PLACAR

Draper e Lehecka lutam pelo primeiro título de ATP em Adelaide

Jiri Lehecka (Foto: Andrew Eichenholz/ATP Tour)

Adelaide (Austrália) – A final do ATP 250 de Adelaide terá dois jovens jogadores de 22 anos em busca do primeiro título na elite do circuito. O britânico Jack Draper e o tcheco Jiri Lehecka venceram as semifinais desta sexta-feira e vão se enfrentar às 2h30 (de Brasília) em busca do troféu do torneio preparatório para o Australian Open. Apesar de ambos terem a mesma idade, será o primeiro confronto.

Na partida que abriu a rodada de semifinais, Lehecka teve uma grande atuação e superou o norte-americano Sebastian Korda, cabeça 3 do torneio e 29º do ranking, com parciais de 6/2 e 6/1 em apenas 1h12 de partida. O tcheco disparou sete aces e não teve o serviço quebrado, escapando dos três break-points que enfrentou. Além disso, colocou pressão constante sobre o rival, criando 14 chances de quebra e aproveitando quatro.

 

Lehecka é o atual 32º do ranking está apenas três posições abaixo de seu recorde pessoal, o 29º lugar, alcançado em agosto. Pela campanha em Adelaide, o tcheco certamente irá superar essa marca. Ele está subindo para a 26ª posição e pode ser o 23º do mundo em caso de título Lehecka. Sua única final de ATP foi em Winston-Salem, no ano passado.

A segunda semifinal foi mais equilibrada, com Draper vencendo o cazaque Alexander Bublik, 31º do ranking, por 7/6 (7-2) e 6/4. Depois de um primeiro set com duas quebras para cada lado, com domínio do britânico durante o tiebreak, a segunda parcial foi de maior domínio dos sacadores. Draper não enfrentou break-points e aproveitou sua única chance de quebra.

Esta é mais uma boa campanha em Adelaide para o britânico, que foi semifinalista no ano passado e agora dá um passo a mais. Ele também tinha apenas uma final na carreira, ficando com o vice-campeonato em Sófia em novembro. Ex-top 40, Draper sofreu com uma lesão muscular na região abdominal e um problema no ombro no ano passado, ficando três meses sem jogar. Atualmente, ele ocupa o 62º lugar do ranking e pode voltar ao grupo dos 50 melhores se for campeão.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE