PLACAR

Temporada 2023 teve 18 novos campeões na ATP e WTA

Foto: Hiroshi Sato/Japan Open Tennis

Ao longo de uma temporada com algumas surpresas e revelações nos circuitos masculino e feminino, o tênis internacional ganhou 18 novos campeões de torneios ATP e WTA. Entre jovens promessas e nomes mais experientes, foram ao todo seis homens e 12 mulheres que levantaram um troféu pela primeira vez na elite, levando-se em conta apenas torneios a partir do nível 250.

Arthur Fils
Mais jovem da lista, o francês de 18 anos é também uma das principais promessas do tênis mundial. Já cotado há algum tempo para ser um grande jogador, o atual vice-campeão do Next Gen ATP Finals vem aos poucos se tornando uma realidade no circuito e conquistou nesta temporada o seu primeiro título de ATP. A conquista aconteceu em casa, no saibro do ATP 250 de Lyon, superando dois cabeças de chave na semi e na decisão.

Maria Timofeeva
A russa de 19 anos de idade protagonizou uma das maiores surpresa de toda a temporada. Então 246ª do ranking, Timofeeva entrou na chave do WTA 250 de Budapeste como lucky-loser e, base da emoção, foi empilhando vitórias até chegar ao título. Em cinco partidas, foram quatro triunfos decididos no terceiro set, com duas viradas.

Ashlyn Krueger
Até 2023, a norte-americana de 19 anos havia disputado apenas cinco chaves principais de WTA ou Grand Slam. Nesta temporada, Krueger se consolidou no top 100 e esteve em nove torneios da elite. Seu primeiro título veio no WTA 250 de Osaka ao bater na decisão a chinesa Lin Zhu, cabeça de chave número 1, Outra campanha de destaque aconteceu no 250 de ‘s-Hertogenbosch, onde chegou às quartas de final superando Vika Azarenka nas oitavas.

Marta Kostyuk
Já beirando o top 50, a ucraniana não era nenhuma desconhecida no começo do ano, mas ainda não tinha levantado nenhum troféu na elite do tênis. Isso até o WTA 250 de Austin, onde teve a melhor semana da sua carreira até aqui e conquistou o título inédito para entrar inclusive na faixa das 40 melhores do mundo. Durante a campanha, eliminou Danielle Collins na semi e Varvara Gracheva na final.

Qinwen Zheng
Profissional desde os 16 anos, a jovem chinesa estreou no top 20 em 2023 e conquistou não apenas um, mas os dois primeiros títulos da carreira. A atual número 15 do mundo primeiro levantou a taça do WTA 250 de Palermo, no saibro europeu. Depois, conquistou dentro de casa e na quadra dura o WTA 500 de Zhengzhou. A festa só não foi ainda maior porque Zheng acabou sendo derrotada por Beatriz Haddad Maia na final do WTA Elite Trophy, em Zhuhai.

Ben Shelton
Surpreendente quadrifinalista do Aberto da Austrália e semifinalista do US Open, o norte-americano de 21 anos nunca havia disputado um torneio fora de seu país até 2023. Até por isso, é compreensível que a temporada de Ben Shelton tenha sido repleta de oscilações, mas o ano não poderia terminar melhor do com que o primeiro caneco da carreira, conquistado no ATP 500 de Tóquio.

Alycia Parks
O ano de 2023 foi um período de afirmação no top 100 para a norte-americana de 22 anos. Até o início de janeiro, ela só havia disputado sete chaves principais de torneios de ponta na carreira, tendo alcançado as quartas de final no WTA 500 de Ostrava em 2022. Nesta temporada, ela participou de 22 torneios e conquistou o primeiro título logo de cara, no WTA 250 de Lyon, em fevereiro. Durante a campanha ela eliminou três favoritas, incluindo a tenista da casa e então número 5 do mundo Caroline Garcia na decisão.

Elisabetta Cocciaretto
Se no circuito masculino o tênis italiano viveu um grande momento com o título da Copa Davis e a ascensão de Jannik Sinner, no feminino uma das boas notícias ficou por conta de Elisabetta Cocciaretto, de 22 anos. Além de ter participado do vice-campeonato da Itália na BJK Cup como duplista, ela conquistou seu primeiro torneio de simples na elite. Isso aconteceu no WTA 250 de Lausanne, em julho, onde precisou disputar o terceiro set em quatro das cinco partidas, causando uma lesão que lhe atrapalhou por todo o restante da temporada.

Xiyu Wang
Mais uma jovem chinesa que deixou sua marca em 2023. Em setembro, Wang faturou o WTA 250 de Guangzhou com direito a uma vitória arrasadora na decisão contra a cabeça 1 polonesa, Magda Linette, cedendo apenas dois games em toda a partida. Depois disso, a jogadora de 22 anos disputou mais três torneios em casa e caiu em todos logo na primeira rodada.

Yibing Wu
No masculino, o jovem de 24 anos fez muito mais do que levantar seu primeiro troféu de ATP, mas foi o primeiro homem do país a conquistar um título na elite do circuito. O feito aconteceu na quadra dura coberta de Dallas, passando por nada menos do que três tenistas norte-americanos naquela semana. Ele chegou a figurar na 54ª posição do ranking em maio, mas terminou o ano fora do top 100, mais precisamente no 121º posto.

Lucia Bronzetti
Outra italiana debutou no hall de campeãs de WTA em 2023. Aos 24 anos, Lucia Bronzetti garantiu seu lugar na lista ao faturar o torneio de nível 250 em Rabat, no saibro marroquino. Um mês depois, ela quase ganhou o seu segundo troféu, mas acabou superada pela tcheca Katerina Siniakova na decisão de Hamburgo.

Katie Boulter
Dando início à lista de tenistas um pouco mais experientes, a britânica de 27 anos saiu do zero em 2023 e para isso nada melhor do que celebrar o primeiro título em casa. Em junho, Katie Boulter venceu o WTA 250 de Nottingham (aquele mesmo em que Bia conquistou sua primeira taça em 2022) tendo uma chave facilitada com três adversárias vindas do quali e uma lucky-loser, além de enfrentar na final a compatriota Jodie Burrage, que era apenas a 131ª do ranking (Boulter ocupava o 126º lugar).

Tallon Griekspoor
O holandês de 27 anos é nome constante nos grandes torneios, mas ainda precisava de uma conquista para se consolidar de vez no grupo dos 50 melhores do mundo. E, por falta de um, Tallon Griekspoor tratou logo de erguer dois troféus de peso em 2023: o primeiro no ATP 250 de Pune e o segundo, na grama do ATP 250 de ‘s-Hertogenbosch. E o atual número 23 do mundo só não fez uma trinca porque bateu na trave no ATP 500 de Washington, perdendo a final para Daniel Evans.

Christopher Eubanks
Uma das grandes surpresas da temporada de grama masculina, o norte-americano chegou a emplacar nove vitórias seguidas no piso, começando com o título inédito do ATP 250 de Mallorca e terminando com a incrível campanha até as quartas de final de Wimbledon, onde deixou pelo caminho o anfitrião Cameron Norrie e o top 5 Stefanos Tsitsipas.

Pedro Cachin
Primeiro e único sul-americano da lista, o argentino Pedro Cachin conquistou o seu primeiro título de ATP no saibro suíço de Gstaad, em torneio de nível 250. Na campanha, venceu três experientes espanhois, como Roberto Bautista, Jaume Munar e Albert Ramos.

Tamara Korpatsch
Aos 28 anos, a alemã vinha ensaiando a primeira conquista desde julho, quando chegou à semifinal do WTA 250 de Praga vindo do quali. Após campanhas discretas ao longo do segundo semestre, ela acabou realizando o grande sonho no seu último torneio da temporada, na quadra dura romena de Cluj-Napoca.

Lin Zhu
Enquanto Tamara Korpatsch terminou o ano levantando troféu, Lin Zhu preferiu começar a temporada a todo vapor. Depois de uma grande campanha no Australian Open, chegando às oitavas de final após bater as cabeças de chave Jil Teichmann e Maria Sakkari, a chinesa de 29 anos conquistou logo na sequência o primeiro título de sua carreira, no WTA 250 de Hua Hin, na Tailândia.

Arantxa Rus
Única tenista na casa dos 30 a conquistar o primeiro título da carreira em 2023, a holandesa Arantxa Rus já vinha de outras quatro conquistas na temporada (dois ITF de US$ 40 mil e outros dois WTA 125) até que enfim conseguiu seu tão cobiçado troféu de WTA 250, aos 32 anos de idade. A conquista foi obtida no saibro de Hamburgo, em julho, numa campanha em que bateu duas tenistas da casa, Eva Lys nas quartas e Noma Noha Akugue na decisão.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Karlovic oficializa aposentadoria e recebe homenagem da ATP

O melhor duelo entre Djokovic e Murray? Reveja Qatar em 2017

PUBLICIDADE