PLACAR

Douloureux au revoir

Foto: FFT

A muito provável despedida de Rafael Nadal de seu maior palco, ainda que já prevista, causa dor em qualquer um que admire o tênis bem jogado. A queda de Gustavo Heide, perdendo chance no quinto set, e a demora de Thiago Monteiro em reagir foram naturais, ainda que frustrantes. A derrota de Thiago Wild para o gigante Gael Monfils obedeceu a lógica.

O que realmente não deu para engolir foi a virada que Beatriz Haddad Maia levou, numa atuação que foi desabando de qualidade à medida que a temperatura esfriava até o ânimo da valorosa torcida, a ponto de chegar a um tenebroso 6/1 que só refletiu a forma com que a semifinalista de 2023 estava taticamente perdida em quadra.

Não que a italiana Elisabetta Cocciaretto desmereça elogios por sua determinação e coragem. Enxergou a necessidade de trocar a direção da bola, o que faltou a Bia, e de perturbar o já titubeante segundo serviço da cabeça 13, dando dois passos para dentro da quadra. Foi para a devolução com gosto. Mereceu amplamente o resultado.

Quando vi a previsão de um clima frio e úmido, que desacelera as condições de jogo, já ficou evidente que Bia não teria vida fácil. A italiana, nascida no piso e 51º do mundo, do alto de seus 1,66m, se mexe muito bem e trabalha com o peso da bola adversária. A brasileira usou bem o recurso de seu topspin de canhota no primeiro set, mas não manteve a tática. O saque foi caindo de efetividade de forma assustadora.

O final beirou a melancolia e não haverá do que reclamar se a lista pós-Paris mostrar Bia fora do top 20. Sua temporada não faz por merecer mais. O lado positivo, quem sabe, seja ficar enfim solta da obrigação de repetir resultados e se preparar bem para a fase de grama. Porém, isso exige prioritariamente trabalho efetivo para recuperar o saque.

Heide deixou escapar 3/2 e saque no primeiro quinto set de sua jovem carreira, lembrando as chances perdidas por Laura Pigossi, mas não há do que reclamar, já que foi valente diante do top 20 Sebastian Baez num saibro bem lento. Monteiro não manteve o nível de Madri e Roma, com elogios necessários à postura de Miomir Kecmanovic, que pegou tudo na subida e explorou à exaustão o backhand do cearense. Wild fez ótimos lances e tirou o máximo que pôde do forehand, o que não foi o bastante para ganhar mais do que um set de um Gael Monfils embalado por  público ensurdecedor. Poderia ser melhor, mas nada acabou muito diferente do previsto.

Resta agora torcer por Felipe Meligeni, na duríssima missão de encarar Casper Ruud, o finalista das duas últimas edições, e por sucesso nas duplas, onde Marcelo Melo se juntou a Rafael Matos, Fernando Romboli estreia em Slam e Luísa Stefani tenta reagir da fraca temporada de saibro feita até agora.

Zverev entra para a história de Nadal

Com dois anos de atraso, Alexander Zverev se tornou apenas o terceiro homem a derrotar Nadal no saibro de Roland Garros e no estádio Philippe Chatrier, o segundo a fazê-lo em sets diretos e o primeiro a impor derrota logo na primeira rodada. Inegável seu favoritismo, vindo do título de Roma e diante de um espanhol que não é sombra daquele que ganhou 14 vezes o torneio.

Ainda assim, é válido observar, Rafa não decepcionou. Fez ótimas jogadas, correu atrás das bolas mais exigentes e poderia muito bem complicar a vida do alemão caso tivesse confirmado o saque que lhe daria o segundo set. Sascha teve raros momentos de baixa, foi agressivo e surpreendeu com forehand afiado e definidor, além de controlar todo o clima tão emocional que envolvia a torcida, provavelmente 95% favorável ao megacampeão. Foi um teste de controle, aplicação tática e competência técnica e Zverev tirou nota A em todos os quesitos.

Nadal novamente não quis cravar que este foi seu último Roland Garros, argumentando que não sabe o quanto seu corpo ainda aguenta. A uma semana dos 38 anos e fisicamente mais frágil do que seu estilo exige, parece que ele perdeu a chance de dar um ‘au revoir’ digno, ainda que com derrota. Claro, ele se vale da ideia de que jogará os Jogos Olímpicos no complexo e na Chatrier, então quem sabe tenha apenas adiado o que parece inevitável. Deixou claro que não terá tempo de se adaptar à grama, o que é bem coerente, já que pretende voltar ao saibro para as Olimpíadas.

Quando se fala de Nadal em Paris e na terra, só há números e fatos deslumbrantes. Ele tem agora 112 vitórias e 4 derrotas no torneio e pela primeira vez em toda sua carreira perdeu dois jogos seguidos no saibro em torneios de nível ATP. Em estreias de Roland Garros, só tinha perdido 3 de 57 sets antes de Zverev, sendo dois para Isner (2011) e um para Brands (2013). Até então, sua única derrota de ATP numa rodada inicial no saibro havia sido para Ferrero em Roma de 2008.

Resumão

– Sinner voltou bem e pode ainda economizar energia contra Gasquet e talvez até mesmo frente Wawrinka ou Kotov.
– Muito firme também foi Tsitsipas, que inicia rota de colisão com Rublev lá nas oitavas.
– Na lentidão da noite, Medvedev se virou bem contra o canhoto Koepfer, mas precisa se cuidar com Kecmanovic e Navone em seguida.
– Com 122 vitórias em Slam, Monfils agora é o recordista absoluto entre os tenistas franceses.
– Swiatek até teve um momento de pressão antes de confirmar sua ótima forma e confirma o duelo contra Osaka. Será ampla favorita.
– A primeira grande surpresa feminina foi Gracheva, que fez a festa da casa com virada em cima de Sakkari.
– Também foram inesperados os 2 a 0 de Andreescu em cima de Sorribes e a dificuldade de Svitolina diante de Pliskova.
– Gauff, Jabeur, Vondrousova, Collins e Samsonova não levaram sustos expressivos.
– A terça-feira terá as estreias de Djokovic, Sabalenka e Rybakina, que teoricamente devem ganhar com rapidez. Também será o dia do retorno de Carreño ao circuito.

76 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Sandra
Sandra
21 dias atrás

Dalcim , o técnico da Bia não podia passar instruções ? Ou ele não sabia o que passar ? Ela parecia uma barata tonta rsss

Paulo A.
Paulo A.
21 dias atrás
Responder para  Sandra

Ao fim e ao cabo, quem joga mesmo é, sempre, o tenista. Ele, da arquibancada, pouco pode fazer, infelizmente…

João Sawao ando
João Sawao ando
21 dias atrás
Responder para  Paulo A.

E por aí mesmo paulo

Marcelo Calmon
Marcelo Calmon
20 dias atrás
Responder para  Sandra

Ela sempre recebe instrução. Mostrou várias vezes o técnico falando com a Bia. Acho até que é exagerado o contato com ele. Parece que ela não toma decisão sozinha. De vez em quando é bom dar umas arriscadas, variar o que está sendo feito, principalmente quando nada dá certo, o que era o caso no 3º set !!

Paulo H
Paulo H
21 dias atrás

Não sei se podemos chamar de decepção, a performance dos brasileiros nesse triste dia para o tênis brasileiro. Apesar da torcida, as expectativas eram baixas frente ao conjunto de partidas realizadas ao longo do ano. Temo que as ligações afetivas falem mais alto do que o profissionalismo e não haja mudanças no jogo da Bia, cada vez mais previsível e derrotável. Uma pena, ainda acredito que se melhorasse o saque e aprendesse a variar peso e direção das bolas teria um futuro melhor no tênis feminino, que não tem jogadoras excepcionais fora do top 10. Mas isso é uma ilusão, como é o futuro de Nadal e espero estar errado, o presente de Djokovic.

Rodrigo W
Rodrigo W
21 dias atrás

Pensei que o Carreño Busta já tivesse se aposentado. Estava muito, mas muito sumido.

Dalcim, não conheço o histórico da italiana, o fato é que nesse jogo ela nem precisou usar o peso da bola adversária, (até porque a bola da Bia não teve qualquer peso) ela mostrou peso de bola e saque muito superiores aos da Bia, o que é inacreditável considerando os biotipos. Terrível a fase da brasileira. Apesar de você considerar dentro da lógica a derrota do Wild, discordo parcialmente, tendo em vista o potencial dele e a fase de carreira que atravessa. Achei extremamente frustrante perder de um Monfils em fim de carreira e fisicamente decadente, a despeito de torcida, etc. A derrota do Monteiro também foi um tremendo balde de água fria nas expectativas. Os demais (Heide e Laura) fizeram muito mais do que se imaginava, mesmo com as dolorosas derrotas. Vamos ver o Meligeni, o match up mais desequilibrado dos brasileiros nessa 1R. Quem sabe surpreenda por jogar sem qualquer expectativa e responsabilidade.

Girafales
Girafales
21 dias atrás

Tentei comentar três vezes em outra pasta fazendo uma correção na tradução da entrevista do Nadal e não publicaram. Não entendi o motivo, já que a intenção foi ser fiel ao que o espanhol quis dizer.

Girafales
Girafales
21 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Joia

Maurício Luís *
Maurício Luís *
21 dias atrás

Esta segunda-feira foi pro tênis brasileiro similar à “Noite de São Bartolomeu”, chacina ocorrida na França em 1572.
A Bia, se sair do Top 20, vai precisar arranjar uns pontos na temporada de grama, porque do contrário, ” … Nada é tão ruim que não possa ficar pior”. Não vai conseguir defender os 700 pontos do Elite Trophy.
É aí que a consorte do bovino encaminhar-se-á solenemente à área pantanosa.

Paulo A.
Paulo A.
21 dias atrás

Dalcim, saberia dizer porque os árbitros em RG, ao fim do descanso entre os games ímpares, dizem “réprise”?

Gustavo
Gustavo
21 dias atrás
Responder para  Paulo A.

Só entre os games ímpares? Se for entre todos os descansos, eu diria q é pq “réprise” pode tb significar retomada (do jogo).

Paulo A.
Paulo A.
20 dias atrás
Responder para  Gustavo

Ah, entendi. Obrigado.

Ernani Chaves
Ernani Chaves
21 dias atrás
Responder para  Paulo A.

significa “reiniciar”, “retomar”, “voltar”…

Astério Silva
Astério Silva
21 dias atrás
Responder para  Paulo A.

Quer dizer “recomecar”, par informar que o descanso acabou.

Gustavo
Gustavo
20 dias atrás
Responder para  Paulo A.

Outra coisa que eu jamais havia reparado antes em Roland Garros é que a contagem dos pontos é feita somente em francês, não seguindo o padrão: idioma da casa + inglês, como ocorre em qualquer outro país não anglo-saxão.

Danilo BR
Danilo BR
21 dias atrás

Olá, Mestre Dalcim!!! Às vezes me dá a impressão de que o fator psicológico vem pesando DEMAIS dentre os tenistas brasileiros ao longo dos anos, vide Bellucci, agora a Bia, há oscilações bem visíveis também com o Monteiro… não seria a hora de repensar o trabalho psicológico de nossos atletas ou vc acha que é deficiência técnica e tática mesmo? Não é surpresa nenhuma ver esse desastre total dos brasileiros logo na primeira rodada.

Ruy Machado
Ruy Machado
21 dias atrás

A razão dizia que Nadal não teria chances contra Zverev. Por um breve momento, achei que o espanhol poderia levar o 2°Set e mexer com os nervos do alemão. A torcida enlouqueceria, Nadal ganharia mais confiança e poderia ter alguma chance de vencer muito mais no mental que no físico. Aquela quadra o transforma! Acabou que o sonho se tornou realidade e deu a lógica para o Zverev. Vindo de vitória em Roma e sério candidato ao título de RG, soube lidar com a pressão e fez sua parte de forma convincente. O Touro lutou como sempre, mas a idade chegou… infelizmente. Que as Olimpíadas sejam sua última sinfonia. Quem sabe…

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
21 dias atrás
Responder para  Ruy Machado

Faço uma aposta, caro Ruy . Quero ver quem tira o Ouro Olímpico da dupla Nadal e Alcaraz. Aceito qualquer proposta…rs. Abs!

Ruy Machado
Ruy Machado
21 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Que os Deuses do tênis te ouçam!

Rodrigo Lightman
Rodrigo Lightman
20 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Qualquer dupla italiana!

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
20 dias atrás
Responder para  Rodrigo Lightman

Escolha a proposta, caro Rodrigo. Que eu topo. Abs?

Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
21 dias atrás

Vamos ver como a Bia reage daqui pra frente. Por isso é que temos que valorizar e reverenciar os grandes campeões da história porque a coisa mais difícil no tênis é defender o resultado do ano anterior, tendo em vista que geralmente aparecem adversários das novas gerações que chegam cheios de motivação e sem nenhuma responsabilidade. E a qualidade principal dos grandes campeões é a força mental porque conseguem o foco e controle emocional necessários para jogar o seu melhor.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
21 dias atrás

” A coisa mais difícil no Tênis é defender o resultado do ano anterior” , perfeito meu caro . Daí eu colocar que as 237 Semanas CONSECUTIVAS no TOPO do Ranking é um recorde praticamente imbatível. Roger Federer atingiu o N 1 em 2004 e já tinha Nadal como N 2 em 2005 . Sampras e Djokovic entraram e saíram do N 1 várias vezes devido a enorme pressão. Murray em 2016 levou o Sérvio quase a loucura … rs. Ps : Neste momento SINNER já deixou Novak e Alcaraz pra trás jogando apenas uma partida em RG 2024 …rs. Abs !

Maurício Luís *
Maurício Luís *
21 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Ainda é um pouco cedo pra afirmar que Sinner deixou o sérvio pra trás. Apesar que as chances são grandes.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
21 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Entre em RANKING ATP ao VIVO e verás que JANNIK SINNER já aparece como N 1 . Djokovic somente retorna se atingir a FINAL e SINNER não . Neste momento o jovem Italiano está com 8775 pontos , Djokovic = 7970 e Alcaraz = 6430 . O Sérvio se levar o Torneio atinge 9960 , e SINNER na FINAL = 10 075 . Realmente as chances são grandes. Abs!

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
20 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Mas esse momento não conta caro Sr. Apressado.
Se Novak Djokovic for campeão, permanecerá como #1 e Sinner, continuará sem contabilizar nenhuma semana nesse posto, mesmo com você já o colocando lá.
Nas duas semanas do GS, a contagem permanece inalterada.
Acho que sabes disso.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
21 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Errado como sempre, Sr. SR.

DjokoGOAT perdeu o número 1 para Federer, Nadal duas vezes e Murray porque eram rivais à altura; já Medvedev e Alcaraz se aproveitaram do fato do sérvio ter sido barrado na Austrália e nos Estados Unidos até o Double Sunshine de 2023. E o suíço você sabe muito bem que não foi ameaçado pelo espanhol até 2008, que sempre ia mal no AO e no USO e só ganhou 3 M1000 no duro em 3 anos.

A conferir, abs!

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
20 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

PA,

Ele nem se toca que a insistência nas 237 semanas consecutivas só reforça o fato de Federer ter se aproveitado de uma entressafra. Veja só: só conseguiu acumular mais 73 semanas após o referido recorde. De qualquer forma, está com desvantagem de 118 semanas no total.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
20 dias atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Sim, ele nem percebe que é amigão do Sampras nesse aspecto, rsrs.

Exato: semanas totais >>>>>>>> semanas consecutivas.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
20 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Ele e alguns outros não percebem que ao criticar o sérvio, coloca o gênio Roger Federer abaixo.
Eu, sempre digo: Federer foi um gênio com a raquete.
O outro que o superou é o que mesmo?

Paulo Almeida
Paulo Almeida
20 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Gênio^10.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
20 dias atrás

ONDE ESTÁ O EIXO ENTRE “Vamos ver se a Bia reage daqui pra frente” e “os grandes campeões da história”?

Jorge Miguel
Jorge Miguel
21 dias atrás

Tem um comentarista de tênis que disse uma vez o seguinte ,tem técnico pra jogador top 100 e tem técnico pra jogador top 10 ,e claramente a Bia tá sem técnico da altura do ranking ,uma troca faria bem a ela .

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
21 dias atrás

UMA DERROTA TÃO BEM posta não tem que ser relativizada com aspectos meteorológicos, assim como é bobagem cogitar positividade futura por, doravante, Beatriz “ficar enfim( !!!!! ) solta da obrigação de repetir resultados”. Ora, Beatriz, uma tenista perto dos 30 anos, não sofre mais pressão que ninguém que habita o patamar de n° 20 a 10 do ranking, que é por onde ela andou no último ano e meio mais ou menos. Daqui a três dias ela completa 28 anos, e era só o que faltava pessoas acharem normal Beatriz ter que perder, para, na sequência, conseguir jogar melhor e ficar em condições mais competitivas numa outra sequência. Nesse caso, uma vez mais competitiva, ela não se adaptando, aí fica mais fácil, pois já saber-se-á o remédio contra o mal das boas vitórias e do bom rankeamento. Eu não torço contra Beatriz, o que não suporto é a cegueira analógica, que não enxerga qual o tênis dela, que é médio, camuflando tudo com o diabo do ranking. Moral da história? Eu realmente não sabia que vitórias têm cura: as derrotas…

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
21 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Isso é como se o caminho mais difícil fosse trilhado de forma mais fácil e vice-versa.
Também não concordo em nada com isso.
Ganhou e escalou o ranking porque fez bem seu papel e começa a voltar, porque diferentemente agora, não o faz com a mesma destreza.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
20 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

POIS É, LUIZ FABRICIANO…

Marcos
Marcos
21 dias atrás

Dalcin, a Pigossi pelo estilo de jogo, não seria uma “Sara Errani brasileira” ?

Paulo A.
Paulo A.
20 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Sim, e ambas são muito aguerridas , gosto de vê-las lutar em quadra.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
20 dias atrás
Responder para  Paulo A.

COMO É FASCINANTE o improvável. Alguém no mundo ainda vê Sara Errani. Não é fácil se fiar a isto, mas eu acredito…

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
20 dias atrás
Responder para  Marcos

CARA, PRIMEIRO DE TUDO, suplico que me venda esse baú da era da pedra lascada, trata-se de uma verdadeira relíquia. E qual o “estilo de jogo” da seminal Sara Errani, essa aposentada em franca atividade?

Gustavo M.
Gustavo M.
21 dias atrás

E essa derrota na estreia pro Ferrero em 2008 foi marcada por bolhas no pé, salvo engano, que o impediram de jogar em alto nível, tendo praticamente abandonado a partida. Em 2008, ninguém era capaz de ganhar do Nadal no piso, foi sua única derrota no ano. Que números indescritíveis! Que lenda desse esporte!

Um abraço!

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
20 dias atrás
Responder para  Gustavo M.

Gustavo, e o out-fit do Djokovic hoje?
Um show!

Paulo Sergio de Moraes Rangel
Paulo Sergio de Moraes Rangel
21 dias atrás

Parabens dos comentários Dalcin, concordo plenamente!

Nataniel
Nataniel
21 dias atrás

Triste porque Rafael Nadal perdeu em Roland Garros

Evandro
Evandro
21 dias atrás

Cocciaretto será campeã. Tem sido assim com a Bia.

Maurício Luís *
Maurício Luís *
21 dias atrás

Boa noite Dalcim. Discordo que a Bia esteja “solta da obrigação de repetir resultados” como diz o texto, porque se ela sair mesmo do Top 20, não vai conseguir defender os pontos de campeã do Elite Trophy.
No mais, concordo com tudo.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
20 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

COM CERTEZA é uma belíssima desculpa a quem não tem jogado bola faz tempo, aliás, mais uma…

Roy Harley
Roy Harley
21 dias atrás

Dalcim, não seria a hora de Nadal trocar a equipe técnica, talvez isso possa dar uma nova vida a ele, como aconteceu em 2017

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
20 dias atrás
Responder para  Roy Harley

RSRSRSRSRS…

Alexandre
Alexandre
21 dias atrás

Salve Dalcim,

Espero que vc esteja bem. Confesso que fiquei bem triste com o resultado da Bia, mas o desastre era esperado, infelizmente. Queria te perguntar o que aconteceu com a participação dela nas duplas este ano? Ano passado, a despeito de um possível maior desgaste físico, me pareceu que jogar duplas ajudava nas simples. E ela teve parceiras de primeira linha, como por exemplo a Azarenka em Madri.
Na sua opinião, o que aconteceu? O relacionamento com outras jogadoras do circuito mudou? Problemas na equipe dela?
Fora isso, concordo com vc que seria muito mais digno o Nadal ter feito uma despedida na quadra. Ficou com um jeito de festa inacabada….só que a banda de músicos já indo embora.

Grande abraço a vc e equipe.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
20 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

“SERIA UMA VÁLVULA de escape interessante e mais uma oportunidade de sair da má fase”, principalmente se sua parceira for novamente Taylor Townsend, que carrega o time nas costas…

André Aguiar
André Aguiar
21 dias atrás
Responder para  Alexandre

Acredito que queria preservar-se fisicamente para tentar avançar ao máximo na chave de simples, já que defendia a SF.
E o plano B era o de passar alguns dias em casa antes da temporada de grama, o que de fato irá fazer.

Belarmino Jr
Belarmino Jr
21 dias atrás

Parabéns para o baloeiro pela excelente carreira! É sem dúvidas o segundo maior da história apenas atrás de Roger Federer;

Paulo Almeida
Paulo Almeida
21 dias atrás
Responder para  Belarmino Jr

24 > 22 > 20

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
20 dias atrás
Responder para  Belarmino Jr

No que ele é o segundo, estás certíssimo!

Roberto Rocha
Roberto Rocha
21 dias atrás

E nossos tenistas medianos foram varridos logo na largada. Previsível.
Nadal me surpreendeu ao resistir mais do que eu imaginava ao Zverev. Ouso especular que se ele tivesse mais 2 semanas de preparação, poderia até vencer 1 ou 2 sets…
E agora, vamos acompanhar o Roland Garros mais aberto dos últimos anos.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
20 dias atrás
Responder para  Roberto Rocha

Raio X da participação brasileira em RG 2024:
Você usou o termo medianos acima (que no dicionário é o mesmo que medíocre), mas aqui não se pode dizer isso, porque ofende. Parabéns!
Vamos para uma fórmula de determinar a obtenção do melhor ponto de vista:
A campanha de Thiago Monteiro na gira de saibro foi ótima!
A campanha de Novak Djokovic na mesma gira, até agora, um desastre!
Por que a de um foi ótima e do outro está um desastre se ambos não ganharam nada, sequer chegaram à uma final de torneio, seja de qual grau for?
Justamente por um ser mediano e outro ser o melhor tenista da história!

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
20 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

LUIZ FABRICIANO, ao invés de “Raio X”, como médico eu prescreveria uma ressonância e uma tomografia, além de um hemograma de rotina…

Gustavo
Gustavo
19 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Exames desnecessários para os sintomas apresentados

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
17 dias atrás
Responder para  Gustavo

GUSTAVO, a pancada na cabeça foi muito forte, requer uma bateria de exames variados…

Carlos
Carlos
21 dias atrás

Zverev fez uma grande partida! Apesar do momento de Nadal, definitivamente não era um jogo fácil para primeira rodada por tudo o que envolvia.
Em relação ao clima fora da quadra e ao próprio pós jogo, foi bastante constrangedor o que aconteceu. A despeito de Nadal ter repetido várias vezes que não sabia se realmente seria seu último RG (até como slam, podendo voltar ano que vem), todo mundo tratou esse jogo como uma despedida. Um desrespeito às palavras e às atitudes dessa lenda do esporte. As pessoas não acreditam mais nele, e querem “participar desse momento histórico”. Tipo “eu estava lá”. É só Nadal e mais ninguém que tem o direito de dizer quando será o ponto final dessa exuberante carreira.
Pior mesmo foi a própria organização do torneio insistir em despedida, pedindo a entrevista na quadra após uma derrota que foi nitidamente muito dura para Nadal, mais do que para todo mundo, já que a maioria esperava isso. Faltou tato para a organização, que definitivamente é a pior em todos os aspectos quando comparada com os outros slams.
Quanto a Nadal, fica claro que ele ainda não aceitou o fato de que não dá mais para voltar a ser o que já foi, e Nadal é um cara que jamais vai se contentar em continuar jogando num nível como o de Murray ou Wawrinka atualmente. De qualquer forma, foi justamente essa garra e essa insistência que fizeram dele o super campeão que é.

Paulo Souza
Paulo Souza
20 dias atrás

Dalcim, esta derrota da Bia no ano seguinte a semifinal do ano passado me lembra um pouco a derrota do Guga em 98 para o Marat Safin (então 116), após ter sido campeão em 97. Muita expectativa e depois frustação.
Quem sabe ela também retorne para grandes triunfos nos próximos anos, como fez o Guga em 99 (semifinal) e 2000 e 2001, quando foi campeão.
A experiência também é uma habilidade a ser agregada ao conjunto do tenista.

Arnaldo
Arnaldo
20 dias atrás

Dalcim, quem sabe quando a Bia estiver em 150 no Ranking ela se convença que necessita de um ex tenista em sua equipe.
O jogo dela esta piorando torneio a torneio, o saque sumiu, a baixinha esperava o saque dela dentro da quadra, não consegue fazer winner,
Adversaria cruzava muito bem de backhand, tirando a Bia da quadra, era para ser evitado essa jogada, não é possível que a equipe não tenha visto isso.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
20 dias atrás
Responder para  Arnaldo

É irritante Bia Maia ficar em todos os pontos olhando para o técnico e acenando positivo com a cabeça. No 0x5 do terceiro set, fazia isso como se fosse ela que sacaria para o jogo.
A italiana fazia também, mas o jogo era dela, desde a primeira quebra no set final. A cada segundo saque que se preparava para devolver, tinha certeza do ponto.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
19 dias atrás
Responder para  Arnaldo

PODE ISSO, ARNALDO?!

Marcelo Calmon
Marcelo Calmon
20 dias atrás

Dalcim,
Pela entrevista do Nadal, não acho que tenha sido a provável despedida do seu principal palco. Só se for em termos de Roland Garros, pois ele deve estar nas Olimpíadas. Vai usar o ranking protegido ?

Marcelo Calmon
Marcelo Calmon
20 dias atrás

O Thiago falou que teve uma virose. Vendo os 2 primeiros sets me deu a impressão dele estar mesmo cansado, mas achei que era por ter jogado 3 partidas no quali. Mas estranho que depois entrou no ritmo, vacilando só num game do 4º set. Se ele melhorasse uns 30% o jogo de rede, faria muito mais em quadra. Muito fraco, para o nível dos TOP 100, o jogo de rede dele, difícil definir pontos com voleios ou chegando nas deixadinhas dos rivais.
A Bia só confirmou a péssima fase que atravessa.
Wild também já era previsto, como você mencionou.
Meligeni e Heide fizeram bons jogos.
Achei o Zverev constrangido em alguns momentos, parecia com vergonha de matar os pontos. Mas jogou muito bem e confirmou o favoritismo.
Amanhã começam os jogos mais equilibrados. Hoje sobrou 2 x 0 no feminino e poucos jogos no 5º set no masculino.

Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br
Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Quando os tenistas se machucam, mas ainda vencem

ATP seleciona as 10 melhores jogadas do ATP FInals