PLACAR

Boulter também elimina Vekic e faz semi em San Diego

Katie Boulter (Foto: Lexie Wanninger/Cymbiotika San Diego Open)

San Diego (EUA) – Depois de ter eliminado Beatriz Haddad Maia nas oitavas de final do WTA 500 de San Diego, a britânica Katie Boulter conseguiu mais uma vitória nesta sexta-feira e garantiu vaga na semi. Ela superou a croata Donna Vekic, 28ª do ranking, por 6/4 e 6/3 em 1h36 de partida.

Em dia de muito vento em quadra, as jogadoras tiveram dificuldades nos games de saque, com seis duplas faltas para Vekic e sete de Boulter. A britânica soube aproveitar suas chances de quebra, conseguindo cinco na partida. Ela também liderou com folga a contagem de winners por 26 a 15 e cometeu só dois erros a mais, 36 a 34.

Aos 27 anos, Boulter é a atual 49ª do ranking e está apenas uma posição abaixo da melhor marca da carreira. Com os 195 pontos da semifinal em San Diego, ela entrará no top 40 pela primeira vez. Campeã na grama de Nottingham no ano passado, a britânica busca a segunda final da carreira e pode chegar ao top 30 em caso de título.

Já a eliminada Vekic, que tinha pontos a defender do título de Monterrey do ano passado, deverá sair do top 30 e pode não ser cabeça de chave em Indian Wells. Na semana passada, a croata de 27 anos derrotou a número 2 do mundo Aryna Sabalenka no WTA 1000 de Dubai.

A adversária de Boulter na semifinal deste sábado será a norte-americana Emma Navarro, cabeça 3 do torneio e 26ª do ranking, que derrotou a australiana Daria Saville, ex-top 20 e atual 148ª colocada, por 6/4 e 6/2. O confronto é inédito no circuito. Com apenas 22 anos, Navarro está apenas três posições abaixo da melhor marca da carreira e já repete a campanha do ano passado em San Diego, quando também fez semi. No início da temporada, foi finalista em Hobart.

1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
1 mês atrás

E a Katie Boulter ganhou também da Donna Vekic. E sem perder set. Isso é um sinal de que o circuito feminino é bastante competitivo e as jogadoras que estão entre o top 20 e o top 50 são mais ou menos do mesmo nível. E quando jogadoras dessa faixa de ranking se enfrentam, geralmente a de menor ranking entra com menos pressão e mais motivada e por isso estão aparecendo alguns resultados surpreendentes.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Veja os melhores lances da rápida final masculina de Miami

Collins segura os nervos e bate Rybakina: veja o melhor da final

PUBLICIDADE