PLACAR

Iga: “Sabalenka e eu mostramos que há consistência na WTA”

Foto: WTA

Stuttgart (Alemanha) – A polonesa Iga Swiatek começou bem a luta pelo tricampeonato no WTA 500 de Stuttgart, com uma vitória em sets diretos sobre a belga Elise Mertens. Atual bicampeã no saibro alemão, a número 1 do mundo derrotou nas duas decisões justamente a vice-líder do ranking, a bielorrussa Aryna Sabalenka. Para a jogadora de 22 anos, os bons resultados das duas tenistas não apenas neste torneio, mas em todo o circuito, mostram que hoje o tênis feminino tem muito mais consistência do que se diz por aí.

“Sinto que tanto eu quanto Aryna mostramos nos últimos anos que existe consistência na WTA. Lembro que, quando estava jogando em 2020 e 2021, recebi muitas perguntas sobre consistência. Há jogadoras que já mostraram isso e é possível ser consistente no tênis feminino. Eu sinto que tenho sido bastante dominante, mas, claro, veremos o que os próximos anos nos reservam. Estou apenas no começo do trabalho a ser feito”, analisou a polonesa que chegará à 100ª semana liderança do ranking na próxima segunda-feira.

Swiatek falou também sobre a pressão de tentar conquistar o terceiro título consecutivo em Stuttgart, algo que apenas a russa Maria Sharapova conseguiu desde que o torneio se mudou para a sede atual, em 2006. Entre 1978 e 2005, o evento foi realizado na cidade de Filderstadt, onde Tracy Austin ganhou as quatro primeiras edições e Martina Navratilova também faturou um tri seguido no final década de 80.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no WhatsApp

“Há sempre pressão em todos os torneios. Não se pode evitar isso neste nível, quando se é a favorita em todos os jogos. Por isso não penso nisso, é difícil vencer três vezes. Lembro-me de como me senti em Doha, no início do torneio, foi difícil desconsiderar alguns assuntos. Sei que no tênis tudo pode acontecer, e que se eu perder, por mais que pareça uma grande surpresa, é normal. Quero focar em jogo após jogo e não pensar em vencer, ainda falta muito”, explicou.

Polonesa aprova início e prevê jogo duro com Raducanu

Também na coletiva de imprensa desta quinta-feira, Iga falou sobre a sua estreia em Stuttgart e gostou do próprio desempenho. Ela também destacou como o piso do torneio alemão é uma boa alternativa para fazer a transição da quadra sintética para o saibro, já que ele é bastante veloz em relação a outros torneios da gira de terra batida.

“Estou muito feliz com a forma como joguei. A primeira partida no saibro é sempre difícil e Elise foi ótima. Às vezes é preciso ter paciência e trabalhar no ponto, mas eu lidei com tudo isso e sinto que consegui me adaptar às condições dos últimos dois dias. O jogo foi ótimo em todos os aspectos, tive muita confiança e não senti que precisava me adaptar para muitas coisas. Aqui em Stuttgart a quadra é relativamente rápida, então serve como uma boa transição entre o piso duro e o saibro”, avaliou.

Por fim, ela comentou sobre sua próxima adversária, a britânica Emma Raducanu, que já coleciona duas boas vitórias, contra a alemã Angelique Kerber e a tcheca Linda Noskova, e segue sem perder sets nesta semana. Para Swiatek, a jovem de 21 anos está reencontrando sua melhor forma e pode complicar sua vida.

“Parece que todas as peças do jogo dela estão se encaixando novamente. É ótimo ver isso, claro que ela tem potencial. Não vai ser fácil, pois ela sabe girar a bola e tem um bom desempenho no saibro. Já jogamos em outra ocasião e não foi fácil, não esperaria um jogo nada fácil”, disse a polonesa, que venceu os dois duelos anteriores contra Raducanu, o primeiro justamente nas quartas de final em Stuttgart há dois anos e o outro nas oitavas de Indian Wells na temporada passada.

2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
João Sawao ando
João Sawao ando
1 mês atrás

Torcendo pela emma

Rodrigo
Rodrigo
1 mês atrás

Rybakina tb é sempre constante e sempre está indo longe nos torneios. E quando ta no dia dela, sempre vence Iga e Sabalenka.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Wild enfrenta inspirado Monfils e a torcida francesa em Paris

A homenagem de Roland Garros ao adeus de Alizé Cornet

PUBLICIDADE