PLACAR

Entidades do tênis lançam serviço para combater abuso online

Londres (Reino Unido) – A Federação Internacional de Tênis, WTA, USTA e a organização de Wimbledon lançaram coletivamente um serviço de monitoramento que visa proteger os atletas de abusos e ameaças online. Batizado como Threat Matrix, o projeto foi desenvolvido pela empresa de IA Signify Group e apoiado pela equipe de investigações da Quest e por especialistas em ameaças.

O serviço monitorará as mídias sociais públicas dos jogadores, contemplando plataformas como o X (antigo Twitter), Instagram, YouTube, Facebook e TikTok. Como parte de um serviço exclusivo, também será fornecido suporte aos tenistas que recebam ameaças ou abusos por meio de mensagens diretas privadas.

O Threat Matrix entrará no ar em 1º de janeiro de 2024 e cobrirá todos os torneios parceiros sancionados pelas organizações envolvidas e qualquer atleta que compita regularmente em eventos da ITF e da WTA, além de Wimbledon e US Open.

O comunicado dos órgãos reguladores do tênis reforça que este desenvolvimento reflete o compromisso das entidades internacionais em proteger e apoiar os atletas contra traumas mentais e potenciais ameaças de assédio e abuso online. Utilizando uma combinação de inteligência artificial e dados de código aberto, o serviço será operado em 35 idiomas.

Além disso, terá a capacidade de monitorar automaticamente todas as postagens nas redes sociais dos jogadores; fornecer avaliação rápida de ameaças à segurança pessoal; alertar as plataformas sociais para facilitar a remoção do conteúdo ofensivo; apoiar as agências de aplicação da lei na investigação dos casos mais graves; e incluir programas de apoio educacional para ajudar os tenistas a mitigar abusos e ameaças.

O Threat Matrix ainda ajudará na identificação dos abusadores, contra os quais serão tomadas todas as medidas cabíveis. Além do tênis, o serviço já é aplicado por grandes organizações e eventos esportivos, como a Premier League, NBA e WNBA, campeonatos mundiais de atletismo e as Copas do Mundo de futebol e rugby.

Segundo David Haggerty, presidente da ITF, o abuso nas redes sociais é um problema sério para os atletas, e esta iniciativa é um passo decisivo para resolvê-lo. “O tênis deve ser um esporte no qual os jogadores possam competir da melhor maneira possível, livres de qualquer forma de assédio”, reforça.

Já a presidente do All England Club, Deborah Jevans, afirma que o AELTC e todas as organização envolvidas estarão empenhados em fazer a sua parte para proteger os atletas de abusos e ameaças online. “A implementação de um serviço de monitorização proativa é uma forma importante de apoiar a saúde mental e o bem-estar geral dos jogadores, que é uma prioridade para os organismos internacionais de ténis”, destacou.

Por fim, o presidente e CEO da WTA, Steve Simon, reforçou o compromisso da entidade em apoiar as jogadoras. “Como defensores do bem-estar de nossas atletas, temos o prazer de trabalhar com a Threat Matrix para implementar um serviço dedicado a apoiar e proteger as tenistas da WTA contra abusos nas redes sociais. Esse compromisso enfatiza nossa dedicação em criar um espaço positivo e de apoio para elas prosperarem dentro e fora da quadra.”

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Reveja os melhores lances da final masculina de Wimbledon

Momento histórico: Hewett completa o Slam em Wimbledon

PUBLICIDADE