PLACAR

Técnico aposta que Osaka voltará a brigar pelos Grand Slam

Foto: Mutua Madrid Open

Roma (Itália) – Embora ainda não tenha voltado a se estabelecer como uma das principais jogadoras do circuito, a japonesa Naomi Osaka mostrou alguns sinais encorajadores em sua volta ao tênis neste ano. Seu treinador Wim Fisette acredita no potencial da ex-número 1 do mundo, vê melhorias constantes e acha que ela pode voltar a brigar pelos títulos de Grand Slam

“Como equipe, estamos muito felizes com seu progresso e desenvolvimento. Vemos grandes melhorias físicas e na quadra semana após semana, ela está realmente melhor a cada dia. Não tivemos o grande sucesso que esperávamos, mas todos acreditamos que é apenas uma questão de tempo”, disse Fisette ao podcast The Sit-Down.

“Continuaremos trabalhando como temos feito e realmente sentimos que alcançaremos um grande sucesso este ano”, acrescentou o técnico de Osaka, que tem quatro títulos de Grand Slam e passou 25 semanas como número 1 do mundo., mas atualmente aparece apenas na modesta 173ª colocação no ranking.

Fisette acha que Osaka está motivada para retomar seu melhor tênis. “Ela ganhou quatro Grand Slams e jogou um tênis incrível, mas como treinador sinto que há muito mais a fazer. Se continuar evoluindo, o resultado será que ganhará mais Grand Slams. Esse é pelo menos o objetivo e é nisso que nós, como equipe, realmente acreditamos”, afirmou.

“Ela é uma jogadora super profissional que cuida de cada detalhe. Agora tem a mentalidade de que esta é sua chance de tirar o melhor proveito de si mesma e mostrar seu verdadeiro potencial e encontrar tudo isso. Ela quer saber o quão boa ela pode ser e está disposta a trabalhar muito”, complementou o técnico da japonesa, que estreia em Roma contra a francesa Clara Burel.

1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Neri Malheiros
Neri Malheiros
21 dias atrás

Naomi é uma tenista de personalidade forte e inspiradora pela qual sempre senti profundo respeito e admiração. Ainda no auge, teve sérios problemas de saúde mental e, mesmo diante de uma avalanche de críticas levianas, foi suficientemente corajosa e honesta para admitir sua fragilidade momentânea e afastar-se do circuito em busca de cuidados.

Tal qual seu técnico, também acredito que outras conquistas de Grand Slams e a volta ao topo se darão em pouco tempo pelo que foi demonstrado nesse novo retorno.

Quando alguns atletas são tratados como entidades e comparados a verdadeiros ETs por atingirem marcas jamais imagináveis, o tênis e outros esportes de alto nível, independentemente de gênero, precisam desses sopros de humanismo. E quando a isso se soma o talento, ganhamos todos nós.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Wild enfrenta inspirado Monfils e a torcida francesa em Paris

A homenagem de Roland Garros ao adeus de Alizé Cornet

PUBLICIDADE