PLACAR

Matos avalia bem a nova parceria: “Estamos mais entrosados”

Foto: Our Sporting Life

Entrevista por Clarissa Veneziani, de Melbourne
Colaboração de Mário Sérgio Cruz

Apesar da derrota na segunda rodada do Australian Open, Rafael Matos tem perspectivas positivas para o início da parceria com o colombiano Nicolas Barrientos. Eles já jogaram juntos em três torneios neste ano, avançando uma rodada em Brisbane e Melbourne e chegando às quartas em Adelaide, e acredita que os sinais de entrosamento já começam a aparecer.

“É uma parceria nova e já estamos mais entrosados. Ainda tem algumas coisas para acostumar com o jogo um do outro, mas tanto eu quanto ele devolvemos bem saque. Então, temos que focar bastante nos nossos games de serviço e também nos voleios, porque a gente vai acabar criando oportunidades na devolução pelas nossas características”, disse Rafael Matos a TenisBrasil neste sábado em Melbourne.

O canhoto de 28 anos e atual 59º do ranking de duplas estava sem parceiro fixo desde o fim do trabalho com o português Francisco Cabral em setembro. E antes disso, teve sucesso ao lado do espanhol David Vega Hernandez, conquistando quatro de seus seis títulos de ATP.

“Estava sem parceria fixa no fim do ano passado e ele tem um estilo de jogo que eu gosto, é muito bom de fundo e devolve bem. Eram as características que fui atrás”, explicou o duplista gaúcho. “Acho que no jeito de jogar a gente é parecido, temos bons golpes de fundo somos sólidos e fazemos jogar nas devoluções. Conseguimos jogar bem taticamente com o saque. Ele é um pouco mais acelerado, eu sou mais calmo. Um complementa o outro”.

Matos e Barrientos foram superados neste sábado pelo tcheco Adam Pavlasek e o uruguaio Ariel Behar por 6/3 e 7/6 (11-9). “Acho que o diferencial no primeiro set foram os games de saque, porque eles foram bem constantes. E nos nossos, demos três pontos de graça em um game. E com isso, eles se mantiveram bem e fecharam o set aproveitando a única oportunidade. E o segundo foi no detalhe, 11-9 no tiebreak. Acho que tivemos mais games duros, todo mundo conseguiu manter o saque, às vezes sair do buraco. E o tiebreak caiu para o lado deles, por um ponto”.

O gaúcho também falou sobre a queda na estreia das duplas mistas, ao lado de Luísa Stefani. A dupla brasileira foi superada pela dupla britânica formada por Joe Salisbury e Heather Watson por 6/3 e 6/4 na última sexta-feira. “O jogo de ontem especificamente foram os pontos importantes que definiram. Tiveram bastante no-ad, a gente ganhou um só e eles ganharam quatro ou cinco. Os games estavam bem duros, os pontos estavam longos. Foi 6/3 e 6/4, mas um no-ad de cada set que caísse para o nosso lado, seria 6/3 e 6/4 para nós. Foi bem equilibrado. A ideia é sempre jogar junto e estar com outra brasileira é sempre especial”.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Karlovic oficializa aposentadoria e recebe homenagem da ATP

O melhor duelo entre Djokovic e Murray? Reveja Qatar em 2017

PUBLICIDADE