PLACAR

“Sinto que ainda tenho coisas a fazer”, afirma Venus

Venus Williams
Foto: Sarah-Jade Champagne/Tennis Canada

Montréal (Canadá) – Apesar dos 43 anos completados em junho passado e de uma carreira das mais vitoriosas, a norte-americana Venus Williams segue firme no circuito e garante que ainda tem pendências. Às vésperas de sua estreia no WTA 1000 de Montréal, ela garante estar motivada para buscar novas conquistas.

“Estou no circuito há tanto tempo , mas sinto que ainda tenho coisas a fazer. Por exemplo, raramente pude competir em minha melhor forma aqui no Canadá e realmente quero dar o meu melhor nesta edição”, afirmou Venus, que terá uma estreia complicadíssima pela frente em Montréal contra a compatriota Madison Keys.

A veterana acredita que para recuperar o bom tênis só precise acumular horas em quadra. “Tanto em treino como em competição, sem me lesionar. Se conseguir isso, sinto que ainda tenho coisas interessantes a alcançar, desafios que me podem deixar muito entusiasmada”, observou a ex-número 1 do mundo e atual 524ª colocada no ranking.

“Poderia estar me dedicando a qualquer outra coisa que não envolvesse tanto esforço diário quanto o tênis. Sinceramente, acho difícil alguém trabalhar tanto quanto eu no momento. Estou me esforçando ao máximo todos os dias porque ainda quero alcançar o sucesso”, acrescentou a mais velha das irmãs Williams.

Para a norte-americana, a vitória é apenas o ponto alto de um longo trabalho que começou muito antes. “Ainda estou entusiasmada por fazer parte do tênis profissional e entendo o esporte cada vez melhor. Não levo o que acontece na quadra para o lado pessoal. Eu o vejo como um trabalho no qual devo dar o meu melhor, mas sem perder minha estabilidade emocional”, pontuou Venus.

“Quando as pessoas não fazem algo bem no trabalho, elas não ficam felizes, mas não perdem a vida por causa disso, elas se levantam e seguem em frente. Devemos supor que os tenistas profissionais têm que fazer o mesmo”, finalizou a experiente norte-americana.

PUBLICIDADE

VÍDEOS

Bopanna entra para a história do tênis aos 43 anos

A emoção de Hsieh e Mertens com o novo título de Slam

PUBLICIDADE