PLACAR

Convidado, Perricard conquista o primeiro título da carreira

Giovanni Mpetshi Perricard (Foto: ATP Tour)

Lyon (França) – A semana dos sonhos do jovem francês Giovanni Mpetshi Perricard terminou da melhor maneira possível. Convidado da organização, o tenista de 20 anos e apenas o 117º colocado do ranking colecionou vitórias contra tenistas mais gabaritados e conquistou o título do ATP 250 de Lyon, em sua cidade natal. Na decisão, uma emocionante vitória diante do argentino Tomas Etcheverry, 29º do mundo e sexto principal inscrito do torneio, com parciais de 6/4, 1/6 e 7/6 (9-7) em 2h28 de batalha.

Este é o segundo ano consecutivo que uma jovem estrela francesa triunfa em Lyon, depois de Arthur Fils também ter conquistado o seu primeiro título de ATP no ano passado. No geral, Mpetshi Perricard é o quarto campeão da casa em sete edições do evento. A conquista ainda fará com que ele dê um grande salto no ranking e faça sua estreia no top 100, alcançando o 66º posto.

“Foi uma loucura, uma final muito boa. Perdi o segundo set, mas consegui fazer melhor no terceiro. Estou muito feliz por vencer este torneio e agora tenho muita confiança para Roland Garros”, disse o tenista que também ganhou um wild card para o Grand Slam parisiense e estreia diante do belga David Goffin, ex-top 7 e atual 115º do ranking.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no WhatsApp

Já Tomas Etcheverry disputou a terceira final da carreira e a primeira no ano, depois de fazer semi em Houston e Barcelona. O argentino de 24 anos, no entanto, ainda persegue o seu primeiro título de ATP. Com o resultado em Lyon, ele se manterá na 29ª posição do ranking, dois postos do seu recorde pessoal, mas terá a difícil missão de defender as quartas de final de Roland Garros do ano passado. Em Paris, seu primeiro desafio será contra o anfitrião Arthur Cazaux.

Perricard salva match-point em tiebreak tenso

A partida deste sábado foi de muitos altos e baixos. Desde o começo do jogo, houve muita alternância e oscilações das duas partes, com quatro break-points salvos por Mpetshi Perricard logo no game inaugural. No quinto, ele não escapou e viu Etcheverry chegar a abrir 4/2, precisando salvar outras três oportunidades de quebra no sétimo game. Após desperdiçar essas chances, o argentino não conseguiu sustentar a vantagem e o jovem francês acabou vencendo quatro games consecutivos e o primeiro set.

Na segunda parcial, Etcheverry tratou de dominar as ações desde o começo e abriu 4/0 sem grandes dificuldades. No sexto game ele salvou um break-point e na sequência obteve a terceira quebra para liquidar o set e empatar o jogo.

A terceira e decisiva parcial foi a mais equilibrada de todas e os sacadores tiveram amplo domínio, sem uma única chance de quebra nos dez primeiros games. No 11º, Perricard conseguiu superar o serviço do adversário e sacou para o título na sequência, mas acabou cedendo à pressão e a definição foi para o tiebreak.

No desempate, muita disputa desde o primeiro ponto, mas sempre com o francês à frente. Ele chegou a sacar com 6-5, mas desperdiçou e permitiu que Etcheverry tivesse também um match-point com saque a favor no 7/6. Com o apoio da torcida, Perricard seguiu firme, ganhou três pontos seguidos, o último deles com um smash, levando o público ao delírio.

Ao final, o jovem não conteve a emoção com a conquista inédita na carreira. “Tudo [estava acontecendo]. Eu estava pensando em muitas coisas. Quando errei o voleio no 5-4, foi difícil para mim, mas salvei um match-point depois e estou muito feliz por vencer”, declarou após a partida.

13 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Maroc Ponti
Maroc Ponti
23 dias atrás

Boa vitoria do menino francés contra o hispano.

José Alexandre
José Alexandre
23 dias atrás

Parece que tem futuro, não é qualquer um não.

Didier
Didier
23 dias atrás

Sensacional

Belarmino Jr
Belarmino Jr
23 dias atrás

2,03 de altura…. Saque a 240km….

Aridelson Rue
Aridelson Rue
23 dias atrás

Em quanto isso o wild…. Zzzzz

Carlos Lima
Carlos Lima
23 dias atrás

Esse argentino é uma enganação, não tem saque, winner. Esse jogo foi horrivel, o francês tem uma esquerda que não machuca nem a Bia.

Ramiro Cora
Ramiro Cora
23 dias atrás
Responder para  Carlos Lima

ohgeggg… A sua “enganação” ja está no top-30 há muito tempo (ranking é acúmulo de conquistas obtidas … ai é objetivo, não tem subjetividade/”achismo”). É que por cá adoramos menosprezar argentino, virou esporte. Lamentável como não conseguimos valorar conquistas alhéias (mas enaltecemos um Wildy)… Misericórdia!

Última edição 23 dias atrás by Ramiro Cora
James Garcia
James Garcia
23 dias atrás
Responder para  Carlos Lima

Se o Etcheverry é uma enganação e mesmo assim está milhas a frente de todos os brasileiros no ranking então o tênis brasileiro é pior que enganação então

João Sawao ando
João Sawao ando
23 dias atrás

Vamos ouvir falar do perricard

Julio Marinho
Julio Marinho
23 dias atrás

Sinceramente, achei muito limitado. Back batido em pé, muitas vezes bola curta. Pouco controle do golpe. Jogador de risco, mas tem um limite para esse tipo de jogador, que é o top20, mas se fosse chutar acho que nem no top20, ele entra.

Ramiro Cora
Ramiro Cora
22 dias atrás
Responder para  Julio Marinho

ah.. é?… quando foi o nosso último top 30? (e o Wildy… segundo vc, qual seria o limite dele?)

Julio Marinho
Julio Marinho
20 dias atrás
Responder para  Ramiro Cora

Opa, beleza? Nosso último top30 é a Bia. Quando falo limitado, é para voos maiores, um top10, não me parece ter jogo para isso. Escola francesa coloca top100 na base de 8a 10. Mas ao mesmo tempo, nunca emplacou um
top1. Dê uma pesquisada no que o Simon fala da escola francesa. Negócio do Wild é muito físico e mental. Em jogo mesmo, acho que ele poderia chegar ao top25, mas teria que melhorar considravelmente nesses aspectos. Tem melhorado, ficado mais constante. Bom jogador, péssimo exemplo de pessoa, contudo. Parece que vai chegar ao top40 e tem boas condições de manter, o que para o tênis brasileiro, é bem louvável.

Marcos Ribeiro
Marcos Ribeiro
23 dias atrás

Mais 1 de vários tenistas profissionais franceses negros. Também há diversos atletas profissionais negros franceses em outros esportes. Deveríamos estudar como eles conseguem realizar bem melhor do que nós o seu potencial humano.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Alcaraz e Murray: treino entre campeões em Queen's

Os melhores lances da campeã Boulter na grama de Nottingham

PUBLICIDADE