PLACAR

Tenistas ficam insatisfeitos com longa duração dos torneios

Foto: Jimmie48/WTA

Madri (Espanha) – O aumento da duração dos torneios de nível 1000, de uma semana para dez dias de disputa, não tem sido muito bem recebido pelos tenistas. Ao longo da última semana em Madri, não foram poucas as queixas dos jogadores a respeito dessa medida, a maioria delas reforçando o descontentamento com o já intenso e extenso calendário atual.

Para atletas como o russo Andrey Rublev e a francesa Caroline Garcia, promover um intervalo maior entre as partidas pode não ser a melhor solução para os eventos que nos últimos anos receberam muitas críticas por finalizarem as rodadas já de madrugada.

“Na semana que estamos aqui [em Madri], disputei apenas dois jogos. Tudo acontece muito devagar. Você não faz muitas coisas, fica esperando o tempo todo. Esse formato é um pouco frustrante. Talvez haja pessoas que se identifiquem com isso, mas ainda não encontrei ninguém que o faça”, disse Garcia, que foi eliminada na terceira rodada da competição.

+ Clique aqui e siga o Canal do TenisBrasil no WhatsApp

Corroborando a afirmação da francesa, Rublev também não gosta da sensação de passar mais tempo do que o necessário disputando um torneio. Para ele, o tempo de descanso entre um evento e outro é crucial principalmente para o aspecto mental. “Agora parece que estamos descansando mais entre as partidas, mas demoramos quatro semanas para disputar dois torneios como Madri e Roma. Mentalmente é um pouco mais difícil, e então você não passa tanto tempo em casa e tem menos tempo para se recuperar”, apontou o número 8 do mundo, que está classificado para a semifinal no saibro madrilenho.

Ainda de acordo com o russo, os atletas deveriam ser mais ouvidos antes de ATP e a WTA fazerem esse tipo de mudança. “Acho que deveriam escutar o que todos os jogadores pensam e levar em consideração a média do que nós queremos com o que é melhor para os espectadores, para aí sim decidirem algo, pois muitas vezes eles estão agindo sem perguntar a ninguém”, sugeriu.

Principais nomes femininos também opinam

Dentro do atual top 4 da WTA, três nomes se posicionaram a respeito dessa situação. Enquanto a líder e a vice-líder do ranking, Iga Swiatek e Aryna Sabalenka, têm uma opinião ponderada, a quarta colocada, Elena Rybakina, reforçou o coro contra a extensão dos torneios.

“Acho que esses torneios que se tornaram tão longos não ajudam muito, eu diria. Pode fazer sentido que Indian Wells e Miami tenham essa duração, mas fazê-lo nestes dois eventos [Roma e Madri], pouco antes de Roland Garros, não é bom. Com as novas regras não há espaço para escolha, somos obrigados a competir em muitos torneios. Estamos indo na direção errada, há muito o que melhorar no circuito”, disparou Rybakina.

“Se você está em forma, você vai jogar todos os dias e o torneio termina. Mas ficar no mesmo lugar por quase duas semanas, não é como se você terminasse e fosse descansar. Você sai de um torneio e joga outro obrigatório logo em seguida. Isso definitivamente não está facilitando as coisas”, acrescentou a cazaque.

Em um tom mais comedido, Swiatek fez algumas ponderações, destacando que mentalmente é mais difícil encarar duas semanas de competição. “Quando você tem um dia de folga, ajuda muito a recuperar fisicamente para a próxima partida, mas mentalmente é necessário estar preparado para esses torneios longos sem realmente ter dias de folga, porque mesmo quando temos um dia sem partida, geralmente vamos para a quadra, treinamos, vemos todas as pessoas, comemos a mesma comida. Então não é como se você pudesse desligar totalmente”, explicou.

Por sua vez, Aryna Sabalenka adotou um posicionamento similar ao da polonesa, mostrando que sempre haverá os dois lados da moeda. “Eu pessoalmente prefiro ter um dia de folga, porque fisicamente é melhor, mas entendo que um torneio de duas semanas é um pouco longo e demora muito”, afirmou a atual bicampeã do Australian Open.

Djokovic diz que é tudo uma questão de ponto de vista

Embora não tenha ido a Madri neste ano, o sérvio Novak Djokovic é outro jogador que já opinou anteriormente sobre o assunto e foi contra a extensão dos Masters 1000. Para o número 1 do mundo, é possível ter diferentes pontos de vista, baseado nas prioridades de cada um.

“Pessoalmente, não sou um fã [da ideia]. Agora teremos oito dos nove eventos da série 1000 com praticamente duas semanas. Como eu disse, depende de qual perspectiva você está olhando. Se você é um torcedor, claro que um dia a mais vendo os melhores jogadores é ótimo porque você tem mais tênis na sua cidade. Eu entendo desse ponto de vista”, inicia.

“Por outro lado, depende muito do que você mais valoriza como jogador, quais são os seus objetivos. Para mim, [o maior objetivo no saibro] é Roland Garros, com certeza. Estou tentando fazer tudo em termos de cronograma para poder jogar o meu melhor lá. Tenho alguma experiência ao longo dos anos e sei o que preciso fazer com a minha equipe para alcançar meu auge nos Grand Slam, porque esses são os torneios mais importantes para mim”, admite Nole.

Por fim, o sérvio se esquivou de falar sobre o aspecto financeiro das medidas impostas por ATP e WTA, destacando que o aumento das chaves oportuniza a participação de mais tenistas nos grandes torneios. “Não quero entrar em questões financeiras, essa é uma discussão completamente diferente. Podemos passar o dia todo conversando sobre isso, mas realmente importa mais de qual perspectiva você olha para isso. O lado positivo é que você está dando a mais jogadores a oportunidade de estar no sorteio principal”, pontuou.

20 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Davi Poiani
Davi Poiani
19 dias atrás

Assunto difícil hein… Por um lado há o benefício de um dia de descanso em algumas das rodadas (nem todas). Há também a questão de mais tênis na cidade, a possibilidade de chaves maiores, o que beneficia jogadores de menor ranking.

Mas por outro há esta questão do jogadores do topo do ranking (aqueles que geralmente vão mais longe no torneio), ficaram por muito tempo num lugar só e acabam tendo menos tempo de descanso no calendário em geral. Se Djokovic e outros comentaram a respeito, alguém deveria ouvir os jogadores.

Gostaria até de saber o que o Dalcim pensa a respeito.

José Nilton Dalcim
Admin
19 dias atrás
Responder para  Davi Poiani

Puxa, que coisa horrível ser obrigado a ficar duas semanas em Roma! rsrs… Falando sério, não vejo motivo para tanta reclamação, principalmente por parte das mulheres, que enfrentam esse tipo de calendário nos Slam. Os homens jogam mais no Slam, daí o descanso ser importante, e talvez pudessem ter um calendário mais apertado nos Masters, mas também não acho que fazer seis jogos em oito ou nove dias seja um real problema. Ainda assim, concordo que os tenistas deveriam ter sido consultados, Davi.

Davi Poiani
Davi Poiani
19 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Salve Dalcim, obrigado pelo feedback. Concordo contigo neste sentido, duas semans em Roma, até eu ficaria numa boa!! rsrs… Mas enfim, me veio a questão de considerar o calendário como um todo, compreende? Se vários torneios importantes tem uma duração maior, sobra menos tempo para o tenista ficar em sua base, por assim dizer.

Creio que há pontos aí a serem discutidos e os jogadores serem ouvidos seria um bom começo. Viajar o tempo todo pode parecer uma maravilha vendo de fora, mas acaba por ser um desafio maior para alguns… fuso, aclimatação, comida, rotina, etc.

José Nilton Dalcim
Admin
19 dias atrás
Responder para  Davi Poiani

Sim, mas avaliando pelo lado dos 50 melhores, eles podem cautelosamente fazer um calendário de 15 ou 16 semanas, jogando os 4 Slam, os 9 Masters e mais três ou quatro 500 ou até 250, onde recebem seu cachê. O feminino tem menor número de 1000, mas vários 500 importantes. Daí eu ficar em dúvida quanto a reclamação dos tops. Bem pior ficam os que estão fora dos 80, 90… esses nem tem um 250 para jogar por duas semanas (são obrigados a jogar challengers). Isso me parece algo que precisa ser corrigido.

Felipe
Felipe
17 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Vocês falam como se o jogador fosse um turista. Pra você é bom ficar duas semanas turistando, mas um jogador fica treinando, concentrando e muitas vezes nem sai do hotel. Jogo atrás de jogo estudando adversário e prepararo físico.

José Nilton Dalcim
Admin
17 dias atrás
Responder para  Felipe

Fiz apenas uma brincadeira com o outro comentarista. Sei muito bem da rotina de um tenista e continuou” achando que as reclamações são exageradas.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
19 dias atrás

Povo chato. É claro que é muito melhor agora, com mais intervalo de descanso.

Absurdo é jogar 5 partidas em 5 dias seguidos, no caso dos finalistas.

Flávio
Flávio
19 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Onde é que eu assino Paulo Almeida?

Luis Ricardo
Luis Ricardo
18 dias atrás
Responder para  Flávio

uai…..assina onde fala que o jogo da Iga é grosseiro cara , é só isso que vc sabe fazer,,,,

Andre Borges
Andre Borges
19 dias atrás

Se joga todo dia reclama, se joga dia sim dia não reclama e se joga duas vezes em cinco dias reclama. Genial.

Marcelo Krebs
Marcelo Krebs
19 dias atrás

O povo reclama de tudo

Adriano Veiga
Adriano Veiga
19 dias atrás

Estão de sacanagem…
Só podem estar!

Joga 05 partidas de 2 horas cada e se vencer as 05 ganha 1 milhão de dólares em 10 horas de trabalho…

Ah me poupe…

Tá ruim? Vai bater uma laje ganhando 100,00 de diária..

Paulo Mala
Paulo Mala
19 dias atrás

Normal que reclamem. Tenistas são uma gente muito chata, que odeia qualquer detalhezinho ou mudança. Inclusive boa parte não jogam com raquetes atuais, apenas é a pintura da marca do patrocínio. Boa parte joga com a primeira raquete que se acostumou na infância pro juvenil

Fábio
Fábio
19 dias atrás

Quem a Swiontek mandou ficar em silêncio?

Andre
Andre
18 dias atrás

Difícil e fácil de resolver, não está contente não participa , simples assim. Não está contente com o salário que ganha, mude de emprego. Um torneio que tem 100 atletas disputando não pode mudar as regras para atender uma meia dúzia, aproveite esse tempo para conhecer / aprender sobre a cidade, etc…

Felipe
Felipe
18 dias atrás

Uai, não seria justamente o contrário??? Algo mais lento mesmo, treinam mais, descansam mais, menos lesões…. melhor logística do que pingar em um novo lugar a cada 5 dias….. bando de chatos …. achei sensacional essas chaves no saibro. Parabéns a ATP e WTA.

Wilbert Ferraz
Wilbert Ferraz
18 dias atrás

Pra nós torcedores e tenistas de ranking mais baixo com certeza ficou melhor, porém quem faz mesmo o tênis são os tops. O que vai começar a acontecer é de vários ficarem dando out nos torneios alegando lesão, o que acaba ficando ruim para o torneio. Enfim, sempre difícil agradar a todos.

Maximo Troísi
Maximo Troísi
18 dias atrás

É meio que óbvio que jogar a partir da segunda rodada e receber um cheque de 1milhão de euros, ou algo próximo disso por vencer um torneio em 5 ou dias é melhor do que ficar 10 dias numa cidade e receber a mesma coisa, depois optar por ficar uma semana descansando é muito melhor pra qualquer tenista.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Agassi recorda trajetória de drama e sucesso em Roland Garros

Os melhores lances de Iga Swiatek rumo ao tri no Foro Italico

PUBLICIDADE