PLACAR

Bia precisa reencontrar o saque, avalia Medrado

Foto: Marcello Zambrana

Recordista nacional de participações e vitórias na Billie Jean King Cup, o torneio mundial por equipes do tênis feminino, Patrícia Medrado avaliou a derrota do Brasil para a Alemanha, por 3 a 1, no entusiasmado ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, em bate papo com o editor José Nilton Dalcim.

Medrado acha que Bia conseguirá reagir na temporada na medida em que reencontrar a confiança no saque, algo que enfim mostrou por um set e meio na segunda partida do Ibirapuera, onde se pode ver seu tênis de alto nível. A ex-top 50, que defendeu o Brasil por 14 anos na competição, elogiou o espírito de luta de Laura Pigossi e de Carol Meligeni e lamentou a chance perdida de vermos a decisão nas duplas, onde Luísa Stefani certamente estaria presente.

Dalcim ainda destaca no Podcast de TenisBrasil a recuperação importante de Stefanos Tsitisipas logo na abertura dos grandes torneios europeus, lembrando seus números expressivos na terra batida, e acredita que Casper Ruud, ao recuperar seu nível, incomodará todo mundo até Roland Garros.

Escolha seu agregador de podcasts e ouça agora:

          

7 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Pedro
Pedro
1 mês atrás

Nunca encontrou, sempre sacou bem mais ou menos para a altura dela. Ela precisa é melhorar o saque que nunca foi bom.

Victório Benatti
Victório Benatti
1 mês atrás

A Bia precisa urgentemente arrumar um treinador especializado em saque. Todas jogadoras que fizeram isso se deram bem. Não sei o que a Bia está esperando…

Refaelov
Refaelov
1 mês atrás
Responder para  Victório Benatti

Parece q n pode “ofender a sensibilidade” do atual treinador/namorado fazendo adições técnicas à equipe..

Paulo Mala
Paulo Mala
1 mês atrás
Responder para  Refaelov

Concordo. Vejo o atual comando como um empecilho e talvez por ego, não fazer essa adição que a ajudaria muito.

Blumenau
Blumenau
1 mês atrás
Responder para  Victório Benatti

É a grande falha dela que eu venho sempre batendo nos meus comentários, mas os furiosos não aceitam e me chamam de hater.

Augusto Guimarães
Augusto Guimarães
1 mês atrás
Responder para  Victório Benatti

Dá pena vê-la perdida em quadra. Saque fraquíssimo, em torno de 160, apesar de ter aquele braço de estivador; e a corrida para o back continua “aquela tristeza”. Potencial de no. 10 e jogo atual de no. 100. Quando ela buscará um treinador de ponta?

Xico Tripas
Xico Tripas
1 mês atrás

Realmente, para o estilo de jogo (tiro e bomba) que ela tentar ter, ela precisa muito de um 1º saque forte e regular. Bia quer sempre meter a mão na bola, mas ela é alta, lenta e tem o centro de gravidade alto, o que gera dificuldade de abaixar.
Ela não tem variação de jogo, quando o estilo “tiro e bomba” dela não machuca a adversária, pronto, acabou para a Bia.
Jogadoras que tem variação de jogo (slice, curtinha, bola alta no fundo) machucam muito, muito a Bia, e o pior, Bia nunca tem um plano B, é sempre “tiro e bomba”. Funcionou por um tempo, mas todas as adversárias já sabem o que a incomoda.
Como ela não consegue mais se impor a lado mental (fraco) está sendo uma grande barreira para ela.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Wild enfrenta inspirado Monfils e a torcida francesa em Paris

A homenagem de Roland Garros ao adeus de Alizé Cornet

PUBLICIDADE