PLACAR

Pequena notável aumenta a festa italiana

Foto: Corinne Dubreuil/FFT

Em um momento em que a altura se tornou um fator de grande vantagem no tênis profissional, chegar a uma final de Grand Slam com apenas 1,63m soa quase como uma ironia. Segundo estudos recentes, a média de altura das jogadoras da WTA é de 1,75m.

Jasmine Paolini entrou para a história nesta quinta-feira ao se tornar a segunda tenista mais baixa a atingir uma final de Grand Slam na chamada Era Aberta, superada apenas pela eslovaca Dominika Cibulkova, que media 1,60m quando decidiu o Australian Open de 2014.

Caso conquiste o título no sábado em cima da super favorita Iga Swiatek, a italiana de 28 anos baterá o recorde da multicampeã Billie Jean King, que ganhou 39 troféus de Grand Slam, sendo 12 de simples (nove na era profissional), com 1,64m.

A ascensão de Jasmine no circuito tem sido surpreendente. Há um ano, lutava para se segurar no top 50. Aí veio o título inesperado em Dubai, em fevereiro, onde tirou Bia Haddad e Maria Sakkari, e isso mudou sua vida. Curiosamente, perderia para Elena Rybakina nas quartas de Stuttgart e nas oitavas de Roma frente a Mirra Andreeva, justamente suas duas últimas adversárias neste Roland Garros. A jovem russa não soube o que fazer diante das bolas profundas, que abriram caminho para 13 winners. O 14º, acreditem, foi com um ace crucial num game apertado do segundo set.

Muito diferente de tantas outras, Paolini teve sua primeira chance profissional aos 19 anos, convidada para a chave de duplas de Roma. Demorou mais duas temporadas para ganhar um torneio mais expressivo, de US$ 100 mil, e só então fez sua estreia num WTA de simples. Em novembro de 2019, chegou enfim ao top 100. Seus dois títulos de primeira linha vieram na quadra dura, o primeiro na Eslovênia, em 2021. E o maior sucesso no saibro, o vice de Palermo no ano passado.

Ao entrar neste Roland Garros, Jasmine somava tão somente três vitórias no torneio e sete no total de Slam, vindo das oitavas em Melbourne, única vez que passou mais de uma rodada. De quebra, nunca havia ganhado mais do que dois jogos de duplas num mesmo Slam e agora está na semifinal, ao lado da não menos ‘baixinha’ Sara Errani, 1,64m, finalista em Paris em 2012, com quem Paolini venceu Roma há poucas semanas.

“Nunca sonhei em ganhar um Slam ou ser a número 1 do mundo, só pensava em me divertir. Preferi manter os pés no chão”, afirmou Jasmine, dizendo-se surpresa quando viu Novak Djokovic e agora Jannik Sinner dizerem que esta era a meta deles quando garotos. “Meu nível ainda pode subir. Agora, entro em quadra acreditando que posso ganhar qualquer partida”. Mas será que dá para superar Iga Swiatek? A futura 7ª do ranking diz ter muito respeito e que até troca palavras com a tricampeã em polonês. Afinal, sua mãe é descendente direta.

Iga perto de novos feitos

Com apenas três sets perdidos desde as campanhas vitoriosas de Madri e Roma – um para Bia, outro para Aryna Sabalenka e agora para Naomi Osaka -, Swiatek vai em busca de um raro terceiro titulo consecutivo em Paris, o que apenas Monica Seles e Justine Henin obtiveram desde 1937. O quarto Roland Garros a igualará a Henin, atrás somente de Chris Evert (7) e Steffi Graf (6). Por fim, o eventual quinto Slam a faria superar Osaka, Kim Clijsters e Hana Mandlikova e empatar com Maria Sharapova e Martina Hingis. Apenas outras 10 tenistas somaram mais que isso desde 1968. É um currículo excepcional para seus 23 anos.

Depois de oferecer poucas oportunidades mais uma vez à Coco Gauff e somar a 11ª vitória em 12 possíveis, a polonesa contou que a dura vitória sobre Osaka, salvando match-point, mudou tudo, principalmente a confiança, mas que o fato de o tempo ter ficado mais seco também tem sido fator importante. E voltou a falar da empunhadura extrema que usa, a Western, de onde tira o máximo dos topspins. “Com ela, me defendo bem e também tenho tempo de atacar”.

Festa italiana só aumenta

Com sua primeira finalista em Paris desde 2012 – nos dois anos anteriores, Francesca Schiavone ganhou um título e fez outra final -, o tênis italiano continua em festa, um dia depois de comemorar a chegada inédita de um tenista da casa à ponta do ranking. E o próprio Jannik Sinner jogará às 9h30 desta sexta-feira contra o espanhol Carlos Alcaraz em busca de sua segunda final de Slam consecutiva.

Mas não é só. A parceria de Simone Bolelli e Andrea Vavassouri decidirá no sábado o título de duplas masculinas contra Marcel Granollers/Horacio Zeballos ou Marcelo Arevalo/Mate Pavic, enquanto a própria Paolini se juntará a Errani para fazer semi nesta sexta-feira diante de Marta Kostyuk e Elena Rose. E como se não bastasse tanta alegria, o garoto Lorenzo Carboni eliminou o número 1 do mundo Rei Sakamoto e está na semi juvenil, ou seja, é a mais nova promessa da Itália no circuito.

Sem dúvida, é o maior momento do tênis italiano desde a final toda sua no US Open de 2015, em que Flavia Pennetta derrotou sua amiga Roberta Vinci.

Em jogo, o sonho

Alexander Zverev tenta disputar em Roland Garros sua segunda final de Slam – dos quatro grandes torneios, é onde soma mais vitórias, agora com quatro semis seguidas -, quase quatro anos depois de ter falhado feio na decisão do US Open frente a Dominic Thiem. Seu adversário é outro que espera a sua vez. Casper Ruud perdeu os títulos de Paris para Rafael Nadal e Novak Djokovic, em 2022 e 2023, além de ter decidido o US Open de 2022 para Carlos Alcaraz.

92 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Samuel, o Samuca
Samuel, o Samuca
11 dias atrás

Olá Dalcim,

No período mencionado, a Iga Swiatek perdeu mais de dois sets. Se Lembra da Aryna Sabalenka em Madri?

Jorge Miguel
Jorge Miguel
11 dias atrás

Sobre o tênis italiano ,isso é o resultado de um excelente trabalho de base .
Agora a final feminina vai se um passeio da iga swiatek.
Final do masculino,na sua opinião dalcim ,zverev x alcaraz ?

Maurício Luís *
Maurício Luís *
11 dias atrás

” A água bate no pescoço, a pessoa sai nadando “.
E não é que o senhor Novak , do dia pra noite, resolveu que “substâncias estranhas” agora podem sim entrar no seu atlético corpo? Anestesia, antibióticos, meio balde de analgésicos durante a partida… fora pinça e bisturi.
O mundo dá voltas, não é mesmo, senhor Novak?

Paulo Almeida
Paulo Almeida
11 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Não, Maurício, ele tomou analgésicos várias vezes em torneios (Australian Open e Roma 2023 só das mais recentes) e realizou cirurgia no cotovelo em 2018. Ele só foi relutante em relação à vacina pra Covid, mais nada. Você não pode dizer que ele nega remédios tradicionais, cirurgias e outros procedimentos da medicina tradicional.

Gustavo
Gustavo
11 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Postei a mesma coisa nas minhas redes sociais…

Gustavo
Gustavo
11 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Já já chegarão os comentários “mas a vacina é experimental” pi pi pi po po po.
Mas a maioria de nós correu o risco de tomá-la para q todos pudessem enfim sair de casa, Djoko incluso.

Maurício Luís *
Maurício Luís *
11 dias atrás
Responder para  Gustavo

A vacina era EMERGENCIAL. Era… e daí, por má-fé, os antivacina deliberadamente trocaram o emergencial pelo “experimental”.
Não tem lógica ter medo de eventual reação, da qual tanto falam, e não ter medo das sequelas da covid, algumas pelo resto da vida.
Fora os que morreram por teimar em não se vacinarem. Conheço alguns pessoalmente. Ou melhor… connhecia…

Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
11 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Ele fez cirurgia no cotovelo em 2017 e deve ter se submetido à alguma anestesia. Ao longo da vida deve ter ido alguma vez ao dentista e também pode ter tomado alguma anestesia. O fato de não ter se vacinado contra a covid-19 a meu ver tem dois motivos principais. O primeiro é que ficou provado que o coronavírus não causa problema a quem tem boa imunidade e boas condições de saúde e o segundo motivo é que a vacina contra a covid-19 não foi suficientemente testada em comparação com outras vacinas existentes no mercado. Então, entre tomar uma vacina não suficientemente testada, correr o risco de sofrer algum efeito colateral, e confiar que a sua imunidade ia protegê-lo do coronavírus, ele ficou com a opção de confiar na sua imunidade, o que é um direito dele. Ocorre que as pessoas que não gostam dele, não sei se é o seu caso, associam qualquer coisa ruim que acontece a ele ao fato dele não ter tomado vacina contra a covid-19. Coisa de hater, sabe!

Gustavo
Gustavo
11 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Para mim o mais incoerente é ele querer se beneficiar de um mundo “vacinado” sem se vacinar. Sem a vacina ainda estaríamos em casa e milhares de mortos…

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
7 dias atrás
Responder para  Gustavo

Ele e mais alguns bilhões pelo mundo.
Ele deveria estar trancado em casa até agora por não ter se vacinado?
Talvez somente os sobreviventes que lutaram contra o regime militar brasileiro devessem gozar de liberdade agora, não?

Neri Malheiros
Neri Malheiros
10 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Caro Dalcim, embora eu e minha companheira tenhamos tomado todas as doses de vacina contra o vírus, igualmente defendo o direito de Novak Djokovic não querer ser imunizado por qualquer que seja o motivo alegado mesmo que isso vá contra minha opinião sobre o tema.

Quanto ao impedimento de participação nos dois torneios, não
posso concordar que a incoerência nos dois episódios tenha sido do atleta, que nunca escondeu sua condição de não vacinado.

Aliás, diante das incertezas a respeito de um inimigo aínda totalmente desconhecido e das teorias conspiratórias em torno da origem do vírus e da credibilidade das vacinas, muita gente, no mundo inteiro, optou por recorrer a receitas miraculosas como as tais cloroquina e ivermectina tão em voga por aqui e até em países do chamado primeiro mundo, como Estados Unidos e Itália.

Na Austrália, para onde chegou a viajar e ficar detido no aeroporto, a confusão toda foi pelo fato de haver incoerência entre a posição dos organizadores do torneio, erradamente parciais, e as autoridades governamentais, absolutamente certas frente à gravidade epidemiológica local. Trecho de uma matéria de O Globo, do dia 07 de janeiro, não deixa dúvida a esse respeito: “… Apesar de o comitê do torneio autorizar exceções especiais, o governo de Vitória, que irá sediar o torneio, determinou que apenas atletas, funcionários, árbitros e torcedores completamente imunizados, serão autorizados a ingressar Melbourne Park, complexo esportivo onde ocorre o Grand Slam.”

Evidentemente, ‘Nole’, que nunca quis abrir mão de sua recusa em se vacinar mesmo que isso custasse seu impedimento em participar das competições, viajou com a expectativa de ser aceito por conta de uma exceção que jamais esteve e nem nunca deveria estar sob seu controle ou o de sua equipe de assessores.

O mesmo raciocínio lógico vale para o US Open, onde a incoerência novamente não partiu dele e sim do governo norte-americano, que, numa decisão claramente chauvinista, liberou os atletas locais de apresentarem atestado de vacinação e impediu a entrada de atletas de outros países que não estivessem imunizados. Neste caso, diante da clara contradição do governo, várias tentativas e apelos até de políticos e ex-atletas foram feitos em vão para que a regra que privilegiava somente atletas de casa se estendesse aos demais. Dessa vez, acertadamente, Djokovic preferiu aguardar de longe até o último momento antes de tomar a decisão de desistir da competição.

Claro que nas duas situações, o impasse sobre a participação de um jogador de sua importância gerou muita mídia e uma série de especulações, críticas, teorias e defesas apaixonadas.

Neri Malheiros
Neri Malheiros
10 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Não há dúvida quanto ao tratamento irresponsável e prepotente de Djokovic em relação à pandemia, Dalcim. Governantes de países desenvolvidos e o então presidente brasileiro se comportaram criminosamente da mesma maneira ao ignorar o altíssimo risco e deixar populações inteiras à mercê do vírus nos meses iniciais da crise sanitária.

Porém, ao exercer o direito individual de ficar sem imunização e ao mesmo tempo pretender participar do Australian Open, ‘Nole’ foi prontamente colocado no seu devido lugar pelas autoridades locais para não pôr em risco todos os demais atletas. Infelizmente, o mesmo não ocorreu em relação aos governantes irresponsáveis e os resultados devastadores desses descasos são bem conhecidos.

Já o governo norte-americano manteve sua postura parcial e de alto risco ao não exigir certificado de vacinação de seus atletas para a disputa do US Open e, contraditoriamente, impedir o ingresso de atletas não imunizados de outros países.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
7 dias atrás
Responder para  Neri Malheiros

Muito bem escrito e tens minha anuência.
Um juiz australiano o autorizou até a treinar na Rod Laver Arena.
Esse complemento serve para o Dalcim também, que não concorda com você.
Duvido muito que qualquer outro tenista teria feito uma viagem à Austrália somente para enfrentar o sistema, caso não fosse convidado com garantias que jogaria.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
7 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Talvez fosse totalmente descabido mesmo, caso não houvessem dirigentes dos eventos, especialmente na Austrália incentivando a quebra desse protocolo. Lembremos que um juiz lhe deu o direito de treinar, para o torneio, o que de fato aconteceu e que foi prontamente revogado em seguida.
Em nenhum outro lugar, que proibia entrada de não-vacinados, Djokovic se meteu a entrar neles.

Maurício Luís *
Maurício Luís *
11 dias atrás

Bom dia, Carlos Alberto. Há casos registrados de jovens com boa saúde que contraíram o coronavírus e morreram. Lembro de ter lido sobre um personal trainer russo de pouco + de 30 anos, negacionista. Na época não havia vacina, mas nem máscara ele quis usar. Morreu deixando filhos pequenos.
Se todos fizessem como o sérvio, neste exato momento não haveria torneio algum. Ou haveria… com o mesmo desastrado desfecho do Adria Tour.
Vacina só dá certo quando se pensa na coletividade. Coisa que o povo japonês tem de sobra e o brasileiro não.
Certos problemas só se resolvem quando se age coletivamente. Até peixes sabem disso. O cardume dificulta a ação dos predadores.
Segue o link sobre o preparador físico russo.
https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/preparador-fisico-ucraniano-que-disse-ter-duvidado-da-covid-19-morre-da-doenca/

Marcelo Reis
Marcelo Reis
10 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Exato. Eu perdi alguns conhecidos e um amigo, todos saudáveis, na casa dos 20 a 40, incluindo um médico. Na época, não havia vacina. Repito: nenhum tinha comorbidade.

Fernando Brack
Fernando Brack
10 dias atrás

É absolutamente, completamente e escandalosamente errado afirmar que as vacinas anticovid não foram suficientemente testadas. Nenhum medicamento é liberado para consumo sem ser testado conforme protocolos consolidados universalmente. Maurício Luís está certo. O que os laboratórios fizeram nas vacinas anticovid foi uma corrida contra o tempo, mas jamais queimando etapas. Eu sei o que falo, pelo meio em que trabalho, e já disse isso tantas vezes neste blog que perdi a conta.

Fernando Brack
Fernando Brack
10 dias atrás

A outra afirmativa errada (que pessoas saudáveis não contraem convid grave e não correm risco de morte) poderia ser considerada crime se colocada por autoridade, já que estimula os saudáveis a não se vacinarem. Fora ser contraproducente, pois doença contagiosa é problema de saúde pública, cuja enfrentamento depende da participação de todos. É preciso lembrar que uma pessoa contaminada por vírus contagioso pode ter sintomas leves da doença ou até nenhum sintoma, mas é vetor de contaminação de quem se aproxima dela.

Paulo F.
Paulo F.
11 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Muitos anestésicos e antibióticos têm DÉCADAS de uso e diversas validações científicas.
Vacina contra Covid são muito recentes e, sim, ainda experimentais.
Bem diferente a situação.

Paulo F.
Paulo F.
11 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Dito isso Dalcim, irei fazer minha sexta dose agora em julho.

Maurício Luís *
Maurício Luís *
11 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Valeu, Dalcim! Obrigado!

Maurício Luís *
Maurício Luís *
11 dias atrás
Responder para  Paulo F.

Não sei quantas vezes mais terei que repetir que as vacinas nunca foram “experimentais”. Eram emergenciais. Elas antes tinham sido testadas em voluntários.

Fernando Brack
Fernando Brack
10 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

E muito bem testadas. Essa conversa de ‘experimentais’ foi a fake mais pregada pelos negacionistas, incluindo inúmeras autoridades, o que fez com que o Brasil tivesse mais vítimas fatais e não fatais do que a média mundial por população. E essa gente estúpida segue flanando impune por aí.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
7 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Putz, ainda?
Trata-se de opção, só isso.
Se eu não posso ir ao US Open por não ter me vacinado, descido por não me vacinar e não ir, ponto.
Se eu não posso jogar minha última olimpíada sem cirurgia em meu joelho, faço a cirurgia e vou. Ponto final.
A falta de não se vacinar poderia ter matado somente o próprio que decidiu não se vacinar.
Arbitrariedade mesmo foi Wimbledon obrigar um jogador a vencer o torneio duas vezes para conquistar apenas 2 mil pontos.

Wilbert Ferraz
Wilbert Ferraz
11 dias atrás

Boa noite Dalcim,
Só uma correção, ainda não está definido que a dupla italiana masculina irá jogar contra Arevalo/Pavic, pois eles ainda vão jogar a semi amanhã contra Granollers/Zeballos.
No masculino gostaria de ver Zverev campeão dessa vez, apesar de achar bem díficil ele vencer Sinner ou Alcaraz numa eventual final.
Abraço!

Allan Olimpio
Allan Olimpio
11 dias atrás

Ótimo texto mais uma vez Dalcim! Só uma pequena correção. Arevalo e Pavic ainda jogam a semifinal contra Granollers e Zeballos para definir os adversários dos italianos na final.

Abraço!

Marcelo Reis
Marcelo Reis
11 dias atrás

Adoro enquetes! Rsrs

Agora uma coisa curiosa: eu fui o 113º a votar na 1ª, aí chego na 2ª e já tínhamos 461 votos!!! Mais de 4x mais! :o

Paulo Almeida
Paulo Almeida
11 dias atrás

Eu queria que a baixinha vencesse, mas deve conseguir só uns 3 games, se muito.

Miguel BsB
Miguel BsB
11 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Vai ser por aí msm…

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
7 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Bingo!

Viviane
Viviane
11 dias atrás

Apesar de torcer para Iga, acho que Paolini vai surpreender e aumentar ainda mais a festa italiana. Gostaria de assistir a um jogo equilibrado, quem sabe né?!
Acredito que a final masculina será entre Sinner e Zverev e aí Sinner leva.

buzinas
buzinas
10 dias atrás
Responder para  Viviane

Muito difícil hein. Provavelmente vai dar Iga em sets diretos.

Sergio
Sergio
11 dias atrás

Acho que a final masculina será Zverev X Alcaraz. E o Alcaraz vence apertado essa final. Ainda assim parabéns ao Zverev pela excelente campanha.
Quanto ao feminino gostei muito desta final. Duas jogadoras em excelente momento. Além disso as duas são bastante humildes e simpáticas. Acho que prevalece a polonesa, conquistando o tetra de Roland Garros.
Agora, realmente, uma festa italiana incrível em Roland Garros. Parabéns ao tênis italiano.

Rodrigo S. Cruz
Rodrigo S. Cruz
11 dias atrás

É bem difícil, de há muito, se sobressair no tênis tendo baixa estatura. Embora isso seja muito mais conclusivo entre os homens, não deixa de ser entre as mulheres. Parabéns para essa menina.

Acredito que ela não vai chegar a ter muito destaque na carreira. Mas se ela conseguir será admirável…

Última edição 11 dias atrás by Rodrigo S. Cruz
Ricardo
Ricardo
11 dias atrás

os templos japoneses falarao a verdade

Luciano
Luciano
11 dias atrás

Amanhã acho que dará Sinner e sobre o Zverev, sei não. O Ruud pode dar muito trabalho. Vamos ver!

Marcelo Calmon
Marcelo Calmon
11 dias atrás

Boa noite Dalcim,
Parece que o Alcaraz alcançou a 50 ª vitória em Slam agora em Paris. Recebi uma estatística de que ele seria o 4º mais jovem, junto com Nadal (empate em nr de anos e dias) a realizar tal feito , e que o mais jovem a atingir essa marca teria sido o fantástico Borg, é isso mesmo ? O 2º e 3 º seriam Becker e Edberg (ou Wilander, sei que era sueco). Borg também deve ter sido o que mais ganhou Roland Garros e Wimbledon no mesmo ano, ou teria sido outro ? Mudava da terra pra grama em poucos dias e ganhava os dois. Acho que ninguém do Big 3 fez isso tantas vezes. Considerando que ele não jogava na Austrália, só faltou mesmo um US Open para abrilhantar ainda mais carreira dele.

Luiz
Luiz
11 dias atrás

Torcendo muito pelo título do Casper Ruud.

João Sawao ando
João Sawao ando
11 dias atrás
Responder para  Luiz

Eu tb. E espero que a jasmine tb ganhe

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
10 dias atrás
Responder para  João Sawao ando

POR QUE, JOÃO?

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
10 dias atrás
Responder para  Luiz

POR QUE, LUIZ?

Ronildo
Ronildo
11 dias atrás

Estou chateado com esta lesão no joelho de Djokovic. Isto porque desde 2016 com a gravíssima lesão de Murray, espero uma espécie de Vingador para vencer sistematicamente à Djokovic. Mas o que sucedeu-se foi o seguinte cenário: Djokovic colocou-se de frente para uma fila de oponentes e eliminou-os um a um. Com alguma dificuldade com os últimos, Alcaraz e Sinner. Eis a lista:

1- Dimitrov – seus golpes foram ineficáveis e sempre perdeu por pontos.
2- Thiem – debilitou-se
3- Nishikori – não materializou-se
4- Raonic – implodido
5- Shapovalov – vítimou-se pela terapia de colecionar ursinhos de pelúcia
6- Aliassime – foi tanta a expectativa em torno dele e o impacto disto tão profundo e poderoso em seu ser que sua alma, corpo e mente separam-se quando entra em quadra. Na verdade o corpo sempre está presente, porém a alma e a mente revezam-se em arrebatamento, retornando logo após a partida. Não vejo solução para este fenômeno que lhe acomete.
7- Medvedev – apanhou 4 vezes mais do que bateu
8 – Zverev – o que mais parecia habilitado, venceu torneios importantes contra Djokovic, mas não conseguiu tirá-lo do número 1
9 – Tsitsipas – está a 6 anos planejando como vencer Djokovic. Se encontrou a fórmula ideal, creio não haver mais tempo hábil para a prática.
10 – Sinner – Apanhou, apanhou, apanhou até vencer uma. Agora Djokovic não está mais no cenário.
11 – Alcaraz – Entrou numa espiral de dar um golpe e receber dois de Djokovic.

Creio que o melhor tenista para vencer Djokovic era mesmo Roger Federer, desde que tivessem a mesma idade e igualdade de condições em todos os outros fatores.

Luiz Fernando
Luiz Fernando
10 dias atrás
Responder para  Ronildo

La vem a balela da idade, se só isso bastasse Zé Verev, o grego Rublev e cia limitada teriam vários GS na carreira. Junte todos esse caras sem 30 anos completos tem UM GS vencido, será que o fator idade, a não ser no caso das discrepâncias absurdas, faz tanta diferença assim?
Quanto a igualdade de todos os outros fatores, são justamente as diferenças em um ou outro fator que fizeram com que um preponderasse em um piso e não em todos. Talvez vc quisesse “empates” em todas as partidas se eles fossem absolutamente iguais em tudo.
Melhor vc opinar sobre o futuro…

Ronildo
Ronildo
10 dias atrás
Responder para  Luiz Fernando

O futuro está muito incerto ultimamente Luiz Fernando. Mas realmente, nesta lógica o fator idade desencadeou todas as outras condições à favor de Djokovic. Se eles tivessem a mesma idade Federer estaria atento à várias questões profissionais e tomaria várias decisões acertadas em sua carreira. Igualando as condições de treinamento, táticas, de instrumentos, sem favoritismo nem pressão para defender um legado, a genialidade, técnica e a habilidade natural de Federer decidiriam as partidas em sua maioria à seu favor. Ficaria no mínimo uns 70% para Federer.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
7 dias atrás
Responder para  Ronildo

Ficaria porque queres.
Quem perdeu a final de Toronto em 2007, foi a idade?

Paulo Almeida
Paulo Almeida
10 dias atrás
Responder para  Ronildo

Federer teve inúmeras chances de vencer Djokovic, mas sucumbiu com os tais “vacilos” do Daniel BT. E nem foram “apenas” o 15-40 do USO 2010 e os dois 40-15 não, pois houve também os 4 ENF’S em WB 2014, os 3/24 BP convertidos no USO 2015, o 4-1 e 0-40 e depois 5-3 e quebrado de zero no AO 2020, aquele 40-0 no 1° set de Montreal 2007 etc etc.

Enfim, o GOAT dos esportes sempre foi mais jogador mesmo na hora da onça beber água.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
7 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Ahh, PA, tudo isso porque é 6 anos + velho!

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
10 dias atrás
Responder para  Ronildo

RONILDO, você sim enche linguiça com maestria, sem se ater a coisinhas bobinhas, como a maioria dos nossos pares nesta confraria…

Ronildo
Ronildo
10 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Hã?! Obrigado Valmir!!!

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
9 dias atrás
Responder para  Ronildo

DISPONHA, MEU QUERIDO, sobretudo porque sua inteligência é fascinante…

João Carlos
João Carlos
11 dias atrás

Dalcim, boa noite.

Vi a Paolini jogar e ser campeã de um ITF aqui em Curitiba em 2018 ou 2019. Lembro que o técnico dela tava na minha frente na arquibancada e ele anotava no papel cada ponto. Muito legal ver onde ela chegou!!

Abs

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
10 dias atrás
Responder para  João Carlos

É VERDADE, JOÃO CARLOS, Jasmine Paolini chegou onde chegou, porque seu técnico “anotava no papel cada ponto” seu. É incrível como muitos fatores são correlatos e a humanidade não vê…

João Carlos
João Carlos
10 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Só foi uma curiosidade cara…

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
10 dias atrás
Responder para  João Carlos

TUDO BEM, CARA…

Andre Eduardo
Andre Eduardo
11 dias atrás

Virei fã de última hora da Paolini, mesmo ela tendo tirado a Rymáquina do torneio. Gosto demais de seu estilo de jogo, além de ter beleza e simpatia.

Dalcim, penso que as bolas pesadíssimas da italiana, velocidade de pernas e excelente cobertura de quadra poderão ser problemas para a Iga. O que você acha?

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
10 dias atrás
Responder para  Andre Eduardo

PARECE COISA DAQUELAS pessoas interesseiras, que só fica a fim da outra quando do sucesso desta…

Andre Eduardo
Andre Eduardo
9 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Valmir, é sério mesmo que você inferiu isso do comentário que fiz? Será que não passa pela sua cabeça que, apesar dos 28 anos de idade, só mais recentemente a italianinha vem obtendo resultados de destaque, e consequentemente, tornou-se mais conhecida, e POR ESSA RAZÃO, certamente terá “fãs de última hora”, como eu?

Assim como você, tenho Rafael Nadal como um dos meus tenistas preferidos, e tal preferência teve início em algum momento e poderia ter mudado. Quer dizer que, se por algum motivo eu deixasse de torcer para o espanhol e “adotasse” outro tenista como preferido, seria eu, nas suas palavras, “interesseiro”?

Filho, estamos falando aqui de torcida por algum atleta, não de relacionamento entre pessoas. Você não me conhece para chamar-me de interesseiro. Guarde tais “elogios” para os seus, ok?

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
9 dias atrás
Responder para  Andre Eduardo

“SÓ MAIS RECENTEMENTE a italianinha vem obtendo resultados de destaque, e consequentemente, tornou-se mais conhecida”. Vamos lá, ANDRE EDUARDO: o “tornou-se mais( ! ) conhecida” aqui significa que ela já era conhecida antes e, por conta de os resultados não virem, você, de forma negligente, preferiu ignorar um fator importante, que é o jogo jogado de Jasmine Paolini, ou se o mesmo era provido de qualidade ou não, até porque, ela já está no circuito profissional há pelo menos dez anos. Juntando os cacos do seu parecer refutável, ANDRE, há no teor do mesmo a reiteração da ideia de pessoas interesseiras, que só ficam a fim da outra, quando do sucesso desta. A outra, no caso, tem conseguido “recentemente resultados de destaque”, caso contrário, você seria um dos muitos desavisados que avalia a questão apenas por um lado, ou seja, não se importaria com Jasmine. “Será que não passa pela sua cabeça”, que mesmo sem resultados expressivos o ideal a um amante do tênis é se ater também ao tenista que não é coberto de diamantes? Jasmine Paolini estava morta e apenas eu não fui ao cerimonial do enterro, é isso?

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
9 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

só ficam*

Paulo A.
Paulo A.
11 dias atrás

Dalcim, como a Paolini sendo tão pequena consegue gerar tanta potência em seus golpes e, inclusive, sacar bem e fazer aces?

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
10 dias atrás
Responder para  Paulo A.

ASSIM SENDO, SÃO CABÍVEIS um clichê e um esporro, ou seja, além de tamanho não ser documento, há aqui um preconceito implícito( ? ). Como pode uma coisa dessa em pleno 2024, né?

Andre Eduardo
Andre Eduardo
9 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Valmir, ela tem 1,63 m. Portanto, é sim pequena. De modo contrário, Ivo Karlovic e seus mais de 2 m de altura pode ser chamado de grande, ou não?

É espantosa a tua capacidade de problematizar tudo o que se escreve por aqui. Onde o Paulo foi preconceituoso? Dizer a obviedade que Paoline é baixa soa como ofensivo para você?

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
9 dias atrás
Responder para  Andre Eduardo

ANDRE EDUARDO, sei muito bem que Jasmine Paolini tem estatura “pequena”. O que não pode é um certo fisiologista relativizar seu “1,63 m” com a capacidade de “tanta potência em seus golpes”, sugerindo a ideia de fatores irreconciliáveis. “Onde o PAULO foi preconceituoso?”. Justamente onde se mostra em outrem a dificuldade de interpretação de texto…

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
10 dias atrás
Responder para  Paulo A.

E TOME BULLYING À DISTÂNCIA…

Paulo F.
Paulo F.
11 dias atrás

Meu caro Dalcim:
Nada como um trabalho bem planejado, caprichado e executado.
Então muito justo e merecida a colheita que a Itália está começando a ter com seu exemplar trabalho e com esmero no tênis.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
10 dias atrás
Responder para  Paulo F.

LEMBREI DO ICÔNICO “O Apanhador no Campo de Centeio”, de J. D. Salinger…

Gustavo
Gustavo
10 dias atrás

Alcaraz- Sinner jogando deveria ser como se fosse o jogo 7 de uma série da NBA
Mas até agora tá bem mais ou menos

Falando nisso, vamos Mavericks!! Ontem o Boston varreu mas vcs vão reagir.

Heitor
Heitor
10 dias atrás

Estou começando a acreditar que nenhum desses caras é capaz de vencer o Zverev na final.

Na verdade, com esse nível eles tampouco vencem o Ruud.

Ronildo
Ronildo
10 dias atrás

2 a 2, vamos o quinto set. Era realmente jogo para a final. Mas tomara que o Zverev seja campeão. Ele realmente merece.

Luiz Fernando
Luiz Fernando
10 dias atrás
Responder para  Ronildo

Ainda que é um desejo e não uma previsão, aí o alemão ainda tem chances…

Ronildo
Ronildo
10 dias atrás
Responder para  Luiz Fernando

Kkkkkk

Sobrenatural de Almeida
Sobrenatural de Almeida
10 dias atrás

Ilustres torcedores do tênis, como passaram o dia de ontem?!

O meu? Caos.

A garota recebe as bolas, as seleciona, ajusta as roupas privadas, ajeita o vestido, ajusta o cabelo, toca o nariz, limpa a mão em seus trajes. Déjà vu?

Adianto: tentamos de tudo! Disparamos mais aces, muito mais winners, mais pontos ganhos no 1º serviço, mais pontos à rede. Break points? Tivemos 4. Nada funcionava.

Estou ficando velho? Talvez. Como aposentar o que é “inaposentável”? Sofro. Um momento! Chego à terrível constatação: o imponderável se sucedeu contra mim.

E o último jogo? Profeta, não sou. Vidente, pior ainda. Mas bem que eu avisei. De um lado, uma garotinha; do outro, também. 17 anos e quer ganhar RG? Não pode, é “de Minaur”. Asinhas cortadas. Fica a lição!

E hoje?! O jogo está bisonho …

Atenciosamente,

Sobrenatural de Almeida.

Luiz Fernando
Luiz Fernando
10 dias atrás

Acho que o “advinhometro” do Dalcim é melhor do q o meu!!! Assim, deve dar Alcaraz 3×1 domingo, que foi o palpite dele…

Paulo F.
Paulo F.
10 dias atrás

Uma pena, Sinner esteve bem próximo de bater o tão “imbatível” ungido…

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
10 dias atrás
Responder para  Paulo F.

Não se preocupe. Carlos Alcaraz é invenção da mídia e será presa fácil para Sasha. A Turminha da Kombi já pode comemorar sem sustos rsrs . Abs!

Ronildo
Ronildo
10 dias atrás

Gauff tinha razão na reclamação na partida contra a Iga. Como ela viu que a bola do saque da adversária tinha ido fora, e foi gritado fora pelo juiz de linha, tocou displicentemente na bola. Os juízes de cadeira parecem nunca ter jogado tênis e não entendem a psicologia do tenista. Qual a dificuldade em fazer o ponto ser jogado novamente. Alguém mais também entendeu que a juiza cometeu um tremendo erro?

Luiz Fernando
Luiz Fernando
10 dias atrás

Que desempenho do Zverev, fenomenal. Quando ele perdeu o set1 por 62 achei q ele ja era, não seria a primeira vez q ele seria vitima do fisico. Mas depois tudo mudou, ele ao final estava melhor fisicamente do q o Ruud e disparando aquele BH mortal, veloz, rasante, seja na paralela seja na cruzada. Ainda acho Alcaraz mais jogador do q ele e por isso mesmo favorito no domingo, mas creio q será uma final equilibrada, ao contrario do q seria se o finalista fosse o dinamarquês.

levI sIlvA
levI sIlvA
10 dias atrás

Dalcim, seu palpite no Alcaraz, levou em conta o peso de ser e jogar qual N° 1 pelo Sinner, certo?
Agora, começa a pressão por resultados, algo com o qual o alemão não estava habituado, até então…

Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br
Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Quando os tenistas se machucam, mas ainda vencem

ATP seleciona as 10 melhores jogadas do ATP FInals