PLACAR

“Foi um dos meus melhores jogos”, celebra De Minaur

Foto: Getty Images for ITF

Perth (Austrália) – Depois de sair atrás, com um derrota para a Grã-Bretanha na abertura do grupo C, a Austrália se recuperou contra os Estados Unidos e ficou com a primeira posição da chave, se tornando a segunda equipe já classificada para as quartas de final da United Cup, assim como a Polônia.

Responsável por abrir caminho para o triunfo diante dos norte-americanos nesta segunda-feira ao bater Taylor Fritz em sets diretos, Alex de Minaur comemorou a vitória dos donos da casa e valorizou seu próprio desempenho, destacando que foi uma das melhores atuações da carreira e que é capaz de jogar de igual para igual com os principais nomes do circuito.

“Estou muito feliz com o desempenho, a mentalidade e o que trouxe para a quadra. Acho que mostrei que tenho muitas armas e um estilo de jogo que, se eu quiser, posso ser agressivo e encarar esses caras poderosos. Estou muito feliz com as táticas, a forma como as executei hoje e por poder elevar o nível, jogando o estilo de tênis que queria. Essa partida está definitivamente entre as cinco melhores que já joguei”, destacou o jogador de 24 anos e atual 12º do ranking.

Para De Minaur, outro ponto chave para derrotar Fritz foi a mudança de mentalidade em relação à estreia, agindo de forma mais positiva desde o início. “Eu acho que tem a ver com a capacidade de virar a página. É um novo ano e realmente tinha que focar em começar do jeito certo e jogar o tipo de tênis que eu quero. Eu sabia que hoje não venceria se fosse passivo, então fiz o que tinha que fazer e executei. Eu estava jogando um tênis positivo desde o início e não vislumbrei qualquer negatividade durante todo a partida. Estou muito orgulhoso disso” disse.

Por fim, o australiano admite que ainda pode evoluir e usar melhor as armas que tem para se tornar um jogador mais completo, tirando o estigma de ser apenas um atleta veloz.

“Obviamente, quando você me vê jogando, a única coisa que se destaca provavelmente é a minha velocidade, certo? E às vezes eu mesmo confio um pouco demais na minha velocidade e não utilizo as outras áreas do meu jogo, o que acho que pode ser muito perigoso. Acredito que também posso usar minha velocidade para chegar mais à rede e ser agressivo. Tenho muitas armas diferentes que às vezes esqueço de usar”, pontuou.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Karlovic oficializa aposentadoria e recebe homenagem da ATP

O melhor duelo entre Djokovic e Murray? Reveja Qatar em 2017

PUBLICIDADE