PLACAR

Iga vira o jogo e garante a Polônia na final da United Cup

Foto: Peter Staples/ATP Tour

Sydney (Austrália) – A forte equipe da Polônia confirmou mais uma vez o favoritismo e é o primeiro país classificado para a final da United Cup, em Sydney. Depois de uma vitória em sets diretos de Hubert Hurkacz sobre Adrian Mannarino na abertura do confronto contra a França, coube à número 1 do mundo Iga Swiatek definir a série. Ela começou atrás no placar, mas virou o jogo contra a 20ª do ranking Caroline Garcia por 4/6, 6/1 e 6/1 em 1h46 de partida.

Esta foi a quarta vitória de Swiatek sobre Garcia no circuito e a segunda virada consecutiva. Em outubro do ano passado, a polonesa também havia revertido a desvantagem contra a rival nas quartas de final de Pequim. Além disso, a atual líder do ranking chega a quatro vitórias neste início de temporada, três delas contra top 20, já que também derrotou Bia Haddad Maia e a chinesa Qinwen Zheng nas fases iniciais da United Cup. A outra vitória foi sobre a espanhola Sara Sorribes.

A Polônia agora espera a segunda semifinal, que será entre a anfitriã Austrália e a Alemanha. Os países se enfrentam às 3h30 (de Brasília) deste sábado. No primeiro jogo, Ajla Tomljanovic desafia a ex-número 1 do mundo Angelique Kerber. Mais tarde às 5h, será a vez de Alex de Minaur encarar Alexander Zverev. A final está marcada para domingo, também às 3h30.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no whatsapp

A partida entre Swiatek e Garcia começou com a francesa escapando de três break-points em seu primeiro game de serviço. E mais habituada às condições de Sydney -já que a equipe polonesa vinha atuando em Perth até a última quarta-feira- a francesa foi superior durante o primeiro set. Ela passou a confirmar seus saques de forma mais rápida e encontrou o tempo de bola ideal para pressionar Swiatek. A única quebra da parcial aconteceu depois de uma sequência de boas devoluções no corpo, além de uma bola que tocou na fita. Garcia fez 4/3 e logo depois confirmou de zero. A número 1 do mundo salvou um set-point no saque com ace, mas não evitou a perda da parcial pouco depois.

Mas não demorou para que Swiatek reagisse na partida e logo estivesse mais à vontade em quadra. A polonesa quebrou logo cedo no segundo set e se aproveitou do fato de a rival não repetir o mesmo desempenho no saque e nas devoluções em relação à primeira parcial. A estratégia da número 1 foi manter a intensidade nos ralis de fundo, enquanto a francesa já não aguentava mais o ritmo nas trocas e se perdia em erros não-forçados. Assim, Swiatek dominou o segundo set e igualou a partida.

A dinâmica do terceiro set foi parecida, visto que Swiatek continuava firme nas trocas de bola, inclusive nos pontos mais longos, enquanto Garcia não sustentava mais a pancadaria. A polonesa quebrou logo de cara e escapou de dois break-points com dois ótimos saques. E depois disso, não teve mais o serviço ameaçado até o final do jogo e continuou com pressão constante sobre os games de serviço de Garcia para chegar à vitória em três sets.

1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Ubiratan (Black)
6 meses atrás

E o fator de ser eliminado pela Polônia se confirma mais uma vez no torneio. Fator Iga, principalmente, mas o Hurkacz está muito bem também, ele só teve uma derrota, pro Fokina, responsável pelo único 2×1 da Polônia. E a Garcia aí, único set que Iga perdeu no torneio, mas chegou sua hora também.
E o fator Polônia, quem teve o azar de pegá-la primeiro, foi eliminado primeiro. Começou com o Brasil, o mais azarado, primeiro a entrar em quadra e primeiro a concluir os jogos já no dia seguinte e eliminado pela Polônia antes de muitas equipes nem começar o torneio. Depois veio a Espanha enfrentar a Polônia, e mesmo ficando em segundo no nosso grupo já não tinha chances pois os EUA naquele mesmo dia tinha garantido melhores resultados no outro grupo de Perth. Daí a Polônia seguiu eliminando por 3×0 as próximas vítimas que deram o azar de cruzar na sua frente antes de outras, como foi com a China nas quartas e agora a França na semi que era o outro time invicto.
Restou a Alemanha, que pode ser chamada de a sortuda. O Zverev vai ter que voltar à posição de salvador do time para levar a decisão do torneio para as duplas.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Reveja os melhores lances da final masculina de Wimbledon

Momento histórico: Hewett completa o Slam em Wimbledon

PUBLICIDADE