PLACAR

Djokovic supera problema estomacal e consegue virada

Foto: Corinne Dubreuil/ATP

Paris (França) – Depois de ter passado por uma estreia bastante tranquila no Masters 1000 de Paris, Novak Djokovic sofreu com problemas estomacais e foi muito mais exigido em seu segundo jogo no torneio. O número 1 do mundo começou atrás no placar contra o holandês Tallon Griekspoor, 23º do ranking, e ficou em quadra por 2h40 até vencer a partida por 4/6, 7/6 (7-2) e 6/4. Ao final, explicou que vem tendo indisposição há dois dias.

Na próxima rodada, Djokovic pode reeditar a final do ano passado contra Holger Rune. Atual campeão do torneio, o jovem dinamarquês de 20 anos e número 7 do mundo joga no encerramento da rodada desta quinta-feira contra o alemão Daniel Altmaier, 54º colocado. O sérvio tem só uma vitória em três jogos contra Rune e ainda não enfrentou Altmaier no circuito.

Seis vezes campeão em Paris, Djokovic dá mais um passo importante na busca para terminar a oitava temporada diferente como número 1 do mundo. Ele iniciou a semana 500 pontos à frente de Carlos Alcaraz no ranking do ano, considerando apenas os resultados de 2023 e já está somando mais 180 pontos. Se for campeão, a diferença pode ficar em 1.500 pontos, restando apenas o ATP Finals em disputa.

Djokovic teve um bom início de partida, já que conseguiu uma quebra logo cedo e confirmou dois games rápidos em seu saque para sair vencendo por 3/0. O sérvio chegou a liderar o set inicial por 4/1, antes que Griekspoor iniciasse sua reação na partida. Muito mais agressivo em quadra, o holandês buscou o empate no oitavo game. Pouco depois, voltou a quebrar e ainda manteve o serviço de zero quando sacava para o set. Ele fez 16 a 5 nos winners e cada jogador cometeu 12 erros.

No intervalo entre os sets, Djokovic recebeu a visita do médico do torneio e tomou um remédio em quadra. A segunda parcial começou com games longos e oportunidades para os dois lados, mas o sérvio não aproveitou as três chances de quebra que teve logo no início. O número 1 do mundo salvou um break-point no game de abertura e escapou de um perigoso 15-40 no 4/4, antes de forçar o tiebreak.

Durante o game decisivo, Griekspoor errou demais: Ele fez uma dupla falta, jogou um forehand no meio da rede quando dominava o ponto e ainda errou uma devolução, permitindo que Djokovic abrisse grande vantagem. O holandês só foi vencer um ponto quando já perdia por 5-0. E a grande diferença estabelecida pelo sérvio se manteve até o fim do set. Griekspoor tinha 18 a 14 nos winners, com 9 erros contra 10 de Djokovic.

Djokovic abriu o terceiro set confirmando seus games de serviço de forma bastante tranquila e também foi o primeiro a quebrar, chegando a liderar o placar por 4/2. O sérvio permitiu o empate no oitavo game, mas recuperou a vantagem logo na sequência, em um game sólido do fundo de quadra e contando com erros não-forçados do holandês. Sacando para o jogo, o número 1 do mundo foi preciso e confirmou de zero, vencendo os últimos oito pontos da partida.

Griekspoor liderou a contagem de winners na partida por 43 a 28, mas cometeu 39 erros não-forçados contra 30 de Djokovic. O holandês fez 12 a 9 nos aces. A partida teve três quebras para cada lado, com 16 break-points disputados.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE