PLACAR

Alcaraz quer colocar nome na história e busca rara dobradinha

Foto: Florian Eisele/AELTC

Londres (Inglaterra) – Feito raro no circuito, vencer Roland Garros e Wimbledon no mesmo ano é algo que apenas cinco jogadores conseguiram fazer desde a Era Aberta. Campeão no saibro parisiense, o espanhol Carlos Alcaraz quer colocar seu nome na história e chega para a disputa no All England Club, onde defende o título conquistado ano passado, em busca da dobradinha.

“Vencer Grand Slams é sempre complicado. Temos a mudança do saibro para a grama, superfícies totalmente diferentes, mas quero escrever meu nome na pequena lista de vencedores de Roland Garros e Wimbledon no mesmo ano. Eu sei que será muito complicado e um grande desafio, mas estou pronto”, afirmou o número 3 do mundo.

Os três integrantes do Big 3 conseguiram o feito, sendo o espanhol Rafael Nadal o único deles a fazer a dobradinha mais de uma vez (2008 e 2010). O suíço Roger Federer venceu Roland Garros e Wimbledon em 2009 e o sérvio Novak Djokovic fez o mesmo em 2021. Completam a lista o australiano Rod Laver (1969) e o sueco Bjorn Borg, recordista com três vezes (1978, 1979 e 1980).

Queda precoce no Queen’s não preocupa

Derrotado na segunda rodada no ATP 500 do Queen’s, o espanhol não se abate com o resultado e acredita que isso não vá atrapalhar. “Sinto-me muito bem. Depois de lá tive muitos dias para adaptar meu jogo, treinar e melhorar. No dia seguinte à derrota comecei a treinar minha movimentação, meus golpes, para ficar mais confortável e acho que estou pronto”, comentou Alcaraz

“Sempre digo que é ótimo estar de volta aqui em Wimbledon. É ainda mais especial ser o atual campeão. Tenho ótimas lembranças do ano passado. Estou animado para começar o torneio e espero alcançar o mesmo resultado”, acrescentou o jovem espanhol, confiante de que possa fazer bonito mais uma vez no All England Club.

Comemoração pelo título em Paris

Alcaraz falou sobre a comemoração após o título de Roland Garros, explicando que os compromissos fora da quadra acabam não deixando muito tempo para curtir a conquista e realizar o feito alcançado. “Lembro-me que depois do jogo tive muitas coisas para fazer: entrevistas, entrevista coletiva, teste antidoping. Depois fui jantar com o meu time para comemorar com eles e pessoas próximas de mim, então terminei tarde”, disse o espanhol.

“Na manhã seguinte tive mais entrevistas, fotos e assim por diante. É difícil comemorar depois do jogo porque você está cansado. Toda aquela adrenalina e nervosismo vão embora. Seu corpo está cansado. É difícil perceber o que você alcançou, leva alguns dias”, acrescentou o número 3 do mundo, que já tem três títulos de Grand Slam no currículo.

6 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Federer eterno GOAT
Federer eterno GOAT
15 dias atrás

vencerá Wimbledon com ainda mais facilidade que no ano passado

Luis Vanderley Santana
Luis Vanderley Santana
15 dias atrás
Responder para  Federer eterno GOAT

Tomara

Lee
Lee
15 dias atrás
Responder para  Federer eterno GOAT

E o Djokovic nem ia participar também.

Belarmino Jr
Belarmino Jr
15 dias atrás
Responder para  Federer eterno GOAT

Eu também acredito. Mas Sinner é perigoso no piso e o único em condições de parar o espanhol.

Paulo A.
Paulo A.
15 dias atrás
Responder para  Federer eterno GOAT

Se há um jogador que pode fazer isso, é ele mesmo.

Luciano
Luciano
15 dias atrás

Com certeza, tem muitas chances! Mas ainda assim, o Djokovic por todo o histórico, continua como a forte ameaça e o favorito. E o cara ainda deu sorte de cair do outro lado da chave!

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Wimbledon seleciona os melhores backhands de 1 mão

Os históricos duelos entre Serena e Venus em Wimbledon

PUBLICIDADE