PLACAR

Dimitrov mantém embalo, vence outra e vai à semi

Foto: Rolex Shanghai Masters

Xangai (China) – Depois de derrotar o espanhol Carlos Alcaraz para alcançar as quartas de final no Masters 1000 de Xangai, o búlgaro Grigor Dimitrov manteve o embalo e venceu mais uma. Nesta sexta-feira, ele teve pela frente o chileno Nicolas Jarry, triunfando com o placar final de 7/6 (7-2) e 6/4, depois de 1h39 de confronto.

O búlgaro tem agora semifinais em sete dos nove eventos Masters 1000 e terá agora pela frente o vencedor da partida entre o russo Andrey Rublev, quinto favorito, e o francês Ugo Humbert, cabeça de chave 32. Dimitrov tenta encerrar um longo jejum de títulos que dura desde o fim de 2017, quando conquistou o ATP Finals.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no whatsapp

Para ele, o resultado positivo na rodada anterior contra Alcaraz foi importante em sua sequência no torneio. “Isso ajuda em termos de confiança, mas também foi apenas mais um jogo. Não tive muito tempo para pensar muito, apenas conversei um pouco com a equipe e tentei ver o que fiz de bom, o que funcionou, o que não funcionou e o que poderia fazer melhor na próxima rodada Acho que até agora as coisas estão bem e preciso continuar.”

A partida foi equilibrada e definida nos detalhes. No primeiro set. Dimitrov teve um único break-point, no sexto game, não aproveitou e só conseguiu fechar no tiebreak, em que foi perfeito com o saque e ‘roubou’ dois pontos no serviço de Jarry. A segunda parcial também foi disputada e acabou decidida com uma quebra solitária no sétimo game.

“Muitas coisas foram na direção certa hoje. Para mim, ele é um dos melhores sacadores do momento, já o havia enfrentado algumas vezes e sinto que cada vez fica mais difícil devolver. Mas nos momentos mais importantes consegui ser apenas sólido e nada mais”, destacou o búlgaro, que cometeu apenas 3 erros não forçados e anotou 19 winners.

“Acho que não fiz nenhuma loucura naqueles momentos, apenas continuei acreditando no meu jogo. Contra ele você não tem muitas chances, principalmente no começo, que é muito difícil porque ele não dá ritmo. Eu tentei pressionar na esperança de que cometesse alguns erros e deu certo”, destacou Dimitrov.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE