PLACAR

Collins coroa ano de despedida com seu maior título

Danielle Collins (Foto: Jimmie48/WTA)

Miami (EUA) – Depois de anunciar que a temporada de 2024 será sua última no circuito profissional, Danielle Collins conquistou neste sábado o maior título de sua carreira. A norte-americana de 30 anos venceu o WTA 1000 de Miami, superando na final a cazaque Elena Rybakina, número 4 do mundo, por 7/5 e 6/3 em 2h de partida. Collins cedeu apenas um set no torneio, no duelo norte-americano contra a canhota Bernarda Pera na estreia.

Ex-número 7 do mundo e finalista do Australian Open em 2022, Collins tinha apenas dois títulos no circuito da WTA, o primeiro no saibro de Palermo em 2021 e o segundo em San Jose, poucas semanas depois. A tenista vinda do circuito universitário norte-americano aparece atualmente no 53º lugar do ranking, mas salta para a 22ª posição. A campeã do torneio recebe 1000 pontos no ranking e um prêmio de US$ 1,1 milhão.

A decisão de Collins se retirar do circuito profissional foi motivada pelo desejo de se tornar mãe e por alguns problemas de saúde que ela teve nos últimos anos. A tenista trata desde 2019 da artrite reumatoide, uma doença que prejudica o sistema imunológico e limita seu rendimento físico. Além disso, ela foi diagnosticada em 2022 com endometriose, uma reação inflamatória que também afetou seu calendário de competições, além dificultar a possibilidade de engravidar. Por esses motivos, afirma que vai parar de jogar, independentemente dos resultados que tiver na temporada.

A conquista de Collins é a primeira de uma norte-americana em Miami desde 2018, quando Sloane Stephens foi campeã, quando o torneio ainda era realizado no Crandon Park. Outras cinco jogadoras da casa já venceram o torneio, Martina Navratilova, Chris Evert e as irmãs Venus e Serena Williams, sendo que Venus é tricampeã e Serena tem oito títulos na competição, que se mudou para o Hard Rock Stadium em 2019.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no whatsapp

Já Rybakina amargou o segundo vice-campeonato seguido em Miami. A cazaque de 24 anos perdeu para Petra Kvitova na final de 2023. Ela segue com sete títulos no circuito, com destaque para Wimbledon em 2022, em 18 finais disputadas. Em torneios de nível 1000, tem agora dois títulos e três vices. Este ano, foi campeã dos 500 de Brisbane e Abu Dhabi e disputou finais de Doha e Miami. Ela se mantém na quarta posição do ranking e recebe 650 pontos e US$ 585 mil.

A final de Miami foi um encontro entre duas jogadoras de estilos parecidos, com golpes mais retos na bola e definindo os pontos em poucas trocas. O primeiro set teve apenas uma quebra de serviço, conquistada por Collins já no último game da parcial. Mas antes disso, a norte-americana salvou cinco break-points, quatro deles no mesmo game ainda no 3/3, e mais um no 5/5. Rybakina fez um winner a mais no set, 15 a 14, mas cometeu 23 erros contra 19.

Logo na abertura do segundo set, Collins conseguiu mais uma quebra de serviço e saiu vencendo por 2/0, chegando a vencer quatro games seguidos na partida. Rybakina devolveu a quebra, buscou o empate por 2/2, e ainda teve dois novos break-points. Mas na reta final da partida, Collins teve sucesso na tentativa subir a bola em alguns momentos e trabalhar melhor os pontos durante os ralis para conseguir vencer pontos importantes. Ela conseguiu manter o saque para fazer 4/3 e depois quebrou o saque de Rybakina. Sacando para o jogo e com muito apoio da torcida, precisou jogar quatro match-points para definir a disputa em sets diretos e comemorou o maior título da carreira.

Rybakina liderou a estatística de winners por 27 a 24 e cometeu 41 erros contra 37 de Collins. A norte-americana aproveitou três suas sete chances de quebra e perdeu apenas um game de saque, mesmo enfrentando dez break-points.

31 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Osvaldo
Osvaldo
15 dias atrás

isso aí, Collins !!! calando a boca desses machistas, misóginos e intolerantes que te atacam covardemente pela simples decisão de querer ser mãe !

Paulo Mala
Paulo Mala
15 dias atrás
Responder para  Osvaldo

Alguém atacou ela? Não fiquei sabendo…

Flávio
Flávio
15 dias atrás
Responder para  Osvaldo

Osvaldo aqui não é lugar de lacrar não rapaz, ora tu estás no canal errado pois aqui é para falar de esporte e parabenizar o que a Collins fez.

Maria
Maria
15 dias atrás
Responder para  Osvaldo

Tenisbrasil virou site de política?
Não estava sabendo.

Felipe
Felipe
15 dias atrás
Responder para  Osvaldo

Foi atacada por qual machão??? Misturam muito as coisas, muita raiva no mundo hj…

Vitor
Vitor
14 dias atrás
Responder para  Osvaldo

Nunca vi ninguém critica-la pela decisão.
É isso o que esses caras fazem, criam narrativas e fatos inexistentes.
Esse é um dos motivos que tanta gente tem antipatia por várias causas importantes.

Viviane
Viviane
15 dias atrás

Jogou a vida nessa partida; cometeu muitos erros, deu muitos pontos de graça,foi agressiva, colocou o coração em quadra, mas soube se segurar até o final. Perdeu somente um set no torneio todo, isso no primeiro jogo, depois disso atropelou todo mundo.
Triste pela Rybakina, mais uma vez deixou escapar. Mesmo chegando a mais uma final, sinto que ela está jogando muito abaixo do que costuma jogar. Vamos ver como ela vai se sair no saibro.

Paulo A.
Paulo A.
14 dias atrás
Responder para  Viviane

Só me pergunto se a Bia ainda é capaz de vencer essas jogadoras top. Eu, hoje, tenho sérias dúvidas…

Adriano Veiga
Adriano Veiga
15 dias atrás

Danielle é uma grande lutadora, uma verdadeira apaixonada pelo tênis. Porque seguir jogando e competindo em meio a tantas dores e dificuldades causados por esses terríveis problemas físicos é ter muito amor pelo que faz e muita fé em si mesma.

Parabéns pelo título!
Parabéns pela luta!
Parabéns pela persistência!
Que ela termine sua carreira com honras e vitórias, que realize seus sonhos depois do tênis, que tenha filhos lindos e que seja saudável e feliz .
É o meu desejo.

Flávio
Flávio
15 dias atrás
Responder para  Adriano Veiga

Os deuses queria que ela vencesse, agora espero que os deuses premiem também o Dimitrov também.

Paulo A.
Paulo A.
14 dias atrás
Responder para  Adriano Veiga

Palmas!!!!

Fernando Venezian
Fernando Venezian
15 dias atrás

Que bela final hein! Torço pra Elena, mas a Collins mereceu demais! Ela tava encapetada nesse torneio! Jogou muito!

Fabio
Fabio
15 dias atrás

Parabéns Collins!!

Marcos Souza
Marcos Souza
15 dias atrás

Que Maravilhoso ela ser campeã de um torneio importante em seu último ano de circuito, vou torcer pra que ela vá além e vença algum Slan antes dr aposentar!

João Sawao ando
João Sawao ando
15 dias atrás
Responder para  Marcos Souza

Também espero que vença um gs

Helton
Helton
15 dias atrás

Não sei se era impressão minha, mas parece que na premiação ela ainda estava com a bola na saia/short.

João Sawao ando
João Sawao ando
15 dias atrás

Parabéns collins

Rodrigo
Rodrigo
15 dias atrás

Depois da Bia, Rybakina é a minha favorita, mais uma vez na trave. Sentindo ela mais nervosa durante as partidas.

Viviane
Viviane
15 dias atrás
Responder para  Rodrigo

Também tenho notado isso.

DJ Ives dobem
DJ Ives dobem
15 dias atrás
Responder para  Rodrigo

Eu torço/apoio tenistas que vibram com pontos ganhos e vitórias. Esses modelos tipos Ribakina e Medvedev que ganhando ou perdendo tem a mesma face, dá nem graça. Mas ela é bonita.

Jorge Luiz
Jorge Luiz
15 dias atrás

Navratilova não é tenista da casa, ela é tcheca,o fato de ser naturalizada não a torna tenista da casa

José Nilton Dalcim
Admin
15 dias atrás
Responder para  Jorge Luiz

Grande engano seu, Jorge. Martina é muito bem quista nos EUA e eles a reverenciam como se fosse efetivamente norte-americana, status que adquiriu lá em 1981, portanto há mais de quatro décadas.

Paulo A.
Paulo A.
14 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Esse aí ainda está na década de 60. O mundo hoje é globalizado. E as pessoas fazem escolhas de vida, até mudam de gênero…

DJ Ives
DJ Ives
15 dias atrás

A Collins estava irreconhecível nesse torneio. Jogou demais, teve boa eficiência mesmo arriscando tudo. Quanto ao fato de querer mãe, tá fazendo na hora certa.

Rocha
Rocha
15 dias atrás

Collins mereceu o título, seus jogos foram um show.

Luis Vanderley Santana
Luis Vanderley Santana
15 dias atrás

Merecido de mais, parabéns danielle collins

Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
15 dias atrás

Também estava torcendo para a Rybakina, mas a Collins mereceu a vitória. A minha torcida para a Rybakina era também por conta dela ter perdido a final do ano passado para a Kvitova. Perder duas finais seguidas do mesmo torneio deve ser bem difícil, mas tomara que a Rybakina olhe o lado positivo disso, ou seja, que ela fez um grande trabalho e precisa apenas ajustar alguns detalhes para, quem sabe, no próximo ano sair com o título. Quanto à Collins, acho que ela teve o mérito de saber controlar as emoções e ser agressiva, firme e determinada para conseguir o título.

Pedro Henrique Verano
Pedro Henrique Verano
14 dias atrás

Mulherona! Dos melhores backhands do circuito. Fico feliz demais pela conquista num momento tão importante da carreira

Hedwiges
Hedwiges
14 dias atrás

Sempre torci pela Collins em todos os seus jogos e este título agora foi mais que merecido. Que venham outros para abrilhantar a precoce aposentadoria!

trackback

[…] com a preparação prejudicada, conseguiu vencer cinco jogos, alguns deles muito longos, e só foi superada pela norte-americana Danielle Collins na final do último […]

trackback

[…] (EUA) – Três dias depois de conquistar o maior título da carreira em Miami, Danielle Collins inicia a temporada de saibro com vitória no WTA 500 de Charleston. Agora […]

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Veja os melhores lances da rápida final masculina de Miami

Collins segura os nervos e bate Rybakina: veja o melhor da final

PUBLICIDADE