e portanto não precisa fingir nada. Alguns ‘haters’ dele não sabem o que falam.
Ainda mais agora, depois dessa lamentável desistência, ficaram parecendo a Ofélia. ” – Eu só abro a boca quando eu tenho CERTEZA! ”
Pros torcedores dele, claro que é triste. Mas o lado bom é que prevaleceu o bom senso e ele fez o certo: a saúde vale mais do que qualquer dinheiro – que ele tem de sobra – ou pontos no ranking.
Não sou ‘Nolete’, mas desejo a ele pronta recuperação.
Abr.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Dinheiro, semanas como número 1ou outro Slam, pois ele já tem mais do que o suficiente.

Que bom que você deseja o bem para o sérvio, Maurício.

Abs.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás
Responder para  Rodrigo S. Cruz

Pode colocar mais um na lista dos que você acredita: “Roger Federer, o maior de todos”!

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Excelente.

Rodrigo S. Cruz
Rodrigo S. Cruz
18 dias atrás

Novak Fraudovic – o rei das lesões de mentirinha.

Maurício Luís *
Maurício Luís *
18 dias atrás
Responder para  Rodrigo S. Cruz

Pois então… escreveu como se fosse uma verdade absoluta. E agora, como ficamos? Quer dizer que Vossa Senhoria erra, não é mesmo?

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
18 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Desiste desse Rodrigo, pois é um caso perdido.

Paulo F.
Paulo F.
18 dias atrás
Responder para  Rodrigo S. Cruz

Esperar o quê da torcida que já vibrou com a apendicite do Rafa?
Zero surpresa este tipo de comentário.

Pancho Delgado
Pancho Delgado
18 dias atrás

Dalcim, você acha que o correto seria todas as quartas no mesmo dia e semis também?
Claro que oq o AO fazia era um absurdo, mas acho que quartas em dias diferentes também favorece quem joga antes

Julio Marinho
Julio Marinho
18 dias atrás

Fale, Dalcim! Bom dia!
Não sei se você vai se lembrar, mas já tem tempo que tenho uma birra sobre o dado de break points convertidos. Sempre achei que se um jogador tivesse 5 break points em um game, mas ao fim conseguisse quebrar, isso seria um índice de sucesso em quebras, por mais que ele tenha batalhado mais no game. No fim, o que importa é o resultado do game em termos de aproveitamento de quebra. Estávamos na situação que se um jogador tivesse 1 chance de quebra convertida e outro quebrasse 3 vezes em 10 oportunidades (em pontos), teríamos 100% contra 30%, sendo que quem teve 30% teria sido muito melhor em quebrar o saque do adversário.
E parece que com a evolução no tratamento de dados, hoje cada vez mais completos com matchbeats e dados de precisão, também evoluíram nesse conceito. Perdemos o histórico, mas acho que podemos caminhar para um conceito mais interessante a meu ver: a razão entre o número de games que você quebra o adversário pelo número de games em que você teve qualquer número de breakpoints
Hoje no stats oficiais de RG :
NUMBER OF GAMES WITH BREAK POINTS TO BE CONVERTED
Apenas para concluir, acho que o número de break points deve existir como dado estanque como winners ou ENF, para medir quantas vezes você criou a oportunidade, mas não em termos de conversão, pelos motivos que defendi.
Abraços!

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás
Responder para  Julio Marinho

Fala Julio, beleza?
“Estávamos na situação que se um jogador tivesse 1 chance de quebra convertida e outro quebrasse 3 vezes em 10 oportunidades (em pontos), teríamos 100% contra 30%, sendo que quem teve 30% teria sido muito melhor em quebrar o saque do adversário.”

Mas nesse caso, o primeiro teve apenas uma e fez, então, o percentual de 100% realmente não indica um aproveitamento melhor?

No outro caso, como o Dalcim respondeu, entra a análise dos motivos pelos quais, seu percentual ficou abaixo da média, mas aí, os sistemas de dados não contam e nem apresentam isso.
Abraço.

Julio Marinho
Julio Marinho
18 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Fale, Luiz!
Beleza?
Matematicamente seu ponto está perfeito, quem fez 1 em 1 tem 100% e pode-se dizer que aproveitou bem a chance que teve (vamos tirar aqui do contexto se mereceu ou não, se o adversário jogou bem ou não). Mas aí, você considera que ele teve um break point no jogo, quebrou e depois perdeu por 6-1, 6-0. O adversário, que o massacrou, o quebrou 7 vezes, mas para isso criou 20 chances. Aproveitou 7, mas perdeu 13. Ele terá 35% de aproveitamento em termos de ponto. Matematicamente perfeito. Mas, por outro lado teve 100% em termos de “todo game que tive chance quebrei o adversário”.
A questão que coloco é que esse segundo dado é bem mais relevante. Afinal um jogador que quebra 7 vezes o adversário e toma 1 quebra não pode ter alguma estatística que faça ele parecer que foi menos eficiente quebrando o saque do adversário.
Então, minha ideia é que o percentual não seja por ponto, mas por game. Se você quebrou, o fato de você ter gastado um, 2 ou 3 pontos não parece tão importante para mim.
Abraços!

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
17 dias atrás
Responder para  Julio Marinho

Valeu Julio.
O problema disso é que exigiria uma programação PARRUDA para o sistema rodar direitinho. Veja por exemplo o último jogo do próprio Djokovic em que ele saiu vencedor com % de aproveitamento de breaks infinitamente maior que o Cerúndolo. O analista de sistema iria fritar a cabeça para colocar isso coerente com a realidade, rsss.
Talvez seja melhor confiarmos nos locutores/comentaristas mesmos (nem todos).

Sandra
Sandra
18 dias atrás

Dalcim, vc não acha um tanto arrogante Alcaraz falar que para ele só interessa o título ? Vc não vê ninguém falando isso , podem até achar .

Maurício Luís *
Maurício Luís *
18 dias atrás
Responder para  Sandra

Isso é comum, Sandra. O Boris Becker também é outro que nunca primou pela modéstia. O Holger Hune há pouco tempo disse que num futuro próximo se via como um Big 3.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
18 dias atrás
Responder para  Sandra

SANDRA, você acha que um menino que está apenas iniciando a carreira deveria achar que o mais importante é participar? De todo modo, e você, o que acha? Alcaraz foi arrogante, ao declarar que a “ele só interessa o título”? Você não tem opinião a respeito?

Joselito
Joselito
18 dias atrás

Dalcin, sempre usei as informações do site ultimatetennisstatistics como fonte de informações estatísticas, porém infelizmente parou de ser atualizado em 18/12/2023.
Você sabe se tem algum site parecido de acesso livre ao público?

Marcelo Reis
Marcelo Reis
18 dias atrás

Djokovic se retira do torneio! Que pena! A ressonância deu “ruim” e RG se pronunciou oficialmente. Vai com tudo para as olimpíadas.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

Tem Wimbledon antes e ainda não se sabe nada da extensão da lesão no menisco. Com a raiva que ele está da Chatrier, é capaz de nem querer voltar lá mais.

Marcelo Reis
Marcelo Reis
18 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Penso que as olimpíadas sejam o principal foco dele, uma vez que lhe falta uma medalha. Porém, sei que jogará WB se estiver bem.

Sobre a chateação em relação à quadra, ela está ruim para todos. Chove, cobre. Para, descobre. Dinâmica infeliz. Vida que segue. Lógico, as críticas são válidas.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

Não precisa da medalha de ouro para ratificar sua condição de GOAT. Se a lesão for grave, creio que não haverá tempo hábil de recuperação pra Wimbledon e Olimpíadas.

Para ele não é só chateação: ele se retirou do torneio porque se machucou nela.

Marcelo Reis
Marcelo Reis
18 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Não há nada sobre isso na minha fala. Não falei que ele precisa de ouro, tampouco questionei o fator “GOAT”. Somente falei que a medalha olímpica é um foco dele, ele sempre foi aberto quanto a isso.

Poderia ter ocorrido em qualquer quadra, com qualquer jogador. Ele não é criança para ficar de birra com uma mera quadra, vai jogar tudo para ganhar se estiver saudável.

Marcelo Reis
Marcelo Reis
18 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

E quando digo “tudo”, me refiro aos objetivos dele: WB, Olimpíadas, US Open, alguns Masters 1000, etc. Não todos os torneios menores. Enfim, espero que ele fique bem para jogar.

Última edição 18 dias atrás by Marcelo Reis
Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

Não há, mas eu já emendei que não precisa do ouro por via das dúvidas. E não lhe falta uma medalha, uma vez que possui o bronze de Pequim 2008. Isso está na sua fala, rsrs.

Marcelo Reis
Marcelo Reis
18 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

A minha frase ficou dúbia, realmente, deu a entender que ele não tinha nada. Erro meu. O correto seria no plural: faltam-lhe medalhas. A de 2008 eu lembrava, o Nadal levou essa. Li uma reportagem dele na BBC em que ele fala das olimpíadas como prioridade para este ano. Então penso que ele vai se poupar para elas, nem que pule WB. Mas tomara que jogue ambos.

P.S. Achei o link: https://www.bbc.com/sport/tennis/68750705

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

Sim, nem eu e muito menos ele negamos que ele não quer o ouro. Já saiu chorando no Rio e altamente frustrado em Tóquio. Só reitero que as Olimpíadas, um Big Title, não têm peso de Slam, mas de um ATP Finals, pelo menos na minha visão.

Marcelo Reis
Marcelo Reis
17 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Rapaz, tive que pular 31 reportagens para chegar nesta rsrs. Tá faltando tempo no dia para ler tudo.

Desde os Jogos Olímpicos do Rio 2016, a participação não rende pontos aos rankings da ATP e WTA. O ranking segue usado como forma de classificar tenistas para a competição, né?!

Então sendo otimista, “valeria” tipo um Finals. E olhe lá!

Paulo Almeida
Paulo Almeida
17 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

Hoje está complicado mesmo: gente demais postando devido à saída do Djoko do torneio.

Sim, vale apenas para classificação. Então, é apenas minha opinião por ser um torneio disputado de 4 em 4 anos e anteriormente com final em 5 sets, mas concedia apenas 750 pontos ao campeão. Deveria valer pelo menos 1200…

Abs.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

Pronto, a mentira, o teatro, a milonga foi agora concretizada com sua retirada oficial do torneio!

Roger
Roger
18 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

Poxa, tá fingindo bem ele né?

Marcelo Reis
Marcelo Reis
18 dias atrás
Responder para  Roger

E onde eu falei que ele tá fingindo?! Releia o texto e me mostre aqui onde eu digo isso.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
18 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

Ironias Marcelo, ironias…
Desde o início do torneio que os seus fiéis perseguidores vêm dizendo que ele finge para dar o bote nos adversários. Ontem foi o ápice das críticas.
Talvez você não leia muitos comentários, senão, veria isso.

Marcelo Reis
Marcelo Reis
18 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Eu leio sempre que posso. Mas o ruim é ter que ficar voltando em postagens antigas para saber se há debate. Por isso perguntei ao Dalcim sobre um app para o Tênis Brasil. Ele disse que é caro, uma pena. Resolveria isso facilmente e ainda ampliaria o alcance, em especial para os jovens conectados que curtem o esporte.

Sobre a lesão, ninguém sério finge uma coisa dessas. Não há lógica por trás de uma ação assim. Uma ação que só prejudica a pessoa?! Não faz sentido. É preciso ser muito i***** para achar que é fingimento. E olhe que nem gosto do Djokovic, só o admiro como atleta. Tampouco sou cego, sei que é um gênio. Vá entender essa galera maluca!

Última edição 18 dias atrás by Marcelo Reis
Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
18 dias atrás

Novak Djokovic usando toda a sua experiência independentemente da gravidade. Vai pular novamente os preparatórios ( Alcaraz e SInner estarão presentes ) ,para WIMBLEDON, onde tentará o Octa . E na sequência o OURO OLÍMPICO. Vida que segue…Abs!

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás

Se Djoko tiver que fazer uma artroscopia, acho que o ano já era, mas por enquanto só podemos aguardar e torcer para que não precise operar.

Paulo F.
Paulo F.
18 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

A lesão é de menisco medial, prezado tocaio, que tem uma recuperação bem mais rápida do que a do lateral.
Assim sendo, poderá até participar de Wimbledon se tiver uma recuperação favorável.
E tomara que sim, embora que a grama seja o piso que menos favoreça os joelhos…

Guilherme
Guilherme
18 dias atrás
Responder para  Paulo F.

Ele fará cirurgia? Isso vai contra tudo o que ele defende. psicologicamente ele lutou muito com a operação do cotovelo.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Paulo F.

Ele tem menos de 1 mês, né?

Espero que dê tempo…

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
18 dias atrás

Em RG 2021 , Federer nas Oitavas sentiu desconforto no Joelho e não entrou contra Berrettini. O fanático Piloto da Kombi não só desconfiou da lesão, teve a cara de pau de afirmar que o Craque Suíço fugiu ( Italiano jamais o venceu ) . Insistiu com Halle ( caiu logo na segunda rodada ) e em Wimbledon foi aquela tragedia . Jogou mal todos os jogos até cair de vez para Hurkacz com direito a Pneu ( jamais entrou em quadra novamente) . A vida realmente dá muitas voltas … Abs !

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

O seu próprio post te desmente, já que desconforto é uma coisa e lesão é outra. Ele desistiu do torneio porque poderia detonar de vez o joelho e tinha Wimbledon como principal meta.

O fanático Sr. SR vive falando que Djoko, um heptacampeão de Wimbledon, fugia dos 500 da grama. Faz parte da guerra de torcidas, da qual você faz parte.

A vida realmente dá muitas voltas: um 1×16 em Slams virou 24×20.

A conferir, rsrs, abs!

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
18 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

“Desconforto ” e um mês depois jamais voltou a jogar ??? . O fanático sabe que Djokovic ao perder três FINAIS e não ganhar nenhuma, fugiu dos preparatórios pra chegar invicto em WIMBLEDON. Sem choro. Abs!

Paulo Almeida
Paulo Almeida
18 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Não sei de nada disso, apenas que ele desprezava esses torneios. Já do Finals 2014 e do saibro de 2016 a 2018 eu não abro mão: fugiu mesmo!

A conferir, abs!

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
17 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Arrogante mesmo o Piloto da Turbinada rs. Federer se não estivesse lesionado não entraria na FINAL milionária porque?. Disputou a FINAL da Davis na semana seguinte a meia boca e entrou normalmente na FINAL no ano seguinte ( 2015 ) contra o mesmo Djokovic. Conta outra que não cola …Abs!

Paulo Almeida
Paulo Almeida
17 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Arrogante eu? Você quis dizer o sérvio, não? Ele confiava no seu taco e foi lá ganhar 7 Wimbledons e fazer mais 2 finais. São fatos.

Só ficou milionária nos últimos anos e de dinheiro ele já não precisava. Viu Djoko descansado atropelando Nishikori e sofreu pra ganhar do Wawrinka, daí fugiu.

Sem choro, rsrs, abs!

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
17 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Fugir de 250 para ganhar 2000.
What a beautifull scape!

Luiz Fernando
Luiz Fernando
18 dias atrás

Djoko se contundiu, uma pena, embora na minha visão ele provavelmente perderia para Alcaraz ou Sinner numa eventual final, q estão jogando melhor e estão melhor fisicamente. A verdade é q este primeiro semestre marcou o início do final de carreira do sérvio, q é o GOAT inconteste…

Já Sinner venceu tranquilo e merecidamente assumirá o número um do mundo. Está em rota de colisão com Alcaraz, com o qual deverá dividir a primazia do número um e dos principais títulos no futuro…

Nesse momento espanhol vence o grego por 2×0, vai dando a lógica…

Gustavo
Gustavo
18 dias atrás

Tempo total como ATP #1:

1. Djokovic 8,2 anos
2. Federer 5,94 anos
3. Sampras 5,48 anos
4. Lendl 5,18 anos
5. Connors 5,14 anos
6. Nadal 4,01 anos

Uma das maiores e mais dominantes conquistas da história do tênis.

Novak Djokovic, o goat

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
18 dias atrás
Responder para  Gustavo

Só tu mesmo. Dois anos sem Federer e Nadal atuando. No caso do Suíço, 3 anos. Djokovic já era N 3 em 2007. Com Federer e Nadal na ponta somente atingiu o N 1 em 2011. Acredito que já eras nascido… rsrs. Ps: Federer atingiu o N 1 em 2004. Em 2005 Rafa Nadal já assumiu o N 2 . Abs !

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
18 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

A realidade é terrível.

Gustavo
Gustavo
18 dias atrás

O tênis se torna mais interessante quando os dois jogadores q estão se enfrentando se odeiam.

Kkk

Dito isso, alguém no tour realmente gosta de Tsitsipas, exceto seu irmão?

Kkk

Gustavo
Gustavo
18 dias atrás

Li no Twitter q John McEnroe deu a entender ao Eurosport que o Aberto da França e o deep state do tênis conspiraram por meio de uma programação nefasta para condenar Novak Djokovic.

Será?

Marcelo Reis
Marcelo Reis
18 dias atrás
Responder para  Gustavo

Quem acredita numa coisas dessas, acredita em tudo! Rsrs

Gustavo
Gustavo
18 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

Rsrsr

Ronildo
Ronildo
17 dias atrás

Neste torneio que o João Fonseca está participando onde acaba de vencer K. Edmundo que já foi número 1 britânico, nosso conhecidíssimo Shapovalov, colecionador de ursinhos de pelúcia, caiu na primeira rodada. Justamente ele que já fez semifinal em Wimbledom e foi grande esperança de uma grande torcida para derrubar Djokovic (em Wimbledom) naquele ano. Alguém sabe se Shapovalov fez cirurgia para corrigir a lesão que o tem incomodado a um bom tempo?

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
17 dias atrás
Responder para  Ronildo

Então o Shapo já fez parte de sua lista de terceirizados também, meu caro Ronildo?

Ronildo
Ronildo
17 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Vixe, comentei no post errado e fiquei procurandono mais atual. Só faltava reclamar com o Dalcim de que meus comentários não são postados kkkk

Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br
Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Quando os tenistas se machucam, mas ainda vencem

ATP seleciona as 10 melhores jogadas do ATP FInals