PLACAR

Número 1 continua devendo

Claro que os gênios da raquete também têm o direito de viver dias pouco inspirados. Mas Carlos Alcaraz está abusando do direito de jogar mal. Depois de atuações estranhas em Toronto, o líder do ranking estreou em Cincinnati com uma apresentação para lá de sofrível, com inúmeras falhas, inconsistências, escolhas ruins e falta de intensidade.

Só não foi eliminado logo de cara porque Jordan Thompson não se ajudou. Também fez uma partida irregular, deixando escapar chances de colocar pressão no espanhol, principalmente pelo lado do vacilante backhand, sem falar no saque inseguro. O primeiro set foi uma das piores coisas que assisti nos últimos tempos na soma das deficiências. Os outros foram pouca coisa melhor.

Seria leviano apontar motivos para essa queda abrupta de Alcaraz. Uma lesão não revelada? A pressão gerada com o título de Wimbledon? A necessidade de manter o número 1? Quem sabe, apenas a dificuldade em se readaptar ao piso sintético, cada torneio com uma bola diferente. Só não pode reclamar de ritmo. Afinal, enfrentou adversários que deixam jogar, como Thompson e Tommy Paul.

O sinal de alerta vale igualmente, ainda é claro que em menor grau, a Beatriz Haddad Maia. Seus três jogos depois de Wimbledon não empolgaram, embora tenham tido lampejos de excelente qualidade. O problema é que surgem também os ‘brancos’ e, conforme a adversária, isso custa caro. Foi o que aconteceu diante de Leylah Fernandez em Montréal e se repetiu contra Karolina Muchova em Cincinnati.

Antes de mais nada, é preciso ressaltar o alto nível das duas adversárias. Muchova mereceu demais a vitória por sua versatilidade. Notável como não deixou Bia parada e fez transições perfeitas à rede, com trocas de ritmo constantes. Nem acho que a brasileira tenha jogado mal, porém a tcheca sabia como vencê-la e tinha mais recursos.

Somada à derrota de duplas no fim da noite, Bia jogou pouco nesta reta final de preparação para o US Open e imagino que vá pedir convite para jogar o 250 de Cleveland na semana que vem, onde também estarão Barbora Krejcikova e Liudmila Samsonova. Talvez o melhor treino para ela no momento seja a competição.

E mais

  • Cresceu a chance de Alcaraz reencontrar Paul já no próximo jogo. O semi de Toronto enfrenta o instável Humbert.
  • Tiafoe-Wawrinka, Hurkacz-Coric, Medvedev-Musetti e Monfils-De Minaur são os ótimos jogos de segunda rodada desta quarta-feira.
  • Djokovic estreia na rodada noturna contra Davidovich, que foi muito bem em Toronto. Sérvio tem 3 a 1 nos confrontos.
  • Monfils somou sua quinta vitória sobre um top 30 em três semanas ao tirar Norrie, mas voltou a sentir a fascite que tanto o atormenta ainda no primeiro set.
  • Jarry venceu estreia duríssima contra Safiullin e abandonou o torneio para acompanhar o nascimento do segundo filho no Chile. Popyrin, que entrou de lucky-loser, avançou assim às oitavas e enfrentará Ruusuvuori, que ganhou jogo incrivelmente longo contra Rublev.
  • Sensacional vitória de Venus sobre Kudermetova, sua primeira sobre uma top 20 em quatro anos. Vai cruzar agora Qinwen Zheng, com menos da metade de seus 42 anos.
  • Stephens despachou a atual campeã Garcia e já está nas oitavas. A francesa, apesar dos 900 pontos perdidos, ainda deve se manter no top 8.
  • Jabeur também já está na terceira fase com vitória épica. Sacou para o jogo no segundo set, não conseguiu. Aí perdia de 1/5 no terceiro set contra Kalinina e levou no tiebreak.
Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br
Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Quando os tenistas se machucam, mas ainda vencem

ATP seleciona as 10 melhores jogadas do ATP FInals