PLACAR

FRASES: saiba o que comentam em Nova York

Ben Shelton (Foto: Pete Staples/ USTA)

“É fácil ser egocêntrico aqui no circuito. Tudo gira em torno dos jogadores. Você tem uma equipe ao seu redor. É fácil tornar-se egocêntrico. É muito importante para mim ter certeza de que ainda estou sendo uma boa pessoa, agradecer às pessoas que seguram a porta e aos seguranças que nos levam pelo local, às pessoas que nos servem a comida. Acho que a faculdade me ensinou muito sobre ser uma pessoa melhor e ser bom com as pessoas ao meu redor, e não apenas focar em mim e no meu próprio sucesso ou ganho pessoal.”
Ben Shelton

“Sempre íamos da Carolina do Norte para as eliminatórias porque era gratuito. Todos os anos, sempre acontecia algo terrível. Certo ano, minha irmã foi picada por uma aranha venenosa e foi para o pronto-socorro aqui. Então, no ano seguinte, minha mãe viu alguém deslocar o ombro enquanto jogava e minha mãe não suporta (ver alguém com) dor. Ela desmaiou e bateu a cabeça. Fomos para o mesmo lugar em Ashe. Nós pensamos, ‘Isso é tão legal! Estamos dentro do Arthur Ashe Stadium!’ Fomos ao mesmo médico. Eles se lembraram de nós do ano anterior!”
Tommy Paul sobre suas malfadadas viagens ao Aberto dos Estados Unidos quando criança.

“Isso vai parecer engraçado. A maioria dos americanos pensa que quando ganham um set por 6/0 é uma maldição, que você sempre perde o próximo set.”
Tommy Paul, que derrotou Alejandro Davidovich Fokina por 6/1, 6/0, 3/6 e 6/3.

“Papai fica sempre chateado quando vou para as bombas.”
Ben Shelton, que acertou um saque a 237 km/h em sua vitória sobre Aslan Karatsev.

“Todos nós sabemos que Foe gosta do horário nobre.”
Tommy Paul sobre Frances Tiafoe

“Você tem que continuar evoluindo, apenas continuar tentando adicionar coisas ao meu jogo, mas ainda assim ser eu.”
Frances Tiafoe

“Você pode jogar comigo sempre. Eu não ligo: 3 da manhã, início às 12h. Estarei muito animado para jogar. Todas as minhas partidas aqui estão lotadas, as pessoas enlouquecendo. Os fãs aqui estão realmente me apoiando. É algo especial.”
Frances Tiafoe

Há algo especial em voltar para Nova York. Me senti em casa, à vontade.” —Caroline Wozniacki

“Algumas boas histórias acontecem se você salvar match points.”
Dominic Stricker

“É uma temporada muito longa e desgasta ter que estar sempre ligado, sempre fazendo as coisas certas. Você faz isso praticamente toda semana. Quase nunca para. Essa é a parte que te incomoda, é que você sempre tem que estar mental e fisicamente ativo, focado em cada partida, em cada semana, dormindo bem, comendo bem, academia, tênis, fazendo tudo, ou então você não vai poder competir.”
Taylor Fritz

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por US Open (@usopen)

“Honestamente, eu tenho que aprender a encontrar mais alegria nisso. Conversei com Roger [Federer] sobre isso na semana passada. Ele diz que a melhor maneira de abordar isso é realmente abraçá-lo, ficar orgulhoso e feliz com seus resultados. Estou sempre olhando para o futuro, tentando fazer o melhor trabalho, então, estou feliz por ter pessoas na minha equipe que me lembram do bom trabalho que estou fazendo. É bom apreciar o processo e o progresso.”
Iga Swiatek sobre como se acostumar com a vida no primeiro lugar

“Eu sou um zumbi.” — Ons Jabeur, que, apesar da gripe, passou para a terceira rodada.

“Tenho muito respeito pela escola de tênis tcheca em geral. Eles realmente têm jogadores incríveis.”
Ons Jabeur, que depois de derrotar Linda Noskova, enfrentará a segunda tcheca consecutiva, Marie Bouzkova.

“Adoro jogar para uma grande multidão. Adoro jogar nos grandes estádios. Isso é emocionante para mim. É por isso que ainda estou jogando. É uma sensação ótima. É muito legal poder viver minha paixão, ser mãe e usar muitos chapéus. Estou muito orgulhosa disso.”
Caroline Wozniacki

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por US Open (@usopen)

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE