PLACAR

Kunieda: “Tênis em cadeira de rodas está crescendo cada vez mais”

Foto: Fotojump

Felipe Priante

Rio de Janeiro (RJ) – Considerado o maior jogador masculino de tênis em cadeira de rodas de todos os tempos, o japonês Shingo Kunieda está nesta semana no Brasil para a disputa de um torneio de exibição durante o Rio Open que começa na próxima quinta-feira. Dono de 28 títulos de Grand Slam e quatro medalhas de ouro paralímpicas, ele comemora o crescimento cada vez maior de sua modalidade.

“Quando joguei pela primeira vez, ninguém sabia muito sobre o esporte, nem tinha internet. Agora, temos transmissão de TV para o mundo inteiro. O tênis em cadeira de rodas está crescendo cada vez mais, os torneios estão nos incluindo, como o Rio. Em Tóquio, no ATP 500, também temo um. Estamos crescendo tanto na ATP quando na WTA”, afirmou o japonês de 40 anos.

Já aposentado do circuito, Kunieda enfrentará o britânico Alfie Hewett, ex-número 1 do mundo e atual campeão do US Open. Na outra semifinal, o brasileiro Daniel Rodrigues medirá forças com o também britânico Gordon Reid, que também tem títulos de Grand Slam no currículo e foi medalha de outro nos Jogos do Rio em 2016.

“Acho que posso falar por todos que é um privilégio estar mais integrado ao circuito da ATP, é muito lega para nós ter todo mundo vendo, é algo importante para o crescimento. É caro ter um torneio, precisa de dinheiro e acho que isso é a principal questão”, comentou Reid, que vê com bons olhos o crescimento do tênis de cadeiras de roda nos Grand Slam, com chaves cada vez maiores.

“Os Grand Slam são os maiores eventos do tênis, todos os olhos estão lá, por isso é importante estar lá. Fico feliz que os Grand Slam estão mostrando mais o tênis em cadeira de rodas, nos colocando nas melhores quadras e aumentando as chaves. Não queremos parar por aqui, queremos continuar a crescer. É lá que tem mais dinheiro e queremos que mais jogadores possam ser profissionais, ganhar dinheiro e assim ter mais gente no circuito e este ficando cada vez melhor”, comentou o britânico.

Rodrigues também destaca o crescimento do tênis de cadeiras de rodas e enaltece e iniciativa do Rio Open. “É um prazer poder participar dessa edição inédita no Rio Open, trazendo o tênis de cadeiras de rodas para o torneio. Além disso, é uma honra estar presente neste momento, só com feras ao meu lado, é muito importante estar ao lado deles e ver essas portas sendo abertas. Serve para incentiva outros torneios a fazer o mesmo”, afirmou o brasileiro.

Ele acredita que cada vez mais a modalidade esteja se firmando no país. “O Brasil está agora com vários juvenis, estão chegando bastante gente, o tênis em cadeira de rodas tem crescido muito, preparando para que o futuro seja melhor que o presente. Com muito trabalho, o Brasil pode chegar ao tomo no tênis em cadeiras de rodas, mas enquanto isso eu von tentar deixar essa molecada para trás”, finalizou.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Veja os melhores lances da rápida final masculina de Miami

Collins segura os nervos e bate Rybakina: veja o melhor da final

PUBLICIDADE