PLACAR

Bia: “Tenho oscilado e estou decepcionada com meu jogo”

Foto: Jimmie48/WTA

Paris (França) – Um ano depois de ter feito o melhor resultado da carreira em um Grand Slam, chegando à semifinal de Roland Garros, Beatriz Haddad Maia não repetiu o desempenho em Paris e foi eliminada ainda na primeira rodada pela italiana Elisabetta Cocciaretto, 51ª do ranking. Após a partida, Bia reconheceu a insatisfação com o nível de tênis apresentado e a dificuldade de repetir nos jogos o que é feito nas quadras de treino.

“Estou me sentindo muito bem nos treinos, fazendo muitas coisas boas, mas estou oscilando bastante. Tênis é um esporte de muita concentração, de conseguir manter o alto nível por mais tempo possível e hoje não foi como eu gostaria, então estou bem decepcionada com meu jogo”, disse Bia após a derrota por 3/6, 6/4 e 6/1 em 2h29 de partida contra Cocciaretto.

“Estou me pressionando. É uma sensação minha interna, não é uma cobrança externa. Não sou só eu que passo por isso. Vários jogadores passam. Alguns lidam melhor, outros nem tanto. Cada um tem sua cultura, seu time, sua mentalidade… Eu tenho plena consciência de que estou executando bem no dia a dia, mas não consigo executar nos jogos por uma cobrança interna mesmo”, acrescentou a paulistana de 27 anos, em entrevista ao jornalista Márcio Arruda.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no WhatsApp

“Eu sabia que seria um jogo duro, primeira rodada de Grand Slam é sempre difícil. Da minha parte, eu infelizmente oscilei muito hoje. Não fui regular e agressiva como gostaria e estava fazendo nos treinos, então fica o aprendizado”, complementou atual número 1 do Brasil e 14ª do mundo. Ela perde, no mínimo quatro posições no ranking, já que tinha 780 pontos a defender.

Foco na temporada de grama

Bia não está na chave de duplas em Roland Garros e voltará ao Brasil. Seu calendário de torneios na grama começa pelo WTA 500 de Berlim, a partir de 17 de junho. A lista de inscritas conta com nove jogadoras do top 10, incluindo as líderes do ranking Iga Swiatek, Aryna Sabalenka, Coco Gauff e Elena Rybakina. Na sequência, a partir de 23 de junho, jogará outro 500, em Bad Homburg. Jogando na grama, a brasileira venceu seus dois primeiros títulos de WTA 250, em Nottingham e Birmingham no ano de 2022. Já na temporada passada, chegou às oitavas de final de Wimbledon.

“Sempre saio de uma semana tentando buscar uma aprendizado para me tornar uma jogadora melhor. Foi assim que eu consegui lidar com todas as adversidades da minha carreira. Seria muito injusto da minha parte baixar a cabeça agora, depois de tudo o que passei. Estou bem e saudável. Agora é respirar um pouco e tentar voltar da melhor forma possível para a grama”.

80 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Felipe
Felipe
16 dias atrás

Quando eu falo que é limitado alguns acham ruim.

Devanor
Devanor
16 dias atrás
Responder para  Felipe

É passou da hora de mudar a equipe, técnico, começar treinar só no exterior
Ela tem grana e patrocínio
Não evoluir porque não quer

Didier
Didier
16 dias atrás
Responder para  Devanor

Concordo!

Fernando Romero
Fernando Romero
15 dias atrás
Responder para  Felipe

Eu acho que a maior limitação dela é a movimentação. Ela é lenta em demasia, tanto em movimentação lateral quanto para a frente em direção a rede. Até o Meligeni reclama das bolas só no meio da quadra, sem angulação mas quando um jogador angula, a possibilidade de uma resposta também angulada é grande, e isso machuca a Haddad Maia. Ontem vimos isso várias vezes. Ela abria a bola, a italiana respondia com outra angulação e ela chegava “nas últimas” na bola. Lentidão absurda. Fora o problema do segundo serviço, uma lástima. Mas ela é assim, não adianta ficar malhando, dizendo que foi uma vergonha, etc e tal. Ela é uma lutadora e chegou a top 10 muito mais pela dedicação do que pelo talento.

Paulo Mala
Paulo Mala
15 dias atrás
Responder para  Fernando Romero

Concordo. Sobre isso dá movimentação, eu sou da opinião que ela deveria ser mais definidora como a Sabalenka ou Rybakina, para aproveitar os atributos físicos dela de maneira otimizada. Não dá para ela jogar como a Pigossi, ela não vai ter a mesma agilidade. E ao mesmo tempo, as outras jogadoras costumam ser mais ágeis.

Rockton
Rockton
15 dias atrás
Responder para  Fernando Romero

Concordo plenamente. Tá certo que ela é alta, mas parece um poste: não se abaixa e nem se move.

Norma
Norma
15 dias atrás
Responder para  Fernando Romero

Concordo plenamente com sua colocação… falta agilidade.

Valter
Valter
15 dias atrás
Responder para  Fernando Romero

Extamente.
Em outras palavras, é uma jogadora mediana.
Não tem tenis para estar no topo.
Ai, quando chega perto dos top 10, decepciona a galera, por acreditar que poderia ganhar de várias oponentes, com ranking bem inferior ao dela.

luiz
luiz
15 dias atrás
Responder para  Felipe

Ela é lenta. Sempre foi. ja sabem como ganhar dela. desde a final com a Halep que so ganhou o jogo no backhand , esse video deve ser visto por todas as tenistas. Ja fez muito e agora é ribanceira abaixo. Vai ser comentarista da ESPN

Paulo H
Paulo H
16 dias atrás

A autocrítica é válida, mas de nada adianta se dessas conclusões não ocorrerem mudanças. A impressão que fica é que está muito agarrada ao sentimentalismo, sem o profissionalismo necessário para seguir em frente e que fora o discurso, nada mudará e seguirá ladeira abaixo, infelizmente.

Adalberto
Adalberto
16 dias atrás
Responder para  Paulo H

Tendo a concordar… Infelizmente… triste…
Mesmo caminho da Krejcikova, Kudermetova, Garcia, etc…
Vai cair e parece que ainda não sabe porque…
O que é pior…

Celso Gutierrez
Celso Gutierrez
15 dias atrás
Responder para  Paulo H

Concordo plenamente!!

Paulo A.
Paulo A.
16 dias atrás

Bia ressurgirá das cinzas na temporada de grama! Quem sabe mais um título espetacular??!!!!

Sergio
Sergio
16 dias atrás
Responder para  Paulo A.

Baita otimismo!

Adalberto
Adalberto
16 dias atrás
Responder para  Paulo A.

kkkk…
Não é só psicológico… o saque tá péssimo…
Tô quase pedindo para ela copiar o Bublik e sacar por baixo, kk…
Pelo menos surpreende…

Ramon Silva
Ramon Silva
16 dias atrás

É sempre o mesmo papo furado…as pessoas não aceitam que critiquem ela…mais pô…a pessoa sabe da dificuldade e não busca trabalhar … Sabe o que tem que fazer dentro de quadra e não faz…aí vem com a mesma história da outra que perdeu ontem um jogo ganho…ah fica de aprendizado…complicado o..

Burigoto
Burigoto
16 dias atrás

Bia disse bem. Seu jogo esta oscilando muito e isso tem sido uma constante nos seus jogos deste ano de 2024. Por vezes ela mencionou que nos seus treinos ela esta muito bem mas que nos jogos ela não consegue colocar em prática tudo que faz nos treinos. Quero crer que esta sua oscilação termine e que ela consiga evoluir seu jogo e readiquira sua confiança. Confiança e persistência. Não estou aqui para julgar e sim para dizer que eu acredito que essa fase vai passar. Agora e olhar para a frente e seguir.

Paulo Mala
Paulo Mala
16 dias atrás
Responder para  Burigoto

Não sei em que sentido ela quis dizer de oscilar, pois o saque está péssimo o tempo todo. A falta de uma variação, um plano b também nunca oscila, está sempre previsível

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
15 dias atrás
Responder para  Paulo Mala

A adversária ontem vinha receber o segundo serviço quase dentro da área de saque,

Henrique
Henrique
16 dias atrás

Acho que a Bia só vai voltar a ter uma boa ascensão no ranking como a da ano passado, depois que ela parar de sentir pressionada por resultados. Creio que de agora em diante, as coisas devem melhorar.

Verridiana Parmeggieri
Verridiana Parmeggieri
16 dias atrás

filha, a frase “fica o aprendizado” para uma atleta experiente de 27 anos, não pode. a sua entrevista dá a sensação que já imaginaria que não conseguiria estar feliz em quadra e lrevia o que aconteceria. só você sabe o que está passando. não é vergonha tirar um tempo para descansar. a cinfiança não irá voltar da noite para o dia. vá namorar… passear… se dedicar a um hobby isso não é demérito. e não se inscrever para jogar as duplas foi outro sinal para nós internautas de que não teria nem um plano “b”. palavras da experiente vovó Verridiana querida Bia!

Rodrigo
Rodrigo
16 dias atrás

Eh…. top 100 ela eh !!! ( fácil)…. top 50 ela eh…. ( ” fácil ” )…. top 20 não é!… top 30 não é!… ( entre 40 e 50 do mundo… FÁCIL… ) aquI eh o seu lugar BIA !!!

Eduardo
Eduardo
16 dias atrás
Responder para  Rodrigo

Por isso que está há 2 anos entre as 20….

Tom
Tom
15 dias atrás
Responder para  Rodrigo

Tá a dois anos no top 20 mas não é seu lugar… Tá certo

Burigoto
Burigoto
15 dias atrás
Responder para  Rodrigo

Condordo, queria mto ter argumentos para discordar de você. Mas, Rodrigo. Vc esta certíssimo. A nós cabe observar q Bia evolua e nos surpreenda. Já mostrou q é capaz.

Devanor
Devanor
16 dias atrás

A Bia é uma grande jogadora tem físico e altura
Falta mudar a mentalidade
Mudar essa equipe e treinador
Começar vida nova

João
João
16 dias atrás

Foi-se o exercito brasileiro de Brancaleone. Muita festa exagerada por termos 6 brasileiros na chave principal, mas o choque de realidade veio bem rápido.

Marcos Antonio Vargas Pereira
Marcos Antonio Vargas Pereira
15 dias atrás
Responder para  João

Nao ha exageros na Festa. E Para se comemorar 6 Brasileiros na chave Sim. Infelizmente os resultados nao vieram, Mas e Uma evolucao.

Guilherme
Guilherme
16 dias atrás

Bla bla bla bla…

Carlos Alberto Ribeiro da Silva
Carlos Alberto Ribeiro da Silva
16 dias atrás

Dá pra concluir que o problema é mental, a Bia não está conseguindo administrar a pressão. Nos treinos ela não tem pressão e seus erros não geram consequências importantes. Nos jogos, como existe a pressão de ter que acertar pra ganhar, aí ela não está conseguindo administrar e controlar a pressão pra jogar no seu melhor nível. Essa é a diferença entre os grandes campeões e outros que falham nos momentos importantes. É a diferença entre a regra e a exceção. Com os grandes campeões, o erro num momento importante é uma exceção. Com os outros jogadores, os erros nos momentos importantes acontecem com mais frequência.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
15 dias atrás

Fiquei impressionado com um profissional dizer que está indo bem nos treinos e de decepciona com o jogo real.
Se não for bem nos treinos, não deve nem ir à quadra de jogo. Treino é um aquecimento para manter os músculos e a cabeça ativos.

Burigoto
Burigoto
15 dias atrás

Oportuno seu comentário. Tenho observado q as vencedoras em momentos dificeis do jogo se superam e mostram pq são vencedoras. Bia ñ esta nesse nivel ainda e ela sabe disso.

Glauco Antonio Lima
Glauco Antonio Lima
16 dias atrás

Ela foi péssima hoje. Uma pena!

Sergio
Sergio
16 dias atrás

Dia tenebroso em Roland Garros! Triste! Maculou o feito de ter seis brasileiros….. Poxa, que tristeza! Falta maturidade, senso de profissionalismo (pelo menos no nível que os top demonstram). A Bia perder para Coccoreto foi de lascar! Pelo amor de Deus! Cabeça 13, putz!

andré
andré
16 dias atrás

Entendo a Bia e compreendo suas explicações, mas para quem viu o jogo a diferença foi bem nítida, a italiana castigou a bolinha a partir do segundo set. Um festival de winners, backhand cruzado fatal e forehand pesadíssimo. Bia não é uma jogadora de grandes golpes e isso fez falta hoje. Mesmo lutando, correndo e se entregando, a Cocciaretto estava num nível de tênis mais elevado. Curiosamente, após uma quebra da brasileira no segundo set numa bola duvidosa que virou discussão com o arbitro, a menina virou um demônio. Que sirva de alerta, o feminino é muito nivelado e quem não está num bom dia pode ser atropelada por qualquer uma do top 70…

Adalberto
Adalberto
16 dias atrás
Responder para  andré

Verdade, a Krejicikova perdeu prá uma #76…

Nataniel
Nataniel
16 dias atrás

Triste porque Bia e Nadal perdeu

Sadi
Sadi
16 dias atrás

Vc não tem crítica do seu jogo… rodeada por gente q passa a mão na cabeça… e como ele mesmo disse, não precisa mudar nadaaa

Luiz
Luiz
16 dias atrás

A empresa esta quebrando e o dono ainda tem dinheiro no bolso

Andre Borges
Andre Borges
15 dias atrás

Vim só pra ver vai ganhar: troca o técnico x contata um psicólogo

Marcelo Calmon
Marcelo Calmon
15 dias atrás

Não vejo nenhuma oscilação. Está constantemente jogando mal. Nem sei se é preciso mudar a equipe, isso ela que tem que saber. Mas que precisa mudar algo no jogo e no mental, isso é óbvio. Dizem que ela não tem jogo pra TOP 20, mas se analisar o ranking, tem umas 10, no máximo, que considero bem melhores que a Bia. Depois é tudo quase igual. A Sakari, por exemplo, é nr 7 e também oscila muito, fez uma partida pavorosa contra uma menina fora do TOP 50 ! E assim são as demais.

Mauro
Mauro
15 dias atrás

Acho que a Bia deveria rever sua equipe.

Mauro
Mauro
15 dias atrás

Penso que a Bia deveria trocar de técnico.

Marcos Antonio Vargas Pereira
Marcos Antonio Vargas Pereira
15 dias atrás

EU achei que a Cocciareto jogou muito e mereceu vencer. Quando quebrou a bia pela primeira vez no terceiro set foi a chave Para a Vitoria.

paulo
paulo
15 dias atrás

A tenista era ” metade” do tamanho de Bia e ranking aquém, mas tinha mais energia.

José Cardoso Jr
José Cardoso Jr
15 dias atrás

Decepção não! Resultado esperado.
Jogadora limitada tecnicamente. Voluntariosa mas sem variação de jogo.
E o saque, hein.

Walter
Walter
15 dias atrás

O psicológico influencia demais no tênis. E sobre isso sua comissão técnica não tem nenhuma culpa. Talvez agora sem a pressão por defender muitos pontos, jogue um pouco mais solta e seu jogo flua. Ninguém chega a 10 do ranking por acaso. Jogo ela tem, falta administrar o psicológico

Burigoto
Burigoto
15 dias atrás

Bia disse foi assertiva na sua auto analise. É um processo interno, mental de cobrar de si essa constância e regularidade do seu jogo. Cada atléta lida com seus fantasmas internos no seu tempo. O mais importante é q Bia sabe muito bem onde fortalecer. Agora, o tempo q este processo mental vai se equilibrar é com Bia. Ela com ela. Q rapidamente ela volte a vencer e conquistar seu sonhado Grand Slam.

Rockton
Rockton
15 dias atrás

Além das estagnações do seu jogo, o mental está lá embaixo.
No Tenis o mental é fundamental.
Precisa evoluir no saque e , Principalmente, na movimentação. Tá certo que Bia é alta, mas ela parece um poste: não se movimenta e não abaixa, só que dar tiro porrada e bomba o tempo todo.
Esse estilo não é para qualquer uma. Sabalenka se dá bem, mas tem boa movimentação.
Já a Collins só conseguiu grandes resultados com esse estilo agora que está parando.

Renato B
Renato B
15 dias atrás

Obviamente cada um tem suas limitações. No caso da Bia, eu acho que ela tem potencial para ficar nessa faixa, entre as 10/15 melhores, mas tem muito trabalho pela frente. Sabalenka e Ribakyna tem alturas semelhantes à da Bia, mas com serviço e movimentação bem melhores. Força Bia!!

Anderson
Anderson
15 dias atrás

Com 27 anos e passando por instabilidade emocional, não sei se ainda terá tempo pra se manter ou até subir no ranking, pois a questão física começa a pesar diante de jogadores mais jovens. Se fosse mais nova, até entenderia este descontrole, que está se tornando habitual.

paulo
paulo
15 dias atrás
Responder para  Anderson

Show

Ricardo
Ricardo
15 dias atrás

A Bia passa o jogo inteiro olhando para o técnico, demonstrando total insegurança. Não é possivel que ela não percebeu ou que o técnico não falou que ela precisava trabalhar a bola mais alta, deslocando a italiana. Passou o set decisivo inteiro dando bica no meio e tomando winner de volta. Lamentável.

paulo
paulo
15 dias atrás
Responder para  Ricardo

Concordo e acho que tem uma nova geração aí que passa pelo mesmo problema, faz um ponto: olha para o técnico, perde um ponto a mesma coisa, estão inseguros, Alcatraz faz isso muito.

João Victor
João Victor
15 dias atrás

Convenhamos, ela sempre foi tecnicamente fraca. Compare os fundamentos técnicos dela com as 50/60 primeiras do ranking e me responda….

Fred Magalhães
Fred Magalhães
15 dias atrás

Bia tem dois problemas que saltam aos olhos: um saque muito frágil que não lhe permite ganhar pontos diretamente ou na primeira bola, tendo sempre que jogar os pontos. Um outro ponto grave é a movimentação lateral e para a frente. Bia não é o tipo de jogadora que consegue bater na corrida tem que estar sempre plantada para executar bem os golpes. A solução pra ela não é simples; tem que melhorar os saques (os dois), melhorar a movimentação e saber trabalhar a estratégia levando em consideração o que tem de melhor e pior tbm.

Thiago
Thiago
15 dias atrás

Bia é o Belucci de saias…. sempre o mesmo discurso

paulo
paulo
15 dias atrás
Responder para  Thiago

Todo jogo dela, me lembro dele, incrível.

Marco
Marco
14 dias atrás
Responder para  Thiago

Bielucci

paulo
paulo
15 dias atrás

Mente fraca não ganha jogo, e ela tem a mente fraca, fora os comentários técnicos feitos que também concordo.

Antonio Carlos
Antonio Carlos
15 dias atrás

Todos os problemas abaixo relatados só tem uma solução, mudar de técnico no Brasil ou ir viver na Europa e acatar a escola européia.

Blumenau
Blumenau
15 dias atrás
Responder para  Antonio Carlos

Concordo mil por cento.

george singer
george singer
15 dias atrás

alguns meses atrás a Bia disse que achava que sua maior qualidade é a resiliência. fiquei desanimado. Resiliência é uma qualidade de quem está na defensiva, que precisa sobreviver, aguentar o tranco. então ela própria reconhece que está sempre tendo que correr atrás.

Pedro
Pedro
15 dias atrás

Só faltou dizer também que ontem a italiana estava no dia dela acertando bola até de olhos fechados. Mas a fase realmente não é boa .

Adôni
Adôni
15 dias atrás

Toda vez é o mesmo discursinho e nunca muda nada. É inadmissível uma jogadora alta, 13 do ranking, ter um saque horroroso desse e com a força física dela, nao definir bolas, so fica jogando no meio. E tem quem ache ruim quando critica…

Ronaldo Fernandes
Ronaldo Fernandes
15 dias atrás

“Nunca foi senão príncipe – todos eles príncipes – na vida…” tenistica

Haroldo Guimarães
Haroldo Guimarães
15 dias atrás

DEscobriu somente isso agora, vc tem jogo pra mais, mas vai fica aí top 25 , excelente, se tratando de brasileiros e mesmo mundialmente poucos chegam a top 13., mas não vejo mais vc melhorar. Torcendo sempre

André
André
15 dias atrás

Creio que Bia está sendo muito pressionada e é claro demonstra preocupações , pois ela tem uma equipe para manter e tem patrocinios ( para prestar conta, etc… ), dizer que ela é limitada nem é necessário pois tem jogadores / jogadoras que estão há mais tempo do que ela no circuito que chegaram a um nivel mas não conseguem ser primeiro nem segundo nem terceiro do ranking , vivem batendo na trave e nem por isso são desprestigiadas, Da minha parte irei sempre bater palmas para ela, pois conseguiu chegar ao posto de decima melhor jogadora do mundo. Vamos em frente ….

Helena Abreu
Helena Abreu
15 dias atrás

Sabemos que ela é lenta, principalmente comparando-a com as jogadoras deste nível de Ranking. Ela falar em aprendizado ok, só que ela e a equipe não conseguem mostrar na prática porque esse aprendizado tem que aparecer nos jogos seguintes. Até o Meligene nesse jogo acabou falando que ela estava perdendo e ela continuou jogando da mesma forma. A meu ver ela tem que aprender a se defender com mais qualidade e principalmente ter um plano B quando está num dia ruim. O que fazer? Exemplo: Pegar um batedor e dizer para Bia, você e vai jogar a bola alta por cima da rede e só pode atacar se a bola estiver curta. Ou pegar esses batedores e simular situações de jogo no dia que estiver errando muito ou se a adversária estiver batendo em tudo e acertando, exatamente o que ocorreu antes. Se a Adversária está acertando tudo, tem que mudar. e o que a Bia fez ontem ficou jogando da mesma forma e a adversária ganhando quase todos os pontos. Ela ficou refém da adversária até que o jogo acabasse.

Tito
Tito
15 dias atrás

Como é bom sentar na “Janelinha” e ficar opinando sobre aquilo que nem eu consigo fazer. Ela vai encontrar a solução para seus problemas, pois é óbvio que não queria estar passando por tudo isto. Tênis é muito mais que passar a bolinha pro outro lado com qualidade. Ela é resiliente e vai superar

Carlos Barbosa
Carlos Barbosa
15 dias atrás

Primeira rodada está sempre sendo um suplício para a Bia. Evoluir no saque tem que ser para ontem. Voltar aos treino e foco no saque.

Roberto
Roberto
15 dias atrás

Eu só acho que a Bia tem uma estrutura enorme de equipe e pode sim investir em melhorar o saque e buscar coisas diferentes, o igual não está dando mais certo. Olhem a Iga como evoluiu, estava para ser ultrapassada e conseguiu melhorar

Marco
Marco
15 dias atrás

Fica so nesse bla, bla, bla….!!!

Vitor
Vitor
15 dias atrás

Oscilando?
Tá é ladeira abaixo.

Pedro Luiz Lanzoni
Pedro Luiz Lanzoni
15 dias atrás

Não tem segundo saque que valha a pena, é lenta, não varia o jogo. O backhand é sofrível e ainda falta garra, vontade de vencer, apesar de declarar o contrário. Sua equipe técnica é limitada, não cobra desempenho, só passa a mão na cabeça. Lamento, mas é de onde está para baixo, para ficar entre 20a. e 30a. E olhe lá …

Anderson Barbosa Paim
Anderson Barbosa Paim
15 dias atrás

Só papo furado

Refaelov
Refaelov
14 dias atrás

Nenhuma menção ao 2° saque saque digno de Sara Errani, totalmente incompatível com uma atleta de 1.85m.. enfim, segue(aparentemente) sem identificar os problemas TÉCNICOS pelos quais seu jogo vem passando.. insiste q é uma questão 100% mental.. Desse jeito fica difícil acreditar em grandes melhoras..

José Nilton Dalcim
Admin
14 dias atrás
Responder para  Refaelov

Mas em 90% dos casos, em termos de tênis profissional, o problema do segundo saque jamais é técnico mas puramente emocional, Alex. Nesse nível de tênis, eles são capazes de sacar com olhos fechados.

Refaelov
Refaelov
13 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Me desculpe Dalcin mas aqui discordo frontalmente, então você está afirmando q todas as tenistas tops femininas tem uns 2° saque tão inofensivo qnt o da Bia? Eu n falei de % de 2°saque em quadra e sim de % de aproveitamento de pontos com o 2° serviço..

José Nilton Dalcim
Admin
13 dias atrás
Responder para  Refaelov

Estou falando que uma tenista não desaprende a sacar, ao menos se não for um problema físico. Portanto a questão não me parece técnica, mas emocional. Se você se recordar dos melhores momentos da Bia, o saque dela estava bem mais eficiente do que hoje. É preciso analisar o contexto geral. Não dá para comparar o segundo saque pouco eficiente da Iga com o da Bia, por exemplo, porque a polonesa joga de forma totalmente diferente e tem mais pernas. O segundo saque da brasileira teria de estar num padrão perto da Sabalenka ou da Rybakina para que ela mantivesse o plano A de jogo.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Toda a comemoração de Alcaraz na conquista de Roland Garros

Jannik Sinner é o 29º homem a liderar o ranking profissional

PUBLICIDADE