PLACAR

Djokovic: “Era como se estivesse jogando contra o espelho”

Foto: Corinne Dubreuil/FFT

Melbourne (Austrália) – Bastante exigido em sua partida de estreia no Australian Open, Novak Djokovic teceu vários elogios ao jovem Dino Prizmic, croata de 18 anos e vindo do quali. Dez vezes campeão em Melbourne, o número 1 do mundo ficou em quadra por 4h neste domingo e ficou impressionado com a solidez e o condicionamento físico de Prizmic, 178º do ranking, projetando um futuro promissor para o croata.

“Tive um adversário incrível esta noite. Foram quatro horas de jogo e quatro sets. Parecia que em algum momento eu já estava jogando contra o espelho”, disse Djokovic após a vitória por 6/2, 6/7 (5-7), 6/3 e 6/4 contra Prizmic neste domingo em Melbourne. “Ouvi dizer que ele gostava de me ver jogar quando era criança. Adoro a maneira como ele usa cada centímetro da quadra. Ele se defende incrivelmente bem, principalmente com o backhand. Tem um jogo muito versátil”.

“Dino teve uma performance incrível para alguém de 18 anos e que nunca teve a experiência de jogar em um grande palco. Ele jogou com muita maturidade e confiança em quadra, lutando, sem desistir mesmo quando estava com perdendo por 4/0 no último. Impressionado com a sua mentalidade, com o físico, e com o seu jogo”, acrescentou a respeito do atual campeão juvenil de Roland Garros.

“Muitos parabéns para ele e sua equipe. Eu certamente quero estar ao seu lado e espero que ele me convide porque fará grandes coisas em sua carreira”, acrescentou o número 1 do mundo. Prizmic começou a jogar no Tenis Klub Split, onde Goran Ivanisevic, hoje técnico de Djokovic, começou a carreira. “Ouço muitas histórias positivas sobre sua disciplina e sua dedicação, que o tornaram tão forte fisicamente já aos 18 anos. Se ele continuar assim, terá uma carreira muito brilhante pela frente, sem dúvida”.

Apesar de ter o dobro da idade de seu adversário, Djokovic sabe utilizar muito bem toda sua experiência em grandes jogos para chegar fisicamente inteiro nos momentos decisivos, o que muitas vezes não acontece com adversários mais jovens e pouco habituados a jogar nesse nível de intensidade. O sérvio também foi perguntado sobre a vantagem no aspecto mental diante dos adversários, por conta de todo seu histórico de conquistas.

“Acho que provavelmente é mais útil no início das partidas. Foi o que aconteceu hoje, quando ele cometeu algumas faltas duplas no primeiro game e eu quebrei o saque dele. Você podia ver que ele estava nervoso. Acho que ajuda muito no início a tornar a sua presença ainda maior na quadra”, explica o veterano de 36 anos.

“Quando o locutor do estádio fala de suas conquistas, acho que é impossível para os jogadores não ouvirem isso, não sentirem isso, especialmente para um jovem como ele. Mas não creio que as conquistas que tenho aqui realmente me façam ganhar uma partida. Talvez ajudar a começar bem os jogos, como foi no caso de hoje. Mas não foi isso que me fez vencer hoje”.

Djokovic havia sofrido com um desconforto no punho durante o primeiro torneio da temporada, na United Cup, mas já conseguiu atuar neste domingo sem nenhuma proteção no local. E mesmo disputando um jogo longo, também não precisou pedir o tempo médico de três minutos ou massagem durante as viradas de lado. O sérvio agora terá dois dias de descanso e só volta a jogar na quarta-feira, contra o vencedor do duelo australiano entre Alexei Popyrin e Marc Polmans.

Leia mais

Djokovic é bastante exigido na estreia e supera jovem croata após 4h

15 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
eduardo
eduardo
6 meses atrás

Não vai longe, pelo visto

Fábio Sena
Fábio Sena
6 meses atrás
Responder para  eduardo

Quem não vai longe? Se expresse melhor.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
6 meses atrás
Responder para  eduardo

Quem vai longe é o aposentado.

Rodri
Rodri
6 meses atrás
Responder para  Paulo Almeida

Muito longe mesmo, tem viajado bastante, aproveitando a aposentadoria

José Cardoso Jr
José Cardoso Jr
6 meses atrás
Responder para  eduardo

Quem não vai longe? Você?

Murer
Murer
6 meses atrás

Tomara que tenha uma grande carreira.

O Djokovic é um monstro

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
6 meses atrás

Esse moleque deu mais trabalho em Melbourne do que o Federer na semifinal do AO em 2020.

Fernando Venezian
Fernando Venezian
6 meses atrás
Responder para  Paulo Sérgio

kkkkkkkkkkkkkkkk

Helton
Helton
6 meses atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Também deu mais trabalho pro Djoko do que o Nadal na final de 2019.

Flávio
Flávio
6 meses atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Assim como em 2011, 2015 3
e 2008.rs

Souza Oliveira
Souza Oliveira
6 meses atrás

Nunca será….Paz

Fábio Sena
Fábio Sena
6 meses atrás
Responder para  Souza Oliveira

Godines, que saudades!

Souza Oliveira
Souza Oliveira
6 meses atrás
Responder para  Fábio Sena

Babá ovo detectado…. abraço Nunca será Paz

Fernando Venezian
Fernando Venezian
6 meses atrás

Era que eu tinha notado. O estilo de jogo do croata é extremamente semelhante ao do Nole. A parte defensiva é simplesmente idêntica. O Rune é outro que joga bem parecido

David Almeida
David Almeida
6 meses atrás

É muito bom para Djokovic pegar bons jogadores nas primeiras rodadas pra poder pegar embalo e chegar forte nas quartas e semifinais. Ótimo teste! O jovem rapaz tem futuro.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Reveja os melhores lances da final masculina de Wimbledon

Momento histórico: Hewett completa o Slam em Wimbledon

PUBLICIDADE