PLACAR

O dono cada vez mais absoluto do tênis

Depois de ficar ameaçado de não seguir em Turim para o fim de semana, Novak Djokovic parece ter decidido colocar em prática o seu melhor tênis. Em dias consecutivos, enfrentou garotos de grande qualidade, peso de bola, pernas velozes e saque contundente. Os dois aliás mais cotados para sucedê-lo na ponta do ranking. E o que se viu foi um show de firmeza, capacidade atlética, soluções táticas e cabeça fria. Muito perto de sua mais apurada versão, Nole não deu chance à novíssima geração.

O primeiro set diante de Jannik Sinner foi assombroso. Depois da derrota de dias atrás, em que foi sufocado pelos golpes rápidos do italiano, Djokovic entrou preparado para colocar sempre uma bola a mais. Cometeu dois únicos erros não forçados, nenhum deles com o forehand. Não menos notável foi sua produção no saque. Nos primeiros sete games de serviço do sérvio, Sinner só conseguiu ganhar dois lances. Não tinha jogo e de repente o sérvio já tinha 2/0 no segundo set e por um milagre não obteve outra quebra.

Enfim, a torcida italiana, creio eu embasbacada ao ver seu garoto prodígio encurralado, conseguiu um pouco de emoção. Foi até uma pena que Sinner não tenha aproveitado o 15-40 que lhe daria empate no sexto game e esquentaria a partida, mas o fato é que Nole tirou muito cedo a confiança do adversário e assim capitalizou as decisões precipitadas e mal construídas, que se repetiriam no 0-30 no oitavo game. Sinner sucumbiu com dupla falta e um total tenebroso de 17 erros não-forçados de forehand.

Aos 36 anos, 5 meses e 22 dias, Djokovic bateu a própria marca de mais velho campeão do Finals e deu uma nova lição aos emergentes. “Tive de ir atrás das vitórias e não apenas esperar que eles me dessem isso. E foi o que fiz”, definiu com habitual propriedade. “Foi sem dúvida uma das melhores temporadas da minha vida”.

Nole completa o calendário com 55 vitórias e apenas seis derrotas, somando três Grand Slam e dois Masters entre os seis troféus erguidos. Nesta segunda-feira, terá incríveis 2.390 pontos sobre Carlos Alcaraz, que há poucas semanas era uma ameaça à continuidade do seu reinado.

Diante da terceira geração de competentes postulantes a grandes marcas e títulos, Djokovic deu uma mostra exuberante em Turim de que é o dono absoluto do tênis masculino:

  • 24 títulos de Grand Slam
  • 7 conquistas do ATP Finals
  • 40 troféus de nível Masters
  • 71 ‘grandes títulos’
  • 400 semanas como número 1
  • 8 temporadas encerradas como líder do ranking
  • US$ 180 mi em prêmios oficiais
  • 71 títulos na quadra dura (com Federer)
  • Ao menos 3 títulos em cada Slam
  • Ao menos 7 finais em cada Slam
  • 9 diferentes troféus de Masters (com Lendl)
  • 36 finais disputadas em Slam
  • 58 finais feitas em Masters
  • 47 semifinais de Slam
  • 76 semifinais de Masters
  • Ao menos 10 semifinais em cada Slam
  • Mais vitórias sobre top 5: 124
  • Mais vitórias sobre top 10: 257
  • Maior número de adversários diferentes vencidos em Slam: 189
  • Semanas seguidas como número 3: 92
  • Mais velho campeão do ATP Finals
  • Mais velho a terminar temporada como número 1
  • Máximo pontos no ranking: 16.950 (2016)
  • Maior diferença para um número 2: 9.025 pontos (2016)

E contando.

Saiba mais

  • Djokovic repetiu a façanha de 2015, quando também perdeu para Roger Federer na fase de grupo e depois se vingou na partida decisiva.
  • O ano e as ambições ainda não terminaram para Nole. Ele segue para Málaga, onde estreia na quinta na fase final da Copa Davis contra a Grã-Bretanha, sem Andy Murray. A Sérvia tem um único título na competição, em 2010, já sob comando de Djokovic.
  • Sinner pela primeira vez encerrou uma temporada com mais de 60 vitórias. Foram 61 em 76 possíveis, com direito a seu primeiro troféu de Masters.
  • Djokovic fechou o Finals com 50 aces em cinco jogos, a maior quantidade para um torneio regular de três sets de sua carreira.
  • Rajeev Ram e Joe Salisbury marcaram a 10ª vitória seguida em Turim e garantiram o bi no Finals, com vitória sem sustos diante de Marcel Granollers e Horacio Zeballos.
  • Com isso, Austin Krajicek e Ivan Dodig terminam a temporada como parceria que mais somou pontos e Krajicek, como número 1 da especialidade.

Desafio das camisetas
Quatro internautas ‘gabaritaram’ o Desafio do ATP Finals, acertando as exatas semifinais, a final e o campeão de Turim. Todos receberão uma camiseta ‘TenisBrasil 25 anos’, devendo enviar seus dados de correio e número de camiseta aqui no do email joni@tenisbrasil.com.br.

A ordem dos vencedores foi definida pelo placar da partida final e Sandro Mateus Gonçalves da Silva saiu-se notalvelmente bem, errando por um único game! Em segundo, ficou Hiroito Onotera, seguido por Marcos Ribeiro e Thierry. Parabéns a todos.

100 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Werisleik
Werisleik
3 meses atrás

Parabéns a toda a equipe do site, esperamos todos os “Amantes do Tenis”, que as mudanças sejam para melhorar a navegação, a estabilidade e a experiência do Usuário. Abraço a todos e sucesso.

Gustavo
Gustavo
3 meses atrás
Responder para  Werisleik

Legal que agora poderemos curtir os comentários

Robson
Robson
3 meses atrás
Responder para  Gustavo

Ou descurtir né, heheheeee…

Rogerio R Silva
Rogerio R Silva
3 meses atrás

Boa noite Dalcim.
Parabéns pelo novo site.
Adorei.

Roger
Roger
3 meses atrás

Ficou bonito o novo Layout!

E esse vídeo do Federer chorando na apresentação do Bocelli? Cara sabe apreciar o que é belo.

Abraço a todos!

Maurício Luís *
Maurício Luís *
3 meses atrás

Ué… o que aconteceu com os comentários anteriores? Mas achei que a mudança ficou ‘da hora’.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
3 meses atrás
Responder para  Maurício Luís *

POIS É, MAURÍCIO LUÍS, tenho lá minhas dúvidas se os “comentários anteriores” “voltarão ao ar”. Tomara que não seja dado motivos, pra eu chegar à conclusão de que apenas deram um up nas linhas de expressão, ou que apenas fizeram harmonização facial, ou que simplesmente retocaram a maquiagem, com o espírito da coisa permanecendo o mesmo de antes no quartel de Abrantes. Que eu esteja enganado…

Eduardo Carvalho
Eduardo Carvalho
3 meses atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Carlos B., é você?

Maurício Luís *
Maurício Luís *
3 meses atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Não vejo motivo pra duvidar da palavra dele, Valmir. Sejamos + otimistas.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
3 meses atrás
Responder para  Maurício Luís *

MAURÍCIO LUÍS, por ora, eu não estou duvidando nem tendo certeza, estou no aguardo, e, sinceramente? Quero muito estar errado, quanto a não ter certeza…

Rafael Azevedo
Rafael Azevedo
3 meses atrás

Show de bola o “novo” site. Pena que os comentários antigos da blog se perderam.

Marcelo-Jacacity
Marcelo-Jacacity
3 meses atrás

Parabéns Dalcim por essa marcante data!
No aniversário de 20 anos teve o ranking dos melhores tenistas da história. Vai ter o ranking novamente dessa vez?
Estou comentando pouco de uns anos pra cá, mas sempre acompanho o site tenisbrasil, o podcast e o blog com àquelas grandes figuras, infelizmente outras antigas sumiram já há algum tempo.

Sandra
Sandra
3 meses atrás

Dalcim , desculpe a ignorância, mas tem um + e um _ , o + e para curtir ?

Marcia Dalcim
Editor
3 meses atrás
Responder para  Sandra

Isso mesmo.

Luiz Fernando
Luiz Fernando
3 meses atrás

Dalcim, parabéns a vc e equipe pelo novo visual do blog, bem mais moderno. Confesso q levei um susto quando acessei, achei q tinha ido p outro site kkk…

Barocos
Barocos
3 meses atrás

Veni, vidi, scripsi.

Bem bacana.

Saúde e paz.

Murer
Murer
3 meses atrás

Dalcim

Parabéns

Ficou top

Marcelo Costa
Marcelo Costa
3 meses atrás

Parabens pelo novo site!!! desejo ainda mais sucesso.

Robson
Robson
3 meses atrás

Show de bola esse novo formato do site/layout geral.
Ficou realmente top demais inclusive aqui tb na parte dos comentários, perfeito!
Parabéns aos responsáveis

Robson Couto
Robson Couto
3 meses atrás

Grande Dalcim, fica meu abraço pelos anos de um trabalho sério e competente. Infelizmente, não tive a oportunidade de acompanhar o início do Blog, mas sou um fã desde 2012. Parabéns pelo novo site e transmita também meus agradecimentos a toda sua equipe.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
3 meses atrás

Ficou bem melhor assim!

Joathan Júnior
Joathan Júnior
3 meses atrás

Parabéns pelo novo layout do site, Mestre! Meus agradecimentos a toda equipe Tênis Brasil.

Danilo
Danilo
3 meses atrás

Ficou muito bacana o novo layout. Só acho que o blog poderia ter mais destaque na página inicial. Tive que achar indo no menu, na seção « blogs ». Ou talvez eu não tenha visto.

Que tenhamos uma mudança de ares no tênis no ano que vem também. Está temporada pra mim foi extremamente decepcionante e sem graça. Nos principais palcos, foi a temporada de um homem só, sendo que na idade que ele joga, por mais que ele seja uma lenda, já deveria ter uma concorrência bem maior. Entendo que para aqueles que torcem por ele ou aqueles que gostam de ver recordes, tenha sido um grande ano. Mas pra mim, mais um ano em que os tenistas que vieram depois deixaram a desejar e aceitaram a supremacia do sérvio com muita facilidade.

Estamos em uma entressafra ou não se fazem mais tenistas fortes mentalmente como antes? Só o tempo dirá.

Abs

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
3 meses atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Pelo celular não tem Dalcim. Ou pelo menos, não vi.

Ruy Machado
Ruy Machado
3 meses atrás

Parabéns pela nova identidade visual do site! Ficou muito bom! Que venham mais novidades! Abc

Alison Cordeiro
Alison Cordeiro
3 meses atrás

Curti demais a cara nova do site, Dalcim! Parabéns ao time da Tênis Brasil, inovando e dando mais recursos às mensagens! Show de bola!

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
3 meses atrás

Dalcim,
Gostei do novo visual do site. Espero que a baixaria acabe definitivamente na página principal. Uma novidade legal é que podemos comentar na página de notícias sem a necessidade de termos uma conta no Facebook. Outra coisa bacana é que o seu blog agora vem com fotos que ilustram bem o título e o conteúdo de suas análises.

Dominique de Coco
Dominique de Coco
3 meses atrás

Dalcim, Djokovic e Federer com 36 anos tiveram quase o mesmo número de vitórias na temporada, e o mesmo número de títulos. Evidente que a qualidade de títulos do sérvio foi maior, porém um fato atrapalhava Federer que não atrapalhou Djokovic, a ponto do suíço simplesmente pular a temporada de saibro, um sujeito chamado Nadal, e creio q com o retrospecto de 8×2 pra Nadal contra Djokovic em RG, dá pra se ter uma ideia de como o espanhol maltratou o sérvio e sem ele o caminho fica mais fácil.
Talvez uma melhor escolha de calendário por parte do suíço poderia ter feito ele ter um fim de temporada com uma qualidade de títulos semelhante a que o sérvio teve, só vê como o suíço jogou aquele Masters 1000 do Canadá em 2017, e como aquilo prejudicou o US Open dele.
A questão pra mim é, você acha que o sérvio e o suíço apresentara níveis semelhantes aos 36 anos?

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
3 meses atrás
Responder para  Dominique de Coco

Dominique, a questão foi para o Dalcim, mas veja, Nadal há 10 anos não ganha set de Djokovic em quadras que não sejam saibro, então, o fator Nadal não é o indicativo que o sérvio esteja ganhando tudo e que deixou o suíço sem tantas conquistas quando tinha essa idade.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
3 meses atrás
Responder para  Dominique de Coco

Federer com 36 anos (agosto de 2017 a julho de 2018) pegou um circuito mamão com açúcar, com Djokovic e Murray lesionados e Nadal abandonando o Finals e o AO 2018, que ficou com cara de Challenger. Ainda assim, o suíço conseguiu a façanha de ser eliminado pelo Goffin no primeiro, rsrs. Depois conseguiu perder Indian Wells pro Del Potro e tomar uma virada absurda do Kevin Anderson em Wimbledon; ambos salvaram MP.

A disputa no Canadá prejudicou em quê? Chegou às quartas no USO e foi bem eliminado pelo Delpo, pela segunda vez no torneio.

Não, o sérvio com 36 anos (só completa 37 anos em maio) já é muito superior ao suíço na mesma faixa etária. E ele não fugiu da temporada de saibro nenhuma vez, ganhou do Nadal com 34 anos, do Alcaraz com 36 e vai disputá-la de novo no ano que vem. O freguês fugiu em 2017, 2018 e também de RG 2016.

Abs.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
3 meses atrás
Responder para  Paulo Almeida

Saiu em lugar errado mas lá em cima somente poderia ser pra ti mesmo ,Sr Paulo Almeida. Abs!

Robson
Robson
3 meses atrás
Responder para  Dominique de Coco

Vc citou “a temporada de saibro”,pois bem,Novak Djokovic na temporada de saibro 2023 aos 36 anos, só foi bem e venceu RG,os outros torneios foi mal.
Não teve Nadal para atrapalhar em RG é verdade,mas teve um certo Alcaraz para atrapalhar em Wimbledon que pra imensa maioria já era taça certa pra Novak Djokovic.
Penso que esse negócio de ficar menosprezando adversários que os fenômenos tiveram e tem durante suas carreiras,beira o ridículo,coisa de adolescente ou de torcedor de futebol.
Taça nenhuma nunca caiu, não cai nem cairá no colo de tenista nenhum não,tiveram,tem e terão que ir lá e jogar e jogar muito pra conquistá-las.
Isso sem contar a dedicação diária em preparações técnicas,físicas e até mentais,tb dietas e elaboração inteligente do calendário,bem como intervalos bem elaborados pra descanso do corpo e da mente.
Enfim,tudo absurdamente profissional e foco a mil se quiser ser fenômeno no tênis e principalmente,manter a condição de fenômeno no tênis.
Novak Djokovic chegou a este degrau de fenômeno em 2007 aos 19 anos de idade e o mantém até hj aos 36 anos.

Gustavo
Gustavo
3 meses atrás

Ficou bem melhor assim mesmo. E tb gostei do novo blog “tênis com elas”.

Danilo Afonso
Danilo Afonso
3 meses atrás

Dalcim, após mais um ano espetacular do Djokovic, relembrei do podcast “Os 25 tenistas profissionais mais influentes da história”. Na ocasião você ao citar o Djokovic, destacou (resumiu) que a influência do sérvio era a detenção dos principais recordes da modalidade e que ele era o novo sarrafo. Não evidenciou uma qualidade, e sim uma consequência (os recordes). Quando você citou outros tenistas, como por exemplo o Nadal, destacou que ele influenciaria pela sua garra, a velocidade do jogo de pernas e transição defesa ataque.
Você não acha que a principal influência do sérvio perante os torcedores e tenistas (principalmente novos) é o seu nível de profissionalismo e dedicação que possivelmente nenhum concorrente quis “pagar o preço” ?
O cuidado minucioso com alimentação a base de fontes vegetais (frutas, legumes e verduras), os regulares treinos de alongamento e musculação, exercícios de reflexo, yoga, meditação, respeito ao período de descanso (sono) e busca incessante pelo aprimoramento técnico, mesmo após uma carreira vitoriosa, não são as verdadeiras influências que o sérvio deixará para a atual e novas gerações ?
Entendo que os recordes devem servir apenas no máximo como uma mera inspiração (ou admiração), não como uma influência, até porque raríssimos tenistas terão capacidade de chegar perto dos feitos do sérvio nas próximas décadas, já a dedicação citada acima são mais poupáveis aos atletas e amadores de qualquer modalidade que desejam melhorar sua performance e alcançar sucesso profissional ou recreativo, pois não exigem um custo financeiro alto, e sim muita perseverança e resiliência do interessado em evoluir.
Saudações Tenísticas !!

Rodrigo
Rodrigo
3 meses atrás
Responder para  Danilo Afonso

Belo resumo do legado de Djokovic

Gildokson
3 meses atrás

Ficou top!!! Tudo novo!!!
Parabéns!!! Dalcim e equipe!!

William Almeida
William Almeida
3 meses atrás

Os desenvolvedores do site fizeram um grande trabalho. Nas horas vagas desenvolvo em Javascript, Java, PHP sei da dificuldade de desenvolver uma aplicação web.

Jean
Jean
3 meses atrás

Parabéns Dalcim, o novo site está muito bom!

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
3 meses atrás

Manjas nada do Esporte, SR Paulo Almeida. Não sabes vencer e muito menos perder . Por acaso Novak já jogou aos 38 anos no nível do Craque Suíço ? . Já é o mais velho N 1 da Era Profissional ? . Com o cara com 36 anos, como podes postar tanta asneira ? . Sempre denegrindo LENDAS do Esporte, reverenciadas no Mundo inteiro, com o intuito de engrandecer quem não precisa deste expediente tão rasteiro, ou seja , és um fanático acima de qualquer suspeita… Rsrsrs, Abs!

Paulo Almeida
Paulo Almeida
3 meses atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Já jogou mais com 31, 32, 33, 34, 35 e 36 anos e contra adversários bem mais qualificados; com 37 e 38 ainda teremos que ver.

409 semanas #1 >>>>> abismo >>>>> 310 ou #1 mais velho

Que lendas? Goffin, Chung, Cilic e Kokkinakis? Rsrsrs!

O visual do Blog mudou, mas suas asneiras serão eternas!

Kkkkkkkk, abs!

Maurício Luís *
Maurício Luís *
3 meses atrás

Conforme eu já imaginava, nenhum dos 4 vencedores do Desafio ATP Finals comenta com frequência. Nada falam, e muito fazem. Bem ao contrário deste que vos escreve e de mais um punhado de tagarelas “arroz de festa” do blog. Pelo menos não fiquei em último. Aliás, acho que o último também deveria ganhar a camiseta. Porque “Os últimos serão os primeiros”.
Bem feito pra nós. Ficamos chupando o dedo.
E agora falando do Nole… deu-me até vertigem de ver tantos feitos listados pelo Dalcim.
A princípio, eu até iria dizer pros torcedores dos outros tenistas: ” Não vamos nos apavorar”.
Mas quando vi no final do texto ” e contando…”, então… VAMOS NOS APAVORAAAAAAAR !!!

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
3 meses atrás
Responder para  Maurício Luís *

MAURÍCIO LUÍS, parece que você tem feito um intensivão comigo. Saiba, estou deveras orgulhoso da sua pessoa, por declinar do clientelismo tacanho, que polariza esta casa, e principalmente pelo senso de analogia ora isento. A bem da verdade, poucos aqui se reportariam, aludindo aos colaboradores deste espaço com a expressão “‘arroz de festa'”, provavelmente apenas eu. Afora o infame clichê “‘Os últimos serão os primeiros'”, folgo em saber que temos um novo MAURÍCIO LUÍS habitando esta “nova” confraria, a respeito da qual o tão decantado layout não é o que mais interessa, ou pelo menos não deveria ser. De todo modo, você está de parabéns, meu querido…

Maurício Luís *
Maurício Luís *
2 meses atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Boa noite, Valmir. Agora que vi… os comentários + recentes passaram a figurar na parte de baixo. Obrigado. Não esperava ser parabenizado.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
2 meses atrás
Responder para  Maurício Luís *

MAURÍCIO LUÍS, quando a pessoa se comporta com personalidade e não me vem com clichês, sei reconhecer-lhe o merecimento e abro meu coração. Só estou puto porque o JOSÉ NILTON assassinou boa parte do que escrevi, com a sua edição horrorosa. Mas o importante é que você gostou do que leu…

Miguel BsB
Miguel BsB
3 meses atrás

Opa, o novo layout do site e do blog ficaram bem legais!
Parabéns Dalcim e equipe!

Rogerio R Silva
Rogerio R Silva
3 meses atrás

Bom dia!
Dalcim,está nova versão também corrige as sobrecargas que vemos após os grandes títulos?

Rogerio R Silva
Rogerio R Silva
3 meses atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Obrigado!

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
3 meses atrás

OBVIAMENTE, O “TÊNIS COM ELAS” é importante, providencial até. Por outro lado, em se tratando de universalização não cumprida, me incomoda o fato de este tardio aceno ao tênis feminino sugerir algo paliativo, ou seja, já que não é possível tratar igualitariamente a esfera feminina de fora para dentro, faz-se de dentro para fora, neste caso, não de forma igualitária, obviamente. É como se, invés do dia a dia na fazenda, a mulher passasse a viver sitiada e com abrigo garantido, para que não se fale mais sobre igualdade de gêneros, no caso aqui, em se tratando do universo do tênis. Sim, o “TÊNIS COM ELAS” é um sítio, uma iniciativa carinhosa até, porém, “se eu me chamasse Raimundo/seria uma rima, não seria uma solução”. Muito obrigado, Carlos. Salve as tenistas! Salve todas as mulheres!

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
3 meses atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

ao* invés

Jonas
Jonas
3 meses atrás

A temporada 2017 do Federer foi muito boa. Em termos de nível de tênis, talvez tenha sido até a melhor de sua carreira. Mas acho que é forçar demais uma comparação com o 2023 do Novak.

Primeiro que o sérvio fez 36 anos em Maio deste ano e já venceu Cincinnati, US Open, Paris e Finals, sendo tem muito torneio grande pra disputar com essa faixa etária. O Federer, aos 36 anos, venceu Shanghai, Basel, Australian Open e Rotterdam.

Segundo que, se compararmos as duas temporadas, Novak fez final em TODOS os Slams. Venceu 3 Majors e ainda venceu o Finals, tornando-se recordista isolado da competição e número 1 mais velho a terminar uma temporada. Em 2017 Federer venceu 2 Slams, pulou o saibro e não venceu o Finals, sendo eliminado pelo Goffin salvo engano na SF.

A questão da concorrência creio que já foi bem desenhada pelo Paulo. Mas só o fato do Alcaraz ter vencido o Djoko com autoridade em final de Wimbledon já deixa evidente a concorrência que o sérvio tem e ainda terá no próximo ano.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
3 meses atrás
Responder para  Jonas

E Roland Garros, Jonas. Venceu 5 Big Titles com 36 anos.

Jonas
Jonas
3 meses atrás
Responder para  Paulo Almeida

Verdade! Ele tinha 36 quando venceu, não tem comparação.

Marcelo Costa
Marcelo Costa
3 meses atrás
Responder para  Paulo Almeida

Não dá pra acreditar que vamos ter que fazer comparações nesse nível de etarismo!!!
Não tem comparação entre ambos com essa idade, não faz sentido algum, só servirá pro festival eterno de réplicas e tréplicas infinitas.

Oswaldo Euclydes Aranha
Oswaldo Euclydes Aranha
3 meses atrás

Os que elegeram Alcaraz o vingador e futuro líder do tênis fizeram-me lembrar de uma música: se você não me queria – não devia me procurar – não devia me iludir – e nem deixar eu me apaixonar!

Rogerio R Silva
Rogerio R Silva
3 meses atrás

Dalcim
Mais uma a respeito do novo site.
Por que não podemos opinar sobre alguns comentários?

Neri Severo Malheiros
Neri Severo Malheiros
3 meses atrás

Dalcim e equipe, valeu a pena esperar pelas mudanças anunciadas. O site ficou lindo com esta repaginada e novos recursos implantados. Que venham mais 25 anos de excelente cobertura do tênis e de sucesso entre os amantes da bolinha amarela!

PS: Claro que espero que perto da metade do século já estejas muito bem aposentado e apenas dedicado a escrever para o blog as tuas inspiradíssimas impressões, sempre tão ponderadas e bem fundamentadas sobre o mundo tenístico.

Rafael Azevedo
Rafael Azevedo
3 meses atrás

Djokovic terminou a temporada com cerca de 2.300 pontos à frente do jovem fenômeno espanhol com 5 torneios a menos disputados. Incluindo os M1000 de Indian Wells e Miami.
Incrível!

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
3 meses atrás

Dalcim, ontem vendo os highlights de um certo sérvio sobre, salvo engano, o #1 britânico, pensei no seguinte: Djokovic teve vários breakpoints na partida, isso indica pressão no sacador e teve vários games de 0 a seu favor.
Sabemos o quanto sua devolução é intensa, mas em que nível você o coloca agora, como sacador?
Grande abraço.

Andre Eduardo
Andre Eduardo
3 meses atrás

Dalcim e equipe, parabéns pela nova estrutura do site! Ficou muito bacana!

Tiago
Tiago
2 meses atrás

Dalcim, qual foi a justificativa a WTA sobre a mudança na contagem do ranking da Bia? Vc disse que iria esclarecer mas eu não vi mais nada.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
2 meses atrás

O Carlo VW está com dificuldades pra acessar o novo site?

Só queria lhe dizer que o GOATaço vai ser PENTA do Laureus em 2024 e só não ganhou em 2022 por causa do ocorrido na Austrália. Foi o melhor atleta de 2021, muito superior ao Verstappen.

Maurício Luís *
Maurício Luís *
2 meses atrás

Não vou tirar a razão do Djokovic em se irritar com a torcida inglesa. Mas o fato é que isto é bem frequente e ele parece saber lidar bem com esse tipo de situação.
Talvez nem seja por ele em si. Acontece que quando um jogador começa a dominar amplamente por longo período, muitos não gostam por acharem que está ficando monótono.
Dois exemplos: 1) aconteceu com a Serena, também.
2) Na década de 70, Jimmy Connors, no auge da carreira, muitos o consideravam um “vilão” e torciam contra. Isto mudou com o tempo. Já aos 39, no US Open 91, o estádio veio abaixo quando ele bateu o Aaron Krikstein de virada no tiebreak do quinto set.
Então é a tal história: ” Tudo depende. Nada é sempre. E tudo é às vezes.”

Mágno Lucas Sampaio
Mágno Lucas Sampaio
2 meses atrás

Olá Dalcim! Passando para parabenizar pela cobertura tanto do Másters de Paris, quanto pelo Finals, fico sempre aguardando o seu post. Em relação às mudanças no Site ficaram ótimas, parabéns pelos 25 e que venham mais 25. Dalcim agora só depende do nosso Palmeiras para sermos campeões hein!

Fernando
Fernando
2 meses atrás

Sempre fui fã e admirador do jogo de Rafael Nadal, mas não há o que discutir sobre quem é o melhor tenista da história. Chama-se Novak Djokovic.

Luiz Fernando
Luiz Fernando
2 meses atrás

Maravilhosa e merecida a homenagem de Andrea Bocelli a Federer, emocionante por sinal…

Rodrigo
Rodrigo
2 meses atrás

O domínio de Djokovic é tão amplo e avassalador que passo a ter uma preocupação que nunca imaginei que fosse ter: não menosprezar o legado do Federer. Apesar de toda a mídia a favor, e o assombro no número de fãs, o certo é que Federer, analisado objetivamente, encolheu uma enormidade nos últimos anos. Aquela foto da esposa com o casaco do ‘Goat’ no MET gala hoje seria impensável, por simplesmente ridícula. E para quem pensa que isso é um exagero, basta ver o que aconteceu com Sampras. Era, em sua época, um monstro imbatível, bem acima dos adversários nos pisos rápidos. E atualmente, apesar de americano, na grande mídia, não se transmite a noção do domínio que teve na época em que jogava. De certo modo, parte do brilho de Sampras foi ofuscado pelo big 3, como grande parte do brilho de Federer é nublado pela pujança do Djokovic

Paulo F.
Paulo F.
2 meses atrás
Responder para  Rodrigo

Eu acho que a importância de Roger Federer para o tênis sempre será relevante e referência para o esporte.
O que eu não vou admitir nunca mais é que o coloquem acima de Novak Djokovic.

Paulo F.
Paulo F.
2 meses atrás

Parabéns pelo novo layout do site, Dalcim!
No aguardo que sejam recuperados os arquivos/postagens antigos.

Maurício Luís *
Maurício Luís *
2 meses atrás

Não é só o sérvio líder do ranking que tem sangue frio pra salvar ‘match-points’. Sinner já tem 2 vitórias em 3 jogos recentes contra ele. Ou seja, que ponha as barbas de molho, porque não tem só Alcaraz na jogada, não.
E depois vem internauta comentar aqui que o Aberto da Austrália “tá no papo”.
Grand Slam nunca é fácil. São 2.000 pontos a serem defendidos. A conferir…

eduardo spacca
eduardo spacca
2 meses atrás

Não gostei do layout do novo site, bem melhor como era antes, principalmente no que se refere a ver os resultados das partidas.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
2 meses atrás

40 Masters 1000 ✅️
8° year-end ✅️
400 semanas #1 ✅️
7 ATP Finals ✅️
2 Copas Davis ❌️

Ainda bem que o GOATaço só perdeu o que valia menos nesse fim de ano.

Maurício Luís *
Maurício Luís *
2 meses atrás
Responder para  Paulo Almeida

Mas ele disse que perder pelo país dele dói mais. Então parece que ele discorda de você.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
2 meses atrás
Responder para  Maurício Luís *

“Doer mais” não significa que valha mais. Aliás, é bem óbvio que as conquistas individuais valem muito mais pros torcedores e pro GOATismo do Djokovic.

Maurício Luís *
Maurício Luís *
2 meses atrás
Responder para  Paulo Almeida

Pois é, mas eu penso diferente. Se dói mais, então é porque vale mais. Se dói + do que perder o Finals, por ex., então é porque pra ele vale mais. Pena que não fizeram esta pergunta a ele: ” Você trocaria o título do Finals pelo título da Davis?”

Paulo Almeida
Paulo Almeida
2 meses atrás
Responder para  Maurício Luís *

7 > 6

Isso significa 1000 vezes mais para os torcedores do Djokovic e machuca 1000 vezes os sofredores.

Davis, who gives a damn?

Abs.

Jonas
Jonas
2 meses atrás

Temporada memorável do GOAT. Duvido que a maioria de seus fãs esperava mais um Roland Garros, US Open e Finals na mesma temporada. Jogou demais, subiu ainda mais seu nível, bateu recordes e segue motivado para a temporada 2024. Rivais de grande nível ele terá; Sinner mostrou isso hoje, Alcaraz deu o recado em Wimbledon, Medvedev costuma ser pedreira… mas parece que o sérvio se motiva ainda mais com esses grandes jogadores. Que ele descanse bem e volte ainda mais forte para a temporada seguinte, que promete, abs.

André Aguiar
André Aguiar
2 meses atrás

Hoje às 10h (de Brasília) haverá o sorteio dos confrontos do qualificatório da Davis, a ser realizado em fevereiro.

Possíveis adversários do Brasil e respectivas sedes:

Casa: Tchéquia, EUA, Chile.

Fora: Canadá, Espanha, Croácia, Alemanha, França, Suécia.

Sorteio: Grã Bretanha, Holanda, Cazaquistão, Finlândia, Sérvia.

Lembrando que 2 desses 14 países receberão wild card para disputar as finais e, portanto, não disputarão o Quali (aposto em Sérvia e EUA).

Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br
Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Quando os tenistas se machucam, mas ainda vencem

ATP seleciona as 10 melhores jogadas do ATP FInals