PLACAR

Cadeira de rodas: definidos os campeões de duplas

Diede De Groot e Jiske Griffioen (Foto: Frank Molter/ITF)

Melbourne (Austrália) – Nesta sexta-feira, foram conhecidos os campeões de duplas do tênis em cadeira de rodas do Australian Open. Os britânicos Alfie Hewett e Gordon Reid conquistaram o quinto troféu consecutivo, enquanto que a holandesa Diede de Groot faturou seu quarto título, desta vez com a compatriota Jiske Griffioen em jogos disputados na Kia Arena. Na Margaret Court Arena, Andy Lapthorne e David Wagner conquistaram o quinto título na divisão Quad com triunfo emocionante no match-tiebreak.

Devido à chuva persistente em Melbourne na quinta-feira, os campeões foram obrigados a disputar as semifinais e a final nesta sexta-feira.

Final de dupla masculina
Depois que Hewett e Reid superaram os japoneses Daisuke Arai e Takashi Sanada nas semifinais, eles enfrentaram outro time japonês, este composto por Takuya Miki e Tokito Oda  e venceram por 6/3 e 6/2. Foi o 19º título de duplas dos britânicos em Grand Slam, quase oito anos depois de terem conquistado o primeiro em Wimbledon, em 2016.

“Obviamente, isso nos deixa muito felizes, para ser honesto”, disse Reid. “Muito orgulhoso também porque não tem sido fácil, nunca é fácil vencer nenhum deles, porque sempre há times fortes que enfrentamos. Acho que a chave dos últimos anos tem sido tentar nos esforçar como equipe, progredir no estilo de jogo e na maneira como abordamos os jogos.” Hewett retornará à Kia Arena no sábado para a final individual contra Oda.

Final de dupla feminina
De Groot é tricampeã em Melbourne Park, mas conquistou os anteriores com Aniek Van Koot. Desta vez, atuou ao lado de Griffioen, que já havia conquistado cinco títulos de dupla feminina do Australian Open, o primeiro em 2006 com a lenda holandesa Esther Vergeer.

De Groot e Griffioen derrotaram a dupla sul-africana-japonesa formada por Kgothatso Montjane e Yui Kamiji por 6/3 e 7/6 (7/2). De manhã, na semifinal, venceram Dana Mathewson e Manami Tanaka por 6/2 e 6/0.

“Aposentei-me em 2017 e decidi voltar em 2020, mas meu foco principal eram os Grand Slam”, disse Griffioen, de 38 anos.”Poder voltar com essa idade e ainda jogar em alto nível e até ganhar títulos é um verdadeiro prazer, é um bônus, é uma sensação ótima”, acrescentou a veterana jogadora. Para De Groot, é um incrível 18º título de duplas de Grand Slam, e ela buscará seu 13º título consecutivo de simples neste sábado contra Kamiji.

Final de dupla no Quad
Para Lapthorne e Wagner, a vitória desta sexta-feira contra Donald Ramphadi e Guy Sasson por 6/4, 3/6 e 10-2,  foi alcançada exatamente 10 anos após sua primeira vitória como dupla no Melbourne Park. Os seus triunfos em 2014, 2015, 2017 e 2022 ajudaram-nos na emocionante fase final. Os jogos do Quad recebem tenistas com deficiência em pelo menos um membro superior.

“Hoje enfrentamos um cara que estava em sua primeira final de Grand Slam. Eu estava ciente disso e sabia que se pudesse usar toda a minha experiência, isso provavelmente seria suficiente e valeria a pena”, explicou Lapthorne. “Joguei provavelmente um dos melhores 10, 15 minutos de tênis que já joguei em um Grand Slam, em termos de não perder uma bola e me sentir muito confiante em cada bola sob pressão.”

Para Wagner, a final de sexta-feira na MCA trouxe não só alegria, mas orgulho por estar envolvido no crescimento exponencial do jogo em cadeira de rodas no Aberto da Austrália. “Posso falar de estar aqui desde o primeiro dia em 2008 jogando o Quad e é legal ver a progressão e a forma como o esporte evoluiu”, disse o norte-americano, referência em sua divisão.

 

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE