PLACAR

Jogadoras se rebelam e cobram melhorias da WTA

Foto: Jimmie48/WTA

Cancún (México) – As constantes reclamações das jogadoras nesta temporada com as condições oferecidas pela WTA em seus torneios chegou ao ápice neste final de ano. Segundo informa o The Athletic, foi enviada à WTA uma carta de três páginas e assinada pela número 1 do mundo Aryna Sabalenka e outras 20 jogadoras importantes, incluindo Elena Rybakina, Marketa Vondrousova e Ons Jabeur.

Entre as solicitações está a consideração imediata de necessidades de premiações mais altas, um horário mais flexível que fosse mais sustentável física e mentalmente, cuidados infantis ampliados e representação oficial no Conselho de Jogadores da WTA por parte da organização de jogadores independente, a nascente PTPA (Associação de Jogadores de Tênis Profissionais), que Novak Djokovic ajudou a fundar em 2020.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no whatsapp

A carta terminava com um pedido de uma resposta escrita e substantiva, solicitando melhorias com um compromisso claro da WTA de resolver as questões mencionadas . Paula Wolecka, porta-voz de Iga Swiatek, afirmou que a polonesa enviou sua própria carta à liderança da WTA e também fazia parte de uma frente unida aqui no desejo de uma verdadeira mudança.

Um porta-voz da WTA argumentou que as jogadoras sempre foram tomadoras de decisão iguais para garantir uma direção forte para o tênis feminino. “Estamos orgulhosos desses esforços e esperamos continuar a ter essas conversas muito importantes com jogadoras e torneios para continuar a construir um futuro forte para o tênis feminino.”

Porém, em vez da resposta formal solicitada, as tenistas receberam ofertas para duas reuniões com Steve Simon, presidente da WTA, e outros líderes da organização no dia 16 de outubro e, depois, na última quinta-feira, em Cancún. Outro assunto que entrou na pauta foi o WTA Finals, cuja edição de 2023 tem sido muito criticada e que pode ir parar na Arábia Saudita no próximo ano, onde os jogadoras gays podem sentir-se desconfortáveis ​​num país que criminaliza a homossexualidade.

Segundo fontes ouvidas pelo The Athletic, que estavam nas reuniões entre jogadoras e a liderança da WTA e que falaram sob condição de anonimato para proteger as suas posições, as tenistas ficaram insatisfeitas com a resposta da WTA aos seus pedidos. Duas grandes estrelas ficaram tão frustradas que abandonaram o encontro da última quinta-feira antes do seu término.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Toda a comemoração de Alcaraz na conquista de Roland Garros

Jannik Sinner é o 29º homem a liderar o ranking profissional

PUBLICIDADE