PLACAR

Brasil não tinha três representantes em Masters desde 2010

Wild, Monteiro e Fonseca disputarão o Masters 1000 de Madri

Por Matheus Dalcim
Da redação

A vitória de Thiago Monteiro na última rodada do qualificatório de Madri, nesta terça-feira, significou a quebra de um tabu de 14 anos do tênis brasileiro. Desde 2010, em Miami, o país não tinha três representantes na chave principal de um Masters 1000. Além do canhoto cearense, estão garantidos no torneio da capital espanhola o paranaense Thiago Wild, que entrou direto pelo ranking, e o carioca João Fonseca, que recebeu convite da organização.

Na última vez em que o Brasil emplacou tantos jogadores na disputa de um evento dessa categoria, estiveram em quadra o gaúcho Marcos Daniel, como lucky-loser, e os paulistas Thomaz Bellucci, cabeça de chave 27, e Ricardo Mello, vindo do quali.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no WhatsApp

Mello e Daniel acabaram eliminados ainda primeira rodada pelo sul-africano Kevin Anderson e o colombiano Santiago Giraldo, respectivamente, enquanto Bellucci, que iniciou campanha já na segunda fase, ganhou dois jogos e chegou às oitavas de final. O canhoto de Tietê acabou eliminado em três sets pelo espanhol Nicolas Almagro, depois de derrotar de virada o norte-americano James Blake e o belga Olivier Rochus em sets diretos.

Algumas semanas antes, o tênis brasileiro já havia colocado quatro nomes na chave principal do Masters 1000 de Indian Wells. Além do trio que jogou em Miami, também esteve no deserto californiano o paulista Thiago Alves, que antes precisou disputar a fase prévia, assim como Ricardo Mello.

Histórico recente

Desde então, o Brasil teve sempre no máximo dois representantes em chaves principais de Masters 1000, algo que aconteceu apenas mais sete vezes. Em 2011, Bellucci e Mello jogaram em Indian Wells e Miami, feito repetido pelo próprio Bellucci ao lado de Thiago Monteiro na temporada 2017, na qual eles também estiveram juntos em Roma. Um ano antes, Thomaz já havia disputado Miami na companhia de Rogério Dutra Silva. Por fim, Monteiro e Felipe Meligeni marcaram presença em Miami no ano passado.

Agora, será a vez de Thiago Wild, Thiago Monteiro e João Fonseca representarem o Brasil no saibro de Madri, onde nunca tantos jogadores do país estiveram numa mesma edição. Ainda nos tempos em que o torneio espanhol era disputado na quadra dura, houve dois brasileiros na edição inaugural, em 2002, com Gustavo Kuerten como convidado e André Sá furando o quali. Ambos, no entanto, pararam na primeira rodada: Guga caiu para o tailandês Paradorn Srichaphan e Sá foi superado pelo chileno Fernando González.

23 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Adalberto
Adalberto
26 dias atrás

Já disse e repito: Bom D++++ !!!!
E no simples feminino apenas a injustamente criticada Bia!
Se não fosse a Bia seria o deserto, né??
VQV BIA!
VQV BRAZUCAS!

Fernando S P
Fernando S P
26 dias atrás

Muito legal, mas o hiato de 14 anos continuaria se não fosse o convite.

São os três melhores do país. Vamos estar muito bem representados!

DENNIS SILVA
DENNIS SILVA
26 dias atrás

A verdade é que o Master de Madri e Roma aumentou a chave p 128 jogadores. Antes era 64.

gil
gil
26 dias atrás
Responder para  DENNIS SILVA

não são 96 jogadores, com finalista chegando com 6 jogos, fora os cabeças de chave?

Bernardo
Bernardo
26 dias atrás
Responder para  gil

sim, 128 só Grand Slam

Thiago
Thiago
26 dias atrás

Já saiu a chave. Monteirão da Massa pega Lajovic… é, foi bom enquanto durou… rs

Paulo Mala
Paulo Mala
26 dias atrás
Responder para  Thiago

É um adversário ganhavel. Em se tratando de um m1000, sao poucas opções ganhaveis

Avanildo
Avanildo
26 dias atrás
Responder para  Thiago

E o jogo nem começou e já em gente torcendo pela derrota do brasileiro. Afff….

Sossego01
Sossego01
24 dias atrás
Responder para  Thiago

Que bom que durou mais que teu comentário rs. Ta manjando muito

Marcos Antonio Vargas Pereira
Marcos Antonio Vargas Pereira
26 dias atrás

E o Thomaz Bellucci que foi semi-finalista e chegou as oitavas duas vezes é um dos tenistas mais criticados do Brasil. O Thomaz deve ser respeitado por todos que gostam ou vivem do tenis

Paulo Mala
Paulo Mala
26 dias atrás

Uma Única vez semi finalista. Lance de sorte, pois nunca mais chegou perto disso

Andrade
Andrade
26 dias atrás
Responder para  Paulo Mala

Bellucci #21 do mundo, 4 títulos ATP, 5 anos dentro do Top 50, etc. Deve ter sido “um lance de sorte” também…kkkkkk

Paulo Vinícius da Silva Reis
Paulo Vinícius da Silva Reis
25 dias atrás
Responder para  Paulo Mala

Lance de sorte ganhar do Murray e tirar um set do Djoko nesse torneio? Respeite a carreira de um dos melhores tenistas que tivemos até aqui.

Rogério
Rogério
26 dias atrás

O Monteiro pegou o pior sorteio possível, vai enfrentar o adversário mais duro de todos os quali, o Lajovic que tem semi recente, e na sequência o tsitsipas

Frederico Temer
Frederico Temer
26 dias atrás

Bellucci batendo James Blake, de virada, em um masters 1000, na casa do rival. Tempos bons do Belo

Charles Voos
Charles Voos
26 dias atrás

saudades de ler a interminável expressão “canhoto de Tietê”

Gusmão
Gusmão
26 dias atrás

Em 2010 tinha muitos Torneios ITF, Challenger e ATP. Hoje é mais difícil.
A CBT regrediu.
Os poucos que conseguem se manter, só mesmo pelos talentos individuais.
Parabéns aos Wild, Monteiro e Fonseca por conquistarem esse feito.

Agora, Luz tem potencial, mas escolhe os Torneios errados, está jogando quali na Europa.
Muitos Torneios Challenger no saibro, na América do Sul e alguns no Brasil, ele conseguiria entrar na Chave principal em Simples e seria Cabeça de chave 1 nas Duplas.

Bernardo
Bernardo
26 dias atrás

De nada pela apuração rsrs

Evandro
Evandro
26 dias atrás

Não lia o nome do excelente Thiago Alves há umas três décadas. O que será que ele anda fazendo???

José Nilton Dalcim
Admin
26 dias atrás
Responder para  Evandro

Dando treinamentos e correndo maratonas!

Pedro Henrique Verano
Pedro Henrique Verano
26 dias atrás

A quantidade de estatísticas incríveis do Bellucci (dentro da história do tênis brasileiro) é de dar orgulho. A constância que ele esteve no top 50, representando o país no topo de linha, como nos Masters e Grand Slams, é infelizmente mal compreendida pela maior parte dos fãs do esporte, que vivem das risadas e aplausos dos grupos de amigos ao fazerem críticas grosseiras e piadas de mau gosto.

Refaelov
Refaelov
25 dias atrás
Responder para  Pedro Henrique Verano

Eu penso q tem alguns q vão nessa linha do deboche/críticas grosseiras mas, vejo tbm muitas críticas merecidas. Foi sim, discutivelmente, nosso 2° maior tenista da era profissional mas, pra quem realmente acompanhou a carreira do canhoto, claramente foi um atleta q alcançou substancialmente menos doq seu talento permitia, tanto q alcançou seu melhor ranking com tenros 21 anos e jamais conseguiu repetir aquele nível de consistência..

Luiz Correia
Luiz Correia
25 dias atrás

Excelente. Mas o que é de doer é a comparação com nossa vizinha Argentina, que tem 9 tenistas dentro do top 100, contra 1 brasileiro.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Nadal leva público italiano ao delírio com incrível reação

Conheça o que aconteceu nos bastidores do WTA 100 de Madri

PUBLICIDADE