PLACAR

Djokovic: ‘Não me senti bem, mas sabia o que fazer’

Foto: Corinne Dubreuil/ATP

Paris (França) – Depois de vencer seu segundo jogo no Masters 1000 de Paris, Novak Djokovic reconheceu que não estava em suas melhores condições físicas para enfrentar o holandês Tallon Griekspoor. O sérvio citou os problemas estomacais que vem enfrentando nos últimos dias, mas destacou que sua longa experiência no circuito o ajudou a lidar com os momentos de maior dificuldade.

“Comecei bem, mas perdi o fôlego. Tenho lutado com meu estômago nos últimos dias e simplesmente não me sentia bem. Mas já estive nessa situação antes e sabia o que fazer fazer”, disse Djokovic após a vitória por 4/6, 7/6 (7-2) e 6/4 em 2h40 de partida nesta quinta-feira. O sérvio chegou a conversar com o médico do torneio antes do segundo set e precisou tomar um remédio em quadra.

“Eu só estava tentando manter os games de saque e chegar ao tiebreak, o que aconteceu no segundo set. Tive sorte em alguns pontos, fiz um bom tiebreak, e comecei a me sentir melhor no terceiro. Estou muito feliz por superar esse desafio”, acrescentou o número 1 do mundo, que escapou de um 15-40 no 4/4 do segundo set antes de forçar o tiebreak e iniciar sua reação na partida.

E embora reconheça que não estava tão bem em quadra, o sérvio destacou a boa partida de seu adversário. “Ele estava jogando em um nível muito alto. Talvez tenha baixado um pouquinho durante alguns games no terceiro set, mas fez uma ótima partida. E não posso tirar o mérito dele por isso. Se ele fosse o vencedor esta noite, seria absolutamente merecido.

Djokovic volta a atuar nesta sexta-feira às 15h30 (de Brasília) pelas quartas de final. Ele enfrenta o dinamarquês Holger Rune, número 7 do mundo e atual campeão do torneio, em reedição da final do ano passado. Mas antes de qualquer prognóstico, o sérvio espera apenas estar melhor fisicamente. “Não posso prever como estarei amanhã e sei que os jogos só vão ficar mais difíceis. Espero me sentir melhor”.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Toda a comemoração de Alcaraz na conquista de Roland Garros

Jannik Sinner é o 29º homem a liderar o ranking profissional

PUBLICIDADE