PLACAR

Federer está em Wimbledon para acompanhar despedida de Murray

Londres (Inglaterra) – Maior campeão da história de Wimbledon, o suíço Roger Federer foi ao All England Club nesta quinta-feira para acompanhar a estreia do britânico Andy Murray nas duplas, em sua despedida do torneio. Ele joga ao lado do irmão Jamie Murray contra os australianos Rinky Hijikata e John Peers.

Octacampeão no tradicional Grand Slam britânico, Federer teve encontro de ex-número 1 do mundo com a dinamarquesa Caroline Wozniacki nos bastidores do torneio.

Um dia antes, a esposa do suíço, Mirka Vavrinek, também foi vista nas dependências do All England Club acompanhando um dos duelos mais esperados de segunda rodada, entre os italiano Matteo Berrettini e Jannik Sinner, atual número 1 do mundo e admirador confesso de Federer.

15 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Flavio
Flavio
10 dias atrás

Aí está o DEUS do tênis.

Carlos Alberto Ribeiro da Silv
Carlos Alberto Ribeiro da Silv
10 dias atrás
Responder para  Flavio

Porquê? O que ele fez pra justificar essa qualificação? Nem com o enorme talento que recebeu de presente, ficou na zona de conforto, e foi superado por pelo menos um dos grandes rivais. Que foi um gênio, não há dúvidas, mas os números mostram que ele não foi o melhor.

Oscar Riote
Oscar Riote
10 dias atrás

Não é bem assim. O Federer e o Djokovic são de gerações diferentes. O suíço em seu auge superou o Djokovic, e o sérvio em seu auge superou o Federer envelhecido. Só que fizeram bem mais partidas no auge do sérvio, daí a vantagem dele no confronto direto.

Carlos Alberto Ribeiro da Silv
Carlos Alberto Ribeiro da Silv
10 dias atrás
Responder para  Oscar Riote

O Federer nasceu em 08/08/1981 e o Djokovic nasceu em 22/05/1987. A diferença é menor que seis anos então não podem sem considerados de gerações diferentes. Em 2011, quando o Federer ganhou do Djokovic na semifinal de Roland Garros, ele fez 14 a 9 nos confrontos com o sérvio. E o histórico dos confrontos terminou 27 a 23 a favor do Djokovic. Significa dizer que depois da semifinal de Roland Garros 2011, os dois se enfrentaram 27 vezes com 18 vitórias do Djokovic e 9 vitórias do Federer. Ou seja, a cada três jogos entre eles, o Djokovic ganhou dois e o Federer ganhou um. 2011 foi o ano em que o Federer fez 30 anos, quantos títulos ele ganhou de 2011 até o final da carreira em 2022? O Djokovic fez 30 anos em 2017. Quantos títulos ganhou de 2017 até agora? Na minha opinião, isso mostra o diferencial do Djokovic em relação aos demais, incluindo o Federer, que foi sempre buscar uma evolução contínua na carreira, se preocupar com os detalhes. Por isso ele conseguiu alcançar o que conquistou.

Oscar Riote
Oscar Riote
10 dias atrás

Esses 6 anos de idade nao sao relevantes nesse caso.
O Federer iniciou seu auge em 2003 e o Djokovic em 2011. São 8 anos de diferença. Nem de longe são da mesma geração.

José Afonso
José Afonso
10 dias atrás

Foi superado PELOS DOIS rivais, tanto em número de Grand Slams, quanto de Masters 1000 e ainda em H2H.

Gosto muito mais dele do que Nadal, mas é forçoso reconhecer que ele é o Terceirão.

Anderson ayres
Anderson ayres
10 dias atrás
Responder para  Flavio

Deus só.tem um amigo.chama ce djokovic.

Joselito
Joselito
10 dias atrás
Responder para  Flavio

O pai dele jogou hoje.

Julio Marinho
Julio Marinho
10 dias atrás
Responder para  Joselito

Foi aquele pai que tomou 6-0 em Cincinatti e grand willy em semi de Slam? Ah tá

Joselito
Joselito
10 dias atrás
Responder para  Julio Marinho

11 a 6 em GS e você foi buscar um pneu. kkkkk

Julio Marinho
Julio Marinho
10 dias atrás
Responder para  Joselito

Que nada. Acho que o que pesa foi a cara do Djok babando de inveja mesmo. Título tem mais mesmo, mais vitorioso. Acho que é só uma questão de contagem. Mas a cara de perplexidade e inveja não dá para apagar, né? O pneu, essas coisas que você vê o Schwartzan, o Dimitrov, o Kyrgios e até mais recentemente o Lajovic que quando jogaram com o Federer sentiram “outplayed” tomando aula. Djok foi só mais um. Dava aula em todo mundo. Relaxa.

Joselito
Joselito
10 dias atrás
Responder para  Julio Marinho

Em finais então nem se fala: 13 a 6

Federer eterno GOAT
Federer eterno GOAT
10 dias atrás

GOATaço

Valéria
Valéria
10 dias atrás
Responder para  Federer eterno GOAT

Concordo com vc. O que acho é que os resultados para mensurar vitórias e performance devem ser realizados em percentuais: ou seja, quantas vezes chegou e quantas ganhou. Quando se fala em números absolutos deixa-se de lado as participações. Federer parou em 2022 com 40 anos. Djoko continua jogando. É lógico que ela vai continuar ganhando se o Federer não joga há 02 anos!!.

Jose Leomar
Jose Leomar
10 dias atrás

Número quantificam, por exemplo: maior vencedor de GS, maior percentagem de vitórias em finais etc. Ser considerado o melhor, ou seja, ser avaliado qualitativamente, será sempre algo passional, do coração (a melhor pessoa para você não necessariamente é a melhor pessoa para o seu irmão), portanto, discussões quantitativas para tentar convencer o outro de o que seu GOAT é melhor do que o GOAT do outro serão sempre infrutíferas. Agora, quem que você queria que o seu filho fosse: Djolo, Nadal ou Federer? Eu gostaria que ele jogasse e fosse como o Federer, na minha opinião, o GOAT dentre os tenistas normais, já que um é máquina mental e outro máquina física (e eu queria meu filho normal, se dedicando, treinando, buscando ir mais longe, mas com limites, até mesmo para valorizar o lado humano, de que crescemos, evoluímos e decaímos, até perecermos.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Wimbledon seleciona os melhores backhands de 1 mão

Os históricos duelos entre Serena e Venus em Wimbledon

PUBLICIDADE