PLACAR

Medvedev espera Djoko ainda mais forte na final

Foto: Darren Carroll/USTA

Nova York (EUA) – Daniil Medvedev já conseguiu cinco vitórias nos 14 jogos feitos contra Novak Djokovic e a maior delas, claro, foi a que lhe deu o título inédito de Grand Slam, no US Open de dois anos atrás. O russo no entanto diz saber que encontrará uma versão ainda mais forte do tricampeão, que está diante da segunda chance de chegar ao 24º troféu de Slam, no reencontro marcado para as 17 horas deste domingo.

“Quando Novak perde, ele nunca é o mesmo na partida seguinte”, alerta o experiente número 3 do mundo. “Ele fica diferente, uma mentalidade diferente”, frisa. “E é por isso que tem tantos Slam, todos aqueles Masters e semanas como número 1. Então ele vai jogar 10 vezes melhor do que na final de 2021, terei de jogar 10 vezes melhor do que fiz então. Ao menos é o que vou tentar fazer”.

Djokovic por sua vez aprendeu uma lição importante com aquela dura derrota, que o impediu de ‘fechar’ o Slam, ou seja, ganhar todos os maiores torneios numa só temporada. “Talvez eu tenha ficado impressionado com o momento e com a oportunidade e por isso tive um desempenho inferior. Não quero que isso se repita”, alerta o sérvio, que na metade do terceiro set chegou a chorar diante da frustrante atuação. “Cada final de Slam é uma chance de fazer história. Me orgulho disso, mas não tenho muito tempo para refletir. Na verdade, não me permito pensar muito nisso”.

O russo tem um histórico respeitável em Flushing Meadows e fará sua terceira final, depois do vice de 2019, e ele acha que a velocidade do piso combina muito bem com seu estilo. “Minha tendência é ser agressivo, jogar rápido, saco bem, e tudo isso combina com a quadra. Em Indian Wells, por exemplo, meu forehand não machucou (Carlos) Alcaraz em momento algum”, comparou, referindo-se à grande vitória de sexta-feira sobre o atual líder do ranking.

Em sua campanha neste US Open, o sérvio só teve um jogo realmente complicado, quando perdeu os dois primeiros sets para Laslo Djere na terceira rodada. O ponto alto continua a ser a devolução, que obriga o adversário a ter de disputar muito mais pontos do que seria normal. Contra Medvedev, deve aproveitar o posicionamento sempre muito recuado do russo nas devoluções. O técnico Gilles Cervara explica que seu pupilo pode devolver mais à frente se quiser, mas que prefere ter uma visão mais ampla da quadra. “Conversei com ele para mudar isso, mas ele disse que perderia a referência e eu entendi”.

Será que Medvedev planeja alguma novidade tática? “Novak sempre jogar melhor na partida seguinte. Depois que ganhei a final de 2021, ele me venceu em Paris com grande atuação. Perdeu a final de Wimbledon para Carlos e em seguida ganhou dele em Cincinnati. Ele mostrará sua melhor versão no domingo, eu terei de mostrar a melhor versão de mim mesmo se quiser tentar batê-lo”.

Com a notável performance nos Slam deste ano, em que venceu 26 de suas 27 partidas em três pisos tão distintos, Djokovic não esconde que está no máximo de sua confiança. “Me sinto na lua com esses resultados. Jogar todas as finais de Slam de uma temporada é incrível, é o maior feito que eu poderia imaginar no começo deste ano. É tudo que importa. Tenho mais um jogo a fazer e quem sabe esta conversa fique melhor. Mas independente do que acontecer, estou muito orgulhoso do que fiz em 2023”.

Lembre o histórico de duelos entre os dois:

2017
Copa Davis (sintético) – Djokovic, 3/6 6/4 6/1 1/0 des.
Eastbourne (grama) – Semifinal – Djokovic, 6/4 6/4

2019
Australian Open (sintético) – Oitavas – Djokovic, 6/4 6/7(5) 6/2 6/3
Monte Carlo (saibro) – Quartas – Medvedev, 6/3 4/6 6/2
Cincinnati (sintético) – Semifinal – Medvedev, 3/6 6/3 6/3

2020
ATP Cup (sintético) – Semifinal – Djokovic, 6/1 5/7 6/4
Finals (sintético) – Fase de grupos – Medvedev, 6/3 6/3

2021
Australian Open (sintético) – Final – Djokovic, 7/5 6/2 6/2
US Open (sintético) – Final – Medvedev, 6/4 6/4 6/4
Masters de Paris (sintético) – Final – Djokovic, 4/6 6/3 6/3

2022
Astana (sintético) – Semifinal – Djokovic, 4/6 7/6(6) des.
Finals (sintético) – Fase de grupos – Djokovic, 6/3 6/7(5) 7/6(2)

2023
Adelaide (sintético) – Semifinal – Djokovic, 6/3 6/4
Dubai (sintético) – Semifinal – Medvedev, 6/4 6/4

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Reveja os melhores lances da final masculina de Wimbledon

Momento histórico: Hewett completa o Slam em Wimbledon

PUBLICIDADE