PLACAR

Swiatek leva susto, mas fatura o 3º Roland Garros

Foto: Andre Ferreira/FFT

Paris (França) – A polonesa Iga Swiatek levou um grande susto antes de confirmar o amplo favoritismo e erguer a taça de Roland Garros pela segunda vez seguida e a terceira em sua carreira. Depois de abrir 6/2 e 3/0 em cima da surpresa Karolina Muchova, tcheca que é a 43ª do ranking e fez sua primeira final de Grand Slam, a líder do ranking chegou a estar 0/2 e 3/4 atrás no terceiro set antes de marcar as parciais de 6/2, 5/7 e 6/4.

Ainda aos 22 anos, Swiatek conquista seu quarto título de Grand Slam, somando-se o US Open do ano passado – e embolsa a premiação de 2,3 milhões de euros, a maior na história do torneio. Também se torna apenas a sexta profissional a ter ao menos três troféus no saibro parisiense, igualando-se a Chris Evert, Steffi Graf, Monica Seles, Justine Henin e Serena Williams. E a terceira a ganhar suas quatro primeiras finais de Slam, assim como Seles e Naomi Osaka.

A polonesa sofria ameaça de perder a liderança do ranking, que ocupa de forma contínua desde 2 de abril do ano passado, mas já havia assegurado a permanência com a queda da bielorrussa Aryna Sabalenka na semi diante da própria Muchova.

O retrospecto da polonesa em Roland Garros é excelente. Em cinco participações, ela soma 28 vitórias em 30 jogos disputados. Rumo a seus três títulos, também não perdeu sets no inesperado título de 2020 e cedeu apenas um set na edição do ano passado e agora em 2023.

No geral, Swiatek soma agora 14 troféus em 18 finais realizadas na jovem carreira, sendo o terceiro em 2023, ao lado de Doha e Stuttgart. Este é o sétimo sobre o saibro, onde também triunfou duas vezes em Stuttgart e outras duas em Roma.

Muchova tentou variações
O único duelo anterior entre as duas finalistas foi vencido por Muchova, no saibro de Praga, há quatro anos, quando a tcheca era apenas a 106ª do ranking e a polonesa tinha só 17 anos, mas já ocupava o 95º lugar.

Como se esperava, a polonesa começou muito bem a partida, impondo seus golpes de base e abrindo 3/0. Só então a tcheca se soltou e passou a usar as conhecidas variações de efeito e velocidade, além de explorar mais os voleios. Ganhou então seu primeiro game de serviço e ameaçou a cabeça 1 com break-point.

Mas ficou por aí. Passou a ter dificuldades com o serviço e viu Swiatek muito atenta às curtinhas e tentativas de subida à rede.

Segundo set tenso
A polonesa voltou a abrir 3/0 na abertura do segundo set, colocando ainda mais pressão. Dois erros não forçados no entanto permitiram que Muchova buscasse reação, obtendo enfim quebra com ótima paralela, e logo depois o empate. A tcheca embalou e, com nova quebra, sacou para o set. Faltou confiança.

Veio nova chance com 6/5 e saque, e desta vez mostrou coragem e enorme empenho, protagonizando os dois melhores pontos da partida, o segundo deles num voleio difícil e decisivo.

Virada no terceiro set
Para completar o drama, Swiatek outra vez cometeu dupla falta no break-point e a tcheca abriu o terceiro set na frente e ainda mais animada. Sacou muito, vencendo então 20 dos últimos 24 pontos da partida. Mas a experiência permitiu que Swiatek esfriasse a cabeça e reagisse, virando para 3/2 novamente com um tênis sólido.

A instabilidade no entanto não abandonou a polonesa, que via Muchova devolver bem e usar slices como variação. Muchova tomou nova dianteira, mas com 4/3 não fez o bastante com o serviço. Iga reagiu, virou para 5/4 e enfim a adversária sentiu a pressão do momento e sucumbiu após excelente atuação.

Muchova vai voltar ao top 20 com o vice e assumir seu mais alto posto, o 16º lugar, e recebeu 1,150 milhão de euros. Durante a ótima campanha, eliminou também a top 10 Maria Sakkari e salvou match-point contra Sabalenka e ainda perdia o terceiro set por 2/5. No geral, tem cinco vitórias contra adversárias top 3, tendo vencido as ex-líderes do ranking Ashleigh Barty, Naomi Osaka e Karolina Pliskova. No ano passado, sofreu com lesões.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Karlovic oficializa aposentadoria e recebe homenagem da ATP

O melhor duelo entre Djokovic e Murray? Reveja Qatar em 2017

PUBLICIDADE