PLACAR

Nadal: “Como estou hoje, não jogaria em Roland Garros”

Foto: Diego Souto/Mutua Madrid Open

Madri (Espanha) – Vivendo aquela que deve ser sua última temporada como tenista profissional, Rafael Nadal não esconde de ninguém que seu principal objetivo é jogar em Roland Garros mais uma vez. No entanto, o seu desejo parece estar seriamente ameaçado, caso o espanhol não consiga evoluir fisicamente nas próximas semanas.

Segundo o próprio canhoto de 37 anos, se não houver uma melhora até o início do Grand Slam francês, ele não deve ir a Paris para fazer sua despedida em quadra do torneio que o consagrou como um dos maiores da história do tênis.

“É difícil, neste momento, dizer o que é ideal e o que não é. O ideal seria poder jogar e não ter muitas limitações. Não sei o que vai acontecer nas próximas três semanas, vou lutar e fazer as coisas que acho que tenho que fazer para tentar jogar em Paris. Não vou jogar em Roland Garros como estou hoje. Se hoje estivesse lá, amanhã não iria para a quadra, essa é a realidade. Só jogarei se me achar capaz de competir bem”, afirmou na entrevista coletiva em Madri nesta quarta-feira.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no WhatsApp

“Farei o meu melhor para me dar uma chance de fazer isso acontecer. Caso não aconteça, máxima satisfação pessoal e gratidão por ter tentado. Não será o fim do mundo não ir a Roland Garros. Embora tenha sido o torneio mais importante da minha carreira, não significa que se eu não jogar lá tudo vai acabar. Há uma Olimpíada pela frente e não farei nada além do que posso fazer agora”, acrescentou o dono de 14 títulos em Paris.

Participação em Madri confirmada

Apesar de afirmar que não jogaria o segundo Slam da temporada nas condições atuais, Rafa confirmou que disputará normalmente o torneio na capital espanhola. Ele estreia nesta quinta-feira contra o norte-americano Darwin Blanch. “A semana tem sido boa em alguns aspectos e em outros, não. Não acho que estou pronto para jogar 100%, mas estou pronto para sair e jogar amanhã, e para mim é importante poder jogar pela última vez aqui em Madri. Significa muito e pelo menos voltarei a desfrutar desta quadra onde vivi momentos muito bonitos”, explicou.

Nadal também comentou sobre seu primeiro adversário na Caixa Mágica, 21 anos mais novo e atualmente fora do top 1000. “Não o vi jogar muito. É uma diferença de idade muito grande, mas é um jogador jovem e com muito potencial. No final, o que espero é ir lá e fazer o que tenho que fazer: tentar aproveitar esses últimos momentos aqui e jogar da melhor maneira possível. Veremos como estou, é uma incógnita, mas espero ser competitivo o suficiente para ter a chance de lutar pela vitória amanhã”, enfatizou o multicampeão espanhol.

21 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
João Sawao ando
João Sawao ando
1 mês atrás

Está dando tudo a entender que não jogará Roland garros

Fernando S Prado
Fernando S Prado
1 mês atrás
Responder para  João Sawao ando

5 sets…

Pelo menos, deu a entender que irá se aposentar nos 3 sets das Olimpíadas.

Paulo Mala
Paulo Mala
1 mês atrás

Ele tem que jogar. Fazer sua despedida… O nivel que ele quer, ele nao vai ter mais. Então é jogar do jeito que dá, mesm oque perca pra um qualifyer na primeira rodada.
Ou fará como o Roger e despedir em outro torneio

Fernando
Fernando
1 mês atrás
Responder para  Paulo Mala

Como as Olimpíadas esse anos será em Paris, ele fará sua despedida da Philipp Chartrier nos jogos olímpicos, já que é em melhor de 3 sets, e ele tem chance de se despedir competitivamente.

Alexandre Monteiro
Alexandre Monteiro
1 mês atrás
Responder para  Paulo Mala

Mas será que vale à pena?…
Roger optou por jogar em um nível muito abaixo em sua última participação em winbledon e acabou passando um vexame colossal contra o polonês…

William Silva
William Silva
1 mês atrás

Deve ir a Paris, se for bem em Madrid e Roma.. caso contrário, não quer ir lá na “sua casa” e ser saco de pancadas. O otimismo gera em torno do último gás pra ir às Olimpíadas que também será em Roland Garros. Acho, nas atuais condições, pouco provável ir a Wimbledon e US Open, infelizmente!

Neto
Neto
1 mês atrás

Um pouco contraditório. Se pode jogar em Madrid amanhã, porque não poderia jogar caso amanhã fosse em Roland Garros?

José Nilton Dalcim
Admin
1 mês atrás
Responder para  Neto

Porque Slam é em cinco sets, Neto.

Neto
Neto
1 mês atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Obviamente sei disso, Dalcim. Mas achei o argumento fraco e contraditório, ainda que ele esteja claramente com o físico prejudicado, uma vez que, querer passar vergonha em 3 Sets ou 5 Sets, ninguém quer. Era melhor não falar nada. Pelo menos agora, enquanto está inscrito em Madrid.

José Nilton Dalcim
Admin
1 mês atrás
Responder para  Neto

Acho que a questão, Neto, é Roland Garros em si. Entrar no seu rei sagrado com a certeza de que não aguenta mais que 2 sets ou no máximo 3. Aí perder logo na estreia seria muito pior do que perder em Barcelona ou Madri.

Murer
Murer
1 mês atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Dalcim a minha observação é a seguinte: Ele quer manter a imagem de que era imbatível em Roland Garros (Ele se importa com isso) e é tido como bom moço rsrs mas achei desnecessário ele dizer que o Djokovic que se importa com os recordes de slams e tal… tentando passar uma imagem ruim ao Djokovic tacitamente. Mas é uma pena porque torço para ele ter um nível bom para enfrentar essa geração nova

José Nilton Dalcim
Admin
1 mês atrás
Responder para  Murer

Sim, acho que pesa muito o fato de ser Roland Garros e o histórico incrível dele lá.

Alexandre Monteiro
Alexandre Monteiro
1 mês atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Toda a carreira do rafa sempre foi à mesma “novela”…
É impressionante como todas às duas décadas na qual atuou, teve uma narrativa sobre “lesões e Paris”… dessas duas palavrinhas chave foram incessantemente ditas em cada uma das 20 temporadas kkk… pro espanhol tudo se resume à chegar bem em Paris, mas e o resto da temporada??? Pra ele nunca importou realmente??? Tá certo que ganhou 4 usopen, mas fica à impressão que após Paris, o vlque veio foi “lucro” para sua carreira. Pois ele tem a alcunha de saibrista, e nada mais além.

vera
vera
1 mês atrás
Responder para  Murer

infelizmente ele fala omo se para ele não fosse importante recorde. A diferença é que ele não assume e Djokovic não esconde seus objetivos.

Joselito
Joselito
1 mês atrás
Responder para  Neto

Minha leitura é que ele aceitaria uma derrota melancólica em Madri, mas não estaria disposto a tê-la em Roland Garros.
Ele gostaria de fechar o ciclo dele em grande estilo em RG com as condições físicas que ele acha necessário. E, se não for dessa forma, ele abrirá mão de disputar. Não vejo contradição.

Luiz Henrique
Luiz Henrique
1 mês atrás

Tá dando tudo errado nessa temporada de despedida. Já não foi a monte carlo que era um lugar importante de se despedir. Não sei se seria o caso de adiar essa temporada de despedida pro ano que vem…talvez ele tente isso, pq não ir a Monaco e depois não ir a Paris, isso não é temporada de despedida

Fernanda
Fernanda
1 mês atrás

Acho q ele deva aposentar, ñ precisa mais competir, deve privar pela saúde

Renato B
Renato B
1 mês atrás

Nadal não precisa provar mais nada a ninguém. Eu gostaria de vê-lo jogar uma última vez em RG, mesmo perdendo de 3×0. Guga teve seu jogo de despedida, perdeu de 3×0 mas esse jogo ficou no esquecimento pois o verdadeiro objetivo era a belíssima homenagem que nosso tricampeão teve em seguida.

charlie
charlie
1 mês atrás

Gente, o cara simplesmente já anunciou a aposentadora. Infelizmente a idade e o corpo não respondem mais.

Última edição 1 mês atrás by charlie
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
1 mês atrás

O Nadal já escreveu o seu nome na história do tênis mundial como um grande gênio que sempre foi. Ele entende que se jogar mal e perder em Roland Garros nas primeiras rodadas irá manchar a linda história que construiu naquele torneio. Eu respeito bastante a postura e decisão dele seja lá qual for. Eu acho que nada que aconteça neste ano irá denegrir ou diminuir a grande história que o Nadal construiu ao longo da carreira. Com o passar do tempo, o fato dele ter jogado bem ou não no último ano de sua carreira irá cada vez mais perder a importância.

Alex
Alex
1 mês atrás

Bom dia.
Em 2022 Nadal teve a chance de pendurar a raquete no esplendor físico que a idade permite.
Ganhou 2 Slams, dominou boa parte da temporada, liderou o ranking, foi dominante.
Pouco importa agora saber que haviam restrições médicas, que o mundo esportivo fora atingido por fatores externos, que o adversário era impedido de atuar por decisões pessoais.
Fato é que teria parado no auge da fama, inclusive com recorde de 22 Slams.
Decorridos pouco menos de 2 anos, tudo mudou.
Os atores são outros, os holofotes foram redirecionados.
A realidade mudou, e isso é definitivo.
Que mantenha a sabedoria dos grandes da história como também é para tomar a decisão mais dura da vida, e encerrar a brilhante carreira com dignidade, sabendo que o tempo é o senhor da razão, e que os registros históricos que alcançou ficam para sempre.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Wild enfrenta inspirado Monfils e a torcida francesa em Paris

A homenagem de Roland Garros ao adeus de Alizé Cornet

PUBLICIDADE