PLACAR

Princesa saudita critica posição de Navratilova e Evert

Reema bint Bandar al-Saud (Foto: Boris Baldinger/World Economic Forum)

Riad (Arábia Saudita) – A princesa Reema bint Bandar al-Saud, membro do comitê olímpico da Arábia Saudita, criticou a oposição das ex-tenistas profissionais Martina Navratilova e Chris Evert à realização do WTA Finals no país, por conta do histórico em relação aos direitos humanos e às liberdades individuais.

Em coluna do Washington Post, as duas criticaram a possível decisão da WTA de transferir o Finals para Riad por entenderem que isso é incompatível com o espírito do tênis feminino.

“Não é só que naquele país as mulheres não são vistas como iguais, é um país em que existe uma lei segundo a qual as mulheres são propriedade dos homens. Um país que criminaliza a comunidade LGBTQ ao ponto de condenar à morte”, escreveram Navratilova e Evert.

A Princesa Reema salienta que Navratilova e Evert viraram as costas às mesmas mulheres que inspiraram e disse estar decepcionada com ambas. “Deveriam estar mais bem informadas” sobre as leis sauditas, uma vez que os seus argumentos se baseiam em estereótipos ultrapassados e visões ocidentais”, disse em comunicado.

“Não reconhecer o grande progresso que as mulheres fizeram na Arábia Saudita denigre a nossa incrível jornada. Não só prejudica o progresso das mulheres no esporte, mas também prejudica as mulheres em geral. O esporte não deve ser usado como uma arma para agendas pessoais ou punir uma sociedade”, destacou.

Evert e Navratilova rejeitam WTA Finals na Arábia Saudita

11 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Ricardo
Ricardo
23 dias atrás

Os sauditas querem comprar tudo, valores, crenças, moral, ética…mulheres corajosas Navratilova e Evert

Paulo A.
Paulo A.
23 dias atrás

Enrolou e não disse nada de concreto.

Adalberto
Adalberto
22 dias atrás

Talvez a suspensão pura e simples pedida possa não ser a melhor solução…
Poderia fazer exigências de participação de um quantitativo de tenistas sauditas, por exemplo.
Algo mais inteligente, para avançar…

Marcelo Takahashi
Marcelo Takahashi
22 dias atrás

As duas não falaram nada demais do que se sabe sobre o país: uma monarquia absolutista, que vira as costas para os direitos humanos.
E o pior é que não dá para entender como uma entidade responsável pelo tênis feminino se vende a ponto de permitir que seja disputado um torneio num país como esse…

SANDRO
SANDRO
22 dias atrás

O importante é que tenistas atuais, como a SABALENKA, estão muito felizes com as portas que os ÁRABES estão abrindo para o tênis FEMININO com muito LUXO e RIQUEZA, tenistas FEMININAS estão sendo muito bem recebidas e valorizadas pelos árabes.
Na verdade EVERT e NAVRATILOVA estão com inveja das tenistas atuais que vão ganhar grana dos árabes porque na época delas elas não tinham estes torneios!
EVER e NAVRATILOVA estão com mágoa por não ter tido isso na época delas, elas estão com aquela INVEJINHA…
Em vez de comemorarem que os ÁRABES estão abrindo as portas para o tênis FEMININO com muito LUXO E RIQUEZA, elas estão querendo por água no chopp das tenistas atuais!!!
As tenistas atuais vão ganhar um GRANA nas arábias e não queiram atrapalhar isso, por favor!

José Nilton Dalcim
Admin
22 dias atrás
Responder para  SANDRO

Jura que você acha que Martina e Chris estão com inveja financeira da Sabalenka? Estude um pouco mais o currículo das duas.

Tom França
Tom França
22 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

As leis e a cultura de um País devem ser respeitadas, doa a quem doer! Não acredito que seja inveja financeira, embora não descarte uma pontinha do outro tipo de inveja, por não terem desfrutado do que rola hoje, na época delas! O que mais vejo mesmo, é uma apologia a esse mundo “mimizento”, que cerceia a verdadeira tradição do esporte. Navratilova não pode se esquecer, que mesmo com as suas escolhas pessoais, foi, é, e sempre será respeitada pela lenda em que se tornou, nesse tipo de esporte.

José Nilton Dalcim
Admin
22 dias atrás
Responder para  Tom França

As duas sempre tiveram postura muito firme em favor do tênis feminino, Tom.

Carlos
Carlos
22 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Lembrando que a Iga foi contra.

Ps. Minha posição seria uma intermediária. A questão toda é : a WTA precisa de dinheiro. Talvez pudesse “exigir” alguns avanços sociais. Algumas contrapartidas… Ainda que mínimas.

SANDRO
SANDRO
22 dias atrás

Se os ÁRABES ignorassem o tênis FEMININO e não investissem um centavo sequer no tênis FEMININO seria melhor do que investir em LUXO, RIQUEZA e CONFORTO para as tenistas e abrir a porta do mundo ÁRABE para o tênis FEMININO???
É fácil para EVERT e NAVRATILOVA quererem excluir a riqueza árabe do tênis FEMININO, porém para as tenistas atuais, a abertura do mundo árabe para o tênis FEMININO significa mais oportunidades para elas!

HARES
HARES
22 dias atrás

Em minha modesta e humilde opinião, não se deveria misturar esporte com politica, ideologia de gênero, religião ou cultura. Cada país ou sociedade é livre para decidir seus costumes, valores e princípios.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE