PLACAR

Aliassime espera retomada e desafiar trio da nova geração

Foto: Clive Brunskill/Getty Images for Laver Cup

Montréal (Canadá) – Depois de grandes resultados na temporada passada, conquistando os primeiros títulos de ATP da carreira, o canadense Félix Auger-Aliassime teve muitas dificuldades em 2023, conviveu com lesões e não repetiu o bom desempenho do ano anterior. Ao todo, jogador de 23 anos obteve 23 vitórias e 19 derrotas, tendo sido eliminado na estreia de três Grand Slam. Com isso, perdeu 23 posições ranking, caindo do sexto lugar no início janeiro para o atual 29º.

Apesar da má fase, Aliassime encerrou o ano com o título do ATP 500 da Basileia e ganhou confiança para dar a volta por cima na próxima temporada. Segundo ele, ainda há tempo para recuperar a boa forma e realizar o sonho de conquistar um Slam.

“Minhas ambições sempre foram as mesmas desde que era adolescente: chegar até a final de um Grand Slam. É sobre vencer. Será que vou conseguir no próximo ano? Veremos, mas de qualquer forma darei a mim mesmo todas as oportunidades possíveis. Tenho a convicção e a crença de que posso fazer isso”, afirmou o canadense.

Mesmo mantendo o antigo desejo vivo, o tenista prega cautela e tenta não criar expectativas exageradas, optando por dar um passado de cada vez. “Muitas vezes me perguntam sobre metas específicas, mas mesmo como equipe nunca falamos sobre elas assim no final do ano. Em vez disso, nos perguntamos o que devemos fazer para sermos melhores ou para ganhar um Grand Slam. Estamos realmente focados nas coisas que precisamos fazer todos os dias para melhorar. Para nós, isso é o principal.”

Aliassime também comentou sobre o tão aclamado trio da nova geração formado por Carlos Alcaraz, Jannik Sinner e Holger Rune. Ligeiramente mais velho que eles, o canadense acredita que ainda pode jogar de igual para igual com os rivais e evitou comparar os feitos de cada um até aqui.

“Não sinto que perdi o trem. Consegui fazer coisas antes do Sinner, ele conseguiu outras antes de mim. Ele teve um ano muito bom, um pouco como eu no ano passado. Sempre tive rivais e adversidades. Estou focado no que tenho que fazer e ainda acredito que posso competir com todos esses jogadores”, enfatizou.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE