PLACAR

“É uma questão mental comigo mesma”, diz Bia após derrota

Foto: Luiz Candido/CBT

Matheus Dalcim
Especial, de São Paulo (SP)

Assim como nos últimos jogos que disputou no circuito, Beatriz Haddad Maia mais uma vez apresentou oscilações e acabou derrotada por Laura Siegemund com parciais de 6/4 e 6/2 na abertura do confronto diante da Alemanha pelo qualificatório da Billie Jean King Cup, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo.

Ciente da má fase que vive neste início de temporada, Bia afirmou que os altos e baixos que vem apresentando têm a ver principalmente com o aspecto mental. “Acho que aconteceu hoje um pouco do que vem acontecendo nos últimos jogos em que não consegui ser agressiva e sólida como eu gostaria. Não falaria de direita [forehand] ou esquerda [backhand], é mais uma questão mental comigo mesma. Em certos momentos estou me frustrando e me perdendo mentalmente”, admitiu a canhota de 27 anos.

“Quando você se coloca numa posição de estar entre as melhores do mundo, a expectativa vem naturalmente, e nas últimas partidas eu mesma acabei me pressionando em alguns momentos. E isso não é externo, não vem da minha equipe, da minha família ou das pessoas. É uma cobrança minha”, acrescentou.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no WhatsApp

Bia citou ainda um momento específico do jogo em que sentiu a energia baixar, justamente no início do segundo set, em que perdeu quatro games consecutivos logo de cara. “Logo depois de perder o meu saque [no primeiro game da parcial], eu tive um 15-30 [a favor] que ela me deu um lobby, e o meu semblante baixou, o meu estado de espírito baixou. Eu já aprendi que cada ponto que eu perco ou ganho vale um, e eu tenho que buscar esse equilíbrio”, frisou.

Outro aspecto que chamou a atenção na partida desta sexta-feira foi o alto número de erros não-forçados da brasileira. Dos 64 pontos que Siegemund venceu no jogo, 31 foram a partir de equívocos de Bia, que também não ganhou um único ponto nas suas 15 subidas à rede e ganhou apenas 24% dos pontos com o segundo saque. Diante desses números, a número 1 do país comentou sua performance de forma mais analítica.

“O problema não são os erros não forçados, mas como estou errando. Se eu começo o jogo mais disciplinada e jogando da forma certa, eu levo o jogo para um cenário. A partir do momento que eu fico mais acuada e perco o meu padrão, ele vai para outro cenário. Hoje, mais uma vez, eu fui me perdendo, fiquei um pouco desconcentrada nos momentos difíceis. A maioria dos pontos, fui eu que fiz, tanto para ela, quanto para mim”, destacou.

Com mais um jogo de simples pela frente e um possível duelo de duplas ao lado de Luisa Stefani caso o confronto fique empatado, Bia explicou como pode tentar dar a volta por cima. “As coisas não estão acontecendo como eu gostaria e a única forma de eu reverter isso é eu ter uma atitude melhor, jogar com mais energia e enfrentar essa situação com coragem. Foi assim que eu conquistei todos as coisas grandes da minha carreira.”

41 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Paulo Mala
Paulo Mala
1 mês atrás

Se é mental, não seria o caso de adicionar um psicólogo fixo na equipe?
Apesar que eu ache que não vai melhorar tanto os golpes dela…

João Sawao ando
João Sawao ando
1 mês atrás
Responder para  Paulo Mala

Se for mental melhora os golpes sim

Paulo A.
Paulo A.
1 mês atrás
Responder para  Paulo Mala

Ontem, quando a Bia adentrou na quadra, a expressão facial dela já revelava uma pessoa acuada e vacilante. Bem diferente da Pigossi.

Oswaldo
Oswaldo
1 mês atrás
Responder para  Paulo A.

Que tbm perdeu

Carlos Roberto Gomes
Carlos Roberto Gomes
1 mês atrás
Responder para  Paulo Mala

Tanto o aspecto psicológico, tanto de técnico, tem de mudar imediatamente sua equipe, falta: saque, resposta de saque, esquerda, direita, slice bem aplicado, FALTA no momento tudo, mas é uma boa jogadora com potencial de melhora.

Arthur
Arthur
1 mês atrás

Perdeu de novo meu Deus ‍♀️, que fase. Caramba, já tá dando é raiva de torcer pra bia, sérião

NFdS
NFdS
1 mês atrás

Evidente que é um desequilíbrio emocional.
Mas o que fazer? Nada?
Tem então que agregar algum profissional da área da psicologia à equipe…
Tem que fazer alguma coisa, pq ela e a equipe estão muito passivas

Paulo Mala
Paulo Mala
1 mês atrás
Responder para  NFdS

Exato. O que mais me desagrada é essa passividade. A impressão que fica é que pensam que ela vai voltar ao bom jogo sozinha, assim do nada…

Eduardo
Eduardo
1 mês atrás
Responder para  NFdS

Você que acha que ela não está fazendo, ela com certeza está trabalhando diariamente nesses pontos que ela já identificou. Ela só não está anunciando… Você achar que ela está parada achando que vai voltar é loucura. Ela não virou top 20 do nada.

Rafael BC
Rafael BC
1 mês atrás

mas aí, o corporativismo faz com que ela, refém disso tudo, não consiga/ não possa dar um basta na relação e iniciar um novo trabalho. força Bia. atitude quanto a isso. senão já sabemos que dias ainda mais difíceis virão.

Vanessa
Vanessa
1 mês atrás
Responder para  Rafael BC

Mas ela disse que é uma questão emocional o que um novo técnico de saque iria fazer em relação a isso? Ela precisa de acompanhamento psicológico, isso sim. Depois que estiver com o mental devidamente equilibrado se vê as questões técnicas do jogo que precisam evoluir.

Ronaldo Oliveira
Ronaldo Oliveira
1 mês atrás

Para a surpresa de ninguém!!!!

Rodrigo
Rodrigo
1 mês atrás

Faça igual a Iga, coloque um psicólogo(a) junto com a comissão, tendo uma figura ali que vc possa olhar e saber que é uma pessoa que tá ali para lhe ajudar, sabendo dos seus problemas. Os melhores estão aí para serem copiados mesmo, vamos Bia O/.

Última edição 1 mês atrás by Rodrigo
Fernando Romero
Fernando Romero
1 mês atrás

É evidente que o problema é mental. Como resolver? Não sei. Coisa pra psicólogo. Acabei de ver a derrota da Pigossi. Esforçada mas demonstra s indigência técnica do tenis feminino brasileiro. E vou arriscar uma bobagem: a Nauane Silva atropela essa Tatiana Maria

André Barcellos
André Barcellos
1 mês atrás

O grande Paulo Cleto diz que “a confiança é o maior bem de um tenista”. Não pode deixar escapar tanto…é um ciclo muito maleficamente vicioso. Não ganha porque está sem confiança e não tem confiança porque não ganha…

SANDRO
SANDRO
1 mês atrás

Bia tem que pensar “PONTO A PONTO” e não ficar remoendo os pontos perdidos, pois o passado não volta atrás…

Álvaro Canto de Campos
Álvaro Canto de Campos
1 mês atrás

Hoje foi outro jogo horrível da Bia.
Totalmente nervosa e errando tudo que tentava.
Entregue em quadra.
Agora vem o saibro europeu e os pontos de RG.
Precisa urgentemente colocar a cabeça no lugar e virar a chave…

Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
1 mês atrás

Quando a parte mental não funciona da forma correta, as demais partes ficam comprometidas. Sob tensão e sem confiança não se consegue alcançar o nosso melhor nível. Provavelmente um profissional da área deve conseguir ajudar. Pode fazer um teste, começar fazendo uma consultoria com um(a) psicólogo(a) e depois, conforme o resultado, pode decidir se incorpora ou não o profissional na equipe.

F.F.
F.F.
1 mês atrás

Volta Cé

Reginaldo Rabelo
Reginaldo Rabelo
1 mês atrás

Tá difícil assistir, depois do que ela fez no final de 2023.

Gil
Gil
1 mês atrás

Creio que a Bia esteja com depressão. Os sintomas são claros. As reações no jogo e na torcida por Laura deixam claro que ela atende os critérios para o diagnóstico. Sou psicólogo (atuo em clínica) e para mim, ficou claro que está depressiva.

André Aguiar
André Aguiar
1 mês atrás
Responder para  Gil

Se for depressão ou síndrome de burnout, ela vai precisar de uma pausa para tratamento.

Andre
Andre
1 mês atrás

Bem que Bia poderia pedir a psicóloga da Iga emprestada por algum tempo, rs vamos em frente Bia, creio que ” consertando” esse aspecto seu jogo irá fluir.

Fernando Venezian
Fernando Venezian
1 mês atrás

Verdade! Na partida de ontem, parecia que tinha só uma tenista em quadra. A Bia marcava os pontos pra ela e pra adversária. A alemã nem precisava se esforçar, só esperava a brasileira errar

Zé Coimbra
Zé Coimbra
1 mês atrás

A última vez que algo do gênero aconteceu comigo, tirei férias. Um mês na fazenda só pescando, andando a cavalo, boiando no rio, lendo um livro deitado numa rede. Comendo e dormindo muito. Nada de mundo externo. Só descanso para mente e corpo! Você nas entrevistas é sempre muito educada e gentil! E nas quadras você é craque, joga muito! Tudo de bom para você!

Luiz Eduardo
Luiz Eduardo
1 mês atrás

Infelizmente jogar em casa colocou mais pressao na Bia em um momento que ela nao esta conseguindo administrar a pressao interna. Talvez ela saindo dos holofotes, jogando sem tanta responsabilidade, mais solta, sem se cobrar, esquecer o ranking, se divertir mais e com ajuda de suporte psicológico, ela encontre o caminho. Ela sabe o que precisa fazer.

Rinaldo
Rinaldo
1 mês atrás

Eu acho que um treinador do Leste Europeu seria o ideal. Estes caras trabalham muito também o mental, veja como as tenistas desta região são focadas e equilibradas. Sem dúvidas, confiança dela é nenhuma, deste jeito não ganha de ninguém. Sugiro aperfeiçoar saques e jogo defensivo, e chegando em RL joga com sangue nos olhos, vai pra dentro delas, seja agressiva, isso é tudo pra recuperar confiança

Andy Schmid
Andy Schmid
1 mês atrás

Como eu sempre digo: quando os pontos daqueles lampejos do ano passado caírem, a verdade do ranking se restabelecerá.

Refaelov
Refaelov
1 mês atrás

Eh aquilo, pior doq esse momento é a completa paralisia da mesma a ele, toda a entrevista é isso: “é normal na vida do tenista, não precisa fazer/mudar nada, vai passar”.. se vai mesmo ficar esperando sem fazer nada, o meu conselho é q espere sentada e numa cadeira bem confortável..

Albert
Albert
1 mês atrás

Nunca, em toda a minha vida, eu vi um jogador de tenis tão abatido e derrotado muito antes do final da partida. E ainda vi uns sorrisinhos estranhos de quem sabe o final da história. Deu até pena, achei q fosse chorar. Mas mudei de canal.

Oscar
Oscar
1 mês atrás

Desde que começou a dar entrevista a veículos e jornalistas rasos foi ladeira abaixo. Hora de voltar aos treinos

Luiz
Luiz
1 mês atrás

Não tem nada de mental, é falta de jogo mesmo. Sem voleio, sem slice, sem saque e sem consistência.

Vanessa
Vanessa
1 mês atrás
Responder para  Luiz

Esse comentário não é possível… Vão assistir futebol e parem de encher as paciências com Papinho de quem não entende nada…. Fala sério

Paulo Lima
Paulo Lima
1 mês atrás

Na minha opinião, o que faz o atleta evoluir é o treinamento constante e a capacidade de execução na hora da competição. Desde Roland Garros, Bia não evoluiu em nenhum fundamento, seja saque, forehand, backhand, subidas as redes….. se ela está treinando, de duas, uma: ou não está sendo orientada da forma correta, ou seus treinamentos não estão surtindo efeitos, aí sim, é um caso psicológico. Mas se for a primeira opção, é um caso técnico e só resolve com a mudança de treinador.

Vanessa
Vanessa
1 mês atrás
Responder para  Paulo Lima

Com algum de vocês nem desenhando, né?

Gisele Matias
Gisele Matias
1 mês atrás

Uma mulher deste tamanho não sabe nem sacar

Haroldo Guimarães
Haroldo Guimarães
1 mês atrás

Escrevi isso em outro post. Se ficar o bicho come, se correr o bicho pega. Não sabia dessa entrevista dela. Eu se fosse técnico tirava ela , não seria demérito, e colocava a Carol, teríamos raça e nenhuma alemã está preparada para jogar com a Carol. E depois esperar um milagre da Laurinha. E nas duplas ia de Ingrid e Luiza, caso empatasse. Perdido por perdido, arrisca… tem que pensar no melhor pro time.

andré
andré
1 mês atrás

Avalanche de erros não forçados não parece causado apenas pelo mental, a técnica anda muito em baixa esse ano. Se apenas passa a bola a adversária faz a fez, daí quando tenta forçar joga na rede, daí fica difícil. Se o mental não ajuda, a técnica também está um fiasco.

Antônio Luiz Júnior
Antônio Luiz Júnior
1 mês atrás

Difícil descrever o momento atual de BIA. As expectativas sobre ela aumentaram, tornou-se uma tenista mais conhecida das adversárias, e inegavelmente, vem vivendo um momento de muita inconsistência técnica a mental. O jogo de BIA no normal, já é bem previsível, e para funcionar, tem que estar com a confiança lá em cima. Não tem plano B e falta muita variação de jogo. Só quem pode reverter este cenário é ela mesma. ainda acho que deveria requalificar a equipe técnica.

Eládio Roberto
Eládio Roberto
1 mês atrás

Troca o treinador e o psicólogo. Não tá dando certo,muda. O treinador do Djokovic deve estar disponível!

Blumenau
Blumenau
1 mês atrás
Responder para  Eládio Roberto

Bia, troca de técnico pelo amor de Deus.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Agassi recorda trajetória de drama e sucesso em Roland Garros

Os melhores lances de Iga Swiatek rumo ao tri no Foro Italico

PUBLICIDADE