PLACAR

Fonseca sobe 75 posições. Romboli volta ao top 100

Foto: Sergio Llamera/ITF

Londres (Inglaterra) – O juvenil carioca João Fonseca é o destaque brasileiro no ranking de simples atualizado nesta segunda-feira pela ATP. O tenista de 17 anos, que obteve sua primeira semifinal de nível challenger em Buenos Aires, saltou 75 posições e agora é o 652º colocado.

Aos 17 anos e quatro meses, Fonseca é o tenista abaixo de 18 anos com mais alta classificação na ATP no momento. E ele pode subir ainda mais nesta semana, quando disputa novo challenger no saibro argentino. Em caso de vitória sobre o italiano e cabeça 7  Edoardo Lavagno, em partida prevista para terça-feira, ele poderá avançar mais 30 postos.

Também semifinalista em Buenos Aires na semana passada, o pernambucano João Lucas Reis avançou nove posições e voltou à 304º posição, ainda distante de seu recorde pessoal, que foi o 259º. Reis também está diretamente na chave do novo challenger argentino, junto a Gustavo Heide, que iniciará sua temporada.

Veja o ranking dos brasileiros nesta segunda-feira:
Thiago Wild – 77º (+1)
Thiago Monteiro – 120 (-)
Felipe Meligeni – 150 (+3)
Gustavo Heide – 245 (+2)
João Lucas Reis – 304 (+9)
Pedro Sakamoto – 335 (+4)
Matheus Pucinelli – 342 (-2)
Gilbert Klier – 355 (-)
Orlando Luz – 370 (-4)
Mateus Alves – 403 (+26)
Eduardo Ribeiro – 404 (+2)
Pedro Boscardin – 413 (-2)
Daniel Dutra da Silva – 454 (+4)
Nicolas Zanellato – 490 (+2)
José Pereira – 570 (-1)
Wilson Leite – 591 (-2)
João Fonseca – 652 (+75)

Romboli volta ao top 100 de duplas
Bastou uma vitória no challenger português de Oeiras para Fernando Romboli recuperar posto no top 100 do ranking de duplas.  Em julho de 2022, o carioca radicado em Santos chegou a sua mais alta classificação, o 88º lugar.  Com isso, o tênis nacional volta a ter quatro representantes nessa faixa.

Veja o ranking de duplas dos brasileiros nesta segunda-feira:
Marcelo Melo – 50 (0)
Rafael Matos – 59 (+1)
Marcelo Demoliner – 71 (+1)
Fernando Romboli – 100 (+2)
Marcelo Zormann – 119 (-1)
Orlando Luz – 124 (+1)
Pedro Boscardin – 181 (-4)
João Lucas Reis – 213 (+1)
Mateus Alves – 218 (+3)
Gustavo Heide – 241 (+3)

10 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Jorge Luiz
6 meses atrás

Menino de ouro, grande futuro, Puccinelli, Boscardin Zanellato ainda de férias,bora jogar rapaziada, Heide e Klier deveriam ter jogado semana passada,se querem subir no ranking tem que parar de dar out

Haroldo Guimarães
Haroldo Guimarães
6 meses atrás
Responder para  Jorge Luiz

E o Klier perdeu na 1a rodada do quali, alias só o Luz passou

Trump
Trump
6 meses atrás

É só o início da carreira do Fonseca. Vai precisar aí de uns 2 ou 3 anos pra se aproximar do top 100. ETs como Nadal jogaram ATP com 15 anos, Alcaraz com 19 já era top. Não sei em que velocidade o Fonseca vai progredir, mas antes dos 19 dificilmente sairá dos Challengers

Eduardo
Eduardo
6 meses atrás
Responder para  Trump

Eu acredito que ele pode ter uma evolução mais rápida, acredito que nesse ano ele já vai furar os 200.

Haroldo Guimarães
Haroldo Guimarães
6 meses atrás
Responder para  Trump

Não , ele é diferenciado , acredito que como diz o Eduardo abaixo ele estará no top 200 este ano, se não for estudar. agora comparar com Nadal, Alcaraz ,Djoko, Federer emuitos outros top 5 é brincadeira. neh

Gusmão
Gusmão
6 meses atrás

Cadê os Torneios Challenger e ITF no Brasil ?

Eta CBT que não se desenrola.

Jorge Luiz
6 meses atrás
Responder para  Gusmão

Tem razão, mais jogar na Argentina às vezes é até mais viável do que jogar em alguns estados do Brasil, e onde estão Puccinelli, Boscardin, Eduardo Ribeiro, Zanellato? as vezes falta dedicação de alguns tenistas também

Gusmão
Gusmão
6 meses atrás

Parabéns aos Brasileiros esforçados estão se mantendo no ranking ATP de Simples mesmo com raríssimos torneios no Brasil.

CBT acorda.

Gusmão
Gusmão
6 meses atrás
Responder para  Gusmão

O Challenger em Piracicaba em 29/01/24, é organizado pelo Instituto Sports, diretor Danilo Marcelinho.

CBT tem que trabalhar.

Última edição 6 meses atrás by Gusmão
Gabriel Vellutini
Gabriel Vellutini
6 meses atrás

Sobre o Romboli o que é estranho foi que entrou de alternate na chave. Ganhou um jogo e perdeu de WO no jogo seguinte. E não teve uma justificativa. Tenho medo de ser algo grave.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Reveja os melhores lances da final masculina de Wimbledon

Momento histórico: Hewett completa o Slam em Wimbledon

PUBLICIDADE