PLACAR

Alcaraz: “É o melhor momento da minha vida”

Foto: AELTC

Londres (Inglaterra) – A inédita conquista de Wimbledon foi bastante comemorada por Carlos Alcaraz. Depois de superar o heptacampeão Novak Djokovic em uma disputa de cinco sets e com 4h43 de duração, o espanhol classificou a partida deste domingo em Londres como o maior momento de sua vida e da carreira. Este é o segundo título de Grand Slam de Alcaraz, que defende a liderança do ranking mundial.

“É o momento mais feliz da minha vida”, disse Alcaraz após a vitória por 1/6, 7/6 (8-6), 6/1, 3/6 e 6/4. “Conquistar o título de Wimbledon e fazer história, como fiz hoje, é algo com que eu sonhava desde que comecei a jogar tênis. Vencer o Novak no seu melhor e ser o cara a vencê-lo depois de 10 anos invicto nesta quadra é algo que nunca vou esquecer”.

“Estou pronto para jogar cinco sets contra ele, bons ralis e bons sets. Foi uma partida muito, longa e consegui me manter fisicamente, mentalmente e no nível de tênis. Provavelmente isso mudou minha mente um pouco depois dessa partida”, acrescentou o jogador de 20 anos, que se tornou o terceiro campeão mais jovem do torneio. “É ótimo também para a nova geração. Acho que eles vão pensar que são capazes de fazer isso também. É ótimo para mim e para os jovens jogadores também”.

‘Sou um jogador diferente desde Roland Garros’
A partida marcou o reencontro entre Alcaraz e Djokovic depois de uma semifinal de Roland Garros em que o espanhol se sentiu muito tenso em quadra, e revelou que isso o afetou fisicamente. Na última sexta-feira, o número 1 do mundo comentou que investiria na preparação psicológica para a final.

“Sou um jogador totalmente diferente desde Roland Garros. Cresci muito desde aquele momento. Como disse antes da final, tirei uma lição daquela partida. Me preparei um pouco diferente no ponto de vista mental e pude lidar com a pressão e os nervos melhor do que em Roland Garros”, afirmou o tenista, que trabalha com uma psicóloga desde 2020.

“Obviamente, o jogo na grama é diferente do saibro. Mas estou muito feliz por poder ficar no jogo e não me abalar. Não desisti e lutei até a última bola. Acho que fizemos grandes ralis, grandes pontos. Foi uma partida longa, com sets longos. E foi a parte mental que me permitiu ficar lá durante os cinco sets”.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE