PLACAR

Stradivarius Djokovic dá concerto na Central

Foto: ATP

O novo duelo de gerações entre Novak Djokovic e Holger Rune foi um concerto de uma nota só. O maestro sérvio, que tem imitado um violinista ao final de suas vitórias mais recentes, deu uma aula de como se jogar sobre a temida quadra de grama. Saque eficiente, devoluções profundas, leveza no deslocamento, surpresa nas deixadas e sutileza nos voleios desconcertantes. Um banho de tênis.

O dinamarquês, com duas vitórias sobre o sérvio no currículo e quartas de final em Wimbledon no ano passado, não vive seus melhores dias e o início descontrolado, em que mal conseguia ganhar pontos, custou caro. Encheu o heptcampeão de confiança e, mesmo aparentando um desconforto estomacal no começo do segundo set, Djokovic jamais deixou de comandar a partida. Quando foi preciso, plantou-se atrás e trocou bolas, uma solidez difícil de se obter num piso tão traiçoeiro. Lá na frente, ganhou 78% de suas 37 investidas à rede.

Djokovic só não gostou mesmo do coro de uma parte do público na Central, que gritava ‘Ruuuuuuune’ de forma bem prolongada no ‘U’, o que sugeriria também vaia, ainda que isso acontecesse em pontos vencidos por Rune e nunca em um erro do cabeça 2, o que seria realmente grave. Além de demonstrar seu desagrado durante o jogo, com caretas irônicas, Nole também disparou contra esse filão de torcedores em plena entrevista de quadra, refutando até mesmo a alegação do mestre de cerimônias de que era manifestação de apoio ao escandinavo. “Eu conheço todos os truques”, sentenciou.

Com nível subindo a cada partida e sem qualquer sinal de limitação física, Djokovic será favorito diante do australiano Alex de Minaur, um duelo com pouco histórico. Foram só três partidas, a primeira delas em janeiro do ano passado, com duas vitórias de Nole. No melhor momento de sua carreira, prestes a subir para o sexto lugar do ranking com as quartas inéditas em Wimbledon, De Minaur ganhou um problema justamente no match-point de sua vitória sobre o francês Arthur Fils. Era um jogo para três sets fáceis, mas o australiano deu brechas. Ao fazer o belo voleio definitivo, pareceu sentir algo no quadril e saiu para o vestiário com evidente preocupação.

Mais tarde, na entrevista oficial, garantiu que foi apenas um susto e que, após o trabalho de recuperação, está totalmente bem. E mostrou estar de bom humor. Como namora a estrela local Katie Boulter, diz que se sente um ‘britânico honorário’ e por isso acredita que tem a torcida local a seu lado. E Djokovic pode ficar tranquilo: não há um “U” no seu sobrenome para embalar coros irritantes.

Fritz marca grande virada e sonha

Por dois sets, parecia mesmo que Alexander Zverev continuaria seu ótimo momento em Wimbledon, onde até então não havia perdido serviço. No entanto, Taylor Fritz não desistiu. Mostrou cabeça no lugar e isso certamente foi sua maior qualidade. Continuou apostando no saque e soube perceber a queda física de Zverev, que cada vez se mexia com maior dificuldade. Daí fez o correto. Passou a balançar o alemão sem tanta pressa de decidir e usou curtas ou bolas bem baixas para forçar o alemão a se deslocar de forma pouco confortável. Mais tarde, Sascha contou que mal conseguia andar no domingo, fruto da queda feia da véspera.

Enquanto Zverev sofria a 13ª derrota em seus 36 quintos sets já disputados, o norte-americano marcou a terceira virada de 0-2 de sua carreira, venceu pela primeira vez um top 5 em torneios de Slam na décima tentativa e tentará enfim uma semi desse nível, tendo sido quartas em Wimbledon de dois anos atrás. Aliás, observe-se que Fritz tem agora quartas em três de seus últimos quatro Slam, tendo chegado nas oitavas de Paris no mês passado. Por isso, está a 65 pontos de voltar ao top 10.

Seu adversário de quarta-feira será o italiano Lorenzo Musetti, esse sim uma surpresa maior, já que só tinha duas vitórias em Wimbledon até começar o torneio deste ano e duas oitavas de Slam, ambas em Roland Garros. Sua caminhada não foi tão exigente e ainda assim já fez 17 sets, tendo jogo apertado contra Luciano Darderi na segunda rodada. Nesta segunda-feira, perdeu o primeiro set para o super-sacador Giovanni Perricard mas, assim que achou o tempo da devolução, foi muito superior ao lucky-loser de 21 anos.

Claro que Fritz entra como favorito, uma vez que tem currículo superior e troféus sobre a grama. Os dois já se cruzaram em Wimbledon de dois anos atrás, com fácil vitória do norte-americano, que repetiu na fase final da Copa Davis. Neste ano, no saibro lento de Monte Carlo, o italiano descontou.

Rybakina lidera quartas de gabarito

Pelo segundo ano seguido, Elena Rybakina não precisou completar sua partida de oitavas na Central. Como aconteceu com Bia Haddad no ano passado, Anna Kalinskaya também sentiu problemas musculares e sequer completou o segundo set. A campeã de 2022 tem assim a porta aberta para tentar o bicampeonato, mas está diante de adversárias bem experientes.

Elina Svitolina, sua próxima barreira, está na terceira semi de Wimbledon e na segunda consecutiva e, curiosamente, suas duas derrotas anteriores foram para as campeãs Simona Halep (2019) e Marketa Vondrousova (2023). Passou nesta edição por bons desafios, como Ons Jabeur, mas principalmente o luto que a envolveu pouco antes de superar com enorme vantagem a boa chinesa Xinyu Wang, fruto do abominável ataque russo a um hospital infantil em Kiev. Será o quarto duelo contra Rybakina, que ganhou na grama de Eastbourne em 2021 e em Paris semanas atrás, enquanto Elina venceu no saibro de Estrasburgo e no piso duro das Olimpíadas.

Danielle Collins, depois da bela exibição contra Bia Haddad, se viu em apuros com o estilo variado de Barbora Krejcikova, que abusou do slice de forehand e fez a adversária colocar peso na maioria das bolas. Para piorar, ainda sentiu a coxa esquerda. A tcheca faz então seu melhor Wimbledon e encara o jogo pesado de Jelena Ostapenko. A letã tem quartas em todos os Slam e uma semi em Wimbledon, em 2018. É uma tenista temperamental, que usa a força bruta com uma competência impressionante para achar linhas. Tem 4-2 sobre Krejcikova, incluindo as três últimas.

E mais

– Medvedev promete ‘algo novo’ para o 12º duelo diante de Sinner, depois de perder as 5 últimas, incluindo a dura virada na final de Melbourne. Russo no entanto sabe que o primeiro saque será essencial.
– Paul contou que pegará conselhos com Tiafoe para o duelo com Alcaraz, já que o amigo levou o espanhol ao quinto set. Cada um venceu duas vezes nos confrontos diretos, todos na quadra dura.
– A terça-feira realiza todas as quartas femininas, o que inclui portanto Paolini-Navarro e Sun-Vekic. A americana tem mais jeito para a grama e Vekic, muito mais experiência do que a canhota que veio do quali.
– O tênis brasileiro se despediu das chaves adultas, num dia em que Rafael Matos perdeu duas vezes. Ao lado de Melo, tiveram chance no primeiro set mas o local e canhoto Patton estava em dia iluminado. Nas mistas, o dueto com Stefani teve match-point para surpreender os bicampeões Krawczyk/Skupski num jogo gostoso de se ver.
– A Itália soma três representantes em busca da semifinal, a primeira vez na história de qualquer Slam. Paolini pode ser a primeira do país na penúltima rodada de Wimbledon, algo que Berrettini conseguiu para os homens em 2021.
– Segundo os dados estatísticos do torneio, o tenista perfeito hoje ganharia 74% de pontos com o primeiro saque e 53% com o segundo. A média de aces por jogo está em 20.
– Houve um burburinho de que Shelton teria sacado a 154 milhas por hora (248 km/h) na segunda rodada, o que seria novo recorde do torneio e um dos mais fortes já medidos, mas oficialmente Wimbledon diz que o saque mais forte do canhoto americano foi a 140 mph (225 km/h). Portanto, o recorde de Taylor Dent, a 148 mph (238 km/h) em 2010, permanece.

Match-point dolorido

212 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Gustavo
Gustavo
9 dias atrás

Aplausos para o primeiro parágrafo.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
9 dias atrás
Responder para  Gustavo

Especialmente para “maestro sérvio” e “voleios desconcertantes”, mas o jogo de rede continua sendo medíocre para os terraplanistas, rsrs.

Luis Ricardo
Luis Ricardo
9 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

não se trata de considerar o jogo de rede “medíocre” de forma alguma , mas se 75 a 80% do jogo (ou até mais , talvez) transcorre no fundo da quadra , torna-se evidente que esse é o fundamento básico e principal do tenis . Não adianta nada vc ser um exímio jogador na rede , e não ter qualidade no fundo , vc não vai ganhar. Então isto vale pra aqueles depreciadores do jogo de fundo de quadra , que inclusive falam que jogo de fundo não requer (nem tem ) técnica e que por isso são jogadores “limitados”…

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
9 dias atrás
Responder para  Luis Ricardo

LUIS RICARDO, somemos os 22 slams de Rafael Nadal com os 5 de Iga Swiatek e chegaremos a expressivos 27 troféus em nível 2000. O que quero dizer é que você tem toda razão ao se manifestar em defesa do jogo de fundo de quadra, que não consiste apenas em recepcionar e devolver a bolinha, pois há que ter muito equilíbrio físico e mental, para tornar belo tal tipo de jogo, e tampouco atuar desta forma se trata de mero jogo de paciência, como dizem os analistas desavisados, mas sim de uma técnica apurada enquanto estilo. Esses cabeçudos de plantão não podem decretar que gente graúda como os mesmos Nadal e Swiatek, por exemplo, não sabem matar o ponto ante a necessidade de fazê-lo, ou seja, quando, num momento específico da partida, não couber a maestria de sua longevidade. Em linhas gerais, tem raqueteiro bom de atacar a bola e tem raqueteiro bom de fundo de quadra. No mais, RICARDO, parabéns por sua avaliação discernida…

Luis Ricardo
Luis Ricardo
8 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

obrigado Valmir , foi isso que eu quiz expressar , saber ganhar um ponto na rede com um belo voleio é realmente lindo , mas não é preponderante , o que vale mesmo é regularidade e eficiencia e obvio uma excelente tecnica de fundo e o Nadal e a Iga são grandes exemplos disso .

Flávio
Flávio
8 dias atrás
Responder para  Valmir da Silva Batista

Cara tu sabes mesmo,né kkkkk que piada viu, e quem disse que o Nadal só joga no fundo de quadra? Acorda rapaz, talvez ele fazia isso no início mas com o passar do tempo virou um jogador completo, lógico que Djokovic e Federer eram superiores tecnicamente, mas o Nadal tem qualidade técnica pois usa dropshot algumas vezes, lob e smashs e a polonesa ,ainda, não sabe fazer isso.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
7 dias atrás
Responder para  Flávio

FLAVIO, você tem certeza que leu inteiro meu comentário? Se o fez, você prestou atenção no que leu? Em nenhuma sequência afirmei que “Nadal só joga no fundo da quadra”. O que eu disse foi que a base do seu jogo é de fundo de quadra, pois Nadal é, essencialmente, um jogador de fundo de quadra, e que o que ele faz( e faz bem ) afora isso, se configura como exceção da regra do seu jogo. No mais, quando você aprender um mínimo que seja de interpretação de texto, a gente se fala, ok?

Paulo Almeida
Paulo Almeida
9 dias atrás
Responder para  Luis Ricardo

Estou falando de um cidadão em particular aqui no Blog que nega a realidade. Djoko é um exímio voleador e também executa drops e slices com excelência. No fundo de quadra nem preciso falar nada, pois sempre foi magnífico.

Luis Ricardo
Luis Ricardo
8 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

eu sei de quem vc esta falando Paulo , e vc está corretissimo…kkkkkkk

Flávio
Flávio
8 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Paulo assino embaixo.

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
9 dias atrás

Sinto que teremos haters esperneando com o “banho de tênis”.

José Yoh
José Yoh
9 dias atrás

Bem, agora Rune vai beber mais do que bebeu antes da partida.
Abs

Vinícius
Vinícius
9 dias atrás

Dalcim o que o musetti vai precisar fazer para ter uma chance contra o Fritz?
Sinto que talvez mexer o americano é uma boa mas será que ele tem a capacidade de fazer isso de forma constante?e para min oq pesa contra o italiano aqui é o mental, mesmo hoje que ele estava vencendo, ele ficava frustado em vários momentos, em um jogo de QF de final que ele não é favorito, se ele entrar com a mentalidade que foi hoje, ele será presa fácil para o americano
Enfim queria saber de você, oq vc espera e oq dá para o italiano fazer para ao menos termos um bom jogo na quarta.

Marcelo Reis
Marcelo Reis
9 dias atrás

Para os que estavam esperando um jogo disputado, como eu, vimos um jogo de um profissional contra um amador. Rune entrou com um mindset de derrotista, perdeu 12 pontos seguidos no começo do jogo e nada mais fez. Jogou péssimo!

Novak só precisou jogar redondo para ganhar facilmente, mesmo estando com movimentação à direita visivelmente limitada e encurtando os pontos, além de ter sentido algum desconforto passageiro no abdômen.

Vale ressaltar que o saque do sérvio, um golpe que há poucos anos era OK, subiu de nível consideravelmente após a temporada com o Goran. Como ele tem um jogo completo, este golpe acaba sendo subestimado/subvalorizado. Mas o fato é que vem tirando ele dos poucos buracos em que se meteu neste WB. Para levar o troféu, entretanto, terá que subir de nível.

Sobre o Rune, a declaração que deu sobre “veremos quem tem mais GSs em 15 anos” não caiu tão bem. O seu desejo é válido, assim como sua opinião, claro. Mas sou daqueles que prefere o trabalho discreto e sóbrio, como o Sinner, em oposição à falação.

Por fim, as declaração do Novak ao final do jogo foram, como ocorre com frequência, polarizadoras. Mas o que para uns pode soar como assertividade e franqueza, para outros soa como soberba/arrogância. É algo absolutamente subjetivo: uns gostam, outros não. Estou longe de ter o Novak como meu tenista favorito, inclusive desaprovo diversas atitudes dele fora das quadras, mas sempre achei isso de ficar vaiando uma demonstração de pequeneza de espírito. Eu sei, eu sei, estamos acostumados com certo nível de selvageria e xingamentos no futebol, mas os tenistas estão lá para entreter e merecem ser tratados com um mínimo de consideração, gostem deles ou não. O nome disso é civilidade.

Peço desculpas pelo tamanho do texto.

José Alexandre
José Alexandre
9 dias atrás

Paranoia do sérvio, poderia focar sua atenção no grande desempenho que teve hoje. Favorito pra estar na Central domingo.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
9 dias atrás
Responder para  José Alexandre

Exatamente. A definição perfeita é esta mesmo. Lamentável !!!. Abs !

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
9 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Deve ser muito bom falar daqui.
Ainda mais, depois de uma vitória com V e frustrações de quem queria o contrário.
Adorei ele falando!

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
9 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Aprenda com o comportamento dos dois últimos vencedores de SLAM . Sei que é difícil para um fanático já muito rodado , mas ainda está em tempo. Abs!

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
9 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Aprendo cada dia que passa, mais com Novak Djokovic.
Foi desrespeitado e desejou boa noite a todos.
Ainda nutro a esperança de encontra-lo pessoalmente um dia.

Existem fanáticos que abusam disso para torcer por alguém e igualmente existem, os que abusam para ser contra.

Sergio
Sergio
8 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Cuidado para não encontrar com o sérvio durante uma pandemia. Sem vacinação seria um enorme risco à saúde. Desrespeito é quebrar raquetes toda hora. Desrespeito é entrar de maneira totalmente ilegal num país e ser (ridiculamente) deportado. Desrespeito é organizar torneios em plena pandemia e colocar em enorme risco a saúde de todos. Precisa aprender um pouco sobre o significado da palavra desrespeito.

Felipe
Felipe
8 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Ué, vc é um dos q mais bate boca aqui e vem falar q o sérvio não pode bater boca com torcedor mal educado? Kkkk

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
8 dias atrás
Responder para  Felipe

Estamos num fórum de debates 0800. Djokovic estava numa arena de ingressos muito caro . Só pensa nele com estes péssimos exemplos. Abs !

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
7 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Por aqui ser 0800 não dá o direito a ninguém “bater boca”.
Djokovic estava numa arena que pagou caro para ver um show: dele em disputa com seu adversário, ao modo deles, não para ser como a arena queria.
Ou deveria ser à moda Lade Kate? Tô pagano!

Maurício Luís *
Maurício Luís *
9 dias atrás

Acredito que o senhor Nole, depois dessa acachapante vitória, pode se considerar na final. Nem de Minaur, nem Musetti e nem Fritz tem jogo e nem cabeça pra ganhar dele.
O que um analgésico não faz, hein?

Paulo Almeida
Paulo Almeida
9 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

O jogo é jogado, mas ele é favorito contra os citados. Quanto aos “painkillers”, você não tem como afirmar nada a respeito, Maurício.

José Yoh
José Yoh
9 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

As dores no estômago dão uma boa pista sobre isso. De qualquer forma, incrível a forma como jogou mesmo com todos problemas.
Abs

Paulo Almeida
Paulo Almeida
9 dias atrás
Responder para  José Yoh

Desconheço esse efeito colateral de analgésicos, caro Yoh. Ele tomou 4 durante a partida contra o Cerúndolo.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
9 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Ele vai completar 5 semanas da cirurgia na quarta-feira e parece estar cada vez mais solto. Bateu esquerdas em open stance e se esticou todo num ponto que até perdeu na rede. Não deve atingir os 100% fisicamente no torneio, mas acho que já está em nível bem competitivo.

Baresi (essa o Sr. SR que lembrou) e Cafu já veteranos fizeram artroscopia e disputaram Copa do Mundo pouco tempo depois. Essa operação de fato não é nenhum bicho de sete cabeças.

Miguel BsB
Miguel BsB
8 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Analgésicos, antiinflamatórios, podem gerar desconfortos e queimação gástrica sim Paulo. Acho incrível o Djokovic jogando essa bola, na grama, poucas semanas após uma artroscopia no joelho. Eu, mero mortal, fiz essa exata cirurgia, e só voltei a jogar tênis dps de uns 3 meses de fisioterapia, e, msm assim, não ficou 100%. Artroscopia no menisco.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
8 dias atrás
Responder para  Miguel BsB

Ok, eu nunca tive nada do tipo quando fiz uso desses medicamentos, mas se você diz…

Você fez no menisco medial ou lateral, Miguel?

Miguel BsB
Miguel BsB
8 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Medial. Tirei um pedacinho rs

Roberto Pascarelli
Roberto Pascarelli
9 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

E o que um sorteio nao faz teambem ne!?
Sinner como cabeca 1 pegando Berretini, Shelton, Medvedev e Alcaraz. Incrivel a diferenca de chave.

Luis
Luis
9 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Com a chave que ele pegou, nunca tive muita duvida que ia chegar na final. Até o zverev e o hurckatz se machucaram no caminho. Foi tudo perfeito para o djoko.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
9 dias atrás

Realmente foi provocação disfarçada da torcida, como o colega esclareceu na outra pasta. Djoko com sua personalidade forte não perdoou na entrevista.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
9 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Djokovic já deveria ter aprendido que o público paga caro pra torcer pra quem e como quiser. Se os ridículos bate bocas com os torcedores é demonstração de personalidade fica por conta de fanáticos, como o Sr Paulo Almeida…rs. O cara é hepta em Wimbledon e consegue ter sempre torcida contra. Este é o tal ‘ goat ” do Esporte… Rsrsrs, Abs !

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
9 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

O que tem a ver torcida a favor ou contra com goatismo?

Marcelo F
Marcelo F
9 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Sérgio Ribeiro, você deve ter mais de 60 anos. Já acompanha há muito tempo, talvez 40 ou 50 anos. Eu acompanho há quase 40…Ou seja, você já viu muito tênis. Eu também. Djokovic é o goat sim, quer você queira ou não. Comentários que terminam em kkkk ou rsrs, são ironias tolas dos autores, pra falar coisas em que nem eles acreditam. Afinal, qual é o problema em reconhecer o óbvio? O que isso diminui da grandeza do Federer? Torço por Nadal, mas não distorço a realidade. O sérvio tem todos os maiores recordes do tênis. Os que de fato importam. Além de ser o melhor em quadra, é alguém com muita personalidade, que sempre falou o que pensa. É obvio que nem tudo o que fala é certo, mas não tem medo de se expor. Em resumo, não fica fazendo média como Federer e Nadal. Muito autêntico ele, tem muito meu respeito.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
9 dias atrás
Responder para  Marcelo F

Ótimo post, Marcelo. Só discordamos das passadas mesmo.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
9 dias atrás
Responder para  Marcelo F

Papinho ridículo em relação a ironia. Quais os critérios para Goat, apenas números, SR M F . ????. Serena Williams terminou com menos SLAM que Margaret Court. Tomou um vareio para Steffi Graf tanto em MASTERS como em totais de Semanas CONSECUTIVAS ou Totais no TOPO do Ranking. E também em WTA FINALS. Mesmo assim é a jogadora mais importante e de maior LEGADO na história , é a GOAT para a maioria dos aficionados por este maravilhoso Esporte. Se o senhor acredita que Djokovic representa a maioria problema teu . Já tens idade pra respeitar divergências. Abs !

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
9 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Tu, trazer à tona respeito por divergências?
Piada mesmo isso.

Marcelo F
Marcelo F
9 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Duas coisas apenas, Sérgio Ribeiro.

Primeira: quem disse que a maioria considera Serena a tenista mais importante da história? Provavelmente a imprensa americana. Faça a mesma pergunta na Europa pra saber a resposta. Imagine se o sérvio fosse americano…
E qual é o LEGADO que Serena deixou? Ela nunca foi a mais querida do público, era chata e teatral. Só tinha a maioria da torcida em jogos nos EUA.
Embora tenha números e recordes incríveis e tenha sido espetacular jogadora, uma das três maiores da história, ao lado de Steffi e Martina.

Segunda: respeito divergências sim. Só não fico querendo invalidar comentários de outros com ironia.
E tenho idade suficiente pra saber que escrever por último (ou ter a última palavra) não quer dizer que tenho razão.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
9 dias atrás
Responder para  Marcelo F

Qual.e’ o legado ??? . Acompanhas outro Esporte Sr M. F. E outra , se não gostas de ironias , pule…Abs!

Marcelo Calmon
Marcelo Calmon
8 dias atrás
Responder para  Marcelo F

Steffi tem que agradecer ao fã compatriota que esfaqueou a Seles. Provavelmente não ia ganhar nem metade dos títulos se a Seles não tivesse sofrido aquela atrocidade. Lógico que Graff não teve culpa, mas nas últimas 4 finais de Slam antes da facada, foi 3 x 1 pra Seles.

Marcelo F
Marcelo F
8 dias atrás
Responder para  Marcelo Calmon

Concordo com você, Marcelo. Foi mesmo uma atrocidade. Aliás pouco lembrada aqui. Alguns nem sabem. Na época Steffi tinha 11 Slams, já tinha feito o Golden Slam em 88, quase repetiu o Grand Slam em 89…Mas depois surgiu o fenômeno Seles, que já tinha incríveis 8 Slams aos 19 (!) anos. Lembro que ela tinha quase uma aura de imbatível (menos em Wimbledon). Lamentável, poderia ter feito ainda maís. Voltou depois mas nunca mais foi a mesma, embora tenha ainda ganhado um Slam. Mas como você mesmo disse, Graf não tem culpa nenhuma disso.

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
9 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Serena tem 23 slam na Era Aberta e recorde de wta 1000. Margareth não chega nem a metade na Era Profissional. O debate no feminino é aberto, pois ninguém possui todos os recordes principais. No masculino, o Djoko detém tudo, é um verdadeiro bicho papão.

Alessandro Siqueira
Alessandro Siqueira
9 dias atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Tem os principais números sendo contemporâneo dos demais postulantes.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
9 dias atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Inclusive a supremacia de conquistas em WIMBLEDON, USOPEN e RG . Nem preciso lembrar que as 237 Semanas CONSECUTIVAS no TOPO do Ranking é recorde secundário… rsrs.

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
8 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Recorde de slam;
Recorde de apt finals;
Recorde de masters 1000;
Temporadas como número 1;
Semanas totais como número 1;
Número 1 mais velho da história;
Maior pontuação da história da ATP;
Maior pontuação da história da ATP em única temporada;
Triple career slam;
Double career masters;
Venceu 4 slam seguidos;
Mais velho campeão do atp finals;
Tetra campeão coneecutivo do atp finals;

Filipe Alves da Mota
Filipe Alves da Mota
8 dias atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Foi o unico que ganhou todos os master, mas de uma vez inclusive.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
8 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

O que vale é o total e não a supremacia isolada em determinado Slam. Ter 24 títulos com direito a no mínimo 3 de cada é o que fala mais alto. Semanas consecutivas não pega nem top 5 de recordes relevantes.

A questão numérica está encerrada e por muito. Fique só na subjetividade, pois foi o que sobrou, Sr. SR.

A conferir, rsrs, abs!

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
9 dias atrás
Responder para  Paulo Sérgio

Só o incrível GOLDEN SLAM de Steffi Graf derruba teus parcos argumentos, Paulinho rs. Abs !

Sergio
Sergio
8 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Aliás, Golden Slam no masculino somente Agassi e Nadal. Djokovic tá correndo atrás do ouro olímpico faz décadas….kkkkkkkkkkkkkkkk.

José Yoh
José Yoh
9 dias atrás
Responder para  Marcelo F

Acho que nós, com a idade que temos e tendo visto tanta coisa, sabemos que essa coisa de GOAT é conversa de boteco, pura preferência pessoal.

Números são relativos à época que estamos comparando.

O máximo que podemos comparar são atletas contemporâneos, e com muitas ressalvas. Isso eu reconheço que o sérvio foi o melhor de sua época, ainda assim com muita gente discordando com argumentos bem válidos.
Abs

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
8 dias atrás
Responder para  José Yoh

Prezado Yoh, desculpe, mas “essa coisa de GOAT” não é conversa de boteco não. O próprio termo já indica que foi algo criado por especialista e críticos no assunto, internacionais, que chegou até nós, depois de um longo debate entre eles.
Ademais, qual a cereja do bolo?
Perceber que dentre todos, houve um que se destacou além de todos os demais.
Da minha parte, nem uso tanto, pois meu tenista preferido ainda está construindo sua passagem pelo esporte.
Mais tarde, falaremos novamente sobre.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
8 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Se fosse conversa de boteco, o termo não seria empregado corriqueiramente por atletas e jornalistas do meio. É uma coisa muito séria.

Miguel BsB
Miguel BsB
8 dias atrás
Responder para  José Yoh

Caro Yoh, não é mais conversa de boteco não…o Sérvio é o maior tenista da história, o maior campeão, não tem mais discussão. Os recordes e números falam por si, tendo tido como adversários o 2 e o 3 maiores da história. Falo isso nunca tendo sido torcedor dele, como você e muitos aqui sabem…sempre preferi o jogo do Federer ao do Djokovic, por exemplo, mas não há mais como negar que o cara é o GOAT.

José Yoh
José Yoh
8 dias atrás
Responder para  Miguel BsB

Mas quem define se é ou não é? Somos nós mesmos. Seja o Sampras falando ou você, é pura opinião pessoal.

Não há critério nenhum para dizer se ele é maior que Laver ou Borg por exemplo. Se houvesse critérios claros, não estaríamos aqui conversando sobre isso.

Para mim não é possível comparar épocas diferentes.
Abs

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
7 dias atrás
Responder para  José Yoh

Daí já dá para tirar a conversa do Boteco.
Se fosse o inverso, Federer jogando com 24 GS e o sérvio, como “só” 20, o termo GOAT estaria se tornando até palavra da língua portuguesa, tanto é que, ao chegar aos 20 na frente dos outros, era assim que era chamado.
Ao ser ultrapassado, o termo perdeu validade.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
9 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Interprete como quiser. Ele não gostou e ironizou a torcida do jeitão dele. Por mim, já é página virada e bora pro próximo jogo.

Sim, esse é o GOATaço, que é definido por números e não por simpatia.

A conferir, abs!

Romulo Santos
Romulo Santos
9 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Quem não aprendeu foi a torcida, pois essa adrenalina a mais faz o Djoko jogar com mais vontade e melhor.

Miguel BsB
Miguel BsB
8 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

Certa torcida parece que não aprendeu ainda que, quanto mais vaiam e hostilizam Nole, mais o cara joga. Ao contrário, quando tem torcida a favor, muitas vezes ele não vai bem, parece que se acomoda.
Agora Dalcim, se a torcida quiser provocar o Sérvio de novo, de Minauuuuuuurrr pode funcionar…rs

Paulo Almeida
Paulo Almeida
8 dias atrás
Responder para  Miguel BsB

Kkkkkkkkkkk, boa!

Maurício Luís *
Maurício Luís *
9 dias atrás

Boa noite, Dalcim. O link pra editar comentário não funciona. Mesmo só depois de alguns segundos, dá que não é possível editar. Acho que tá aí só de “enfeite”…

Gildokson
Gildokson
9 dias atrás

Eu quero saber do meu amigo Paulo se esse WB do Djokovic se classifica como parrudo no caso dele conquistar o título? Kkkkkkkkkkkk
Para quem criticava as chaves do gênio nos longínquos anos 2000, essa chave de atp 500 que vai levar o sérvio até a final tem que ser metralhada hein.
Abs!!!

Paulo Almeida
Paulo Almeida
9 dias atrás
Responder para  Gildokson

Se for em cima de Sinner, Alcaraz ou Medvedev, com toda a certeza. Basta um adversário difícil para isso e na teoria o Rune era um deles, mas calma: De Minaur ganhou dele na Austrália, Fritz complicou e Musetti também.

Não são só as chaves dos anos 2000 (incluindo 2009): ainda há Wimbledon 2017 e AO 2018.

Kkkkkkkk, abs!

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
9 dias atrás
Responder para  Paulo Almeida

De Minaur ganhou na Austrália em melhor de três sets, mas perdeu em Monte Carlo, também em melhor de três sets.
E convenhamos que, esse Djokovic de agora é bem mais o Djokovic do ano passado que o que estava em Monte Carlo, certo?

Paulo Almeida
Paulo Almeida
9 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Djoko do ano passado ainda não, mas já está melhorando bem perto do que vimos do sérvio em 2024 até aqui.

Rodrigo
Rodrigo
9 dias atrás
Responder para  Gildokson

A chave de Djokovic era bem complicada, quando do sorteio. Só a do Sinner era pior. Tinha a pior oitavas possível, contra Rune, e a pior quartas possível, contra Hurcakz. Passeou contra Rune e o polonês ficou pelo caminho. As semifinais seriam, em tese, contra o Zverev, que se não é Sinner ou Alcaraz, é um jogador bem difícil. Ou seja, não dá para menosprezar a chave do sérvio. De todo modo, ele ainda terá jogos difíceis pela frente, e, se chegar lá, uma final de 50% x 50%

rafael luis
rafael luis
9 dias atrás

Rune esta meio perdido.

Última edição 9 dias atrás by rafael luis
Marcelo Calmon
Marcelo Calmon
9 dias atrás

Realmente foi um passeio. Como o próprio Djoko falou na entrevista em quadra, perder os 12 primeiros pontos deve ter tirado muito da confiança e do entusiasmo do Rune.
Excelentes jogos na outra parte da chave. Medvedev sedento para vencer o Sinner depois das últimas derrotas.
E na outra partida temos um confronto equilibrado, pelo menos por conta do histórico.
Vendo o jogo da Ostapenko, uma das tenistas que mais gosto de ver por conta de suas expressões na quadra, não dá muito para entender como a Iga perdeu pra Putintseva, mesmo sabendo que a polonesa nunca foi nada especial na grama. Torço pra letã vencer, mas Rybakina tem tudo para ser campeã.
E pensar que a Bia venceu 2 vezes a Navarro esse ano, e com certa facilidade. Não vejo nada demais na americana, mas pode chegar na final, pois a chave ficou sem nenhuma jogadora de peso na grama. Baita azar da Keys, pois acho que chegaria na final com certa tranquilidade.
E a Sabalenka deve estar lamentando muito a contusão. Seria a grande favorita.

Luciano
Luciano
9 dias atrás

Djokovic dificilmente perderá esse Wimbledon. O cara tem muita sorte nas chaves também!

Marcelo Calmon
Marcelo Calmon
9 dias atrás
Responder para  Luciano

Sim. Cara muito sortudo. Já teve sorte 7 vezes lá em Wimbledon e 24 vezes em todos os Slam.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
9 dias atrás
Responder para  Marcelo Calmon

Especialmente contra Federer três vezes e Nadal duas.

Luciano
Luciano
9 dias atrás
Responder para  Marcelo Calmon

Você entendeu muito bem o que eu disse rapaz! Sem tirar os méritos das suas conquistas, óbvio!

Gustavo Albuquerque
Gustavo Albuquerque
9 dias atrás
Responder para  Marcelo Calmon

Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Filipe Alves da Mota
Filipe Alves da Mota
9 dias atrás

Realmente o sérvio está on fire. Se os gritos de Ruuune só eram entoados quando o Rune vencia o ponto, na minha ótica entendo que Djokovic não precisaria se enfurecer tanto. Mas talvez tenha razão, sei lá. Como sua posição na entrevista foi muito enfática, quando alude que reconhece os truques e que foi desrespeitado, talvez tenha sido isso mesmo. De toda forma, ele capitaliza ainda mais uma antipatia dos que torcem contra quando admoesta parte da torcida, muito embora para ele, isso não faça diferença quando joga.

Helena
Helena
9 dias atrás
Responder para  Filipe Alves da Mota

Nobre Filipe,

Os que não gostam, não gostam e pronto. Não vão mudar, independentemente do que ele fizer, só vão ajustar o motivo para criticar o cara e pronto. O sérvio já foi criticado até quando ajudou os colegas, arrumando equipamentos de ginástica para os que estavam reclusos nos quartos de Hotel.

E acho super normal a torcida escolher quem quiser, embora pessoalmente ache muito baixo usar a vaia para isso, especialmente vindo de um público que se acha (não sei por qual razão) tão diferenciado.

De qualquer forma, acho que tudo é muito simples: a torcida se manifesta como quiser, e o atleta responde como também entender melhor. Não vejo razão para achar correto apenas um dos lados. Seria como criticar um jogador de futebol que bota a mão na orelha após fazer um gol em um jogo que foi vaiado por todo o momento. Não faz sentido.

Enfim, confesso que acho tudo muito divertido, especialmente porque as torcidas de tênis em geral são meio chatinhas mesmo.

Valmir da Silva Batista
Valmir da Silva Batista
9 dias atrás
Responder para  Helena

ATÉ QUE ENFIM ALGUÉM COM o brilho da lucidez nesta confraria…

Filipe Alves da Mota
Filipe Alves da Mota
8 dias atrás
Responder para  Helena

Helena, isso ai.

SANDRO
SANDRO
9 dias atrás
Responder para  Filipe Alves da Mota

O fato é que o excesso de “UUUUUUUUUU” dos mau-educados era para enfatizar uma vaia mesmo…

Paulo F.
Paulo F.
9 dias atrás

Idemo GOAT. Faltam 3.

Paulo F.
Paulo F.
9 dias atrás

Os “federerplanistas” vão pirar com tua crônica, Dalcim.
Espero que não percas leitores com sua coragem em elogiar o “malvadão” sérvio.

Paulo F.
Paulo F.
9 dias atrás

Quartas-de-final.
Nada mal para quem iria participar do torneio só para avacalhar a chave

Julio Marinho
Julio Marinho
9 dias atrás

Djok desfilou toda a sua categoria e de aquele início de jogo perfeito para já abrir um vantagem e dar o tom do jogo. Mas não dá para não criticar imensamente a atuação do Rune. Acho que foi uma das piores da vida dele. Sacou muito mal, saindo por muito, naquele erro de achar que tem que achar petróleo na quadra para sacar bem. Mas deixadas, só tentava dar contra cruzada, com o Djok plantado esperando. Mas, o pior absoluto de sua atuação foi como centralizou todas as bolas. Já é difícil ganhar do Djok em movimento, deixando no meio da quadra para el distribuir aí é suicidio. Tanto é que quando lá pelas tantas quando a cá tinha ido para o brejo e quis arriscar alguma bola mais angulada ou uma paralela, estava totalmente sem timing. Ele tem talento, é novo, mas o mental dele está tão descolado de Sinner-Alcaraz (que poderiam perder, mas jamais atuariam tão passivamente), que começo a duvidar que ele se junte ao grupo. Tomara que o João Fonseca seja a 3a força. Se Rune não aprender a mudar toda a postura dele da atuação pífia de hoje, melhor se despedir de sonhos mais ousados.
Parabéns ao Djok, que fez sua parte e com os adversários agora em diante fica com um pé na final.

Paulo F.
Paulo F.
9 dias atrás

E Zverev, Dalcim?
Será que integrará o grupo de Nalbadian e Berdych dos grandes jogadores sem Slam?
Que coisa…

Valdir
Valdir
9 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Só esse ano ele perdeu nos 3 slam de 2×0 2×1 2×0 acima Dalcim. Não sei se o problema é exatamente sorte.

Refaelov
Refaelov
9 dias atrás

Poxa Dalcin mas há um “U” no sobrenome do australiano sim, para embalar coros irritantes

Com relação às semis: Fritz e sobretudo o Djoko me parecem favoritissimos, de fato parece q só alguma questão física tira o Sérvio de mais uma final..

Qnt a amanhã: tbm me chamou a atenção a entrevista do Urso: teoricamente a grama é disparadamente o piso com pior encaixe pro jogo dele, estou curioso pra ver se ele realmente vai tentar uma abordagem diferente.. Saudações!

Última edição 9 dias atrás by Refaelov
Rafael
Rafael
9 dias atrás

Mais um belo texto, mestre! O sérvio aniquilou o Rune taticamente e me parece muito bem fisicamente. Alŵm disso, ele se alimenta do extra quadra como ninguém! Mestre, o Djoko é muito favorito neste lado da chave não?

Marcelo Costa
Marcelo Costa
9 dias atrás

Nole jogando com o pé na linha de base, isso é lindo de ver, um espetáculo.

Roberto Canessa
Roberto Canessa
9 dias atrás

Dalcim, você tem visto os jogos no StarPlus? Eu não consigo assistir os jogos com narração brasileira.

Paulo A.
Paulo A.
9 dias atrás
Responder para  Roberto Canessa

Você os encontrará no App da Disney que comprou o Starplus que, em breve, será extinto. Estão todos lá.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
9 dias atrás
Responder para  Paulo A.

Eles precisam se organizar bem ainda.
Realmente, tem os links para todas as quadras, mas na grande maioria das vezes, o link mostra um cartaz de A x B e quando você entra, estão jogando C x D.
Aí, ficamos naquela busca chata para achar o jogo que queremos.
Sou assinante agora da Disney, migrado do Star +.

Rodrigo
Rodrigo
9 dias atrás
Responder para  Roberto Canessa

O que houve com a narração?

José Yoh
José Yoh
9 dias atrás
Responder para  Roberto Canessa

A StarPlus/Disney+ tem um app muito ruim. Os principais jogos ficam lá no final, misturados com jogos que ainda estão por vir e as outras quadras com jogos aleatórios.

Deve ser como no supermercado, onde para comprar carne ou pão vc tem de passar por todos os supérfluos…

No momento não consigo encontrar o jogo do Sinner com o Medvedev. Parece que não está passando.

Abs

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
9 dias atrás
Responder para  José Yoh

Está passando o de Alcaraz ( estou assistindo) e o de SINNER na ESPN 2 , caro Yoh . Abs!

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
8 dias atrás
Responder para  José Yoh

Sim, tem mesmo.
Afora a demora para chegar até o jogo, quando se quer ver pela TV. Pelo celular é bem mais rápido.
Só para se ter uma ideia, cronometre o tempo entre ligar a TV e iniciar um filme qualquer na Netflix.
Depois, cronometre novamente o tempo entre ligar a TV e ver seu jogo desejado na Disney ou Star +.

Fernando Parrado
Fernando Parrado
9 dias atrás

Dalcim, apesar de estilo de jogo totalmente diferente, não sei pq mas acho Taylor Fritz o Ferrer da geração Medvedev/Zverev, pois acho o americano pouco talentoso, porém muito esforçado.
Não sei pq, mas nunca vi Taylor Fritz como alguém que subiu na vida pelo talento, mas sim por grande esforço.

Helena
Helena
9 dias atrás

Independentemente do que ocorrer daqui para frente, acho que esse Wimbledon já valeu para o Djoko. Até RG, o maior problema nem foram tanto os resultados, mas o que era visto em quadra, com o que parecia uma mistura de físico com falta de motivação (ou falta de motivação fazendo o físico pesar). Desde o AO, RG foi o único torneio em que o sérvio voltou a demonstrar uma vontade de vencer, e enquanto ele tiver isso, vai ser competitivo. Se vai ganhar muito mais ou o que for, não dá para saber, mas como fã é ótimo aproveitar ele rendendo em alto nível.

Recentemente revi a penúltima partida e reli a biografia daquele que ainda é o meu jogador favorito de sempre: Agassi. Então acho que isso só reforça como é bom poder aproveitar e torcer pelo tempo que ainda temos de nosso jogador favorito. Nobres amigos da Kombi, cada partida como a de hoje é um presente, vamos aproveitar!

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio
9 dias atrás
Responder para  Helena

Onde assino?

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
9 dias atrás
Responder para  Helena

Fechado com você Helena.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
9 dias atrás
Responder para  Helena

Na boa , cara Helena. Falta de motivação faltando apenas UM SLAM pra ser recordista absoluto entre homens e mulheres ?? . RG estava sendo a preparação para seu maior objetivo ( segundo o próprio) , OURO OLiMPICO . Difícil pra Kombi aceitar que vinha jogando mal desde Dezembro/2023 . Com direito a uma surra vergonhosa para JANNIK SINNER em sua casa onde venceu DEZ vezes. Mandou embora metade do Staff… Abs!

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
9 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Você chama de surra vergonhosa perder para O CARA DO ANO (até agora), 15 anos mais novo, no seu piso favorito, de 1 x 3 e vive bradando para todos os lados que um tal de RF, só porque fez 94 winners (mas perdeu) numa final, tendo dois match-points com seu saque (mas perdeu), levou o jogo ao quinto set longo (mas perdeu), é apenas 5 anos e 9 meses mais novo (e ainda assim perdeu) fez um jogo primoroso.
Para perder, preferia que fosse 3×0 mesmo.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
9 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Não ter um ÚNICO break-point a seu favor sendo o N 1 do Mundo numa Semi de SLAM dentro de casa não é vergonha???. Com certeza para o equilibradissimo LF 2 , Federer com aquela soberba atuação aos 38 anos é que fez a mesma… Rsrsrs, Abs!

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
8 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Não devia, mas vou tentar explicar:
Para quem se diz bem entendido do esporte, veja a primeira hipótese:
Um tenista, em um jogo, pode não ter NENHUM break-point a favor, ainda assim, pode ser o VENCEDOR (vide set 3 na Austrália).
Outro tenista, pode fazer = ou > 94 winners em um jogo, ainda assim, pode ser o PERDEDOR.
Percebeste a diferença dos dois ou necessitas de um desenho?

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
8 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Incrívelmente devido ao fanatismo , não sabes o que é uma atuação de primeiríssima linha. Quem és tu pra desenhar alguma coisa ? . Teus argumentos são de torcedor de futebol série b . Quem ganhou , quem perdeu, e para por aí. Como comentarista de Tênis és um péssimo desenhista. Rsrsrs, Abs!

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
8 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Fanatismo não, regras.
Fanatismo é, passados exatos 5 anos, ainda tentar se valer de um aspecto que não alterou a história do jogo.
Meu desenho foi mal feito para quem não quer sair da mesmice.

Paulo F.
Paulo F.
9 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Surra?
Kkkk
Nâo entenfes nada do espirte mesmo
Sei
A conferir
Rstsrz Ab!

Helena
Helena
8 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Nobre amigo,

Se você prefere acreditar nessa fantasia que criou, quem sou eu para tirar a sua diversão?

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
8 dias atrás
Responder para  Helena

Que fantasia ” nobre ” Helena ? . Um jogador aos 38 anos obriga o N 1 a salvar 2 Matchpoints , leva a partida aos 14 x 13 do Quinto Set , com direito a supera-lo em TODAS as estatísticas exceto os ENFs , e pra ti não fez uma brilhante partida ? . Não, isso é longe de fantasia . O próprio Sérvio reconheceu o altíssimo nível do oponente . Da Kombi não se espera muito mesmo . Fique fria rs. Abs!

Helena
Helena
8 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Nobre Sérgio,

Os membros da Kombi eu não sei, mas parece que você perdeu o rumo da conversa.

A “fantasia” que mencionei se referia ao seu comentário sobre o que escrevi, e não à sua interminável discussão com os outros rapazes sobre WB19.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
7 dias atrás
Responder para  Helena

Difícil ele se ater ao ponto Helena.

SANDRO
SANDRO
9 dias atrás

É uma enorme FALTA de respeito vaiar o DJOKOVIC só porque ele estava jogando TÊNIS-ARTE como um violino STRADIVARIUS…

Marcelo Reis
Marcelo Reis
9 dias atrás

(Parte 1)

Para os que estavam esperando um jogo disputado, como eu, vimos um jogo de um profissional contra um amador. Rune entrou com um mindset de derrotista, perdeu 12 pontos seguidos no começo do jogo e nada mais fez. Jogou péssimo!

Novak só precisou jogar redondo para ganhar facilmente, mesmo estando com movimentação à direita visivelmente limitada e encurtando os pontos, além de ter sentido algum desconforto passageiro no abdômen.

Vale ressaltar que o saque do sérvio, um golpe que há poucos anos era OK, subiu de nível consideravelmente após a temporada com o Goran. Como ele tem um jogo completo, este golpe acaba sendo subestimado/subvalorizado. Mas o fato é que vem tirando ele dos poucos buracos em que se meteu neste WB. Para levar o troféu, entretanto, terá que subir de nível.

Marcelo Reis
Marcelo Reis
9 dias atrás

(Parte 2)

Sobre o Rune, a declaração que deu sobre “veremos quem tem mais GSs em 15 anos” não caiu tão bem. O seu desejo é válido, assim como sua opinião, claro. Mas sou daqueles que prefere o trabalho discreto e sóbrio, como o Sinner, em oposição à falação.

Por fim, as declaração do Novak ao final do jogo foram, como ocorre com frequência, polarizadoras. Mas o que para uns pode soar como assertividade e franqueza, para outros soa como soberba/arrogância. É algo absolutamente subjetivo: uns gostam, outros não. Estou longe de ter o Novak como meu tenista favorito, inclusive desaprovo diversas atitudes dele fora das quadras, mas sempre achei isso de ficar vaiando uma demonstração de pequeneza de espírito. Eu sei, eu sei, estamos acostumados com certo nível de selvageria e xingamentos no futebol, mas os tenistas estão lá para entreter e merecem ser tratados com um mínimo de consideração, gostem deles ou não. O nome disso é civilidade.

Marcelo Reis
Marcelo Reis
9 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

(Parte 1 – Já é a 3º vez que posto e fica como pendente e não passa rsrs. Vou tentar de novo!)

Para os que estavam esperando um jogo disputado, como eu, vimos um jogo de um profissional contra um amador. Rune entrou com um mindset de derrotista, perdeu 12 pontos seguidos no começo do jogo e nada mais fez. Jogou péssimo!

Novak só precisou jogar redondo para ganhar facilmente, mesmo estando com movimentação à direita visivelmente limitada e encurtando os pontos, além de ter sentido algum desconforto passageiro no abdômen.

Vale ressaltar que o saque do sérvio, um golpe que há poucos anos era OK, subiu de nível consideravelmente após a temporada com o Goran. Como ele tem um jogo completo, este golpe acaba sendo subestimado/subvalorizado. Mas o fato é que vem tirando ele dos poucos buracos em que se meteu neste WB. Para levar o troféu, entretanto, terá que subir de nível.

Luiz Fernando
Luiz Fernando
9 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

Acho q em 15 anos se somarmos os GS do Rune e da eterna nextgen eles terão um a mais do que o… Bello…

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
9 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

Marcelo, o Rune falou outra coisa: em 15 anos, verificando-se a história, veremos que tem mais GS, daí, decide-se se há um novo Big” ou não. Ele não se classificou como quem será o maior daqui a 15 anos. Ele não seria tão infantil assim.
Isso é porque a imprensa insiste em já produzir um novo Big3.

Marcelo Reis
Marcelo Reis
9 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Entendo seu ponto!

Ele disse “hopefully they’ll be calling us the next Big Three”.

“Espero que sejamos chamados do próximo BIG3”.

“Rune: ‘Alcaraz is the one leading with the Grand Slam, but let’s see in 15 years who is leading.”

“Alcaraz lidera os GSs, mas vamos ver quem será o líder em 15 anos”.

Eu vi a entrevista e senti que ele deixou implícito que ele é um sério candidato a ser o líder e candidato do BIG3. Posso ter me equivocado. E, ainda assim, não há problemas nisso. São ambições e metas dele.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
9 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

Sim claro.
Ele, diverge em dois pontos: primeiro que não há motivo para já se ter um New Big3 e segundo, que acha que no final de suas carreiras, estará à frente dos outros dois.

Marcelo Reis
Marcelo Reis
9 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

(Parte 1)

Para os que estavam esperando um jogo disputado, como eu, vimos um jogo de um profissional contra um amador. Rune entrou com um mindset de derrotista, perdeu 12 pontos seguidos no começo do jogo e nada mais fez. Jogou péssimo!

Novak só precisou jogar redondo para ganhar facilmente, mesmo estando com movimentação à direita visivelmente limitada e encurtando os pontos, além de ter sentido algum desconforto passageiro no abdômen.

Vale ressaltar que o saque do sérvio, um golpe que há poucos anos era OK, subiu de nível consideravelmente após a temporada com o Goran. Como ele tem um jogo completo, este golpe acaba sendo subestimado/subvalorizado. Mas o fato é que vem tirando ele dos poucos buracos em que se meteu neste WB. Para levar o troféu, entretanto, terá que subir de nível

Marcelo Reis
Marcelo Reis
9 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

Dalcim, estou tentando postar a parte 1 da minha postagem e não tá passando. Já tentei umas 4 vezes. Não tem nada de “falta de bom senso” nela, tá dando bug aí? A parte 2 foi aceita e a 1 não entra de jeito nenhum. Vou postar abaixo de novo para ver se entra.

Marcelo Reis
Marcelo Reis
8 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Obrigado, mandei agora. O título do e-mail é “Postagem – Marcelo Reis – Blog do Dalcim – Parte 1.”.

Marcelo Reis
Marcelo Reis
8 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Rapaz, agora apareceu até duplicada!!!! É como se a plataforma tivesse retido a postagem e liberado só agora. Coisas da net! Obrigado!

Marcelo Reis
Marcelo Reis
9 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

(Parte 1)

Para os que estavam esperando um jogo disputado, como eu, vimos um jogo de um profissional contra um amador. Rune entrou com um mindset de derrotista, perdeu 12 pontos seguidos no começo do jogo e nada mais fez. Jogou péssimo!

Novak só precisou jogar redondo para ganhar facilmente, mesmo estando com movimentação à direita visivelmente limitada e encurtando os pontos, além de ter sentido algum desconforto passageiro no abdômen.

Vale ressaltar que o saque do sérvio, um golpe que há poucos anos era OK, subiu de nível consideravelmente após a temporada com o Goran. Como ele tem um jogo completo, este golpe acaba sendo subestimado/subvalorizado. Mas o fato é que vem tirando ele dos poucos buracos em que se meteu neste WB. Para levar o troféu, entretanto, terá que subir de nível.

Paulo Almeida
Paulo Almeida
8 dias atrás
Responder para  Marcelo Reis

Marcelo, você está equivocado.

O saque do sérvio começou a evoluir ali no final de 2012/início de 2013 e ficou ótimo ainda com o Becker em 2014.

Ele fez muitos aces ou grandes saques contra o Federer em Wimbledon 2014/2015, fechou o AO 2016 com ace e fez vários contra o Nadal em Wimbledon 2018, além de ter fechado o segundo set da final do AO 2019 com 3 seguidos. Sao só alguns exemplos que lembrei de cabeça e tudo isso sem Goran.

Abs.

Maurício Luís *
Maurício Luís *
9 dias atrás

Bom… não mudarei o que escrevi antes. O senhor Nole está ganhando, tudo está dando certo, mas está se arriscando.
Pra que, não sei. Já é recordista de Slams; recordista de semanas no topo; já é multimilionário. Não entendo.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
9 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Se arriscando onde? Em que?

Refaelov
Refaelov
9 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Né? Galera sem qlqr conhecimento técnico da área ou com as informações exatas do caso do Sérvio afirmando isso.. muito descabido..

Maurício Luís *
Maurício Luís *
9 dias atrás
Responder para  Refaelov

Não é preciso conhecimento técnico pra enxergar o óbvio: a grama é um piso traiçoeiro. Nem que ele não tivesse feito a artroscopia, estivesse 100%, estaria sujeito a escorregões assim como todos os outros. Então, não vejo nada de descabido no que escrevi.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
8 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Descabido não, mas ele está fazendo o que fez a vida toda uai.
Tanto não vejo nenhum risco que deu o show que deu ontem.
Por mais que ele sonhe em colocar uma medalha de ouro no peito daqui um mês, colocar mais um troféu de Wimbledon em sua coleção deve ser muito mais valioso.

Maurício Luís *
Maurício Luís *
9 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

A grama é traiçoeira. Zverev que o diga. Não sou ninguém, mas qualquer leigo vê que ficar correndo pra lá e pra cá num piso desses é arriscado.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
8 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Mas o caso do Zverev é diferente. Ele estava normal e teve um acidente.
Sendo assim, qual o tenista deveria jogar lá?

Maurício Luís *
Maurício Luís *
8 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Qual tenista? Um que não tenha feito artroscopia recentemente. Porque se cair, pelo menos não vai agravar. Mas não se preocupe, que eu não apito nada. Quem decide é o senhor Novak e seu ‘staff’.

Marcelo Costa
Marcelo Costa
9 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Amor ao esporte, qdo você envelhecer e seu corpo ir contra você, e a única opção será tomar remédio pra dor, entenderá essa escolha.
PS hoje está 13 graus, no frio meus joelhos doem muito mais, senão estivesse chovendo iria jogar, amanhã cheio de dor tomaria um analgésico, e em comum com o sérvio, só tenho Amor pelo tênis

Luiz Fernando
Luiz Fernando
9 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

De fato está se arriscando… a vencer mais um GS…

Maurício Luís *
Maurício Luís *
9 dias atrás
Responder para  Luiz Fernando

Depois de vencer o Rune, ele pode levantar a taça, sim. Mas se arriscando o tempo todo. Nisso mantenho o que escrevi.

Ronildo
Ronildo
9 dias atrás

E o caminho vai se abrindo para Djokovic: semifinal fratricida entre os principais favoritos, tombo no gramado que limita Zverev, chance de semifinal contra De Minaur e quem sabe um finalista lesionado.

Carlos Alberto Ribeiro da Silv
Carlos Alberto Ribeiro da Silv
9 dias atrás

O fato da torcida pagar caro no ingresso não dá direito de fazer o que quer. Existem regras para serem cumpridas visando o bem da coletividade. Outro ponto é que, não é porque uma pessoa é pública que tem que aceitar tudo que vem dos fãs e platéia que está presenciando a sua apresentação. Cada um tem um jeito de ser e nem todo mundo aceita alguns tipos de atitudes. Apenas como exemplo, com base nas informações da Wikipédia, o grande tenista Rod Laver jogou tênis profissional no período entre 1962 e 1979. Portanto, ele se aposentou faz 45 anos. Nunca vi ou ouvi nenhuma matéria tratando sobre o tipo de personalidade que tinha o Rod Laver quando jogava. Se ele era calmo, nervoso, simpático, falante, tímido, carismático, gentil,………. O que ouvi falar sobre o Rod Laver é que ele disputou 17 finais de grand slam e ganhou 11 títulos e por duas vezes, em 1962 e 1969, ganhou os quatro grand slams na mesma temporada. Ou seja, o que interessa para o público e o que fica para a história são os resultados. Falando por mim, não me importa nenhum pouco se o Rod Laver era simpático ou temperamental ou qual era a sua personalidade, o que admiro no australiano são as suas conquistas, especialmente os quatro grand slams conquistados em 1969 quando já estava na era profissional do tênis. E é isso que vai acontecer com o Djokovic e todos os demais tenistas. Daqui um tempo, ninguém vai se importar com a personalidade do ex-jogador quando ele estava na ativa. O que vai contar são as conquistas obtidas.

Marcelo Costa
Marcelo Costa
9 dias atrás

Perfeito, ninguém sabe se Roy Emerson era temperamental, maravilhoso seu comentário

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
9 dias atrás

De minha parte, a única coisa que sei dele, é que ganhou duas vezes o GS e é uma informação que encontrei por acaso.
No mais, não me interesso por outros pontos de sua carreira. O tênis era um esporte completamente diferente do de hoje.

José Yoh
José Yoh
9 dias atrás

Personalidade é uma coisa. Atitude é outra.

Novak ser temperamental não tem problema, embora atrapalhe – frequentemente – o jogo dos adversários com seus pitis e mude o andar do jogo. O caso de ontem entra nesse naipe.

Agora outra coisa é ele promover torneios no meio da pandemia ou aquele fiasco da tentativa de entrar na Austrália, coisa que fez vários nolistas abandonarem a kombi na época.

Acho que não se pode deixar a nossa torcida ser cega. Seus erros devem ser escritos na história sim, para que não se repitam com outros atletas.

Abs

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
9 dias atrás
Responder para  José Yoh

Quando o Presidente Sérvio se livrou do Napoleão, comprou tanta vacina que mandou ver nos Países vizinhos , e nos Turistas . Pagou 30 dólares pra quem se vacinasse. Recuperou rapidamente o Turismo local , se desligando totalmente das teorias absurdas de Novak Djokovic. Abs!

Luis Ricardo
Luis Ricardo
8 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

aquele torneio foi aprovado e autorizado pelas mais altas autoridades politicas da Servia amigo …….Nole é grande e um idolo nacional , MAS…..não é autoridade do país , se eles não aprovassem não teria havido torneio….Simples assim…

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
8 dias atrás
Responder para  Luis Ricardo

Finalmente outro alguém trouxe essa verdade sobre esse assunto. Parabéns.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
8 dias atrás
Responder para  Luis Ricardo

Aprovaram e se arrependeram profundamente. O único País do Mundo a pagar pra população se vacinar . Djokovic já estava longe de volta a Mônaco. O guerreiro aos 14 foi treinar na Alemanha. Aos 19 já morava no Principado. Abs !

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
8 dias atrás
Responder para  José Yoh

Promover TORNEIOS, no plural, aí não né?
A tentativa australiana foi um fiasco por acreditar que o convite feito pelo diretor do torneio lhe daria imunidade para joga-lo. Ou aquele juiz que lhe concedeu o direito de treinar na quadra também era um fantoche?
Qual foi o piti de ontem que promoveu mudança no jogo?

José Yoh
José Yoh
8 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Fabriciano, errei no plural, mas não ataque o detalhe para esquecer o principal. Ele errou promovendo um torneio no meio da pandemia. E falsificou um documento para entrar na Austrália. E estava com covid e encontrou crianças e outras pessoas logo em seguida.

Mas nada disso importa se está certo ou errado. Queria apenas dizer que não se pode apagar os erros de um atleta apenas porque ele tem “personalidade forte” ou todos os recordes. Ninguém esquece que McEnroe era um catimbeiro profissional.

Faz parte da grandeza de um atleta a sua história fora do esporte também.
Abs

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
7 dias atrás
Responder para  José Yoh

Não se apaga erros, mas são tantas superações e as lembranças dos erros insistem em prevalecer.
O torneio foi autorizado por quem tinha autoridade. Beleza!
Se perguntarmos a ele, não faria de novo.

Carlos Alberto Ribeiro da Silv
Carlos Alberto Ribeiro da Silv
8 dias atrás
Responder para  José Yoh

Com relação aos torneios promovidos durante a pandemia, acho que o Djoko errou, não deveria ter feito. Quanto à viagem para a Austrália em 2022 para disputar o AO, ele confiou na garantia dada pelo diretor do AO de que poderia disputar o torneio e no final este diretor não conseguiu sustentar o que havia prometido ao Djokovic e ele acabou sendo deportado da Austrália. E isso fez parte da fidelidade do Djokovic aos seus princípios porque, mesmo perdendo alguns torneios em que ele tinha boas chances de ganhar, ele preferiu ser fiel aos seus princípios e assumiu as consequências por isso. Apesar de todos esses episódios durante a pandemia, o Nole conseguiu bater os dois recordes mais importantes do tênis que são a quantidade de grand slams e o nº de semanas na liderança do ranking. Quanto aos pitis e catimbas mencionados, eu nunca vi um competidor em qualquer esporte que seja conseguir ser campeão apenas se utilizando desses recursos de provocação e retardamento do jogo. Se um jogador não tiver um mínimo de recursos técnicos e força mental não consegue ser campeão em nenhum esporte. Portanto, isso pra mim é picuinha, detalhe sem importância que não incomoda aquele jogador que está focado e determinado a ganhar o jogo.

Sergio
Sergio
4 dias atrás
Responder para  José Yoh

Corretissima a sua análise. Concordo plenamente.
Assino em baixo.

Gustavo
Gustavo
8 dias atrás

Concordo

WINNER
WINNER
9 dias atrás

Essa entrevista do NJ pós partida me deixou um pouco perplexo. Com ou sem razão, (no episódio ruuuuuuuune) foi um desabafo, houve um contraponto pelo entrevistador, uma réplica por ele, foi um climão, sem dúvidas!

Em um podcast aqui neste site, ouvi o Dácio Campos falar da infância do NJ das imagens que ele tinha da guerra e que isso o “moldou”, que ele carregava muita “raiva” de tempos antigos. Não sei dizer ao certo se esse “ressentimento”, por assim dizer, vem das memórias de infância ou como ele mesmo falou ontem, que conhece as manhas, em outras palavras sabe quando estão lhe ofendendo – esse foi o termo que ele usou. O que eu quero dizer é que é bem latente que esses sentimentos lhe afetam bastante, mesmo que ele tente incorporar um violinista ou imitar um maestro como o fez em Roland Garros, ainda que tente procurar um escape nesses “personagens” me parece que realmente esse preterimento por boa parte do público lhe faça muito mal, isso ficou evidente, porque ele perdeu a compostura em muitas oportunidades e hj um pouco mais acima da média. Em tempo, antes que venham aqui me ofender gratuitamente, não sou hater do sérvio, não quero aqui “criar” uma polêmica em cima do óbvio, mas apenas provocar a seguinte reflexão: o quanto realmente vale a pena continuar em um ambiente assim e sentir sempre ofendido? O que motiva o maior campeão desse esporte sendo um multi milionário e tendo a possibilidade de ficar em casa vendo os filhos crescerem e recebendo o carinho da família e dos amigos? Seriam mais recordes, ou assegurar os números que já possui? Aumentar o patrimônio? O que motiva o sérvio a continuar jogando e se deparar com episódios como os de hj? Somente o amor ao esporte?
Um grande abraço a todos!
WINNER

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
9 dias atrás
Responder para  WINNER

Winner, na minha opinião, o que o motiva é simplesmente o fato de a cada entrada em quadra, é um novo record escrito. Se o resultado for uma vitória, como ontem, esse novo record dobra, pois está numa fase da carreira onde tudo é grandioso.
Nesses últimos anos, pelo que vemos, acompanha de perto o crescimento dos filhos, recebe o carinho da família e dos amigos, faz seu dinheiro render, mesmo sem fazer nada, então, nas horas de folga, se inscreve em um GS e vai com a fome de sempre, para tentar levantar mais um troféu. Hoje, não há nada, em minha opinião, que justifique uma retirada.

Maurício Luís *
Maurício Luís *
9 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Na hora que ele atingir a meta, ele dobra a meta… como diria a Dilma.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
8 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

Bem diferente meu caro, bem diferente…

Luis Ricardo
Luis Ricardo
8 dias atrás
Responder para  Maurício Luís *

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk gostei dessa , admiravel..

Joselito
Joselito
9 dias atrás
Responder para  WINNER

A resposta para suas perguntas já foram ditas por ele mesmo. Ele disse que enquanto estiver em condições de jogar bem e de brigar de igual para igual com os melhores, continuará. Em relação à família já disse que gostaria de acompanhá-los e estar por perto sempre. Por isso vejo que está se dedicando menos aos torneios menos importantes.

Minha opinião é que se tiver condições de ganhar o máximo possível, vai procurar fazer. Imagina o legado se daqui a 500 anos ninguém o superar em termos de quantidade de GS.
24 GS, eu acho pouco provável de não o alcançarem. Mas 30 acho que colocaria em uma posição muito boa.

Átila
Átila
9 dias atrás
Responder para  WINNER

sangue nos olhos, meu amigo, fome de vencer, de superar, de liquidar, de dominar, de submeter, de jantar com farofa a seco qualquer um que se interponha em seu caminho. djoko é um conquistador, o Napoleão do tênis, o huno selvagem das raquetes. os de essência pacífica jamais entenderão, os de personalidade revolta se indentificarão. a humanidade também é composta por loucos obstinados e esses, mesmo que desagradam a maioria, sempre serão lembrados.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
9 dias atrás
Responder para  Átila

Uau! Isso aí.

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
9 dias atrás
Responder para  Luiz Fabriciano

Vimos isso posto em prática no AOPEN 2024 contra SINNER ( tentava o SLAM 25 ), e em WIMBLEDOM 2023 contra Alcaraz ( tentava o OCTA) . Agora veremos qual versão do Napoleão, digo , guerreiro de Mônaco ( mora desde os 19 ) , aparecerá na FINAL de WIMBLEDON 2024 e na luta pelo OURO OLÍMPICO…rs. Abs !

Joselito
Joselito
9 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Luta não faltará, pode ter certeza.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
8 dias atrás
Responder para  Joselito

Com certeza!

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
8 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Se fôssemos falar de tenistas que estavam tentando o bi, o tri, o tetra etc, o blog do Dalcim teria sérios problemas de espaço.
Para você, somente Djokovic, que tentou e perdeu, o torna um ser à esquerda.
Leia de novo o que você mesmo escreveu: tentava o SLAM 25.
Qual outro ser desse planeta já tentou isso?

Carlos Alberto Ribeiro da Silv
Carlos Alberto Ribeiro da Silv
8 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Talvez esse seja o grande mérito do Djokovic, ir se ajustando às necessidades, se amoldando ao que precisa ser feito para conseguir os seus objetivos. Se ele vai conseguir alcançar mais algum grande feito no tênis não se sabe, mas pelo menos ele busca encontrar soluções.

Jonas
Jonas
9 dias atrás
Responder para  WINNER

É simples, Djokovic quer título grande: Grand Slam, Olimpíada ou Finals. Os torneios menores ele vai pular ou veremos ele jogando mal.

Está em um estágio da carreira, 37 anos, em que pode se dar a esse luxo. Vejo que ele leva muito a sério os Slams e se ainda tem condições de brigar, tá certo ele.

Se o sérvio vence mais uns 2 Slams fica muito mais complicado alguém chegar perto dele, então acho que ele pensa nisso, deixar um legado de conquistas e marcas quase imbatíveis.

Luis Ricardo
Luis Ricardo
8 dias atrás
Responder para  WINNER

o que motiva ele , é assunto de foro intimo dele , não cabe a vc , a mim ou a ninguem sequer questionar isso , O que motiva o Vawrinka a continuar , mesmo sendo derrotado logo de inicio nos torneios , o que motiva Nadal a continuar sem precisar e sem ter nada a ganhar , o que motivou o Murray a continuar até não ter mais condições fisicas e muito outros , talvez seja o “amor” ao que fazem ,,,, já pensou nisso ?
quanto a os estalos dele ,primeiramente não é o único , alias são muitos jogadores que tem chiliques ,ele é apenas mais um , e quanto ao “voilinista” era apenas um homenagem a sua filinha Tara ( que gracinha) que esta aprendendo violino a 2 meses…….informe-se e não deturpe as coisas.

WINNER
WINNER
8 dias atrás
Responder para  Luis Ricardo

Luiz Ricardo,

Achei que começaste até bem a argumentação quando sugere que não deveria questionar, muito embora Djokovic seja uma figura pública, logo ele ao contrário do que me sugeriu sempre recebe questionamentos, seja nas entrevistas ali em quadra, ou mesmo em um compromisso agendado. Figuras públicas assim sempre são objetos de questionamento. Quando perguntaram ao Michael Schumacher qual era a sua motivação, depois de atingir o recorde, o ápice em sua carreira ele não agiu dessa maneira como um bobo aficionado tal como tu o fizestes, não respondeu uma balela sem fundamento argumentando que sua motivação era de foro íntimo e que sequer deveria ser questionado. Isso é a mais oura arrogância vindo de um “torcedor”, registre-se. Michael apenas disse que “era a próxima corrida”.
Dessa forma, o “questionar” faz parte principalmente a essas pessoas públicas não sei se sua inteligência consegue compreender, ainda que tenha deixado claro em meu singelo texto que não sou um haver, igual a ti, e tenha registrado um caloroso abraço a todos!
Quando ao polêmico violino, tenho absolutamente certeza de que não tenha deturpado absolutamente nada, porque na verdade Djokovic quando vaiado sempre procura esses escapes, tal qual foi em Roland Garros, ou vai me dizer que o filho também tem a intenção de se tornar o regente do Coral Supremo da Sérvia?
Por fim, exceto esse aficionado que lamentavelmente tenho o desprezar de responder, todos entenderam perfeitamente a mensagem que postei e exceto a ti, todos educadamente comentaram o que pensam sem precisar apelar para a violência moral!

Carlos Alberto Ribeiro da Silv
Carlos Alberto Ribeiro da Silv
8 dias atrás
Responder para  WINNER

Eu acho que o ambiente do jogo de ontem não é uma regra e sim uma exceção. Na maioria dos lugares não vai acontecer. Em Londres existem muitos fãs do Roger Federer devido à grande história construída pelo suíço naquele lugar. E, geralmente, a maioria dos fãs do Federer têm antipatia pelo Djokovic, daí pra encontrar uma oportunidade de vaiá-lo não precisa muito.

WINNER
WINNER
8 dias atrás

Agradeço por ter se manifestado com cordialidade. Eu concordo que o ambiente específico da partida que estamos aqui comentando é uma exceção, ponto pacífico. E sim, acredito que em Wimbledon existam muitos fãs do RF que tenham desprezo à figura do sérvio, pelas derrotas impostas ao suíço. Eu apenas entendo que a entrevista pós jogo fugiu do que considero “normal”, essa é minha opinião definitiva, muito embora o que eu percebo quase unanimemente é que o fãs do sérvio gostam desse excesso de sinceridade e a maioria entendeu como mais um episódio normal de costume. Eu te digo com toda a sinceridade do mundo, não continuaria no circuito nessas condições, mesmo que fossem casos esporádicos uma vez que possuísse as devidas condições financeiras como é o caso do sérvio. Mas não o julgo por isso, talvez tenham me entendido mal, muito embora tenha procurado redigir uma mensagem no mínimo amistosa.
Saudações!

DANILO AFONSO
DANILO AFONSO
9 dias atrás

Dalcim, assisti a reprise do jogo após tal polêmica. Afirmo sem dúvida que as vaias “Ruuuuune” também ocorreram quando o sérvio errava, a exemplo do ponto que resultou 15/30 quando o jogo estava 2×1 para o Rune no 2° set (mandou na rede) e principalmente quando Djokovic desperdiçou o 1° break point para fechar o 2° set (30/40 no 5-4), após uma deixadinha mal executada na paralela. Neste ponto o sérvio olhou para o árbitro e abriu os braços questionando o porquê das “vaias”.
Porém, entendo que o Djokovic foi muito infeliz em manifestar insatisfação com o parte do público, e olha que talvez as supostas vaias não ocorreram de fato. Era para ter focado o discurso apenas na bela atuação. Agora é capaz do público no próximo jogo atormentá-lo ainda mais.

DANILO AFONSO
DANILO AFONSO
9 dias atrás

Dalcim, assisti a reprise do jogo após tal polêmica. Afirmo sem dúvida que as vaias “Ruuuuune” também ocorreram quando o sérvio errava, a exemplo do ponto que resultou 15/30 quando o jogo estava 2×1 para o Rune no 2° set (mandou na rede) e principalmente quando Djokovic desperdiçou o 1° break point (set point) para fechar o 2° set (30/40 no 5-3), após uma deixadinha mal executada na paralela. Neste ponto o sérvio olhou para o árbitro e abriu os braços questionando o porquê das “vaias”.
Porém, entendo que o Djokovic foi muito infeliz em manifestar insatisfação com o parte do público, e olha que talvez as supostas vaias não ocorreram de fato. Era para ter focado o discurso apenas na bela atuação. Agora é capaz do público no próximo jogo atormentá-lo ainda mais.

Joselito
Joselito
9 dias atrás
Responder para  DANILO AFONSO

Talvez ele queira isso mesmo. Joga melhor quando isso acontece.

Luiz Fernando
Luiz Fernando
9 dias atrás

Incrível o q o Djoko vem fazendo nesse torneio, pouquíssimo tempo após uma intervenção no joelho. Me assombra em especial sua recuperação física, pois qualidade ele sempre teve de sobra. Pra vence-lo aqui só um Alcaraz ou um Sinner jogando em nível semelhante, esses outros não tem chance, ou para agradar os politicamente corretos, tem chances parcas.
Rune é um fanfarrão, entrou na quadra como se estivesse num treino, perdendo 12 pontos seguidos. Depois disso, era óbvio que sua chance na partida era praticamente inexistente, contra uma lenda viva do esporte completamente focada em vencer, ou melhor, contra um passador de bolas como dizem alguns experts do blog…

Valdir
Valdir
9 dias atrás

Rune começou a carreira tendo 7v1d contra top10(maio/2023), hoje está em 7v11d.
Derrocada impressionante.

Luis
Luis
9 dias atrás

Eu gostei da atitude do Djoko, acho que finalmente ele está falando da mesma maneira que se comporta em quadra. Parou de fingir que quer agradar e está coerente. Bom para ele se mais honesto, acho que não vai ter menos fans por causa disso. Quem torce por ele parece não se importar com isso.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
9 dias atrás

Caro Dalcim, para deleite do SR, vou emoldurar seu primeiro parágrafo e colocar na parede do meu quarto.
Como é bom ler isso de um especialista, falando de seu tenista favorito!

E sobre o encenação do violinista, com seu Stradivarius , lembra-se quando isso começou?
Se não, vou lhe refrescar a memória: teve um M1000 no Canadá, não sei exatamente o ano, ele jogou contra o tcheco Radek Stepanek e esse ao fazer um belo ponto, fez exatamente essa encenação. Passado algum tempo, Djokovic fez outro pontaço e repetiu o mesmo gesto.
Ao final do jogo, como sempre, se abraçaram junto a rede, com mais uma vitória do maestro de ontem.
Grande abraço.

André Aguiar
André Aguiar
9 dias atrás

Rune contra top 5 (v-d):
até maio de 2023: 7-1
após maio de 2023: 0-10

Luiz Fernando
Luiz Fernando
9 dias atrás

Pra quem esperava um Sinner dominante e se impondo, como eu, a partida está bem diferente. O russo vai levando clara vantagem nas trocas mais longas, em especial com o BH. Partida indefinida, totalmente…

Sandra
Sandra
9 dias atrás

Dalcim , vc não acha que o físico do Sinner deixa muito a desejar comparado com o Alcaraz e mesmo o Medevedev,? Aliás eu acho ele muito emocional apesar de não transparecer .

Sérgio Ribeiro
Sérgio Ribeiro
9 dias atrás

E SINNER conseguiu ” superar” Federer. Mais WINNERS, mais pontos, menos ENFs , e conseguiu perder a partida de 4 horas. Como diria Sílvio Luiz: ” O que eu vou dizer lá em casa ” . Cai meu favorito para o Título e tudo parece conspirar a favor de Novak Djokovic. Vida que segue…rs. Abs!

Jonas
Jonas
8 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

SINNER vencedor moral, kkkkkkkkkk

Gustavo
Gustavo
8 dias atrás
Responder para  Jonas

Kkkkkk

Moncho Sabella
Moncho Sabella
8 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

A favor de Djokovic? Não se se tu sabe, mas Alcaraz provavelmente vai chegar na final kkkkk O cara que ganhou do sérvio na final do ano passado.

Ronildo
Ronildo
8 dias atrás
Responder para  Sérgio Ribeiro

Alcaraz ainda está no páreo, apesar de Djokovic só ter pego adversário fácil até agora.

Joselito
Joselito
9 dias atrás

Medvedev está tendo aulas de violino com o GOAT. Até colocou em prática durante a partida.
Ele é uma piada.

Moncho Sabella
Moncho Sabella
8 dias atrás

Dalcim, o que tem a dizer sobre o Disney+/Star+ nesse Wimbledon?

Gustavo
Gustavo
8 dias atrás

Medvedev, Parabéns: você derrotou o número 1 do mundo

Agora você enfrentará o mais recente campeão do Grand Slam para garantir uma vaga na final.

Ah, e se você vencê-lo, precisará vencer o maior jogador de todos os tempos para ganhar o título

Parrudo e hehehe

Evaldo Moreira
Evaldo Moreira
8 dias atrás

Esse alcaraz é brutussssss, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, como joga esse moleque, movimentação impar na grama, além dele, temos outros também, poucos mas tem, e essa semi com contra o Urso vai ser top.

Falando nele, parecia que estava com sangue nos olhos, a impressão é: hoje não sinner, hoje será eu, kkkkkkkkkkkkkkkkk

Guilherme
Guilherme
8 dias atrás

O esportista de alta performance que não estiver preparado para uma disputa em um ambiente hostil, nem saia de casa. Aula magna do Djokovic

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
8 dias atrás

Boss, coloquei um comentário aqui, que julgo interessante, ainda na parte da manhã, mas até agora, nada dele.
Será que expirou?
Rsss

Felipe
Felipe
8 dias atrás

To adorando o Kyrgios como comentarista. Bem informado, análises interessantes, elogiando ambos os jogadores igualmente, voz suave, tão diferente.

Luis
Luis
8 dias atrás

Oi Dalcim, tudo bem? Esse negócio de ficar fazendo um violino no final da partida não é meio desrespeitoso para o adversário? Fiquei na duvida se estava fazendo para o publico que vaiou ele, mas acahei meio chato para o Rune e equipe.

Neri Malheiros
Neri Malheiros
8 dias atrás
Responder para  José Nilton Dalcim

Dalcim, segundo li, o próprio Djokovic explicou o gesto como uma homenagem à filha Tara, que começou o aprendizado de violino há cerca de seis meses. Ele teria combinado com ela a imitação caso vencesse a partida anterior e pelo jeito resolveu dar continuidade à brincadeira. Após a simulação no final do jogo contra Rune, imediatamente a imagem fecha no sorriso de Tara e isso me fez concluir que só podia ser isso antes mesmo de ler sobre a explicação dada por ele.

Luiz Fabriciano
Luiz Fabriciano
8 dias atrás
Responder para  Neri Malheiros

Tem um vídeo no Youtube que mostra claramente que o gesto é para sua filha, sem nenhuma pretensão de zoar ninguém.
Inclusive, o título do vídeo é de Djokovic para filha.

Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br
Paulista de 63 anos, é jornalista especializado em esporte há mais de 45 anos, com coberturas em Jogos Olímpicos e Copa do Mundo. Acompanha o circuito do tênis desde 1980, tendo editado a revista Tênis News. É o criador, proprietário e diretor editorial de TenisBrasil. Contato: joni@tenisbrasil.com.br

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Wimbledon seleciona os melhores backhands de 1 mão

Os históricos duelos entre Serena e Venus em Wimbledon