PLACAR

Jarry derruba Alcaraz e decide o título em Buenos Aires

Nicolas Jarry (Foto: IEB+ Argentina Open)

Buenos Aires (Argentina) – O título do ATP 250 de Buenos Aires será de um jogador sul-americano. O chileno Nicolas Jarry conseguiu uma grande vitória sobre o atual número 2 do mundo Carlos Alcaraz e garantiu vaga no torneio em quadras de saibro na capital argentina. Ele enfrentará o convidado local Facundo Diaz Acosta na decisão deste domingo às 16h (de Brasília).

Jarry teve grande atuação contra Alcaraz, marcando as parciais de 7/6 (7-2) e 6/3 em 1h55 de partida, em sua oitava vitória contra top 10 na carreira. O chileno de 28 anos e número 21 do mundo, está apenas três posições abaixo de seu recorde pessoal. Ele tem três títulos no circuito e disputará a sexta final da carreira. Ano passado, foi campeão em Santiago e Genebra.

“Carlos é um dos melhores jogadores do mundo, então essa vitória significa muito, especialmente depois das batalhas que tive há alguns dias. Tem sido um torneio muito difícil fisicamente, por isso estou muito feliz por poder avançar. Não comecei muito bem e não conseguia ganhar pontos no saque dele, mas fui evoluindo aos poucos”, disse Jarry, que conseguiu sua primeira vitória em três jogos contra o espanhol.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no whatsapp

“Jogar uma final aqui é muito especial. Meu avô [o ex-jogador profissional Jaime Filllol] sempre me contou o quanto foi difícil para ele jogar contra o Guillermo Vilas no saibro. Ele conseguiu vencê-lo apenas na quadra dura e disse que foram jogos difíceis. Este é um torneio histórico, onde sempre estiveram grandes campeões. Esta semana tive que enfrentar adversários tremendos”, comenta o tenista, que também bateu o suíço Stan Wawrinka e o argentino Tomas Etcheverry.

Reconhecido por seu ótimo saque e estilo agressivo, com muita potência nos golpes, Jarry disparou sete aces e sofreu apenas uma quebra de serviço. A primeira parcial foi inteiramente sem quebras ou break-points, com domínio do chileno durante o tiebreak.

O segundo set começou com uma quebra para cada lado e Jarry seguiu pressionando o serviço do atual campeão, criando mais duas chances de quebra até aproveitar a chance no oitavo game. O público argentino apoiava Alcaraz nos momentos finais da partida, mas o chileno escapou de break-points e fechou em dois sets.

Alcaraz vinha de duas vitórias contra tenistas vindos do quali em Buenos Aires, o argentino Camilo Carabelli e o italiano Andrea Vavassori. Este apenas o segundo torneio que o espanhol de 20 anos disputa neste início de temporada, depois de ter caído nas quartas de final do Australian Open. Seu próximo compromisso é o Rio Open, onde estreia contra o número 2 do Brasil Thiago Monteiro.

A outra semifinal foi um duelo entre dois argentinos, com a vitória de Facundo Diaz Acosta, canhoto de 23 anos e 87º do ranking, que derrotou o experiente Federico Coria, de 31 anos e 106º do ranking, por 6/2e 6/3. Medalhista de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Santiago, Acosta disputará sua primeira final de ATP. Jarry venceu os três duelos anteriores, em dois challengers e no quali do US Open de 2022.

Ao todo, cinco argentinos já foram campeões em Buenos Aires, o primeiro foi Guillermo Coria em 2004, e no ano seguinte o troféu ficou com Gaston Gaudio. Ainda nos anos 2000, Juan Monaco ganhou em 2007, enquanto David Nalbandian conqusitou o título em 2008. Já em 2021, o título ficou com Diego Schwartzman, que encerrou um longo jejum de títulos para os tenistas argentinos.

15 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Jorge Luiz
Jorge Luiz
5 meses atrás

Alcaraz vai perder pro Monteiro

Evandro
Evandro
5 meses atrás
Responder para  Jorge Luiz

Não descarto um WO. Alcaraz sempre está dodói quando perde.

Fabio
Fabio
5 meses atrás

É a chance do Monteiro

Alexandre Monteiro
Alexandre Monteiro
5 meses atrás

Alcatraz fazendo de tudo pro sérvio chegar nas 500 semanas na liderança do ranking kkk…

Marcelo Seri
Marcelo Seri
5 meses atrás
Responder para  Alexandre Monteiro

Quem irá rivalizar com o Djokovic agora pela primeira posição do ranking é o Sinner, não o Alcaraz.

Leo, o realista
Leo, o realista
5 meses atrás

Alcaraz está bem frágil. Chance escancarada pro Monteiro fazer seu nome

Joselito
Joselito
5 meses atrás

Já ri e não foi pouco…

Paulo Almeida
Paulo Almeida
5 meses atrás

Excelente resultado pro GOAT indiscutível e incontestável do tênis DjokoGOAT.

Marcos Soares
Marcos Soares
5 meses atrás

Queria saber pq a Argentina, um país muito menor que o Brasil, tem vários tenistas de alto nível, e o brasil é essa escassez?

Fábio Sena
Fábio Sena
5 meses atrás
Responder para  Marcos Soares

O tênis é um esporte de rico no Brasil, pouco acesso, interesse e investimento.

Leo, o realista
Leo, o realista
5 meses atrás
Responder para  Marcos Soares

O Brasil é um país de pessoas festeiras e pouco produtivas. E isso reflete nos esportes… O tenis é esporte onde a parte física, o trabalho duro, metodologias de treino e dedicação fazem uma diferença maior que talento. Talento e grande técnica, a maioria do ranking tem, pois já foi passando peneiras desde criança e os melhores ficaram para o amador e depois profissional e outros milhares ficaram pelo caminho.
– Nossas metodologias de formação são defasadas: praticamente só formamos saibristas. A Espanha, que é a pricipal escola do saibro, já faz um tempo que vem criando tenistas que são dão bem nos outros pisos.
– o boom do Guga não foi bem aproveitado para massificar o tenis. Inclusive um dos presidentes do Brasil á época, chegou a desprezar o tenis e disse publicamente oara um garoto esquecer o tenis pois é um esporte de “rico”.
– até no futebol ficamos para trás. Antes bastante grandes jogadores, agora o último melhor foi o Neymar, já venho e no fim.

Rockton
Rockton
5 meses atrás
Responder para  Leo, o realista

Isso tudo aí faz sentido, mas acho que o maior problema é cultural, ou seja, a forma como os pais criam os filhos no Brasil.

Marcos
Marcos
5 meses atrás

Incrível como depois da derrota do Alcaraz para o Medvedev no USO ele não é mais o mesmo.

Zan
Zan
5 meses atrás
Responder para  Marcos

O ímpeto dele diminuiu após a final perdida em Cincinatti. No USOpen se agravou. Vai precisar cuidar do mental constantemente, alem de aperfeiçoar o saque em especial, como apontou Andy Roddick. Devoluções não seria má ideia tbm… se quiser logo o n°1, que uma hora vai chegar de novo

Balbino Neto
Balbino Neto
5 meses atrás

O ponto forte do Jarry foi manter-se firme frente ao número 3, favoritissimo. Jogou de forma aplicada, batendo firme com bom nível de previsão e assim desestabilizou Alcaraz. Grande vitória do chileno, até com certa tranquilidade.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Reveja os melhores lances da final masculina de Wimbledon

Momento histórico: Hewett completa o Slam em Wimbledon

PUBLICIDADE